Posição da AME-Brasil sobre o zika vírus e o aborto

Os que defendem a legalização do aborto encontraram na associação do aumento da microcefalia com o surto de zika vírus uma oportunidade para retomar a discussão da liberação do aborto no Brasil.
Recentemente foi noticiado que grupo liderado pela Débora Diniz, do instituto de bioética Anis, prepara uma ação no STF para a liberação do aborto em casos de microcefalia. É o mesmo grupo que propôs a ação para interrupção da gravidez de anencéfalos, acatada pelo STF em 2012.
A bióloga e feminista Ilana Löwy, numa entrevista para a Revista ÉPOCA, vê no surto de zika vírus uma oportunidade para se debater o direito de decisão da mulher de ter ou não o bebê, como aconteceu com a epidemia de rubéola no Reino Unido. Interessante é que a Rubéola hoje em dia é uma doença totalmente controlável e passível de prevenção através da vacinação, deixando de ser um risco epidêmico, usado como justificativa para a liberação do aborto na Europa.
Os argumentos utilizados se baseiam na liberdade da mulher poder escolher o que é melhor para si, esquecendo que existe uma vida a qual se está negando o primeiro e mais fundamental dos direitos humanos, o direito à vida.
Cabe ressaltar que os fundamentos utilizados para liberar o aborto dos fetos anencéfalos não se aplicam nesses casos.
O diagnóstico da microcefalia é tardio, em torno da 28ª semana, diferentemente da anencefalia, que é feito a partir da 12ª semana de gestação.
As lesões da microcefalia geralmente aparecem na ultrassonografia depois da 24ª e não são incompatíveis com vida, como nos casos de anencefalia.
Além disso, o diagnóstico ecográfico de lesão neurológica não é 100% seguro, já que depende da análise de um profissional passível de equívocos. Existem inúmeros relatos de erros em fetos com diagnóstico de mal-formações neurológicas e que nasceram perfeitamente normais.
No entanto, os que argumentam em favor do aborto querem transformar o diagnóstico de microcefalia em atestado de morte para todas as crianças das mães que contraíram o zika vírus e que optarem pela interrupção da gravidez, mesmo com possibilidades de nascerem normais ou com poucas sequelas neurológicas.
Com o avanço da medicina fetal e da genética médica, hoje é possível a detecção, ainda no útero, de várias anomalias fetais. Diversas técnicas como ultrassom morfológico, ultrassom de terceira dimensão, a biópsia de vilos coriais, a amniocentese, a cordocentese, o desenvolvimento da técnica citogenética molecular permitem o diagnóstico intrauterino de várias doenças. O diagnóstico permite iniciar o tratamento antes do nascimento, como cirurgias intrauterinas para correções de más-formações, assim como a preparação psicológica dos pais para o enfrentamento das graves anomalias.
Querer selecionar apenas as crianças saudáveis com direito à vida é retomar a prática da eugenia feita na Grécia antiga e pelo nazismo, abrindo um precedente para a liberação do aborto em outros casos de microcefalia como as causadas por hipóxia neonatal, desnutrição grave na gestação, fenilcetonúria materna, rubéola congênita na gravidez, toxoplasmose congênita na gravidez, infecção congênita por citomegalovírus ou em doenças genéticas como Síndrome de Down, Síndrome de Cornelia de Lange, Síndrome Cri du Chat, Síndrome de Rubinstein – Taybi, Síndrome de Seckel, Síndrome de Smith-Lemli–Opitz e Síndrome de Edwards.
Nesses casos pessoas como Ana Carolina Dias Cáceres, moradora de Campo Grande (MS), hoje com 24 anos e formada em jornalismo, e tantas outras crianças em situações parecidas, não teriam direito à vida.
Ao saber da iniciativa de alguns em defender o aborto de fetos com microcefalia, Ana Cáceres veio a público dar seu depoimento a BBC do Brasil em defesa dos portadores de microcefalia.
Nos casos microcefalia não se pode falar na opção de abortamento, pois não se trata de patologia letal que inviabilize a vida extrauterina. Embora as limitações que possam surgir, a expectativa de vida das crianças com microcefalia não são diferentes das outras crianças, exigindo, no entanto, estimulação e cuidados especiais para melhorar a sua qualidade de vida.
A discussão do aborto em casos de microcefalia retrata bem o momento pós-moderno em que vivemos, o que Bauman, um dos maiores pensadores da atualidade, chama de modernidade líquida. Na modernidade líquida os indivíduos não possuem mais padrões de referência, nem códigos sociais e culturais que lhes possibilitem, ao mesmo tempo, construir sua vida e se inserir dentro das condições de classe e cidadão.
A modernidade líquida trouxe descentramento do homem, do sujeito, produzindo identidades híbridas, locais e globais, efêmeras sobre tudo. É a cultura do efêmero, da destruição criativa, “tudo que é sólido desmancha no ar” na imagem trazida por Berman.
Para a maioria dos autores, a pós-modernidade é marcada como a época das incertezas, das fragmentações, do narcisismo, da troca de valores, do vazio, do niilismo, da deserção, do imediatismo, da efemeridade, do hedonismo, da substituição da ética pela estética, da apatia, do consumo de sensações e do fim dos grandes discursos.
A educação recebida dos pais e das escolas, os valores morais que orientam as boas relações sociais, o fortalecimento da família e a busca do bem comum está perdendo espaço para novas formas de comportamento regidas pelas leis do mercado, do consumo e do espetáculo.
Existe uma crise de valores com perda de referenciais importantes em detrimento de uma vida superficial e de um discurso liberal.
Na sociedade pós-moderna predomina o ter acima do ser, o prazer pelo prazer, o prazer acima de tudo, a permissividade que justifica que tudo é bom desde que me sinta bem, o relativismo no qual não há nada absoluto, nada totalmente bom ou mau e as verdades são oscilantes, o consumismo, se vive para consumir, e o niilismo caracterizado pela subjetividade, a paixão pelo nada, numa indiferença assustadora.
Renata Araújo descreve muito bem o sujeito pós-moderno:

“A pós-modernidade nos apresenta um sujeito imediatista, fragmentado, narcisista, desiludido, ansioso, hedonista, deprimido, embora também informatizado, buscando independência, autonomia e defesa de seus direitos. Mas, a supervalorização e autonomia geram um individualismo, um egocentrismo, uma ênfase na subjetividade, sendo o outro apenas para a consecução de seus objetivos pessoais.” (ARAÚJO, p. 1 e 2)

Vive-se numa época de grande competitividade e de pouca solidariedade. Em nome dessa nova ideologia, os indivíduos se permitem agir passando por cima de valores fundamentais.
A coisificação da vida e o predomínio dos interesses pessoais em detrimento do coletivo são bem característicos dessa fase em que vivemos.
Entretanto, aprendemos com a genética que a diversidade é a nossa maior riqueza coletiva. E o feto anômalo, mesmo o portador de grave deficiência, como é o caso da microcefalia, faz parte dessa diversidade. Deve ser, portanto, preservado e respeitado.
Necessário se faz proteger também a gestante, dando a ela apoio em sua gravidez e proporcionando tratamento ao seu futuro filho.
Reconhecemos que a mulher que gera um feto deficiente precisa de ajuda psicológica por longo tempo; constatamos, porém, que, na prática, esse direito não lhe é assegurado.
O aborto provocado é um procedimento traumático com repercussões gravíssimas para a saúde mental da mulher e que geralmente aparecem tardiamente.
O aborto produz um luto incluso devido à negação da ocorrência de uma morte real, mas esse aspecto é totalmente desconsiderado.
As mulheres sofrem uma perda e suas necessidades emocionais são relegadas ou escondidas. Elas não conseguem vivenciar o seu luto e lidar com a culpa. Esse processo vai gerar profundas marcas e favorecer o surgimento da Síndrome pós-aborto (PAS).
Psiquiatras e psicólogos especializados em atender mulheres que abortaram alertam para o aumento dos transtornos emocionais causados pelo aborto provocado. Eles afirmam que os efeitos psicológicos do aborto são extremamente variados e não são determinados pela educação recebida ou pelo credo religioso. Esclarecem que a reação psicológica ao aborto espontâneo e ao aborto involuntário é diferente, está relacionada com as características de cada um desses dois eventos. O aborto espontâneo é um evento imprevisto e involuntário, enquanto o aborto provocado interrompendo o desenvolvimento do embrião ou do feto e extraindo-o do útero materno contempla a responsabilidade consciente da mãe. As mulheres que se submeteram ao aborto afirmam que a culpa não é gerada de fora para dentro, infundida nelas por outras pessoas ou pela religião, ao contrário, ela surge e cresce em seu mundo íntimo a partir do ato abortivo.
Os problemas emocionais gerados pelo aborto são tão graves, que em muitos países onde ele é legalizado, foram criadas, pelas próprias mulheres vitimadas pelo aborto, associações como a Women Exploited by Abortion (Mulheres Exploradas pelo Aborto) nos EUA, e a Asociación de Víctimas del Aborto (Associação de Vítimas do Aborto) na Espanha, que orientam e alertam sobre as consequências prejudiciais do aborto.
O aborto não é definitivamente uma “solução fácil” como afirmam muitos, mas um grave problema, um ato agressivo que terá repercussões contínuas na vida da mulher.
As consequências danosas provocadas pelo aborto à saúde mental nos países onde ele foi legalizado é tão grave como a depressão profunda, que o Royal College of Psychiatrists (associação dos psiquiatras britânicos e irlandeses), alertaram que a mulher deve ser comunicada para os graves riscos emocionas que se submete caso opte pela interrupção da gravidez.
Portanto, aborto nunca será uma solução, sempre um lado ou ambos serão prejudicados. Não é dando a mulher autonomia para matar seu filho dentro de seu ventre que resolveremos os problemas sociais. Isto não passa de demagogia. É necessário investir na educação das massas para prevenção da gravidez indesejada, mas jamais matar uma criança inocente. Os fins não podem justificar os meios.
A sociedade que apela para o aborto declara-se falida em suas bases educacionais, porque dá guarida à violência no que ela tem de pior, que é a pena de morte para inocentes. Compromete, portanto, o seu projeto mais sagrado que é o da construção da paz.
A Associação Médico-Espírita do Brasil reitera seu posicionamento contra qualquer forma de violência a uma nova vida que não põe em risco a vida materna e que surge aguardando o auxílio de braços fortes e sensíveis que lhe ampare em sua fragilidade.
Concitamos a todos os colegas das AMEs para continuarmos firmes em defesa da vida e da paz.

AME-Brasil

REFERÊNCIAS

1) ARAÚJO, Renata Castro Branco. O Sofrimento Psíquico na Pós-Modernidade: Uma Discussão Acerca dos Sintomas Atuais na Clínica Psicológica. Trabalho de Conclusão do Curso de Pós-Graduação em Psicologia Clínica. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0311.pdf Acessado em 09/02/2016.

2) BAUMAN, Zygmunt. Ética Pós-moderna. São Paulo: Paulus Ed., 1997.

3) BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

4) BAUMAN, Zygmunt. Tempos Líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

5) BAUMAN, Zygmunt. Cegueira Moral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2014

6) BERMAN, Marshall. Tudo que é Sólido Desmancha no Ar. São Paulo: Schwarce ed., 1986.

7) CÁCERES, Ana Carolina Dias ‘Existo porque minha mãe não optou pelo aborto’, diz jornalista com microcefalia. Disponível em:
http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/02/1735812-existo-porque-minha-mae-nao-optou-pelo-aborto-diz-jornalista-com-microcefalia.shtml Acessado em 09/02/2016.

8) LÖWI, Ilana. A rubéola levou à legalização do aborto no Reino Unido. O zika fará o mesmo no Brasil? Disponível em: http://epoca.globo.com/vida/noticia/2016/02/rubeola-levou-legalizacao-do-aborto-no-reino-unido-o-zika-fara-o-mesmo-no-brasil.html Acessado em 09/02/2016.

9) RAZZO, Francisco. Um novo nome para uma velha fantasia. Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/um-novo-nome-para-uma-velha-fantasia-86ax9r1xg929hkv6wv2iff9io Acessado em 09/02\/2016.

TERAPÊUTICA COMPLEMENTAR ESPÍRITA

TERAPÊUTICA COMPLEMENTAR ESPÍRITA

TERAPÊUTICA COMPLEMENTAR ESPÍRITA

“O coração alegre serve de bom remédio, mas o espírito abatido virá a secar os ossos” (Pr.17.22)

Atualmente o homem é percebido, numa visão integral, como um complexo bio-psico-sócio-espiritual.
Frente a suas dores, conflitos, doenças e finitude necessitará de uma abordagem terapêutica que ultrapasse as questões puramente químicas e medicamentosas. Essa abordagem terapêutica para ser mais eficaz deverá envolve-lo como ser integral que é.

O que se entende por terapêutica?

“É a parte da medicina que trata da escolha e administração dos meios para curar as doenças; é cuidar e bem servir a alguém; o medicamento, substância ou preparo que se utiliza como remédio; o agente que combate o mal, a dor, aquilo que serve para curar ou aliviar; é também a ajuda, o auxílio, o socorro, a proteção”. Neste conceito mais amplo que a Dra. Lenice Aparecida de Souza Alves da AMEMG nos escreve no livro Porque Adoecemos?, podemos compreender que a terapêutica mais eficaz é aquela que envolve, ao todo (bio-psico-sócio-espiritual), a ajuda, o socorro e a proteção, já que ao adoecermos nos encontramos em estado de desequilíbrio interno. Nesse sentido a Terapêutica Complementar Espírita vem agregar e atender o ser integral que somos.
Hoje compreendemos que as causas da saúde e da doença “estão no ser imortal, em sua habilidade ou maturidade anímica de gerenciar as funções orgânicas, mantendo-as em harmonia (saúde) ou determinando-lhe desequilíbrio (doença) ”, assim escreve Dr. Francisco Cajazeiras em Saúde e Espiritismo – AME Brasil.
Através da Doutrina Espírita passamos a avaliar o aspecto pedagógico da doença.
A ciência progride com os avanços para suprimirem os sofrimentos físicos, no entanto, as dores da alma continuam a se multiplicarem. ”E para a enfermidade da alma somente os remédios espirituais são aplicáveis” nos diz André Luiz em os Mensageiros, psicografia de Chico Xavier.
Cada vez mais em nossos consultórios as pessoas buscam o alivio maior e paz para suas inquietações da alma que se manifestam em sintomas no seu corpo ou mente. E isto nos fica tão claro, quando os pacientes, em seus relatos intensos e profundos, manifestam uma necessidade enorme de falarem e serem escutadas em suas inquietações que vão além dos sintomas físicos.
O auto-conhecimento leva o ser humano a se reconhecer como ser espiritual que traz em sua bagagem dores que, nem mesmo toda a fármaco disponível é capaz de produzir efeitos curadores mais eficazes e profundos.
“Toda a medicina é serviço de amor, atividade de socorro justo, mas o trabalho de cura é peculiar a cada Espírito” E nesse sentido que a terapêutica complementar espírita traz sua contribuição.
“Em todo o processo degenerativo ou de aflição, o Espírito em sí mesmo, é sempre responsável, consciente ou não. E, naturalmente, só quando ele opta pela harmonia interior, opera-se-lhe a conquista da Paz”(J de Angelis)
A terapêutica complementar espírita deve ser agregada à terapêutica medicamentosa ou psicoterápica quando prescrita pelo médico ou psicoterapeuta.

O que abrange a terapêutica complementar espírita:

• tratamento fluidoterápico(passes magnéticos) que visam reequilíbrio energético, físico e espiritual. Muitas vezes inclui água fluidificada para ser administrada durante o tratamento espiritual.
• reuniões de desobsessões que realizam tratamento espiritual de profundidade;
• Evangelho no Lar, leitura semanal do evangelho para melhorias na sintonia energética da psicosfera do ambiente doméstico.
• Reforma íntima, imprescindível transformação moral que o indivíduo deve empreender para que haja mudanças necessárias no pensamento e nas atitudes (existem grupos nos Centros Espíritas que trabalham esse apoio, o que poderíamos chamar processo de autoajuda espírita).
Atualmente temos acesso a todos esses recursos que visam auxiliar em nossos processos de melhorias e curas de sintomas e doenças.
Que não esqueçamos o exercício constante de trabalharmos a nossa fé que nos coloca mais perto do Pai Maior e de toda a Espiritualidade responsável pelo nosso Amparo e auxílio.
Que não esqueçamos das palavras do Mestre Jesus que nos diz :

”Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e que estais sobrecarregados e eu vos aliviarei…”(mateus 11:28-30)

Assim como também não esqueçamos que ELE nos disse: “Sois deuses”, logo podemos também trabalhar em prol da nossa cura. Caminhemos confiantes utilizando todos esses recursos que nos foram alcançados por nosso Pai Misericordioso, que ama seus filhos e que deseja apenas a nossa evolução.
Façamos a nossa parte e confiemos!

Elizabeth Scchuck – psicóloga clínica e psicoteraupeuta de família

Prevenir

a-chave-da-vida-feliz-14
Já faz algum tempo que venho pensando em como conectar Patologia com Espiritualidade. Claro que quando se fala em pineal e todas as repercussões e relações desta glândula com a alma, isto já me bastaria.
Mas aqui neste pequeno e singelo texto vou tentar em muito breves palavras conectar o modo preventivo/ descritivo do câncer de colo uterino, minha área de atuação neste momento de vida, com “prevenção” espiritual.
A princípio apresento o que é o Sistema Bethesda para Citopatologia Cervicovaginal, assim descrito no prefácio do livro “Sistema Bethesda para Citopatologia Cervicovaginal – Definições, Critérios e Notas Explicativas”, por Robert J. Kurman, MD –
Em dezembro de 1988, pequeno grupo de indivíduos com experiência em citopatologia, histopatologia e tratamento de pacientes, participou de um encontro promovido pelo NCI (National Cancer Institute) em Bethesda, Maryland, nos Estados Unidos.
A nova proposta teve por objetivo principal desenvolver um sistema de descrição dos esfregaços de Papanicolau que representaria a interpretação citológica de um modo claro e relevante para o clínico.
E, é evidente, que esta nova apresentação terminológica não só visou um melhor esclarecimento ao clínico, mas promover uma comunicação eficaz dos achados relevantes de citologia entre os achados clínicos e laboratoriais, para fornecer o melhor tratamento para o paciente.
Como toda idéia nova, principalmente depois de anos do uso de uma determinada nomenclatura, diversos autores a receberam inicialmente com ceticismo. Foi uma importante mudança de paradigma na citopatologia. E a partir desta mudança, em anos seguintes novas avaliações foram realizadas no sentido sempre de auxiliar no preventivo do câncer de colo uterino.
Sabemos que muitas pessoas foram e ainda são beneficiadas pelo Sistema de Bethesda, pois muitas células com alterações muito leves podem representar algo que pode transformar-se em lesões cervicais propriamente ditas. E daí a importância da prevenção. Antes que algo maior se instale em nós, porque não cuidar, porque não prevenir?
Sabemos pelo Evangelho de João ( João 5:1-18), que Jesus curou um paralítico em Betesda. Pela narrativa bíblica, e de acordo com João, este milagre ocorreu perto da “Porta das Ovelhas”, que ficava próximo a uma fonte ou “piscina” que é chamada de Betesda em aramaico. Ali costumavam juntar um grande número de aleijados e portadores de diversas deficiências- cegos, coxos, paralíticos e outros que eram marginalizados na sociedade da época. Um deles era inválido e tinha trinta e oito anos e, quando Jesus o viu deitado e soube de tempo de sua enfermidade, perguntou-lhe: “Queres ficar são?”.
Este reservatório ou Tanque ficava perto da Porta das Ovelhas, na zona norte de Jerusalém. Os doentes acreditavam que suas águas eram milagrosas. Segundo várias traduções da Bíblia, a agitação destas águas era provocada por um anjo de Deus, sendo que o primeiro doente que ali entrasse ficaria milagrosamente curado.
Betesda ou Bethesda pode referir-se a: Betesda deriva de duas palavras da língua hebraica: Beth ou Beit = “casa” e Chéssed=“ bondade, benignidade, misericórdia.”
Significa, portanto, “lugar da misericórdia Divina” ou “casa da misericórdia Divina.”
Para o Patologista, e em especial para o citopatologista, a Prevenção oferece um espaço para a saúde das pessoas, antes mesmo que se instale em nosso corpo físico uma doença propriamente dita.
E a “Prevenção Espiritual” é possível? Indago-me se já temos uma real noção de sua importância! Quantos males poderíamos evitar através do pensamento positivo, da conduta moral, do autoconhecimento, do perdão, do auto-perdão, do exercício de Amor e Caridade, da fé em Cristo, da oração e de tantas outras atitudes que não caberiam aqui neste espaço.
“Amai-vos uns aos outros como Eu vos Amei.”

Maria Cristina Leal Boeira – Médica Patologista, coordenadora do departamento de solidariedade da AMERGS

Geriatra gaúcho lança livro abordando as dimensões físicas, sociais, mentais e espirituais do envelhecimento

Dr. Carlos Eduardo Durgante
Especial2_capa
“A religiosidade e a espiritualidade são uma dimensão relevante e ocupam um lugar importante na vida das pessoas em geral”

Confira a matéria completa em: http://www.oconsolador.com.br/ano9/429/especial2.html

 

A Cartilha do Envelhecimento Sadio pode ser adquirida pelos seguintes canais:

. Pelo site da AME-Brasil (https://lojaamasil.commercesuite.com.br/cartilha-do-envelhecimento-sadio-pr-96-377783.htm)

. Pela Livraria e Editora Francisco Spinelli (http://livrariaspinelli.com.br/)

. Na sede da AMERGS que fica na rua Alcides Cruz, 379, bairro Santa Cecília, POA (fones: 51- 32794463 ou 32794457)

Artigo: O Pensamento, Matéria Mental

pensamentoApesar  do  esforço  da  psicossomática  que   já  conseguiu  evidenciar  atravás  da  pesquisa o  que   já  se  sabia  através  da  experiência  clínica,  a  ciência  médica  ainda  está  longe  de perceber  a  importância  do  pensamento,  a  sua   influência  e  o  seu  mecanismo  de  ação na estrutura celular.

Para  termos  uma  ideia  desta  influência,  Calderaro,  um   dos  Instrutores  espirituais  de André  Luiz,  afirma  que   “diariamente,  o  ódio  extermina  indivíduos  no  mundo  com   uma intensidade  e  eficiência  mais  arrasadoras  do  que  as  de  todos  os  canhões  da  Terra atuando em uníssono.

Sem  deixar  de  considerar  a  importancia  da  fisiologia  e  a  sua  relação  com  o  meio exterior, a Medicina terá que  voltar-se, necessariamente, para as causas  fundamentais das  nossas   patologias. Mas enquanto a fisiologia  analisa os  efeitos e procura remedia-los a superficie, é na alma, no entanto, que  iremos encontrar as causas  profundas dos nossos desequilíbrios, devido as nossa criações mentais.

O  pensamento  pode   ser  visto  sob  uma  ótica  psicológica  ou  física.  Pela  primeira,  o pensamento   é   considerado   como  um   fluxo  de   ideias,   símbolos  e   associações; atividades   mentais  variadas,  tais  como  raciocinar,  resolver  problemas  e  formar conceitos.  Para  isso  a  mente  usa  os  seguintes  elementos  do  pensamento: raciocínio, memória, imaginação, vontade e sentimento. Estes elementos consistem no  agrupar e coordenar de  imagens, apreender-lhes as conexoes constituídas, a fim de as retocar e agrupar em  novas correlações mais ou   menos originais ou  complexas, de acordo com a  maior  ou  menor  potencia  intelectual  do  indivfduo.  Juntamente  com   a  capacidade  de percepção, abstração e comparação, promovem a associação de ideias.

Cada   elemento   pode   estar  mais  ou   menos  desenvolvido  em   cada   um   de   nós, promovendo  a  nossa  capacidade  de  perceber  e  de  sentir.  Sob  esta  ótica,  sentir tambem é pensar.

Através  deste  conceito,  o  pensamento  é  visto  como  uma  extensao  da  nossa   natureza íntima,  e  a  nossa   própria  individualidade  em   acão.  Pensar  é,  portanto,  manifestar  a nossa alma (mente).

As  ondas-pensamentos  são,  como  o  nome  indica,  as  energias  em   forma  de  ondas  que saem   da  nossa   mente  (espírito).  Sao  como  “fagulhas”  contínuas,  que  transportam consigo  uma  carga  de  magnetismo  espiritual,  carga  esta  que   esta  sempre  de  acordo com a  natureza  de  quem  a emite.  Estas  ondas  são  constituídas por  energia  eletromagnetica em diversos graus.

Assim, temos:

a)  Ondas   Longas  –  emitidas  pelas  impressoes  normais  do  ser  humano;  são ondas  que   se   limitam  a   sustentar  o   corpo  físico,  correspondentes   a manutenção do calor;

b)   Ondas  Médias  –  sao  emitidas  quando  estamos  num  estado  menos  comum,

como por exemplo, quando focamos a atenção, ou quando estamos sob uma tensão pacífica, por exemplo, na meditação ou na oração;

c)  Ondas   Curtas  –  sao  emitidas  em   situações  extraordinarias,  como  sejam  as emoções  profundas,  as  dores  inenarraveis,  as  trabalhosas  e  persistentes concentrações mentais, ou as súplicas aflitivas.

Por  outro  lado,  as   formas-pensamentos   ou   formas  mentais,  são   as   imagens  que criamos  no  nosso   ecrã mental  e  que   tambem  mostram  o  magnetismo  espiritual  de quem  as   cria.  Estas   formas-pensamentos   podem  obter  “vida”  nas   nossas   mentes durante um certo  perfodo de tempo, dependendo da intensidade e da frequencia da mentalização, pois toda e qualquer  imagem  gera uma associação de ideias.

As imagens mentais podem ser visuais, auditivas, tacteis, olfativas, gustativas, etc.

A imagem nunca vem sozinha;  ao  imaginarmos,  associamos a esta  imagem os  nossos sentimentos  e  significados, muitas  vezes, inconscientes.     Quando  pensamos  numa pessoa amiga, sentimos alegria ou saudade; ao pensarmos num adversário, sentimos magoa, raiva ou  ódio;  a lembrança  de  uma figura, pode  remeter-nos para o passado, podemos  associa-la  a  sentimentos que   estão  guardados no  nosso   inconsciente  e  de que, muitas vezes, nem  nos  apercebemos.

“Onde  há   pensamentos,   há   correntes   mentais  e  onde   há   correntes   mentais  existe associacao.  E  toda e  qualquer  associação e  interdependencia  e  recíproca influencia.// (Andre Luiz, in ” Nos Domínios da Mediunidade).

As  imagens mentais tem a  capacidade de  tornar claro o  entendimento e  de  ampliar  a nossa   visão de  qualquer  coisa. A  imagem fala por si. Ao  conceituarmos  um   objeto, estamos   a   limitar  esta   imagem  a   nossa   percepção;   ao   mostra-la,  cada   indivíduo percebe-a conforme a sua  capacidade.

Segundo o conceito físico, o pensamento seria composto basicamente por tres forças fundamentais, que  desempenham  funções superiores  na  mente humana:  o  corspúsculo mental, o  sentimento,  e a  vontade.

“E assim como o átomo e uma força  viva e poderosa na  própria contextura passiva, a particula de pensamento – ante a inteligência que  a mobiliza para o bem  ou  para o mal -,   embora  viva  e  poderosa  na   composição   em   que   se  derrama  do   espírito   que   a produz, e igualmente passiva perante o  sentimento que  lhe da forma e natureza para o bem    ou   para  o   mal,  convertendo-se,  por  acumulação,   num  fluido  gravitante  ou libertador,  acido ou balsâmico, doce  ou  amargo, alimentício  ou  esgotante, vivificador ou  mortífero, conforme a força  do  sentimento que  o tipifica e configura, que  pode  ser chamado, a  falta de  uma terminologia adequada, como “raio da  emoção”,  ou  “raio do desejo”,  sendo  esta  força  a  que   lhe produz a  diferença  de  massa  e  de  trajeto,  de impacto e de estrutura.” (Andre Luiz, in ” Evolucao em     ois Mundos).

“E assim que  o halo vital, ou  aura, de  cada  indivíduo, está  entrelacado  pelas correntes atômicas sutis dos pensamentos próprios ou habituais, dentro das normas que correspondem   a   lei   dos    “quanta    de  energia”    e   aos    princípios   da    mecanica ondulatória, que  lhes imprimem frequencia e cor próprias.

Estas forcas, em  constantes  movimentos sincrônicos, ou  em  estado  de  agitacao,  pelos

impulsos  da  vontade  estabelecem   para  cada   pessoa  uma  onda   mental  própria.(Andre Luiz  in ” Mecanismos da Mediunidade)

“Assim, compreende-se perfeitamente  que  a material mental é  o  instrumento subtil da  vontade,  atuando  nas   formações  da  materia  física, gerando as  motivacoes  de prazer ou  desgosto,  alegria ou  dor, otimismo ou  desespero,  que   realmente não   se reduzem  a  meras abstrações,  pois representam  turbilhões de  força em  que  a  alma cria os  seus  próprios estados  de  mentacao  indutiva,  atraindo para si os  agentes  (por enquanto    imponderáveis),   de    luz   ou    sombra,  vitória   ou    derrota,   infortunio   ou felicidade. (Andre Luiz  in “Mecanismos da Mediunidade).

Neste sentido, a ideia é um  ser organizado: o pensamento  dá-lhe a forma, e a vontade imprime-lhe a força e a direção. Na  verdade,  os  conceitos  psicológico  e  físico  dos   pensamentos  interagem,  mas   por falta  de   uma  nomenclatura   mais  adequada para  exprimir  a  nossa   ideia,  podemos afirmar que  o  pensamento  apresenta  um  aspecto  subjetivo  (psíquico) e  um  aspecto físico (material).

As ondas e as  imagens mentais (materia mental) criam um  campo eletromagnetico  a volta do  indivíduo, chamado “aura”  ou  “halo vital”, que  exprime a  natureza  íntima de cada  ser.

“Considerando-se qualquer celula em ação como uma unidade viva, tal qual um motor microscópico em  ligacão com  a fábrica mental, e claramente  compreensível que  todas as  agregações celulares emitem radiações e  que  estas  radiações se  articulam atraves de  sinergias  funcionais,  que  sao  constitufdas  por  recursos,  a  que  podemos  chamar “tecidos de forca, a volta dos  corpos de onde  saem. No  homem,  contudo,  esta  projeção  surge profundamente  enriquecida e  modificada pelos fatores  do  pensamento  contínuo  que, ao  ajustarem-se  as emanacoes do  campo celular, lhe modelam a  volta do  corpo, o  conhecido “corpo vital  ou  “duplo etereo  de certas   escolas espiritualistas,   isto  e,  um    duplicado,  mais  ou   menos  radioso,   do indivíduo.

Assim,  temos  nesta  conjugacao  de  forcas  físico-químicas  e  mentais,  a  aura  humana própria de  cada   indivíduo, interpenetrando-o,  ao  mesmo tempo  que   parece emergir dele, como se fosse um  campo ovóide apesar da  forma irregular que  apresenta,  sendo um  espelho sensível em  que  se estampam, com  sinais característicos, todos os estados de   alma  e  no   qual    todas   as   ideias  se   evidenciam,  modelando  cenas   vivas,  que perduram em  vigor e  semelhanca, tal como no  cinema.  (Andre Luiz in “Evolucao em

dois Mundos//)

“Cada mente é como se fosse um  mundo que  respira pelas ondas criativas que  emite – ou  na  psicosfera em  que  gravita para este  ou  aquele objetivo  sentimental, conforme os  próprios desejos  -,  sem   o  qual a  lei de  responsabilidade nao  subsistiria.  (Andre Luiz in “Mecanismos da Mediunidade//)

Quando frequentemente repetida, a forma mental adquire muita vida, de modo que   as vezes  persiste durante bastante tempo, mesmo depois de extinta a causa  que  a gerou. “Essa corrente  de   partfculas   mentais  sai de   cada   espírito   sob   a  forma  de   indução mental, tanto maior quanto mais amplas se  mostrem as faculdades de  concentração  e o  teor  da   persistencia   no   rumo  dos   objetivos   que   se   procurem.  (Andre  Luiz  in “Mecanismos da Mediunidade//)

“Ao emitirmos  uma ideia, passamos a  refletir as  que  se  lhe assemelham, ideia esta que   imediatamente  adquire  forma,  com   uma  intensidade   correspondente   a   nossa insistencia  em  sustenta-la, mantendo-nos  assim, espontaneamente,  em  comunicacao com  todos  os  que  partilham o nosso  modo de  sentir.  (Andre Luiz in   “Mecanismos da Mediunidade//)

Escritores como Charles Dickens e Honore de Balzac ficavam, as vezes, obsidiados pela visao  das   personagens  que   idealizavam,  ao  ponto  de   as  verem  a  frente,  como se fossem pessoas reais.

Alguns pintores, possuidores de  um  grande poder de  visualização,  chegam a substituir os modelos vivos pelas imagens retidas na  mente.

Pierre de Boismont (no seu livro “As Alucinacoes) conta a história de um pintor que conseguia, após  a fixação  do  modelo, ver a imagem com  mais nitidez do  que  a própria realidade.  Acabou  por  nao   conseguir  distinguir  as   imagens  mentais,  das   pessoas realmente vivas.

Muitas das chamadas “alucinações”, não passam de imagens mentais produzidas pelo indivfduo, e que  passam a ter “vida” no  seu  foro íntimo.

Andre   Luiz  avisa-nos   que    muitas   dessas    formas   mentais  são    confundidas   com entidades desencarnadas, quando nao passam de imagens que tomaram forma pela intensidade   e   frequencia   da   mentalização.   No   entanto,  as   formas  mentais   não descartam a presença dos  espfritos desencarnados e vice-versa.

A manutenção  constante  dos  nossos pensamentos  numa imagem ou  num sentimento, acaba   provocando  atitudes  condicionadas a  que   chamamos reflexos  mentais.

* medico, orador e presidente da Associação Medico-Espirita do Rio Grande do Sul (AMERGS).

Mensagem Espiritual – José do Patrocínio.

patria“Prudência
Aquietemo-nos! Relembram os Instrutores Espirituais.
A transição recomenda prudência.
A Pátria do Cruzeiro, com a responsabilidade de representar a fraternidade na Terra, está diante dos olhos do Mundo que aproveitando a ocasião dos jogos redescobre o Brasil.
Colocamo-nos, nesse momento, à disposição dos benfeitores, para pedir as bênçãos para nossa gente, para nossa terra, para nosso torrão Natal. E percebemos o cuidado dos Espíritos Nobres
que representam os Pais da Pátria, para zelar pelo equilíbrio, pela prudência e pela ordem.
Os benfeitores nos recomendam prudência. Aquietarmos antes de acelerarmos; paciência, antes que a preocupação maior; oração, antes que o receio.
Os nossos Amigos Maiores pedem que nos habituemos nesses dias: amanhecer orando pela Pátria; durante o dia, mentalizar a paz na Pátria; ao adormecer, orar pelo equilibro da Pátria, porque
o mundo espiritual nobre, certamente, cuidando de nós, cria as condições de defesa para que os acontecimentos ocorram com equilíbrio, para que a ordem não se deixe vencer pela desordem, para que a prudência nos conduza com equilíbrio à condução do processo das mudanças necessárias.
Os irmãos infelizes, acostumados à balburdia, à desordem no mundo espiritual inferior, querem aproveitar, também, no seu trabalho organizado, chamar atenção do mundo, para desmoralizar o grande Programa de Jesus para o Brasil.
Por isso, em nome deles, nós queremos pedir aos nossos companheiros o hábito da oração em favor da paz.
Teremos, certamente, preocupações graves que devem esperar de nós e receber das nossas orações o testemunho do equilíbrio, para que as forças do mal não encontrem espaço também em
nós.
Os espíritas conhecedores desses acontecimentos, da ação dessas criaturas infelizes, nossos irmãos, devemos estar conscientes de que representamos elos da grande corrente da Bondade que
protege o grande programa que o Cristo de Deus colocou nas mãos do povo Brasileiro.
Estejamos, pois, meus irmãos, atentos, não sejamos aqueles que multipliquem as más informações e notícias, mas asserenados, aquietados, nos liguemos aos benfeitores, nesse momento importante, para que possamos transmitir para o Mundo inteiro a nossa gente tão boa, a expectativa de um ambiente de paz e de um povo ordeiro e generoso, e sobretudo Cristão.
Orando juntos, estaremos ligando as forças vivas da bondade, que emana do coração do nosso mestre, o Cristo de Deus, estaremos oferecendo aos nossos dirigentes encarnados, aqueles homens e mulheres que têm a incumbência de zelar pelo equilíbrio e pela orientação política, econômica, social do Brasil, para que os acontecimentos, que possam ocorrer, não perturbem a generalidade da Nação, e para que o programa do Cristo se faça maior do que os transtornos, e para que, de um modo geral, todos nós contribuamos para a paz.
Mantenhamo-nos aquietados, confiantes, vigilantes e orando, entregando-nos às mãos santíssimas de Jesus de Nazaré.
O Anjo Ismael, aqui, na Federação Espírita Brasileira, organizou programa de trabalho intenso, com os espíritos que representam os dirigentes espirituais do Brasil, para estabelecer nos pontos estratégicos, em Brasília, nas demais cidades importantes do País, as defesas geradas, necessárias para a vigilância e para que a ordem não se perturbe.
Não tenhamos receios, confiemos atentos. Os momentos políticos que vive o planeta não têm como não refletir no Brasil, e representando o foco do Mundo nesses dias é importante que estejamos aqui na nossa Casa, oferecendo o melhor ambiente vibratório de beleza espiritual, para que o Anjo Ismael possa
cumprir, com o apoio dos Espíritos Nobres, o programa de Jesus.
Os momentos recomendam prudência, como dizíamos, e cuidado.
Oremos meus irmãos e mantenhamo-nos em paz.
Que Jesus abençoe a Pátria que amamos, que o Cristo de Deus ilumine as consciências das nossas autoridades, que os ambientes dos jogos sejam protegidos pelas forças da luz, e que a nossa
certeza na condução dessas energias nobres faça de nós também instrumento da paz.
Que o Cristo de Deus nos abençoe, abençoe a Federação Espírita Brasileira, abençoe o nosso País, e nos inclua no grande programa dos trabalhadores do Bem.
Abraço-vos, fraternalmente,
José do Patrocínio.”
(Degravação de psicofonia pelo médium João Pinto Rabelo, na reunião do Grupo de Assistência e
Apoio aos Povos da África, na sede da FEB, no dia 10 de maio de 2014).

Mensagem Espiritual – AME-MG

AbstratoNo Hospital Espírita André Luis, de Minas Gerais, colegas da AME-MG receberam a seguinte mensagem espiritual, através do médium Roberto Lucio Vieira de Souza:

Irmãos,
Muita paz!
Os dias que virão pedirão a todos uma mudança de posicionamento íntimo, uma nova forma de vibração.
São muitos os que se prendem a construir mentalmente uma derrocada em certos nichos da sociedade.
Creem que as lutas e a desorganização serão úteis para a mudança que veem como necessária.
No entanto, em tempo algum a desordem, a violência e o distúrbio social foram as maneiras mais adequadas para o crescimento de um povo.
São sim, condições que acabam surgindo porque os homens teimam em não escutar o chamado divino, através da doce melodia do amor.
Pensar e irradiar a desordem, crendo que sejam o caminho da “salvação”, é esquecer-se da condição divina que habita o homem e, ainda, que é possível ( e se faz necessário) construir um mundo novo, não sobre escombros, mas embasado nas suaves lições do bem e da justiça.
O Brasil vive um momento de enormes dificuldades.
Acrescer a elas as vibrações negativas, crendo que isto modificará o padrão e a estrutura da sociedade é ilusão.
O ódio, a mágoa, o mau desejo, só acrescentam mais posturas infelizes na tão complicada condição social deste povo.
É preciso vibrar harmonia, é necessário converter todas as formas negativas de agir em posturas de sentinelas do Bem.
Crer que apesar de ou com os homens, há um propósito maior para este país e para este planeta.
Não como algo efêmero.
Para isso, no entanto, é fundamental que cada criatura de forma consciente e íntima desperte-se para as nobres vibrações que emanam dos planos mais altos da vida.
Certamente que a tempestade varre a terra e, posteriormente, todos os elementos destruídos iluminados pelo sol divino regenera-se em novos terrenos produtivos e de beleza.
Entretanto, o lavrador, pelo seu trabalho honesto e fiel, pode transformar também o ambiente em melhores condições, sem que haja a necessidade da tormenta, dando ao mundo uma aparência mais sublime.
Cada qual é responsável pelo que pensa, irradia e constrói.
Cuidemos, portanto, para que a Terra e o Brasil recebam de nossos corações apenas aquilo que coaduna com os princípios divinos, os quais já conseguimos amealhar.
Que o nosso quinhão seja o da paz e do amor fugindo de quaisquer destemperos emocionais, de baixa expressão.
Jesus o Mestre dos mestres, convida-nos ao Amor. E através do Amor, no tempo e no espaço certos, alcançaremos o bem que precisamos e que se faz necessário.
Do irmão,
Raphael.

( psicografia no HEAL no dia 19/05/2014)Médium : Roberto Lúcio

Perante a Enfermidade

enfrentando-enfermidades

O estudo do Espiritismo nos enseja degustar saborosas lições em torno das questões que perpassam o fenômeno de enfermar. O adoecimento psíquico e orgânico é matéria comum, passagem obrigatória a todos os que transitam pelo orbe terreno, como instrumento valioso da pedagogia divina, professor de nosso espírito imortal em construção da sua autoconsciência profunda e felicidade interior.

O pequeno livro “Conduta Espírita” do autor espiritual André Luiz, apresenta-nos cativante mensagem intitulada “Perante a Enfermidade”, a qual nos atrevemos a comentar. Assim instruiu nosso estimado orientador:

Sustentar inalteráveis a fé e a confiança, sem temor, queixa ou revolta, sempre que enfermidades conhecidas ou inesperadas lhe visitem o corpo ou assediem o lar. Cada prova tem sua razão de ser”

Somos muitas vezes surpreendidos pelo acometimento inesperado, suspendendo planos e pretensões de realização material. Freqüentemente, sentimento de desespero e angústia sobrevém, pois imersos na ilusão da vida cotidiana, acreditamos manter o controle da sucessão de eventos que a vida traz, esquecidos de que a Vida Maior é que tem planos para nós, sem jamais desfocar das experiências necessárias a nossa evolução consciencial, propósito maior de nossa estada terrena. Assim, o que parece acidente tem sua razão precisa de ser.

“Com o necessário discernimento, abster-se do uso exagerado de medicamentos capazes de intoxicar a vida orgânica. Para o serviço da cura, todo medicamento exige dosagem”

            A vida orgânica é passível de intoxicações de variados tipos: conteúdos mentais menos nobres, viciações comportamentais, alimentos em excesso, álcool e tóxicos e também de medicamentos em demasia. A autoprescrição medicamentosa é rotina em nossa sociedade. Valiosos recursos químicos têm sua função deturpada em lamentáveis quadros clínicos, da hepatite medicamentosa a quadros dolorosos induzidos pelo uso de analgésicos, da insônia à depressão. Todo recurso terapêutico exige disciplina, pois mesmo a água – manancial de vida – intoxica se mal usada.

“Desfazer idéias de temor ante as moléstias contagiosas ou mutilantes, usando a disciplina mental e os recursos da prece. A força poderosa do pensamento tanto elabora quanto extingue muitos distúrbios orgânicos e psíquicos”.

            Toda realização no plano físico tem sua gênese no plano mental. Nenhuma obra posta no mundo deixou de passar pela etapa de criação no plano mental que, mobilizada pelas energias da vontade e da ação, concretizou-se no mundo fenomênico. As doenças também obedecem a esta lei. O corpo mental é a fonte legítima de todos os processos enfermiços que possamos catalogar, mesmo aqueles aparentemente gerados por um agente infeccioso determinado. Por que afinal o bacilo de Koch invadiu os pulmões de um sujeito, vencendo seus exércitos celulares de defesa e instaurando a tuberculose, ao passo que o mesmo não se deu com todos os outros que dividiam o mesmo ambiente? É no espírito que encontramos a resposta. Cuidemos, portanto, de nossas formações mentais, mantendo-nos conectados a fonte suprema do bem e da paz.

“Sabendo que todo sofrimento orgânico é uma prova espiritual, dentro das leis cármicas, jamais recear a dor, mas aceitá-la e compreendê-la com desassombro e conformação. A intensidade do sofrimento varia segundo a confiança na Lei Divina”.

            Algumas linhas de pensamento da Academia do mundo já descobriram: a dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional. Não podemos desviar, no trânsito da vida, das forças de choque com o mundo que, como flechas, nos atingem em cheio. Mas a forma como enfrentaremos as adversidades podem nos conduzir a compreensão ou ao desespero, a resignação ou a revolta.

“Aceitar o auxílio dos missionários e obreiros da medicina terrena, não exigindo proteção e responsabilidade exclusivas dos médicos desencarnados. A Eterna Sabedoria tudo dispõe em nosso proveito.”

            Mantenhamo-nos longe, nós espíritas, do orgulho da auto-suficiência, ao acreditarmos que prescindimos de ajuda terrena. A ajuda dos céus vem justamente através daqueles que nos estão mais próximos. A experiência de adoecer não é sinal de fraqueza de qualquer natureza.

“Afirmar-se mentalmente em segurança, acima das enfermidades insidiosas que lhe possam assaltar o organismo, repelindo os pensamentos e as palavras de desespero ou cansaço, na fortaleza de sua fé. A doença pertinaz leva à purificação mais profunda.”

            O uso de práticas meditativas, visualizações terapêuticas, leituras edificantes, são valorosos exercícios do controle mental e de sintonização positiva. A persistência no exercício reverte-se em fortaleza benfazeja, conduzindo-nos ao alto e facilitando a assistência de nossos amigos espirituais.

“Aproveitar a moléstia como período de lições, sobretudo como tempo de aplicação dos valores alusivos à convicção religiosa. A enfermidade pode ser considerada por termômetro da fé”.

              Exercitemos a nossa fé!

(autor: Paulo Rogério Aguiar, baseado no livro Conduta Espírita -Waldo Viera/André Luiz, capítulo 35 Perante a Enfermidade.)

Inauguração de Unidade de Oficinas Terapêuticas do Hospital Espírita

Video promocional de inauguração da Unidade de Oficinas Terapêuticas do Hospital Espírita de Porto Alegre. A AMERGS parabeniza a instituição e a todos os seus colaboradores pelo trabalho exemplar na área da saúde mental, sobretudo pelos esforços permanentes de implementar melhorias em seus processos assistenciais e pela missão de integrar ciência, saúde e espiritualidade no atendimento aos transtornos mentais.

Assista ao vídeo clicando aqui!

Fotos da Primeira Turma de Especialização em Saúde e Espiritualidade

Vejam algumas fotos da primeira turma de pós-graduação Latu Sensu em Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato. Certamente, essa turma entrará para a história! Foram momentos de muito aprendizado e convivência fraterna. A Amergs agradece a todos estes pioneiros, que agora passam a propagar, cada vez com mais capacitação e conhecimento, o ideal maior de conexão entre ciência, saúde e espiritualidade!

 

 

Turma com a prof. Anahy Fonseca
Turma com a prof. Anahy Fonseca

 

Turma com profa. Marlene Nobre e com prof. Gilson.
Turma com profa. Marlene Nobre e com prof. Gilson.
Almoçando com o prof. Paulo Rogério.
Almoçando com o prof. Paulo Rogério.

 

Visita ao Mário Quintana com prof. Sérgio Lopes.
Visita ao Mário Quintana com prof. Sérgio Lopes.
Estudando o sistema nervoso com profa. Irvênia Prada.
Estudando o sistema nervoso com profa. Irvênia Prada.

 

Turma com o prof. Décio Iandoli Junior
Turma com o prof. Décio Iandoli Junior

Espiritualidade na prática clínica

Assista ao vídeo de divulgação do trabalho realizado no GWISH –George Washington Institute for Spirituality and health , onde a Dra. Christina Puchalsky realiza um trabalho pioneiro de integração da espiritualidade na prática clínica. A Dra. Puchalsky estará no Brasil no segundo semestre de 2013, quando participará de dois eventos promovidos pelo NUPE -Nucleo de Psiquiatria e Espiritualidade da APRS -Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul. Fique atento em nosso site para ter acesso, em breve, a programação dos eventos.