Programação de Palestras da AME-RS no mês de Julho de 2018

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
Curso de preparação para a aposentadoria do Sistema SESI/FIERGS . Tema Planejando o Futuro. Com Carlos Eduardo Durgante 13/07/2018 9:00 AM 12:00 PM Av. Assis Brasil –  8787. Porto Alegre/RS
Palestra e Sessão de autógrafos do livro Um Novo Olhar Sobre o Problema do Ser –  do Destino e da Dor 100 Anos Depois com Carlos Eduardo Durgante 17/07/2018 8:00 PM 9:00 PM Auditório do Centro Espírita Fonte de Luz. Rua Sete de Setembro –  585- Santo Antônio da Patrulha/RS
III Seminário O Problema da Dor: o Pensamento. Com Carlos Eduardo Durgante. 21/07/2018 4:30 PM 6:30 PM Sociedade Beneficente Espírita Bezerra de Menezes. Av. Nova York –  686. Porto Alegre/RS. Ao final sessão de autógrafos do livro Um Novo Olhar Sobre o Problema do Ser –  do Destino e da Dor 100 Anos Depois

______________________________________________________________________________

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Junho de 2018

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
Palestra sobre Suicídio, com o Carlos Eduardo Durgante 02/06/2018 3:30 PM 4:30 PM Sociedade Espírita Fé, Luz e Caridade.  R. Tamandaré, 109 – Boa Vista, Novo Hamburgo – RS
Workshop sobre Hipnose com Dr. Ricardo Feix 09/06/2018 3:00 PM 5:00 PM  
Seminário O Problema do Destino. Com Dr. Gilson Luis Roberto 16/06/2018 4:30 PM 6:30 PM Sociedade Beneficente Espírita Bezerra de Menezes. Av. Nova York, 686. Porto Alegre/RS
Sessão de autógrafos do livro Um Novo Olhar Sobre o Problema do Ser, do Destino e da Dor 100 Anos Depois, com Carlos Eduardo Durgante e Gilson Luis Roberto 16/06/2018 6:30 PM 7:00 PM Sociedade Beneficente Espírita Bezerra de Menezes. Av. Nova York, 686. Porto Alegre/RS
Palestra  Da Velhice à Reencarnação com Carlos Eduardo Durgante. 18/06/2018 8:00 PM 9:00 PM Centro Espírita Irmão Joaquim Cacique Barros, Av. Dr. Antônio Casagrande, 6 – Centro, Bento Gonçalves/RS
II Seminário “Espiritismo e Psicologia com Joanna de Ângelis”. Tema: A sombra, com Gelson Luis Roberto, Alexandre Fontoura, Guadalupe Berbigier, Sheila Simões e Michelle Ponzoni. 31/06/2018 9:00 AM 6:00 PM Recanto Marista Santa Maria – Curitiba – PR.

______________________________________________________________________________

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Maio de 2018

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
Palestra Depressão: o seu sentido e s seus desafios com o psicólogo Gelson Luis Roberto 05/05/2018 09:30 AM 11:30 AM Sociedade Espírita Anor à Verdade. Av Feitoria, 867. São Leopoldo/RS.
Palestra Encontro com a Plenitude –  com o Psicólogo Alexandre Fontoura dos Santos. 06/05/2018 11:00 AM 12:00 PM Casa do Jardim – Rua Beck –  129. Menino Deus. Porto Alegre – RS.
Palestra Suicídio e Envelhecimento –  com Dr. Carlos Eduardo Durgante 07/05/2018 8:00 PM 9:00 PM Sociedade Espírita Amor à Verdade. 20h. Av. Feitoria –  867. São Leopoldo/RS
Palestra Sobre a família com Dr. Carlos Eduardo Durgante 10/05/2018 8:00 PM 8:30 PM Sociedade Espírita Caminho da Luz. 20h. Av. Bento Gonçalves –  1209 – Partenon –  Porto Alegre/RS
Seminário O Problema do Ser. Com Dr. Carlos Eduardo Durgante e Drª Maristela Winkler. 12/05/2018 4:30 PM 6:30 PM Sociedade Beneficente Espírita Bezerra de Menezes. 16h30min. Av Nova Iork –  686. Porto Alegre/RS
Sessão de autógrafos e lançamento do livro Um Novo Olhar Sobre O Problema do Ser –  do Destino e da Dor 100 Anos Depois –  durante a XIII Jornada Médico-Espírita da Serra Gaúcha. 19/05/2018 8:00 AM 6:00 PM Teatro da Universidade de Caxias do Sul/RS.
Palestra Mediunidade em Transição com o Psicólogo Alexandre Fontoura dos Santos 26/05/2017 3:30 PM 4:45 PM Sociedade Espírita Allan Kardec. R. Cel. Fernando Machado –  883 – Centro –  Porto Alegre – RS
Lançamento e sessão de autógrafos do livro Um Novo Olhar Sobre O Problema do Ser –  do Destino e da Dor 100 Anos Depois –  com Carlos Durgante 27/05/2018 6:00 PM 8:00 PM Na Casa de Chico Xavier em Pedro Leopoldo/MG
Palestra O Problema do Ser –  do Destino e da Dor. Com Carlos Durgante 29/05/2018 8:00 PM 9:00 PM Centro Espírita Fonte de Luz. R. Sete de Setembro –  585. Santo Antônio da Patrulha/RS

______________________________________________________________________________

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Abril de 2018

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
33a. Semana de Estudos Espíritas.O homem de Bem e as virtudes da alma. Com Mariane de Macedo. 08/04/2017 8:00 PM 9:00 PM Associação Espírita Jesus Nazareno. Antão Faria –  552 – São Sepé /RS
Suicidologia –  entendendo as aspectos espirituais. Com o psicólogo Alexandre Fontoura dos Santos 14/04/2018 3:00 PM 5:00 PM Auditório Ernesto Muller – sede da AMERGS. Rua Alcides Cruz –  379. Bairro Santa Cecília – Porto Alegre/RS.
Palestra O que temos de melhor em nós –  com Carlos Durgante. 14/04/2018 4:00 PM 5:00 PM Associação Espírita Fraternidade. Rua  Julio Cézar –  90. Balneário Quintão/RS
Palestra Jesus Médico das almas. Com Mariane de Macedo. 21/04/2018 5:00 PM 6:00 PM Sociedade Espírita  Francisco Costa – Av. Independência –  382 – Santa Maria/RS
Palestra As leis morais nas relações. Com Mariane de Macedo 26/04/2018 8:00 PM 9:00 PM CEEBN – Centro de Estudos Espíritas Boa Nova – Rodolfo Behr –  1727 – Santa Maria/RS
Painel “O ambiente e a convivência sustentável: Pessoas e Paz – Eixos da Agenda 2030”. Com Anahy Fonseca e César Geremia. 27/04/2018 1:30 PM 3:00 PM Auditório do Ministério Público. Porto Alegre/RS

______________________________________________________________________________

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Dezembro de 2017

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
Palestra: O Que Temos de Melhor em Nós –  com Carlos Durgante 04/12/2017 8:00 PM 9:00 PM Sociedade Espírita Sebastião Leão. RUA NUNES 571. Bairro Glória –  Porto Alegre/RS.
Palestra O Que Temos de Melhor em Nós com Carlos Durgante 09/12/2017 9:30 AM 11:00 AM Comunidade Espírita Esperança. R. Alvin Soares Bermudês –  197 – Morada de Camburí –  Vitória – ES.
Palestra Saber Envelhecer –  com Carlos Durgante 09/12/2017 4:00 PM 5:00 PM Comunidade Espírita Esperança. R. Alvin Soares Bermudês –  197 – Morada de Camburí –  Vitória – ES.
Seminário O Envelhecimento do Trabalhador Espírita: a maturidade da vida –  com Carlos Durgante 10/12/2017 9:00 AM 12:30 PM Comunidade Espírita Esperança. R. Alvin Soares Bermudês –  197 – Morada de Camburí –  Vitória – ES.
Palestra  O Que Temos de melhor em Nós –  com Carlos Durgante 14/12/2017 8:00 PM 9:00 PM Centro Espírita Irmão Joaquim Cacique Barros. Av. Dr. Antônio Casagrande –  6 – Centro –  Bento Gonçalves – RS
Palestra O Que Temos de Melhor em Nós –  com Carlos Durgante 16/12/2017 3:00 PM 4:00 PM Sociedade Espírita Circulo da Luz (SECL). R Barão do Triunfo – 1381 – Centro- Osório/RS.

______________________________________________________________________________

  • Programação de Palestras da AME-RS no mês de Agosto de 2018
    Programação de Palestras da AME-RS no mês de Agosto de 2018
  • Editora Olsen presente no 3º Seminário Joanna de Ângelis
    Editora Olsen presente no 3º Seminário Joanna de Ângelis
  • Editora AME Brasil presente no 3º Seminário Joanna de Ângelis
    Editora AME Brasil presente no 3º Seminário Joanna de Ângelis
  • Encontrame Sul – Seminário Médico-Espírita
    Encontrame Sul – Seminário Médico-Espírita
  • NewsLetter nº 006 - 2018
    NewsLetter nº 006 - 2018
  • Programação de Palestras da AME-RS no mês de Agosto de 2018
    Programação de Palestras da AME-RS no mês de Agosto de 2018
  • Editora Olsen presente no 3º Seminário Joanna de Ângelis
    Editora Olsen presente no 3º Seminário Joanna de Ângelis
  • Editora AME Brasil presente no 3º Seminário Joanna de Ângelis
    Editora AME Brasil presente no 3º Seminário Joanna de Ângelis
  • Encontrame Sul – Seminário Médico-Espírita
    Encontrame Sul – Seminário Médico-Espírita
  • NewsLetter nº 006 - 2018
    NewsLetter nº 006 - 2018

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Novembro de 2017

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
Autógrafos dos livros O Que Temos de Melhor em Nós e Fé na Vida –  no 9º Congresso Espírita do RS. 05/11/2017 1:15 PM 3:35 PM Centro de Eventos da PUCRS – Porto Alegre/RS
Palestra: “Die Kunst mit Emotionen umzugehen” –  com Gelson Luis Roberto. Congresso Alemão de Psicologia 05/11/2017 9:00 AM 10:00 AM Bad Honnef –  Alemanha
Palestra  Espiritualidade e Socialização na Promoção de um Envelhecimento Saudável –  com Carlos Durgante. 06/11/2017 7:30 PM 9:00 PM Livraria FNAC do Barra Shopping Sul – Porto Alegre/RS
Encontros Fraternos. Conferência com os autores do  livro Fé na Vida –  com Carlos Durgante e Paulo Rogério Aguiar. 11/11/2017 7:00 PM 8:30PM Grupo Espírita Francisco Xavier. Rua Caju – 87 – Petrópolis – Porto Alegre – RS.
63ª Feira do Livro de Porto Alegre. Sessão de autógrafos do livro O Que Temos de Melhor em Nós –  com Carlos Durgante. 14/11/2017 6:30 PM 7:30 PM Praça central de autógrafos. Centro Histórico. Porto Alegre/ RS
63ª feira do Livro de Porto Alegre. Sessão de autógrafos do livro Fé na Vida –  com Carlos Durgante e Paulo Rogério de Aguiar 15/11/2017 5:30 PM 6:30 PM Praça central de autógrafos. Centro Histórico. Porto Alegre/ RS
Workshop Utilização de plantas medicinais –  fitoterapia –  óleos essenciais e psicoaromaterapia na promoção da saúde integral –  com Ana Claudia Moro Gonçalves 18/11/2017 3:00 PM 5:30 PM Auditório da AMERGS. Rua Alcides Cruz – 379 – Santa Cecília – Porto Alegre/RS.
Sessão de autógrafos livro Práticas Complementares Para a Saúde Integral. Com Carlos Durgante e Ana Cláudia Moro Gonçalves. 18/11/2017 6:00 PM 7:00 PM Auditório da AMERGS. Rua Alcides Cruz – 379 – Santa Cecília – Porto Alegre/RS.
Cine-Debate filme Invictus –  com Mariane de Macedo e Bruno Paz Mosqueiro. 21/11/2017 7:30 PM 9:30 PM S.E. Caminho da Luz. Av. Bento Gonçalves – 1209 – Partenon. Porto Alegre/RS.
Workshop  Jung & Espiritualidade . Debates com Gelson Luis Roberto e Anahy Fonseca. 21/11/2017 6:30 PM 9:30 PM Associação Médica do Rio Grande do Sul –  sala 21.  Av. Ipiranga –  5311 – Partenon –  Porto Alegre – RS
Palestra Longevidade ao seu alcance –  com Carlos Durgante. 3º Seminário Médico-Espírita. 25/11/2017 3:00 PM 5:45 PM Sociedade Espírita Vinha de Luz. R. Jerônimo Timóteo da Fonseca –  777 – São Jerônimo –  Gravataí – RS

______________________________________________________________________________

Grupos de Estudos da Psicologia Espírita de Joanna de Angelis

Grupos de Estudos da Psicologia Espírita de Joanna de Angelis

Núcleo de Estudos Psicológicos Joanna de Angelis

 

PROPOSTA DO GRUPO DE ESTUDOS

A Série Psicológica de Joanna de Ângelis é composta por um total de 17 livros em 16 volumes que integram esse projeto.

Segundo Divaldo, por cinquenta anos, a mentora dessa obra mediúnica esteve estudando a Psicanálise, a Psicologia em geral e a Psiquiatria no mundo espiritual, e desejava fazer uma ponte entre a Psicologia contemporânea, com o Espiritismo, em uma linguagem compatível com as necessidades do pensamento filosófico deste momento.

Seu objetivo é criar uma mentalidade capaz de não ficar apenas nos teoremas doutrinários, mas ampliar esses conceitos para encontrar soluções comportamentais. Assim, colaborar na evolução daquele que se dedica ao seu estudo, promovendo o movimento espírita, que está preso nas Casas Espíritas, para equacionar os problemas da criatura onde a criatura estiver.

O novo programa do Grupo de Estudos da Psicologia Espírita de Joanna de Ângelis está pautado na análise dos conceitos e perspectivas apresentadas pela autora e suas correlações com a psicologia, buscando uma aproximação e ampliação com a Psicologia Analítica.

Neste contexto, possibilitar o estudo de temas de interesse comum ao universo Espírita e Psicológico, buscando interfaces possíveis para um maior aprofundamento das questões psíquicas. Com este esforço cooperativo, buscam-se também novas perspectivas para os problemas da alma e oferecer elementos para a reflexão e pesquisa aos fenômenos religiosos e espirituais.

Para completar e com igual importância, o trabalho visa compreender a grandeza e a natureza amorosa do Espírito Joanna de Ângelis em sua obra psicológica, divulgando as bases da Doutrina numa mensagem para mudar o mundo.

Conforme Kardec, o Espiritismo tem a ver com todos os ramos da ciência, não apenas com a ética, moral e filosofia, mas também com a psicologia, a psiquiatria, com o comércio, indústria, relacionamentos e direitos humanos. Mudando o indivíduo, muda-se o pensamento social, muda-se a sociedade.

A HISTÓRIA DE UMA SEMENTE QUE SE REALIZOU

Os grandes movimentos da vida começam a exemplo de uma semente que desabrocha simples e pequena, mas que vai ganhando robustez até gerar seus múltiplos frutos. E esse processo reflete algo maior, um movimento espiritual que se acende de vários pontos, gerando uma rede conectiva de forças que vai ganhando forma e dimensão.

Assim também começou esse processo orientado e projetado pela ação da benfeitora juntamente com os demais mensageiros sob a orientação de Jesus.

O ano era 1997, o psicólogo junguiano Gelson Luis Roberto participava da Associação Médica do RS, que foi fundada e 1996, coordenando o departamento de saúde mental, e o seu desafio era criar um espaço favorável para a reflexão sobre Espiritismo e Psicologia.

Após devorar os primeiros livros de caráter psicológico da mentora, Gelson conta que ficou especial tocado pelos Ser Consciente, O homem integral e Plenitude: “eram livros ricos em conteúdos, com uma abordagem moderna, profundidade, fazendo um elo entre as psicologias existentes e o espiritismo”.

Ao estudá-las Gelson percebeu que estas obras apresentavam vários aspectos da realidade humana, com seu dinamismo e forças emocionais atuando, possibilitando uma orientação não só reflexiva, mas também prática. A partir daí, veio a ideia: “vamos criar um curso em cima da série psicológica de Joanna de Ângelis. ”

Foi desenvolvido um formato e estrutura que contemplasse todos os tópicos abordados pela benfeitora, ampliando e esclarecendo alguns conceitos. Foi assim estruturado o Programa Clássico de dois anos com aspectos teóricos e práticos, contemplando a proposta de levar para os interessados um caminho para o autoconhecimento, a busca do Homem Integral.

O Grupo de Estudos teve início em 1998 e nunca parou, o sucesso foi tanto que antes de acabar o período da turma, já havia inúmeras pessoas requisitando vagas. E assim é até hoje.

Em terminado momento desse processo, Gelson recebeu um recado da Joanna por Divaldo, dizendo que estaria lhe dando apoio direto, que era para confiar, estimulando para a continuação do trabalho. E realmente, aquele núcleo que iniciou modestamente, começou a dar frutos, muitas pessoas que participaram e concluíram os estudos começaram a levar o mesmo para suas casas e foi se criando vários grupos em Porto Alegre e na região metropolitana, além de alguns grupos no interior como foi o caso de Pelotas.

Além disso, muitas pessoas que buscavam algum tipo de orientação com Divaldo sobre a Série Psicológica e o estudo da mesma, o devotado amigo encaminhava para o Gelson, assim ele orientava e estimulava a formação de novos grupos. “E assim foram aparecendo colegas e confrades de várias regiões do país onde pudemos assessorar a formação de novos cursos” comemorava Gelson.

Entre os inúmeros colegas que fizeram contato, estavam Marlon Reikdal de Curitiba e Cláudio Sinotti de Salvador.

Cláudio, juntamente com Iris, deu início às atividades na Mansão do Caminho no ano de 2007 e em 2008, quando completávamos dez anos de estudo da Série Psicológica aqui no sul.

Os amigos de Salvador convidaram Gelson a participar do encerramento do ano da primeira turma da Séria Psicológica na Mansão do Caminho e participar junto com Divaldo de um seminário sobre o tema, ocorrido em dezembro de 2008. Em Salvador, Gelson se aproximou ainda mais de Cláudio, Iris e Marlon, formando uma equipe sobre a orientação da benfeitora, através de Divaldo, e levar adiante o Núcleo de Estudos Psicológicos de Joanna de.

Os temas de Joanna começaram a ganhar novos horizontes, no ano 2010 Gelson divulgou este projeto em Portugal. No mesmo ano Cláudio e Iris fizeram diversas conferências na Suíça. E esperamos que novos frutos surjam, assim como novas sementes a germinarem, renovando a paisagem do nosso planeta.

 

REQUISITOS PARA PARTICIPAR DO GRUPO DE ESTUDOS

Para ingressar no grupo é necessário ser estudante da Doutrina Espírita.

Quem já participou do Programa Clássico poderá entrar em qualquer Módulo aberto e com vaga disponível, basta informar o ano e com qual coordenador cursou.

 

MÓDULOS TEMÁTICOS

MÓDULOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Estudo Introdutório à Psicologia de Joanna de Ângelis Desenvolvimento da Psique baseado em autores da Psicologia Tradicional sob a ótica de Joanna de Ângelis. A relação Ego- Self no encontro interior do homem com Deus; a estrutura dinâmica da consciência e do inconsciente; seus mecanismos e ações para uma busca de integração. Necessidade de uma análise honesta de si mesmo e o desenvolvimento da força criadora.

 

 

Refletindo a Alma; Vida: desafios e soluções;

O despertar do espírito;

Autodescobrimento: uma busca interior;

Triunfo Pessoal entre outras.

Jesus e o Evangelho à luz da Psicologia Profunda Estudo aprofundado da personalidade mana de Jesus, compreendida como o psicoterapeuta por excelência e o arquétipo do Homem Integral.

 

Jesus e o Evangelho à luz da Psicologia Profunda; Jesus na Atualidade; Desperte e seja Feliz; O ser consciente; Refletindo a Alma entre outras.
Jornada Interior A relação Ego-Self e a busca do processo de individuação. Estudo aprofundado das relações do homem no mundo e seus desafios de autodescobrimento e potenciais internos e busca da maturidade psicológica. O ter e o ser, o embate e a superação da identificação com o mundo de aparência e ilusões do ego. Vida: desafios e soluções; Em busca da Verdade; Amor, imbatível amor; O Homem Integral;

O Despertar do Espírito, Espelhos da Alma, Aquém e Além do tempo entre outras.

O Homem em Conflito Estudo sobre os desafios para o ser consciente na relação com o mundo e consigo mesmo. Crises e distúrbios que desafiam o homem em direção ao crescimento. A necessidade de identificação e superação do sofrimento através de reflexão profunda dos mecanismos de proteção.  

Desperte e seja feliz; Conflitos Existenciais, Plenitude; O Homem Integral; Psicologia da Gratidão; O Ser Consciente; Momentos de Saúde, Momentos de Consciência entre outras.

O Mundo Relacional: os caminhos e a terapêutica do Amor Através de uma viagem interior, vai se percorrer os encontros e desencontros das relações afetivas em diversos níveis: consigo e com os outros. Amorterapia e a Psicologia da Gratidão como recursos de autodescobrimento e vida relacional saudável.  

Amor, imbatível amor; Desperta e seja feliz; Conflitos Existenciais; O Despertar do Espírito; Jesus e o Evangelho à luz; O Homem Integral, Psicologia da Gratidão; Espelhos da Alma entre outras.

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Outubro de 2017

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
Palestra O Que Temos de Melhor em Nós –  com Carlos Durgante. Ao final –  sessão de autógrafos. 04/10/2017 8:00 PM 9:00 PM Centro Espírita Fé –  Luz e Caridade. R. Tamandaré –  109 – Boa Vista –  Novo Hamburgo – RS.
Seminário AME-Brasil Espiritismo em Ação: Conhecer para Servir. Mesas Redondas  com Sheila Simões –   Alethéa Sperb e Josiane Weiss e sessões de autógrafos com Carlos Durgante –  Paulo Rogério de Aguiar –  César Geremia –  Emanuel B. dos Santos –  Bruno Paz Mosqueiro. 07/10/2017 Hotel Embaixador. Rua Jerônimo Coelho –  354 – centro – Porto Alegre/RS.
Oficinas de Capacitação no Seminário da AMERGS 08/10/2017 8:30 AM 12:30 PM Hotel Embaixador. Rua Jerônimo Coelho –  354 – centro – Porto Alegre/RS.
Palestra  Planejando o Futuro –  com Carlos Durgante. 19º Mês Espírita de Cachoeira do Sul 12/10/2017 8:00 PM 9:00 PM Sociedade União Cachoeirense.  Rua Ivo Becker – 261- Cachoeira do Sul/RS.
Palestra O Que Temos de Melhor em Nós –  com Carlos Durgante 14/10/2017 3:00 PM 4:00 PM Grupo Espírita Allan Kardec. Rua Dr. Pires Porto –  577.  Lavras do Sul/RS.
Encontros Fraternos. As Sete Vidas de Fenelon –  com Alexandre Fontoura dos Santos 14/10/2017 7:00 PM 8:30 PM Grupo Espírita Francisco Xavier. Rua Caju –  87 – Petrópolis –  Porto Alegre – RS
Palestra Mediunidade –  Obsessão e Transtornos Mentais –  com Paulo Rogério de Aguiar 16/10/2017 7:00 PM 8:00 PM . Instituto Espírita Amigo Germano. R. Domingos Crescêncio –  240 – Santana –  Porto Alegre – RS
Workshop com Carlos Durgante: O Envelhecimento Humano: Qual seria a sua idade se você não soubesse quantos anos tem? 21/10/2017 3:00 PM 5:30 PM Auditório da AMERGS. Rua Alcides Cruz –  379 – Santa Cecília – Porto Alegre/RS.
Cine-Debate. Filme A Família Savage com Carlos Durgante e Elizabeth Schuck 24/10/2017 7:30 PM 9:30 PM S.E. Caminho da Luz. Av. Bento Gonçalves – 1209 – Partenon. Porto Alegre/RS.
Palestra Família : um desafio para nossa evolução –  com Elizabeth Schuck 13/10/2017 2:30 PM 3:15 PM Sociedade Espírita Esperança. Rua Querino Ari Candiago –  345 – Bairro Lago Negro –  Gramado – RS –
Palestra Qual o sentido  no Envelhecer? Perdas e Ganhos –  com Elizabeth Schuck 18/10/2017 2:30 PM 3:45 PM Sociedade Beneficente Espírita Bezerra de Menezes
Grupo da Boa Idade. Av. Nova York –  686 – Auxiliadora –  Porto Alegre – RS
Coferências: Expériences anomales et synchronicité; Narcisses et les défis de l’ego. Com Gelson Luis Roberto 27/10/2017 10ème Congres Francophone Médecine et Spiritualité. Hotel Marivaux – Boulevard Adolphe Max, 98. BRUXELLES

______________________________________________________________________________

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Setembro de 2017

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
Palestra XIII Jornada de Saúde e Espiritualidade da AME-Santos. Mal de Alzheimer à Luz do Espiritismo, com Carlos Durgante. 02/08/2017 8:00 AM 5:00 PM UNISANTA – Bloco E – Anfiteatro 4º andar. Rua Cesário Mota, 8. Boqueirão. Santos/SP
Palestra XIII Jornada de Saúde e Espiritualidade da AME-Santos. Da Velhice à Reencarnação, com Carlos Durgante. 02/09/2017 8:00 AM 5:00 PM UNISANTA – Bloco E – Anfiteatro 4º andar. Rua Cesário Mota, 8. Boqueirão. Santos/SP.
Palestra- Família: Um desafio no nosso processo evolutivo, com Elizabeth Schuck 09/09/2017 3:00 PM 4:00 PM Centro Espírita Rosa dos Ventos.Rua Felipe Malmann, 290. Lageado/RS
Palestra O Suicídio e Envelhecimento no Seminário Fé na Vida, com Carlos Durgante. Sessão de autógrafos do livro Fé na Vida 10/09/2017 2:30 PM 4:00 PM Sociedade Beneficente Espírita Vinha de Luz. Rua Jerônimo Timóteo da Fonseca, 777. Gravataí/RS.
Palestra o Suicídio entre Crianças e Adolescentes, com Cesar Geremia 10/09/2017 2:30 PM 4:00 PM Sociedade Beneficente Espírita Vinha de Luz. Rua Jerônimo Timóteo da Fonseca, 777. Gravataí/RS.
Bate-papo na  Liga de Geriatria e Gerontologia da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Finitude  da Vida (debate sobre o filme Antes de Partir) com Carlos Durgante. 12/09/2017 6:30 PM 8:30 PM R. Sarmento Leite, 245 – Centro Histórico, Porto Alegre – RS.
Palestra Mediunidade, Obsessão e Transtornos Mentais, com Paulo Rogério Aguiar. Encontros Fraternos 2017 19/09/2017 7:00 PM 8:30 PM Grupo Espírita Francisco Xavier. Rua Caju, 87 – Petrópois- Porto Alegre/RS.
Cine-Debate. Filme Amor Além da Vida com Carmem Baldisseroto e Emanuel Burck dos Santos. 22/09/2017 7:30 PM 9:30 PM S.E. Caminho da Luz. Av. Bento Gonçalves – 1209- Partenon. Porto Alegre/RS.
Palestra Velhice: Culpada ou Inocente? Com Carlos Durgante 23/09/2017 3:00 PM 4:00 PM Sociedade Espírita Circulo da Luz (SECL). R Barão do Triunfo, 1381 – Centro-  Osório/RS
Palestra Os Compromissos Morais e a Convivência em Família, com Carlos Durgante 28/09/2017 8:00 PM 9:00 PM Centro Espírita Irmão Joaquim Cacique de Barros. Av. Dr. Antônio Casagrande – 6 – Centro – Bento Gonçalves/RS.
Palestra A Doença de Alzheimer e suas Implicações Espirituais, Com Carlos Durgante 30/09/2017 2:00 PM 3:00 PM Centro Espirita Irmã Dalva. R. Gen. Frota, 126 – Taquara/RS
Workshop Diversidade Sexual: sob a Realidade  da Alma, com Sheila Simões e César Geremia 30/09/2017 2:00 PM 6:00 PM Auditório da sede da AMERGS. Rua Alcides Cruz, 379. Porto Alegre/RS.

______________________________________________________________________________

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Agosto de 2017

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
Palestra Neuroplasticidade e Espiritualidade com César Geremia 02/08/2017 6:00 PM 7:00 PM Liga Acadêmica de Espiritualidade da UFRGS. Sala 160 do HCPA.  Rua Ramiro Barcelos –  2350 –Porto Alegre/RS
Palestra Planejando o Futuro com Carlos Eduardo Durgante. 04/08/2017 8:00 PM 9:30 PM Grupo Espírita Seara do Mestre. Rua 7 de Setembro –  547. Santo Ângelo/RS
Seminário As Enfermidades Humanas à Luz da Doutrina Espírita com Carlos Eduardo Durgante 05/08/2017 2:00 PM 4:00 PM Sociedade Espírita de Auxílio Fraternidade. Rua Henrique Kopf –  808. Ijuí/RS
Palestra A Ação dos Sentimentos e das Emoções Sobre a Saúde com Carlos Eduardo Durgante 05/08/2017 8:00 PM 9:00 PM Clube 7 –  rua Vicente Silva –  179. Santo Augusto/RS.
Palestra “Mediunidade em transição” Com Alexandre Fontoura dos Santos 05/08/2017 2:00 PM 3:00 PM Centro Espírita Obreiros do Senhor. Rua Pascoal minoggio, 3445, bairro José da Luz. Itaqui, RS.
Palestra do aniversário de 87 anos de fundação do Centro Espírita Glória e Amor: “Joanna de Angelis e a proposta espírita para a plenitude” Com Alexandre Fontoura dos Santos 05/08/2017 6:00 PM 7:00 PM Centro Espírita Glória e Amor. Rua Luizinha Aranha, 857, centro. Itaqui, RS.
Palestra As Ansiedades Nossas de Cada Dia com Carlos Eduardo Durgante 06/08/2017 10:00 AM 11:00 AM Sociedade Espírita Caminho –  Verdade e Vida. Rua Odorico Caldeira do Amaral –  146. Jóia/RS.
Seminário A Ação dos Sentimentos e das Emoções Sobre a Saúde com Carlos Eduardo Durgante. 06/08/2017 3:00 PM 5:00 PM S. E. Caminho da Luz. Rua General F. Portinho –  963. Cruz Alta /RS.
Palestra Qualidade de Vida no Programa de Preparação para Aposentadoria de funcionários da Secretria da Fzenda do RS 08/08/2017 1:30 PM 3:45 PM Inspetoria Nossa Senhora Aparecida – Casa de Eventos Irmãs Salesianas. Rua Gonçalo de Carvalho –  390. Bairro Floresta – Porto Alegre.
Palestra sobre Família com Gelson Luis Roberto 12/08/2017 4:00 PM 5:00 PM União Espírita Portoalegrense João Alfredo –  464. Porto Alegre/RS.
Palestra Depressão e reencontro com Deus –  com Gelson Luis Roberto 18/08/2017 8:00 PM 9:00 PM Sociedade Espírita Amor e Caridade. Rua Reduzindo Pacheco –  1255 – Osório/RS.
Cine Debate. Filme Minhas Mães e Meu Pai com Sheila Simões e César Geremia 18/08/2017 7:30 PM 9:30 PM S.E. Caminho da Luz. Av. Bento Gonçalves –  1209- Partenon. Porto Alegre/RS.
Seminário As Enfermidades Humanas à Luz da Doutrina Espírita com Carlos Eduardo Durgante 19/08/2017 3:00 PM 5:00 PM Centro Espírita Irmão Joaquim Cacique de Barros. Av. Dr. Antônio Casagrande –  6 – Centro –  Bento Gonçalves/RS.
Palestra As Vidas de Joanna de Angelis com Guadalupe Amaral 22/08/2017 7:30 PM 8:30 PM Lar Irmã Esther. Rua São José 473 – Centro – Guaiba
Palestra Depressão e Suicídio à Luz da Psicologia Espírita com a psicóloga Michelle Ponzoni dos Santos. 26/08/2017 3:30 PM 4:30 PM Centro Espírita Fé Luz e Caridade – R. Tamandaré –  109 – Boa Vista –  Novo Hamburgo – RS
Workshop Escolha a Calma com Onofre Pinheiro do  Brahma Kumaris de Porto Alegre 26/08/2017 2:00 PM 4:00 PM Sede da AMERGS –  rua Alcides Cruz –  379. Porto Alegre/RS.
Palestra Transtornos mentais ou mediunidade? Com Paulo Rogério Aguiar 26/08/2017 6:00 PM 7:00 PM União Espírita Portoalegrense. Rua João Alfredo, 464. Porto Alegre/RS
Palestra Os Compromissos Morais e a Convivência em Família com Carlos Eduardo Durgante 27/08/2017 3:00 PM 4:00 PM GEAK – Av. Maringá –  1316 – Maringá –  Alvorada – RS.

 

 
______________________________________________________________________________

A Empatia e o Vínculo nas Relações Familiares

 Os espíritos que se encarnam numa mesma família, sobretudo entre parentes próximos, são, o mais frequentemente, Espíritos simpáticos, unidos por relacionamentos anteriores, que se traduzem por sua afeição durante a vida terrestre; mas pode ocorrer também que esses Espíritos igualmente anteriores, que se traduzem da mesma forma por seu antagonismo sobre a Terra, para lhes servir de prova. Os verdadeiros laços de família não são, pois os da consanguinidade, mas os da simpatia e da comunhão de pensamentos que unem os Espíritos antes, durante e após a sua encarnação. ” (ESSE cap. XIV)

 Em nosso mundo atual a correria diária nos impulsiona a vivermos de forma bastante ansiosa, muitas vezes, isolados e reféns de preocupações e compromissos exaustivos, auto exigências e limitação de tempo para nos observar. Todos precisam sobreviver e lutar por um espaço na sociedade e uma vida melhor. Estes ingredientes fazem com que nossos relacionamentos familiares adquiram características um tanto superficiais com a falta de empatia e fortalecimento dos vínculos afetivos.

A família é o lugar por excelência onde seremos convidados a colaborar praticando a lei de amor de forma mais intensa e desafiadora. Somos convidados a aprender a exercitar o amor na convivência conjugal, maternal, paternal, filial, fraternal, etc.

Todos somos desafiados, através do exercício diário que a convivência nos possibilita, a nos tornar pessoas mais empáticas e consequentemente estreitar nossos vínculos.

No papel de pais vivenciamos o amor incondicional e a doação mais pura na relação afetiva com os filhos. No papel de filhos vivenciamos, primeiramente durante a Infância, a idealização de nossos pais. Na Adolescência, passamos aos enfrentamentos, questionamentos e negação diante de suas normas e regras, para na Maturidade da vida adulta, compreendê-los como seres humanos falíveis, limitados e vulneráveis, assim como nós, passando a respeitá-los e a amá-los muito mais.

A finalidade principal da família é aprendermos a nos amar como irmãos, nos libertando do egoísmo, sentimento ainda extremamente arraigado em nossos corações.

Uma família perfeita num planeta de provas e expiações é impossível, porém é possível nos aperfeiçoarmos sempre.

Para Joanna de Ângelis: “a família é, antes de tudo, um laboratório de experiências reparadoras, no qual a felicidade e a dor se alternam, programando a paz futura”.

Emmanuel, no livro Leis de Amor nos relata sobre a função essencial do lar e família (cp. IV.6): “no caminho familiar, purificam-se instintos e renovam-se decisões. Nele encontramos estímulos ao trabalho e às tentações que nos comprovam as qualidades adquiridas, as alegrias que nos alentam e as dores que nos corrigem”.

Concluindo, ressaltamos que “o amor é o alicerce mais vigoroso para a construção de uma personalidade sadia, por ser gerador de um comportamento equilibrado”, já dizia Joanna de Ângelis. Com a benção da reencarnação, nos é possibilitado a oportunidade de exercitarmos o amor frente aqueles que nos inspiram genuinamente esse sentimento. Assim também, tal exercício se faz necessário, aos carentes de nosso amor, hoje familiares que nos conflitamos, com os quais temos débitos passados.

A empatia nos torna sensíveis a dores, fragilidades e limitações de nossos companheiros de jornada e é conquistada a partir da nossa condição de nos reconhecermos, humildemente, também vulneráveis, limitados e em eterno aprendizado e processo evolutivo.

A finalidade principal da família é aprendermos a nos amar como irmãos, nos libertando do egoísmo, sentimento ainda extremamente arraigado em nossos corações.

Que sigamos, perseverando em nosso aprimoramento espiritual, mesmo frente aos desafios mais intensos dentro de nossas famílias: amando e perdoando.

Que aproveitemos ao máximo a maior prova de Amor que Deus nos concede: a Vida!! E toda a nova oportunidade que ela encerra frente às relações com nosso próximo, mais próximo: nossa família!!

                                          Elizabeth Schuck – psicóloga clínica e psicoterapeuta de família

  • Bibliografia:
  • Allan Kardec, Evangelho segundo Espiritismo, Editora.Boa Nova
  • Alírio de Cerqueira Filho. Saúde das Relações Familiares, Editora EBM,S.Paulo,2007
  • Cristina Canovas de Moura. À família com afeto, Editora Letra de Luz, Porto Alegre,2012
  • Divaldo Franco, Constelação Familiar, Ed. Leal, Salvador,2002
  • Walter Barcelos, Educadores do Coração, Editora. União Espírita Mineira, BH,2007

 

 

 

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Julho de 2017

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
Workshop com o psicólogo Alexandre Fontoura dos Santos 01/07/2017 3:00 PM 5:00 PM Sede da AMERGS. Rua Alcides Cruz, 379. Porto Alegre/RS
O que temos de melhor em nós,  com Carlos Eduardo Durgante 01/07/2017 4:00 PM 5:00 PM Instituto Espírita Terceira Revelação Divina. Rua Chico Pedro, 340, Bairro Camaquã, Porto Alegre.
Palestra e lançamento do livro O Que Temos de Melhor em Nós com o médico Carlos Eduardo Durgante 08/07/2017 7:00 PM 8:30 PM Centro Espírita Francisco Xavier, 87. Petrópolis/Porto Alegre.
Palestra com Carlos Eduardo Durgante 16/07/2017 10:00 AM 11:00 AM .Associação Espírita Luz e Caridade de Soledade. 10h. Av. Maurício Cardoso, 803 – Centro, Soledade – RS
Palestra A Ação dos Sentimentos e das Emoções sobre a Saúde com Carlos Eduardo Durgante 19/07/2017 2:30 PM 3:30 PM Associação Beneficente Espírita Bezerra de Menezes. Av Nova Iork, 686. Porto Alegre/RS.
Palestra A Ação dos Sentimentos e das Emoções sobre a Saúde com Carlos Eduardo Durgante 27/07/2017 8:00 PM 9:00 PM S.E. Caminho da Luz. Av. Bento Gonçalves – 1209. Bairro Partenon – Porto Alegre/RS.
Debate com Carlos Eduardo Durgante e Marta Neves 28/07/2017 7:30 PM 10:00 PM S.E. Caminho da Luz. Av. Bento Gonçalves – 1209. Bairro Partenon – Porto Alegre/RS.
Palestra O Que Temos de Melhor em Nós com Carlos Eduardo Durgante 29/07/2017 3:30 PM 4:30 PM Sociedade Espírita Allan Kardec – Núcleo 1. R. Cel. Fernando Machado, 883 – Centro, Porto Alegre – RS
Palestra Planejando o Futuro, com Carlos Durgante 12/07/2017 8:00 PM 9:00 PM Sociedade Espírita Natanael. R. Vicente Celestino, 449 – Rubem Berta, Porto Alegre – RS,
Palestra Família nosso maior desafio no exercício do amor, com Elizabeth Schuck. 03/07/2017 8:00 PM 9:00 PM Centro Espírita Amor e Verdade. Av Feitoria, 876
São Leopoldo

 

______________________________________________________________________________

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Junho de 2017

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
Palestra A Natureza Humana e o sentido da Vida 06/06/2017 7:30 PM 8:30 PM Sociedade Beneficente Espírita Vinha de Luz, R. Jerônimo Timóteo da Fonseca, 777 – São Jerônimo, Gravataí – RS
Sessão de autógrafos 07/06/2017 1:30 PM 5:00 PM Livraria Francisco Spinelli –  Tv. Azevedo –  88 Bairro Floresta – Porto Alegre /RS
Encontros Fraternos 2017 10/06/2017 7:00 PM 8:30 PM Centro Espírita Francisco Xavier –  rua Caju –  87. Petrópolis – Porto Alegre/RS
MEDNESP 14/06/2017 7:00 PM 10:00 PM Riocentro- Rio de Janeiro
Seminário Preparatório CONJES (Confraternização das Juventudes Espíritas). 25/06/2017 2:00 PM 4:00 PM Sociedade Espírita A União Faz a Força. Rua  José Martins –  209 – Tamandaré –  Esteio/RS
Encontros de  Cine Debate 27/06/2017 7:30 PM 9:30 PM S. E. Caminho da Luz. Av. Bento Gonçalves – 1209. Bairro Partenon – Porto Alegre/RS.

 

______________________________________________________________________________

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Maio de 2017

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
Como diferenciar experiências religiosas/espirituais de psicopatologia? Com a psicóloga Letícia Alminhana 06/05/2017 2:00 PM 6:00 PM Sede da AMERGS. Rua Alcides Cruz – 379. Porto Alegre/RS
A Ação das Emoções e dos Sentimentos Sobre a Saúde. Com o médico Carlos Durgante 10/05/2017 6:00 PM 7:00 PM Associação Espírita Beneficiente Bezerra De Menezes . Rua Santa Helena – 58 Centro – Canoas/RS.
Experiências de Quase-Morte – com o médico Emanuel B. dos Santos 13/05/2017 7:00 PM 8:30 PM Centro Espírita Francisco Xavier – 87. Petrópolis/Porto Alegre.
Planejando o Futuro – com o médico Carlos Durgante. 13/05/2017 3:30 PM 5:00 PM Rua Adrião Monteiro – 2360 . Câmara de Vereadores de Capivari do Sul/RS.
 Filme Boyhood – da Infância à Juventude – com os debatedores o pediatra César Geremia e o psicólogo Gerson Merenda da Rocha 16/05/2017 7:30 PM 9:30 PM
O Que Temso de Melhor em Nós – com o médico Carlos Durgante 27/05/2017 4:00 PM 5:30 PM Sociedade União e Instrução Espírita. R. Quinze de Novembro – 461 – Centro – Pelotas/RS
Vida & Morte – integrando conceitos em biologia e  espiritualidade como o médico Emanuel B. dos Santos 27/05/2017 2:00 PM 4:00 PM
Encontro Municipal com Joanna de Ângelis – “Espiritismo e as contribuições para uma vida plena” com o psicólogo Alexandre Fontoura dos Santos. 28/05/2017 9:00 AM 5:00 PM União Municipal Espírita da cidade de São Borja/RS

______________________________________________________________________________

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Abril de 2017

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Local
A Ação dos Sentimentos e das Emoções Sobre a Saúde –  com Carlos Durgante. 01/04/2017 8:00 PM 9:00 PM   C. E. Fé –  Luz e Caridade. R. Tamandaré –  109 – Boa Vista –  Novo Hamburgo/RS
Allan kardec e Joanna de Ângelis: preparando as novas gerações –  com Sheila Simões. 06/04/2017 8:00 PM 9:00 PM S.E. Bezerra de Menezes. Rua Marechal Deodoro –  185 – Centro Viamão.
Assertividade de Jesus, com Mariane de Macedo. 06/04/2017 8:00 PM 9:00 PM CEEBN-Centro de Educação Espírita Boa Nova – Rodolfo Behr, 1727 – Santa Maria
Em Defesa da Vida –  uma Reflexão Sobre o Aborto –  com Elizabeth Schuck. 08/04/2017 5:00 PM 6:00 PM Sociedade Espírita Francisco de Assis. Rua santa Clara –  170- Cachoeirinha-RS.
A Natureza Humana e o Sentido da Vida –  com Carlos Durgante. 09/04/2017 10:00 AM 11:00 AM Associação Espírita Luz e Caridade. Av. Maurício Cardoso –  803 – Centro –  Soledade -RS
Debate sobre o filme 28 Dias –  com Paulo Rogério Aguiar e Sheila Simões. 18/04/2017 7:30 PM 9:30 PM S. E. Caminho da Luz. Av. Bento Gonçalves – 1209. Bairro Partenon – Porto Alegre/RS.
Palestra Planejando o Futuro com Carlos Durgante 18/04/2017 3:00 PM 5:00 PM City Hotel . Rua José Montaury, 20. Centro Histórico/POA
1º Simpósio Médico-Espírita Brasil-Uruguai. Coneferencistas: Paulo Rogério Aguiar –  César Geremia –  Edson Cardoso –  Gilson Roberto. 22-23/04/2017 9:00 AM 6:00 PM Teatro Municipal da Cidade de Rivera/UR.
crise e Crescimento pessoal, com Mariane de Macedo. 28/04/2017 8:00 PM 9:00 PM Grupo Espírita Allan Kardec- Lavras do Sul/RS
União de trabalhadores como ferramenta de fortalecimento, com Marieane de Macedo 29/04/2017 2:00 PM 4:00 PM SEAK – Sociedade Espírita Allan Kardec – Fernando Machado, 883 – Porto Alegre

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Março de 2017

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Detalhes Local
Palestra A Natureza Humana e o Sentido da Vida, com o médico geriatra Carlos Durgante. Ao final sessão de autógrafos 11/03/2017 7:30 PM 11/03/2017 8:30 PM Centro Espirita de Caridade Dias da Cruz.  R. Saldanha Marinho, 526 – Centro, Passo Fundo – RS
Palestra: As Ansiedades Nossas de Cada Dia, com o médico geriatra Carlos Durgante 13/03/2017 8:00 PM 13/03/2017 9:00 PM S. E. Amor à Verdade. Avenida Feitoria, 867. Bairro Rio Branco, São Leopoldo /RS
Palestra sobre Depressão, com a psicóloga Elisabeth Schuck 18/03/2017 7:30 PM 18/03/2017 8:30 PM Câmara dos Vereadores de Esteio/RS. Av. 24 de agosto, 535. Esteio/RS
Palestra: Mediunidade ou Transtorno Mental? Com o médico psiquiatra Paulo Rogério Aguiar 21/03/2017 8:00 PM 21/03/2017 9:00 PM Centro Espírita Fonte de Luz. Rua 7 de Setembro, número 585
Bairro Cidade Alta. Santo Antônio da Patrulha/RS
Encontros de Cine-Debate.  Filme Joy, o nome do sucesso. Com a médica cardiologista Maristela Winkler e a psicóloga Michelle Ponzoni dos Santos 21/03/2017 7:30 PM 21/03/2017 9:30 PM S. E. Caminho da Luz. Av. Bento Gonçalves, 1209. Bairro Partenon, Porto Alegre/RS.
Curso + Workshop, com o médico geriatra Carlos Durgante 31/03/2017 9:30 AM 31/03/2017 12:00 PM Centro de Atividades do SESI – CAT Rubem Berta (Paulino G. Barcelos, 307 – Porto Alegre),

Resenha do livro A Natureza Humana e o Sentido da Vida

Através do autoconhecimento, o homem se avalia, reflexiona e se posiciona diante da vida.  Na condição de espírito milenar em contínuo processo evolutivo sua vida será resultado de suas escolhas movidas pela natureza que lhe é peculiar.

Cada um de nós chegou até o espiritismo por diversas vias, por variadas motivações e peculiares razões, pois nesse mundo em que reencarnamos novamente, as dores e os sofrimentos que trazemos para os devidos tratamentos, são comuns a quase todos nós.

Nossa dor, ou o peso de nossa cruz, não é injusta, nem é desproporcional na sua intensidade, natureza e duração. Nos é facultada e nunca imposta, tem sempre uma razão de existir e precisa ser compreendida para ser assimilada. Tudo faz sentido, tudo tem seu sentido nesse vasto Planejamento que preside o destino de todos os seres!

“É a fé o remédio certo do sofrimento; ela mostra sempre os horizontes do infinito, diante dos quais se apagam os poucos dias sombrios do presente”. Allan Kardec.

Encontros de Cine-Debate 2017

 
Durante o ano de 2017 o Departamento de Comunicação da AMERGS(sob a responsabilidade de Carlos Eduardo Durgante e Sheila Simões),  em parceria com a Sociedade Espírita Caminho da Luz, realizarão Encontros de Cine-Debate. O primeiro deles será em homenagem ao dia internacional da mulher, em 21 de março, das 19h30min às 21h30min. Serão exibidas cenas do filme Joy, o Nome do Sucesso e contaremos com a participação da médica cardiologista Maristela Winkler e a psicóloga Michelle Ponzoni dos Santos.

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Fevereiro de 2017

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Detalhes Local
IV Mês Espírita de Capão da Canoa 10/02 19:30hs 21:00hs Palestra com o geriatra Carlos Durgante sobre o livro Planejando o Futuro, ao final sessão de autógrafos. Casa de Cultura Érico Veríssimo. Av. Flávio Boianowski, 789. Capão da Canoa/RS
Oficina Psicodoutrinária 11/02 13:00hs 18:00hs Oficina Psicodoutrinária para Evangelizadores com a psicóloga Sheila Simões. S.E. Caminho da Luz. Av Bento Gonçalves, 1209. Porto Alegre/RS
Palestra 11/02 19:00hs 20:00hs Palestra sobre Depressão com a psicóloga Elizabeth Schuck Câmara de Vereadores de Esteio. Rua 24 de agosto, 535. Esteio/RS

Se começarmos a matar bebês, o que nos impedirá de matar velhos e doentes?

gravidez2-625x415Se não existe nenhum argumento, nenhum preconceito, nenhum elemento de sacralidade na vida humana, nenhuma regra de natureza inviolável, nenhum princípio fundado na dignidade, enfim, nenhuma verdade moral capaz de nos impedir de matar nossos próprios filhos, o que poderá nos impedir de assassinar os nossos idosos, deficientes e doentes?

O aborto é o primeiro passo na direção da consolidação da cultura da morte. Mais alguns passos nessa direção e estaremos eliminando nossos velhos e doentes com a mesma desenvoltura de quem coloca o lixo para fora de casa.

Estou exagerando? Pense nos exemplos que darei neste texto.

A cultura da morte já predomina em países como Holanda e Bélgica, onde idosos e doentes estão cada vez mais na mira de burocratas-assassinos-bem-intencionados que fazem do Estado um instrumento moderno de “correção” dos “erros da natureza” ou “erros de Deus”.

Os defensores da cultura da morte sempre baseiam sua agenda no mais tosco utilitarismo (vide Peter Singer) e apresentam suas propostas como se, generosamente, assumissem o ponto de vista dos que são doentes demais para continuar existindo.

Exterminando os doentes

Na Bélgica, por exemplo, foi institucionalizada a eutanásia sem limite de idade. Ora, “eutanásia sem limite de idade” é simplesmente um nome técnico para infanticídio.

A Bélgica legalizou o direito à eutanásia para adultos em 2002. Em 2014 o Parlamento belga achou por bem ampliar o “direito” à eutanásia para crianças e adolescentes.

Na época 160 pediatras belgas se mobilizaram contra a lei, divulgando uma carta aberta ao Parlamento no qual questionaram, entre outras coisas, como se poderia esperar maturidade de crianças doentes diante da dilema de acabar ou não com a própria vida.

Uma reportagem da época revelou:

Um ponto bastante debatido no país foi como definir se a criança tem discernimento ou não. O texto [da lei] determina uma avaliação do médico responsável e também de um psiquiatra infantil para atestar a maturidade do paciente.

O que os belgas fizeram foi dizer a crianças confusas e em sofrimento “veja, você pode acabar com esse sofrimento quando quiser”. A pergunta que fica é: a eutanásia infantil foi uma demanda das crianças gravemente doentes ou de seus pais?

Um trecho da mesma reportagem dá uma pista:

A enfermeira belga ouvida pela Reuters, Sonja Develter, que já cuidou de cerca de 200 crianças em fase terminal, se opôs à lei. ‘Na minha experiência, eu nunca tive uma criança pedindo para acabar com sua vida’, disse.

Os pedidos de eutanásia muitas vezes vieram de pais que estavam emocionalmente exaustos depois de verem seus filhos lutarem por tanto tempo.

É óbvio que pais aflitos por não poderem mais viver como antes, talvez saudosos da vida social de outrora, projetaram seu egoísmo nos filhos e o reinterpretaram como uma “decisão soberana” de suas crianças ainda imaturas, confusas e em sofrimento.

Exterminando os velhos

Bélgica e Holanda estão na vanguarda da cultura da morte no mundo. Ambos os países começaram com a legalização do aborto e hoje já discutem as propostas mais bizarras que se pode imaginar.

Na Holanda a eutanásia é legal para crianças com mais de 12 anos caso elas tenham “o consentimento de seus pais”. E, como já especulamos acima, a eutanásia infantil interessa muito mais aos pais que cuidam de crianças doentes do que elas mesmas.

Os holandeses deram um passo além e permitiram que familiares de idosos severamente comprometidos pudessem solicitar a eutanásia em nome deles. Uma notícia bizarra da época da aprovação das leis holandesas narrou uma fuga de idosos da Holanda:

A eutanásia não desejada virou o pesadelo dos holandeses, informou a rádio oficial alemã Deustche Welle […] O novo asilo na cidade alemã de Bocholt, perto da fronteira com a Holanda, virou refúgio de muitos holandeses temerosos de que a própria família autorize a antecipação de sua morte.

Segundo a Universidade de Göttingen, 41% dos sete mil casos de eutanásia praticados na Holanda foram a pedido da família, que queria liberar-se do “incômodo”. 14% das vítimas estavam totalmente conscientes na hora em que foram liquidadas.

De acordo com Eugen Brysch, presidente do Movimento Hospice, a lei deixa os médicos de mãos livres para praticá-la de acordo com a sua própria interpretação do texto legal.

Brysche luta contra a legalização da eutanásia na Alemanha, onde ainda existe um forte tabu que dificulta a agenda da morte, afinal de contas, os nazistas praticaram eutanásia em larga escala contra deficientes físicos e mentais, judeus, ciganos e outras minorias.

“American Eugenics Society” foi um grupo que fez campanha aberta pela eugenia antes da II Guerra nos EUA. Os eugenistas estão entre os fundadores da Planned Parenthood, a famosa organização abortista americana.
“American Eugenics Society” foi um grupo que fez campanha pela eugenia antes da II Guerra nos EUA. Os eugenistas estão entre os fundadores da Planned Parenthood, a famosa organização abortista americana.

O problema do precedente

Depois de legalizar o aborto, a eutanásia e o infanticídio, a Bélgica já não tinha mais como impedir qualquer tipo de precedente, por mais bizarro ou absurdo que fosse.

Uma reportagem de junho deste ano narrou o caso de um jovem belga de 16 anos que pediu autorização para praticar a eutanásia “por não se aceitar gay”:

Sébastien diz ter feito terapia durante 17 anos, além de tomar remédios, e acreditar não ter outra opção. Ele afirma sentir atração por homens jovens e adolescentes e ter traumas de infância.

Por mais absurda que pareça a justificativa, Sébastien pode conquistar seu direito em breve, afinal de contas, “a lei belga estabelece que, para ter direito à eutanásia, os pacientes precisam demonstrar constante e insuportável sofrimento psicológico ou físico” .

É claro que, movidos por compaixão e empatia para com doentes terminais ou vítimas de sofrimento crônico, podemos manifestar simpatia pela descriminalização da eutanásia para adultos, por exemplo. Eu mesmo já tive muita simpatia pela proposta.

Mas, nestes casos, devemos fazer uma simples pergunta: o que vem a seguir?

Pois um fato escapa da nossa atenção quando nos envolvemos em dilemas morais que podem ser resolvidos com mudanças profundas: não existe decisão política isolada e cuja repercussão se encerra em seu próprio tópico.

Na esfera jurídica cada decisão gera uma jurisprudência. Na esfera política, cada decisão produz uma tendência. A eutanásia para adultos na Bélgica, por exemplo, abriu as portas para a eutanásia infantil. Ninguém sabe quais serão os próximos precedentes.

Cada decisão abre precedente para outra decisão. É como se estivéssemos em um labirinto sem fim no qual cada caminho leva a outro caminho desconhecido, e assim por diante.

Todas as decisões em favor da cultura da morte foram baseadas em uma versão moderna da postura filosófica conhecida como utilitarismo, advogada nos nossos dias por Peter Singer. Grosso modo, os utilitaristas defendem que devemos sempre buscar o prazer  e evitar o sofrimento, o que é a negação da própria essência da  vida.

Peter Singer é um dos líderes do movimento moderno de defesa dos direitos animais, e seu livro “Libertação Animal” é a obra máxima do movimento.  Singer defende o fim de uso de animais em pesquisas médicas e, ao mesmo tempo, é estridente defensor da legalização do aborto.

Tudo isso usando critérios utilitaristas.

São portadores dessa esquizofrenia moral que nos pedem para abrir a porta do aborto, sabendo que em seguida abriremos outras portas, e chegaremos ao mundo bizarro sem sofrimento com o qual eles sonham.

Em algum momento a eutanásia autorizada pelo paciente abre as portas para a eutanásia ativa, aplicada por médicos convictos de que sabem o que é melhor para o paciente.

Com o precedente em favor do aborto, o Brasil já deu o primeiro passo na direção da desvalorização da vida e da consolidação da cultura da morte. Se começarmos a matar bebês, o que nos impedirá de matar velhos e doentes?

Nada, absolutamente nada.

Publicado em 2 de dezembro de 2016 por Thiago Cortes

STF e seus equívocos

gravidez2-625x415A AME-Brasil recebeu com profunda surpresa a decisão tomada dia 29/11/2016 pela 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) ao não considerar crime a prática do aborto durante o primeiro trimestre de gravidez  no julgamento de uma clínica de aborto, em Duque de Caxias (RJ). Entendemos que essa decisão gera uma jurisprudência que favorecerá o embasamento das decisões judiciais de outras instâncias por todo o Brasil, abrindo assim um precedente para descriminalizar o aborto até o terceiro mês de gravidez.

Lamentamos profundamente a posição tomada pelo STF que além de desconsiderar toda a questão médica científica, assumiu um papel de legislador, ferindo a própria Constituição Federal que deveria defender, agindo de forma prepotente e desrespeitosa em relação à população brasileira, que é na sua grande maioria contrária à prática do aborto.

Nos assustam tais atitudes do Judiciário neste momento em que as instituições políticas, como o Congresso e o Senado, encontram-se em crise. O STF  deveria ser a base de sustentação na defesa do direito primordial e mais básico do ser humano que é a vida.

As justificavas utilizadas para defender o  aborto nessas condições baseadas no argumento que maioria dos “países democráticos” e “desenvolvidos” assim o fazem é demonstrar falta de autenticidade, autonomia, respeito próprio e jogar fora todos os conhecimentos científicos da embriologia médica.

Cabe ressaltar que o Brasil não é um país desenvolvido. A nossa cultura não é de um país desenvolvido, a nossa educação e saúde pública não é de um país desenvolvido. Não passa de um pensamento mágico e pueril achar que copiando algo de fora possa ser “bom” para nós ou nos transforme em países “desenvolvidos” quando nos faltam os elementos mais básicos e essenciais para atingirmos essa realidade. Querer copiar coisas de fora sem estar atento e sem atender as reais necessidades internas também não é uma prática de países desenvolvidos.

Esse argumento não serve como embasamento para decisões tão sérias que exigem clareza e conhecimento de causa.

Sabe-se que no Brasil a mortalidade materna e infantil caíram drasticamente nos últimos anos graças a vários fatores como pré-natal, saneamento básico, aleitamento materno, melhor distribuição de renda e programa de saúde da família.

O aborto nunca deverá ser usado como fonte de enriquecimento para clínicas abortistas que em nada atendem as necessidades da população carente e sua utilização como instrumento para controle de natalidade é simplesmente abominável.

O que precisamos é de educação e melhores condições sociais com profundo respeito a vida.

O que caracteriza o valor de uma sociedade é sua capacidade de proteger o mais fracos. E a criança no útero materno é o elo mais frágil da sociedade exigindo braços fortes e sensíveis que a protejam.

Esperamos que no futuro esse argumento da “maioria” não se sobreponha as conquistas do pensamento científico, dos valores éticos e no respeito ao pensamento da maioria da população brasileira.

Nesse momento nos envergonhamos profundamente dos homens públicos que deveriam ser o esteio e o exemplo de uma sociedade justa e solidária.

AME-Brasil

Lançamento do Livro Planejando o Futuro

O foco principal desse livro é o do aconselhamento, de orientações para, dessa forma, ampliar os horizontes do conhecimento humano na edificação da saúde integral. Essa se fundamenta em suas vertentes holísticas, em que não só o olhar na direção da dimensão do corpo poderá proporcionar qualidade de vida, mas outros olhares ainda mais atentos, direcionadplanejandoos às demais dimensões, como a das relações sociais, a da mente, a dos sentimentos e a do espírito. Convido o leitor, então, a se colocar diante de um grande painel ou de uma gigantesca tela para programar seu futuro de saúde, pautado pelas sábias e prudentes escolhas que vier a fazer ao longo da vida.

Boa leitura e sucesso no Planejamento do seu Futuro!

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Novembro de 2016

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Detalhes Local
62ª Feira do Livro de Porto Alegre 02/11/2016 15:00 16:00 Sessão de Autógrafos do livro infantil O Rei Maltrapilho de Sheila Simões Praça de autógrafos –  praça da alfândega – Porto Alegre/RS
62ªFeira do Livro de Porto Alegre 05/11/2016 14:00 15:00 Apresentação do livro A Natureza Humana e o Sentido da Vida –  com os autores Elizabeth Schuck e Carlos Durgante   Sala leste do Santander Cultural. Rua Sete de Setembro –  1028. Porto Alegre/RS
62ª Feira do Livro de Porto Alegre 05/11/2016 15:00 16:00 Sessão de autógrafos do livro A Natureza Humana e o Sentido da Vida –  com os autores Elizabeth Schuck e Carlos Durgante. Praça de autógrafos –  praça da alfândega  – Porto Alegre/RS
44ª Feira do Livro de Pelotas 15/11/2016 17:00 18:00 Sessão de Autógrafos do livro A Natureza Humana e o Sentido da Vida –  com o autor Carlos Durgante Praça Coronel Pedro Osorio- Centro de Pelotas/RS
Liga Espírita Pelotense 15/11/2016 15:00 16:00 Palestra A Natureza Humana e o Sentido da Vida –  com Carlos Durgante Rua Andrade Neves –  981. Pelotas/RS
Grupo Boa Idade 16/11/2016 14:30 15:30 Palestra O Envelhecimento e a Necessidade de Cuidado Humanizado –  com Carlos Durgante Sociedade Beneficente  Espírita Bezerra de Menezes – Av. Nova York –  667. Porto Alegre/RS
Encontro de Ciência –  Saúde e Espiritualidade – 2016 19/11/2016 14:30 16:30 Palestra Vivência a respeito da autoconsciência e autoresponsabilidade no momento evolutivo da Terra –  com Marta Neves e Gerson Merenda da Rocha. FERGS –  Tv. Azevedo –  88. Porto Alegre/RS
Encontros Fraternos – 2016 19/11/2016 19:00 20:30 Palestra Transplante de Órgãos na visão espírita com Emanuel Burk dos Santos Grupo Espírita Francisco Xavier. Rua Caju –  87. Porto Alegre/RS
Palestra 22/11/2016 20:00 21:00 Palestra As Enfermidades Humanas à Luz da Doutrina Espírita –  com Carlos Durgante Associação Espírita Laços Eternos. Rua Antônio Machado –  965- Palmares do Sul/RS
Palestra 22/11/2016 19:30 20:30 Palestra O Encontro da Saúde com a Espiritualidade, com o psiquiatra Paulo Rogério Aguiar Centro Espírita Francisco Spinelli. Rua Allan Kardec,28. Porto Alegre/RS
Palestra 13/11/2016 10:00 11:30 Palestra na Evangelização : Idade e qualidade de vida, com a psicóloga Elizabeth Schuck Sociedade Beneficente Espírita Bezerra de Menezes – Av. Nova York, 667. Porto Alegre/RS
Palestra 14/11/2016 15:30 16:00 Palestra Respeito à vida, com a psicóloga Elizabeth Schuck Sociedade Beneficente Espírita Bezerra de Menezes – Av. Nova York, 667. Porto Alegre/RS

Campanha Novembro Azul 2016

novembro-azulO câncer de próstata é a segunda causa de óbitos por câncer entre os homens. Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) do Brasil revelam que o número de casos novos desse tipo de tumor maligno ultrapassa 50 mil e vem aumentando progressivamente a cada ano. A mortalidade por essa moléstia ainda é relativamente alta. Na atualidade, é cada vez maior o número de casos diagnosticados em fases iniciais e, consequentemente, são maiores as chances de cura dos portadores de câncer de próstata. Porém, mesmo em casos mais avançados, existem hoje possibilidades terapêuticas de controle mais eficazes e duradouras. Como medida preventiva em nível primário, destaca-se a realização do exame médico periódico anual de toque retal, acompanhado do exame laboratorial do Antígeno Prostático Específico (PSA), visto que somente esse exame de sangue não é medida preventiva segura e suficiente. É bom lembrar que cerca de 80% dos casos de câncer de próstata podem ser descobertos a partir do exame de toque, devido à localização desses tumores serem em zonas periféricas da próstata. Outras medidas importantes consistem em evitar alimentos ricos em gordura animal, manter uma alimentação saudável, com predomínio de frutas e verduras, e não fumar. Há estudos que evidenciam o fator protetor da alta ingestão de alimentos ricos em licopeno, encontrados principalmente no tomate, bem como a ingestão moderada de cafeína. Os exames regulares, para quem tem história familiar, devem ser iniciados aos 40 anos, e para os que não têm esse histórico positivo de câncer de próstata, os exames de toque e bioquímicos podem ser realizados, anualmente, a partir dos 50 anos de idade.

Carlos Eduardo Durgante, texto retirado do livro Planejando o Futuro, 2016/Editora Francisco Spinelli.

 

Carlos Eduardo A. Durgante

Carlos Eduardo A. Durgante

Médico, especialista em Medicina Interna pela UFSM, pós-graduado em Geriatria e Gerontologia pelo IGG/PUCRS, especialista em Medicina do Trabalho pela Faculdade de Medicina de Itajubá/MG (FMIt), escritor e professor de pós-graduação do Curso de Especialização em Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato, articulista da Folha Espírita, trabalhador da Sociedade Espírita Bezerra de Menezes. Autor dos livros: Planejando o Futuro; Fé na Ciência;Velhice: culpada ou inocente? e Luz, Câmera…Ação! A Vida Entra em Cena. Organizador do livro Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade.

Link Currículo Lattes
Email: durgantecarlos@gmail.com

 

1º de Outubro – Dia do Idoso

O Dia do Idoso é comemorado no Brasil em 1º de outubro. Essa data faz referência ao dia da aprovação do Estatuto do Idoso, em 2003.

 

1o-de-outubro-dia-internacional-do-idosoNo 1º dia do mês de outubro celebra-se o Dia do Idoso no Brasil. Até 2006, o Dia do Idoso era comemorado no dia 27 de setembro. Isso porque, em 1999, a Comissão pela Educação, do Senado Federal, havia instituído tal data para a reflexão sobre a situação do idoso na sociedade, ou seja, a realidade do idoso em questões ligadas à saúde, convívio familiar, abandono, sexualidade, aposentadoria etc.

No dia 1º de outubro de 2003, porém, foi aprovada a Lei nº 10.741, que tornou vigente o Estatuto do Idoso. Pelo fato de o Estatuto ter sido instituído em 1º de Outubro, em 2006 foi criada uma outra lei (a Lei nº 11.433, de 28 de Dezembro de 2006) para transferir o Dia do Idoso para 1º de outubro. Vale salientar que desde 1994, com a Lei nº 8.842, o Estado brasileiro já havia inserido a figura do idoso no âmbito da política nacional, dado que essa lei criava o Conselho Nacional do Idoso.

O fato é que, com a criação do Estatuto do Idoso, em 2003, o Brasil começou a incorporar à sua jurisprudência resoluções de organizações internacionais, como a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização Mundial da Saúde (OMS). Sabe-se que, em 1982, a ONU elaborou, em Viena, na Áustria, a primeira Assembleia Mundial sobre o Envelhecimento. Dessa Assembleia, foi elaborado um Plano de Ação Internacional sobre o Envelhecimento que tinha 62 pontos, os quais passaram a orientar as reflexões, legislações e ações posteriores a respeito do idoso.

É sabido, também, que, na Assembleia Geral de 1991, a ONU aprovou a Resolução 46/91, que trata dos direitos dos idosos. Os princípios dessa resolução norteiam as discussões contemporâneas sobre a situação do idoso. Entre esses princípios, estão os da “Autorrealização” e da “dignidade”, cujos pontos são:

Autorrealização:

  • Aproveitar as oportunidades para o total desenvolvimento das suas potencialidades;
  • Ter acesso aos recursos educacionais, culturais, espirituais e de lazer da sociedade;

Dignidade:

  • Poder viver com dignidade e segurança, sem ser objeto de exploração e maus-tratos físico ou mentais;
  • Ser tratado com justiça, independentemente da idade, sexo, raça, etnia, deficiências, condições econômicas ou outros fatores.

Além desses princípios, a ONU ainda deu destaque às questões da assistência aos idosos e de sua integração e participação na sociedade, bem como da independência que lhes é inerente e que deve ser-lhes garantida em direitos como: oportunidade de trabalho, lazer, determinar em que momento deve afastar-se do mercado de trabalho, poder viver em ambientes seguros etc. O dia 1º de outubro, portanto, é reservado para pensar sobre todas essas questões fundamentais a respeito do idoso.

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Outubro de 2016

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Detalhes Local
Palestra do Mês do Idoso 06/10/2016 20:00hs 20:30hs Palestra O Olhar Espírita Sobre o Envelhecimento Humano  –  com o geriatra Carlos Durgante SBEBM- Av –  Nova York –  667. Auxiliadora- Porto Alegre/RS
Encontros Ciência –  Saúde e Espiritualidade – 2016 08/10/2016 14:30hs 16:30hs Filme-Debate: “E se Vivêssemos Todos Juntos”. Debatedores: médico   Carlos Durgante e a psicóloga Sheila Simões.  Sede da FERGS –  Tv. Azevedo –  88 – Porto Alegre
Encontro Sobre a Família 15/10/2016 14:30hs 17:30hs Palestras com temas relativos à Família com o médico geriatra Carlos Durgante e a psicóloga Elizabeth Schuck.  S. E. Amor à Verdade. Av. Feitoria –  867 –  Bairro Rio Branco – São Leopoldo –  RS.
Palestra Envelhecimento na visão espírita. 22/10/2016 17:00hs 18:00hs Palestra alusiva ao mês do idoso e sessão de autógrafos com médico geriatra Carlos Durgante Sociedade Espírita Lar de Joaquina. Av. Pres. Vargas –  1920 – Centro –  Santa Maria – RS
Palestra A Natureza Humana e o Sentido da Vida 23/10/2016 10:00hs 11:00hs Palestra  e sessão de autógrafos com o médico geriatra Carlos Durgante Soc. Esp. Dr. Antonio Víctor Menna Barreto. Av. Itaimbé –  670. Santa Maria –  RS
Palestra alusiva ao mês do idoso 29/10/2016 14:30hs 16:30hs Palestra e sessão de autógarfos sobre temas realtivos ao envelhecimento humano com o médico geriatra Carlos Durgante e a psicóloga Elizabeth Schuck SBEBM- Av. Nova York –  667. Auxiliadora – Porto Alegre/RS
Palestra A Natureza Humana e o Sentido da Vida 23/10/2016 15:00hs 16:30hs Palestra e sessão de autógarfos com a psicóloga Elizabeth Schuck Sociedade Espírita Rosa dos Ventos – Rua Felipe Mallmann –  nº 269 – Lajeado/RS-

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Setembro de 2016

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Detalhes Local
Terapias Cognitivas – Ampliação da Consciência e Mindfulness 02/09/2016 7:30 PM 10:00 PM Palestra com Paulo Rogério Aguiar NEAPC – Núcleo de estudos e atendimentos em Psicoterapias . Rua dona Eugênia – 529. Porto Alegre/RS
2º Simpósio da AME-SC 03/09/2016 9:00 AM 11:30 AM Palestra As Enferminades Humanas à Luz da Doutrina Espírita – com Dr. Carlos Durgante Centro Multiuso –  Av. Acioni Souza Filho – s/n. São José/SC.
Palestra A Natureza Humana e o Sentido da Vida 07/09/2016 6:00 PM 7:00 PM Palestra com o médico geriatra Carlos Durgante Sociedade Espírita Bezerra de Menezes. Rua Santa Helena – 58 – centro. Canoas/RS
Palestra Pública Doutrinária Crise e Crescimento Pessoal 10/09/2016 7:00 PM 8:30 PM Palestra com a psicol. Mariane de Macedo Grupo Espírita Francisco Xavier – Caju – 87 – Porto Alegre/RS
2º Encontro Médico-Jurídico Espírita do RS – Palestra A Incidência de Suicídios entre os Idosos 10/09/2016 9:30 AM 11:00 AM Palestra A Incidência de Suicídios entre os Idosos – com o Dr. Carlos Durgante Av. Aureliano de Figueiredo Pinto – 80. Porto Alegre/RS
2º Encontro Médico-Jurídico Espírita do RS – Palestra Suicídio no Meio Médico 10/09/2016 10:00 AM 11:00 AM Palestra Suicídio no Meio Médico – com o psiquiatra Paulo Rogério Aguiar. Av. Aureliano de Figueiredo Pinto – 80. Porto Alegre/RS
Palestra Pública Doutrinária – Psicologia da Gratidão 16/09/2016 8:00 PM 9:00 PM Palestra com a psicol. Mariane de Macedo Centro de educação Espírita Boa Nova – Rua Duque de Caxias – 61 – Mata – RS
Painel – Em defesa da Vida – Suicídio 17/09/2016 2:00 PM 4:00 PM Palestra com a psicol. Mariane de Macedo CEEBN- Centro de Educação Espírita Boa Nova -Rua Rodolfo Behr – 1727 – Esquina Roraima – Santa Maria
Palestra Da Velhice à Reencarnação 17/09/2016 2:30 PM 4:00 PM Palestra com Carlos Durgante Sociedade Universalista André Luiz. Rua Tamoio – 1931. Bairro Fátima – Canoas/RS
ENCONTRAME Paraná – Conferência Espiritualidade na Formação do Médico 23/09/2016 7:00 PM 8:00 PM Palestra com Dr. Paulo Rogério Aguiar Teatro da Federação Espírita do Paraná. Curitiba/PR.
Palestra Pública Doutrinária. Sociedade Espírita Jesus é o Caminho 26/09/2016 8:00 PM 9:00 PM Palestra com a psicol. Mariane de Macedo Alfredo Duarte – S/N – Caçapava do Sul –RS
Palestra Da Velhice à Reencarnação 27/09/2016 7:30 PM 8:30 PM Palestra com Carlos Durgante Sociedade Espírita Francisco Spinelli – Rua Coronel Aparício Borges – s/n (próximo ao nº 122). Porto Alegre/RS

Lançamento da editora EdiPUCRS, o e-book (livro digital) “Psicologia e Espiritualidade”

51GF10WkI0LLançamento da editora EdiPUCRS, o e-book (livro digital) “Psicologia e Espiritualidade”, dos professores da PUCRS Leonardo Machado de Oliveira e Maria Lúcia Andreoli Moraes, conta com a participação de vários associados da AMERGS. Temas como As Neurociências e os estudos de ampliação da consciência, espiritualidade e envelhecimento, análise psicológica do filme Nosso Lar e psicologia analítica Junguiana são abordados.
Recomendamos a leitura!

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Agosto de 2016

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Detalhes Local
Capacitação para Trabalhadores 06/08/2016 15:00 18:00 Terapia do Passe, com Mariane de Macedo Sociedade Espírita Fraternidade. Rua Alter Cintra de Oliveira, 100. Caçapava do Sul/RS
Palestra e Lançamento de livro A Natureza Humana e o Sentido da Vida 08/08/2016 21:00 21:00 Palestra com Carlos Durgante Grupo Espírita Irmão Ismael. Rua Alegrete, 100 – Bairro Niterói – Canoas/RS.
A Importância da Dimensão Espiritual na Promoção da Saúde Integral 11/08/2016 20:00 21:00 Palestra com Carlos Durgante Templo Adolfo Zimmermann Neto. Rua Duque de Caxias, 145- centro histórico- Porto Alegre-RS
Encontros de Ciência, Saúde e Espiritualidade 13/08/2016 14:30 16:30 Palestra A Humanização nos Atendimentos Médicos de Urgência, com Maristela Winkler Sede da FERGS. Tv. Azevedo, 88 – Bairro Floresta – POA/RS
Encontro com Jovens 17/08/2016 18:00 19:30 Em Defesa da Vida, com Mariane de Macedo Sociedade Espírita Fraternidade. Rua Alter Cintra de Oliveira, 100. Caçapava do Sul/RS
Encontros Fraternos 2016 13/08/2016 19:00 20:30 Palestra Sete Barreiras na Evolução, com Rogério Pereira Grupo Espírita Francisco Xavier. Rua Caju, 87- Petrópolis- Porto Alegre/RS
Palestra e lançamento do livro A Natureza Humana e o Sentido da Vida 20/08/2016 16:00 16:00 Palestra com Carlos Durgante Sociedade Espírita Allan Kardec, Av. Avenida Porto Alegre, 655. Capão da Canoa/RS.
Capacitação para Trabalhadores 20/08/2016 14:00 17:00 Por que ser um Trabalhador Espírita? Com Mariane de Macedo Núcleo Espírita Ciranda de Luz. Duque de Caxias, 94. Sapiranga/RS
Palestra 26/08/2016 20:00 21:30 Assertividade como Facilitadora do Processo Evolutivo, com Mariane de Macedo Sociedade Espírita Caminho da Luz. Av. Bento Gonçalves, 1209. Porto Alegre/RS

 

 

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Julho de 2016

agenda_palestras-534x168

Evento/Palestra Data Hora/Início Hora/Fim Detalhes Local
Palestra Transtornos Mentais: do cotidiano às profundezas da alma 02/07/2016 17:30 18:30 Palestra com a psicóloga Sheila Simões Sociedade Espírita Amor a Verdade. Avenida Feitoria, 867 – São Leopoldo/RS
Encontros Fraternos 2016. 09/07/2016 19:00 20:00 Palestra A Natureza Humana e o Sentido da Vida com Carlos Durgante e Elizabeth Shuck. Sessão de autógrafos ao final Grupo Espírita Francisco Xavier (Rua Caju, 87 – Bairro Petrópolis – Porto Alegre)
Palestra A Diversidade sexual sob a realidade da alma 15/07/2016 20:00 21:30 Palestra com a psicóloga Sheila Simões Sociedade Espírita Caminho da Luz. Av. Bento Gonçalves, 1209 – Santana, Porto Alegre/RS.
Encontros de Ciência, Saúde e Espiritualidade 16/07/2016 14:30 16:30 A criança, a família e o desenvolvimento emocional. Exibição de trechos do filme Divertida Mente. Debatedores: psicóloga Sheila Simões e o médico pediatra César Geremia Sede da FERGS. Tv. Azevedo, 88. Bairro Floresta, Porto Alegre/RS.
Palestra A Natureza Humana e o Sentido da Vida 23/07/2016 15:00 16:00 Palestra com Carlos Durgante Sociedade Espírita Casa do Caminho. Rua Pinto Bandeira, 140. Bairro Viamópolis. Viamão/RS
Palestra “Ajuda-te a ti mesmo”. 26/07/2016 20:00 20:30 Palestra com a psicóloga Sheila simões Sociedade Espírita Augusto da Paz. Rua São Francisco, 746 – Porto Alegre/RS
Palestra A Natureza Humana e o Sentido da Vida 12/07/2016 20:00 21:00 Palestra com Carlos Durgante Sociedade Espírita Bezerra de Menezes de Viamão. Rua Marechal Deodoro 185 Viamão, RS
Encontro com os pais sobre Drogas e suas consequências 02/07/2016 13:30 15:00 Palestra com o psicólogo Gelson l. Roberto Soc. Espírita A Caminho da Luz
Rua Marechal Deodoro, 336, Centro
Santa Cruz do Sul
Palestra: A psicologia espírita de Joanna de Ângelis 03/07/2016 10:00 11:00 Palestra com o psicólogo Gelson l. Roberto Cruz Alta/RS. Sede da UME
Palestra : Amor e Superação 29/07/2016 20:00 21:30 Palestra com o psicol. Gelson L. Roberto Sociedade Espírita Caminho da Luz . Av. Bento Gonçalves, 1207 POA
Palestra A Natureza Humana e o Sentido da Vida 30/07/2016 14:30 16:00 Palestra e lançamento do livro A Natureza Humana e o Sentido da Vida Sociedade Espírita Esperança. Rua Querino Ari Candiago, 345 Gramado /RS
Palestra: Depressão sob o olhar da Psicologia e do Espiritismo 12/07/2016 19:30 20:30 Palestra com o psicólogo Alexandre Fontoura dos Santos Sociedade Espírita Francisco Spinelli. Rua Allan Kardec, nº 28, bairro Partenon, Porto Alegre – RS
Palestra: Felicidade sob o olhar da Psicologia e do Espiritismo 22/07/2016 19:30 20:30 Palestra com o psicólogo Alexandre Fontoura dos Santos CEC Dias da Cruz – Rua Saldanha Marinho, 526. Passo Fundo- RS.
Palestra: Saúde mental e apoio fraterno: alguns cuidados relevantes 23/07/2016 9:00 Palestra com o psicólogo Alexandre Fontoura dos Santos CEC Dias da Cruz – Rua Saldanha Marinho, 526. Passo Fundo- RS.
Palestra: Depressão sob o olhar da Psicologia e do Espiritismo 23/07/2016 19:00 21:00 Palestra com o psicólogo Alexandre Fontoura dos Santos Auditório do Colégio Notre Dame. Passo Fundo – RS.

 

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Junho de 2016

agenda_palestras-534x168

Data Hora/Início Hora/Fim Evento/Palestra Local
02/06/2016 15:00:00 16:00:00 Palestra com a psicóloga Mariane de Macedo Sede da FERGS. Tv Azevedo, 88. Floresta, Porto Alegre/RS
11/06/2016 19:00:00 20:00:00 Depressão Segundo a Doutrina Espírita. Psicóloga Michelle Ponzoni dos Santos Rua Caju, 87. Porto Alegre/RS
18/06/2016 15:30:00 18:30:00 Sessão de autógrafos do livro a Natureza Humana e o Sentido da Vida Sede da AMERGS, Rua Alcides Cruz, 379. Porto Alegre
25/06/2016 14:30:00 16:30:00 Palestra A psicologia Espírita de Joanna de Ângelis, com o psicólogo Alexandre Fontoura dos Santos Ssde da FERGS. Tv Azevedo, 88. Floresta, Porto Alegre/RS
30/06/2016 15:00:00 16:00:00 Palestra Velhice: culpada ou inocente? Sociedade Espírita Vinha de Luz. R. Jerônimo Timóteo da Fonseca, 777- Gravataí/RS.

A ciência e as experiências mediúnicas de psicografias

“Um estudo inédito realizado por cientistas do Brasil e dos Estados Unidos investigou o cérebro de médiuns brasileiros com prática em psicografia (capacidade de escrever mensagens que seriam ditadas por espíritos) durante o estado de transe e também fora dele. Os pesquisadores usaram modernas técnicas e equipamentos de última geração para examinar a questionável e controversa experiência de comunicação com os mortos. A discussão indica que o cérebro dos submetidos à análise funciona de modo diferente. O fato de que os indivíduos escreveram conteúdos complexos, apesar de menor ativação cerebral em estado de transe dissociativo, sugere que eles não estavam só relaxados, e o relaxamento parece uma explicação improvável para a subativação que se verificou em áreas cerebrais relacionadas ao processamento cognitivo”

[pdf-embedder url=”http://www.amergs.org/wp-content/uploads/2016/05/Estudo-Neuroimagem-Psicografos-PSIQUE-julho-2013.pdf”]

Botão-Download-1

Quando Nos Deparamos Com O Diagnóstico: Mal De Alzheimer

alzheimerO Mal de Alzheimer é uma doença cerebral degenerativa primária de etiologia desconhecida com aspectos neuropatológicos e neuroquímicos característicos. É um transtorno insidioso com desenvolvimento lento mas continuo por vários anos. É caracterizado pela perda progressiva das funções intelectuais. Inicialmente há uma perda de memória e posteriormente outras funções são acometidas.

Atualmente os medicamentos disponíveis auxiliam para que o progresso e a evolução da doença sejam mais lentos. Além das funções cognitivas afetadas, podem ocorrer alterações no comportamento do paciente (apatia, agitação, irritabilidade, agressividade).

Para o paciente, no início da doença, o sofrimento é bastante intenso. Suas crises temporárias de perda de memória, confusão mental e desorientação espaço-temporal o deixam bastante angustiado, inseguro, e com muito medo. Tanto o paciente como o familiar se deparam com “perdas diárias” tornando esse desafio uma prova bastante difícil de ser vivenciada.

A importância de todos envolvidos na doença Mal de Alzheimer serem assistidos por uma equipe multidisciplinar é vital para a manutenção de uma estrutura psicológica bem mais equilibrada diante ao diagnóstico.

O paciente necessita de muita entrega e dedicação do cuidador e/ou familiar, onde a paciência, compaixão e lucidez para o manejo com ele é extremamente fundamental. Acompanhamentos terapêuticos e esclarecimentos sobre a doença são extremamente necessários para que haja uma condução adequada, principalmente, para aqueles que se responsabilizam pelos cuidados do doente. A energia envolvida é bastante intensa pois a convivência é muito sobrecarregada e exaustiva.

Outro aspecto de suma importância é o entendimento e apoio espiritual. A terapêutica complementar espírita com os passes magnéticos, água fluidificada, evangelho no lar e tratamentos desobssessivos (quando necessários) são essenciais como suporte para todos os envolvidos neste diagnóstico.

Sabedores de que “nada acontece por acaso” e que as doenças vivenciadas já são nossa oportunidade de cura espiritual cultivemos a fé na Espiritualidade Maior que nos alcançará o suporte para vivenciarmos esta prova.

Não esqueçamos: quem é… e quem foi…a pessoa que hoje se encontra com Mal de Alzheimer.

O Amor é a maior força a nos sustentar e a auxiliar no conforto e no alívio dos sintomas das dores da alma. Tenhamos, sempre presente, que oportunizar para o paciente momentos de alegria, conforto, carinho e prazer, mesmo que serão esquecidos nos minutos seguintes abastecerá imensamente o momento presente de nosso ente querido. E isso ficará para sempre na sua memória espiritual.

O cuidador e familiar com o avanço da doença no paciente necessitará de muito apoio e reabastecimento psicológico e espiritual. Esse panorama evidencia que tanto paciente como familiar e/ou cuidador estão entrelaçados numa prova compartilhada e que exigirá muita compaixão, indulgência, perdão, paciência, resignação e amor dos envolvidos.

Lembrando o Evangelho segundo o Espiritismo no capítulo 5: Bem-aventurados os aflitos porque serão consolados, Jesus indica, ao mesmo tempo, a compensação que espera aqueles que sofrem, e a resignação que faz abençoar o sofrimento como prelúdio da cura.

Não esquecendo que, para aqueles que estiverem em sofrimento, sempre haverá um consolo, basta não perder a fé e a compreensão que a nossa passagem durante cada encarnação tem o propósito da evolução espiritual.

Nos momentos de muita aflição nos reportemos ao Mestre Jesus que nos diz com todo o seu Amor e serenidade:

“Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e que estais sobrecarregados e eu vos aliviarei. -Tomai meu jugo sobre vós, e aprendei de mim que sou brando e humilde de coração, e encontrareis o repouso de vossas almas; porque meu jugo é suave e meu fardo é leve. ” (São Mateus11:28-30)

Elizabeth Schuck – psicóloga clínica e psicotepareuta de familia

Obras Literárias da AME e AMERGS serão lançadas durante o 1º Seminário da AME-Brasil e 7º Congresso da AMERGS

IMG_6385

Durante o evento serão lançados dois livros que abordam questões relativas ao grande desafio que o ser humano tem em sua trajetória de elevação moral e espiritual, conciliando a sua  natureza e o sentido que dá a sua existência. (“A Natureza Humana e o Sentido da Vida”).
Colocando a educação médica como copartícipe na construção de um projeto ético que nos remeta a olhar para dentro(exercitando o autoconhecimento), para os lados(buscando a família, os amigos, pacientes e a natureza) e para cima(construindo conceitos relativos ao sentido da vida). (“Uma Nova Medicina para um Novo Milênio”).

PRESTIGIEM!!

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Maio de 2016

agenda_palestras-534x168

Data Início Fim Evento/Palestra Local
1/5 8:40 18:00 13º Encontro da Família: A Missão do Espírita na Família – Palestrante Sheila Simões, psicóloga Associação Espírita Dr. José Luis de Barca Dalva. AFA/UME – Itaqui/RS
2/5 19:30 20:30 Palestra – Palestrante Carlos Durgante, médico geriatra, ao final sessão de autógrafos. Centro Espírita João Cardoso de Mello. Rua Serro Azul, 1059 Passo D’Areia- POA.
4/5 20:00 21:00 Palestra – Família e Espiritualidade, com Mariane de Macedo, psicóloga. Sociedade Espírita Allan Kardec de Lavras do Sul. Rua Dr. Pires Porto, 514.
6/5 19:30 20:30 Palestra – Relação Pais e Filhos: uma Experiência de Amor, com Mariane de Macedo Centro Espírita Ismael Vivian Eillers. Av. Santos Dumont, 25 – Caçapava do Sul/RS
7/5 14:30 16;30 Encontros de Ciência, Saúde e Espiritualidade/2016 – A Doença de Alzheimer e suas Implicações Psicológicas, Familiares e Espirituais. Cine Debate. Debatedores, Sheila Simões, Elizabeth Schuck e Carlos Durgante. Ao final sessão de autógrafos. Sede da FERGS. Tv. Azevedo, 88 – Floresta – POA
11/5 18:00 19:00 Palestra – Palestra a Ação dos Sentimentos e das Emoções sobre a Saúde. Com Carlos Durgante, médico geriatra Centro Espírita Bezerra de Menezes de Canoas/RS. Rua Santa Helena, 58 – centro.
11/5 19:30 21:30 Capacitação para Trabalhadores – A assertiva como facilitadora do processo evolutivo, com Mariane de Macedo Sociedade Espírita Fraternidade. Rua Alter Cintra de Oliveira, 100. Caçapava do Sul/RS
13/5 9:00 11:00 CECORES/CRAs- Ampliado Restinga – Palestra Envelhecimento com Qualidade de Vida: aspectos emocionais, sociais e espirituais. A. Nilo Wulff, sn – Restinga Nova -POA
14/5 19:00 20:00 Encontros Fraternos 2016 – Palestra Homeopatia e Espiritismo. Com Ana Rosa Ponzoni, médica homeopata Grupo Espírita Francisco Xavier. Rua Caju, 87- POA
16/5 20:00 21:00 Palestra – Palestra A Natureza Humana e o Sentido da Vida. Com Carlos Durgante. Sociedade Espírita Amor à Verdade. Av. Feitoria, 867. São Leopoldo/RS
18/5 20:00 21:00 Palestra – Crise e Crescimento Pessoal, com Mariane de Macedo, psicóloga Sociedade Fé, Luz e Caridade. Rua Tamandaré, 109. Novo Hamburgo/RS
19/5 20:00 21:00 Palestra – Crise e Crescimento Pessoal, com Mariane de Macedo, psicóloga Centro Espírita Fonte de Luz. Rua Aimoré, 86. Campo Bom /RS
21/5 16:00 17:00 Palestra – Palestra A Natureza Humana e o Sentido da Vida. Com Carlos Durgante. Ao final sessão de autógrafos do novo livro. Sociedade União e Instrução Espírita- Rua XV de Novembro, 461 – centro – Pelotas/RS
21/5 9:00 12:00 Capacitação para trabalhadores – Porque ser um trabalhador espírita, com Mariane de Macedo, psicóloga Centro Espírita Fonte de Luz. Rua Aimoré, 86. Campo Bom /RS
21/5 16:00 17:00 Palestra – Psicologia da Gratidão, com Mariane de Macedo, psicóloga Centro Espírita Fonte de Luz. Rua Aimoré, 86. Campo Bom /RS
21/5 20:00 21:00 Palestra – Família e Espiritualidade, com Mariane de Macedo, psicóloga. Centro Espírita Ciranda de Luz. Rua Duque de Caxias, 94. Sapiranga/RS
22/5 9:30 10:30 Palestra – Nossos filhos são espíritos, com Mariane de Macedo, psicóloga Centro Espírita Ciranda de Luz. Rua Duque de Caxias, 94. Sapiranga/RS
26/5 8:00 Seminário Espiritismo e psicologia com Joanna de Ângelis – Palestra Eixo Ego-Self , com Gelson Luis Roberto, psicólogo. Centro de Estudos Espíritas Francisco de Assis. Rua Pref. Ângelo Ferrário Lopes, 1278 – Alta da XV- Curitiba/PR
28/5 9:00 17:00 3º Simpósio Espírita do CELE – Palestras Em Busca da Saúde Integral. Palestrantes: Paulo Rogério Aguiar, médico psiquiatra. Lucianne Jobim Valdívia, psicóloga. Alexandre Fontoura dos Santos, psicólogo e Michelle Ponzoni dos Santos, psicóloga. Centro Espírita Luz da Esperança de São Francisco de Assis. Rua Veríssimo da Rosa, 153 – Partenon – POA
31/5 18:30 21:30 Capacitação para trabalhadores – A assertiva como facilitadora do processo evolutivo, com Mariane de Macedo Sociedade Espírita Allan Kardec. Rua Dr. Pires Porto, 514. Lavras do Sul/RS

XVIII Semana Espírita de Canguçu

SOCIEDADE ESPÍRITA TRABALHADORES DO EVANGELHO

 

CONVITE

 

A direção da Sociedade Espírita Trabalhadores do Evangelho convida Vossa Senhoria para a XVIII Semana Espírita que será realizada de 11 a 17 de abril de 2016, em sua sede, à Rua Dom Otaviano, 491 – Canguçu – RS.

CARTAZ XVIII SE 2016

Programa:

Dia 11 (segunda-feira)

20h – Abertura da Semana Espírita

20h 15min – Palestra Pública – Tema: “Paciência, a ciência da paz”

Palestrante: Sérgio Lopes

Expositor da AME e LEP

 

Dia 12 (terça-feira)

20h – Palestra Pública – Tema: “Espiritismo: um convite à sociedade contemporânea”

Palestrante: Sérgio Renato Decker

Expositor CE Paz, Luz e Caridade e integrante do DA-AME

 

Dia 13 (quarta-feira)

14h – Palestra Pública – Tema “Cristão, apacenta corações; renova esperanças”

Palestrante: Mário Fernando Paschoal

Expositor Espírita da Seara do Cristo – Porto Alegre

 

Dia 13 (quarta-feira)

20h – Palestra Pública – Tema: “O Modelo (Jesus) não seguido”

Palestrante: Bruno Freitas Godinho

Expositor da Sociedade Espírita Eterno Crescente Porto Alegre/RS

 

Dia 14 (quinta-feira)

20h – Palestra Pública  –  Tema : “Família e Espiritualidade”

Palestrante: Mariane Macedo

Expositora da FERGS

 

Dia 15 (sexta-feira)

20h – Palestra Pública – Tema: “Cotidiano & Felicidade”

Palestrante: Luis Roberto Scholl

Expositor da FERGS e Grupo Espírita Seara do Mestre

 

Dia 17 (domingo)

12h – Almoço de Confraternização

Local: S.E.T.E.

Feira do Livro diariamente

 

Colaboração: 1Kg de alimento não perecível

 

Agradecemos pelo seu comparecimento.

“ – Pedro tu me amas?

– Sim Senhor.

– Apascenta as minhas ovelhas.”

                                              Jo: 21 : 15-17

 

UFCSPA cria Liga de Espiritualidade

ae0695ce2cd0a19fd371712e876db0b1

A AMERGS, através de seus membros, continua fomentando o debate do tema “espiritualidade” no meio acadêmico, pela compreensão da relevância do tema no meio científico e, sobretudo, na formação de novos profissionais de saúde com uma visão integral do ser humano. Assim, temos o prazer de anunciar o criação da Liga de Espiritualidade da Universidade de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), que terá como palestra inaugural o tema “Espiritualidade, Educação e Saúde” proferida pelo médico da AMERGS Dr. César Geremia. As Ligas de espiritualidade são um ambiente ecumênico de estudos do tema e constituem-se em um grande passo na transformação da saúde em um ambiente humanizado e fraterno. A AMERGS congratula seus docentes e discentes por essa iniciativa, desejando uma jornada profícua de aprendizado e reflexão.”

 

INSCRICOES

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Abril de 2016

agenda_palestras-534x168

5ª Mês Espírita de Cachoeirinha
Palestra Transtornos Mentais
23/04/2016 17:00
Local: Sociedade Espírita Francisco de Assis. Rua Santa Clara, 170 Cachoeirinha /RS
Palestrante(s): Psicóloga Sheila Simões


Seminário sobre o Passe Magnético

O Passe Magnético e as Enfermidades
02/04/2016 20:00

Local: Instituto Espírita Leocádio José Corrêa, R. Venâncio Aires , 806 – Passo D’areia – Santa Maria, RS
Palestrantes: Dr. Carlos Durgante


Palestra: As Enfermidades Humanas à Luz da Doutrina Espírita
(*)
03/04/2016 20:00
Local:
Instituto Espírita Leocádio José Corrêa, R. Venâncio Aires , 806 – Passo D’areia – Santa Maria, RS
Palestrantes: Dr. Carlos Durgante
* Ao final, sessão de autógrafos

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Março de 2016

agenda_palestras-534x168
Encontro Municipal da Série Psicológica Joanna de Ângelis

Dias 12 e 13 de Março
Local: Na Associação Espírita José Ferreira de Moraes, rua Engenheiro Manoel Luiz Fagundes, 2373 centro, São Borja/RS
Palestrantes: Gelson Luiz Roberto, Sheila Simões, entre outros.

Palestra: Da Velhice à Reencarnação

Dia 18, das 20h às 21h
Local: SEFA – Sociedade Espírita Francisco de Assis. Rua Santa Clara, 170 – centro, Cachoeirina/RS
Palestrante: Carlos Durgante
Ao final, sessão de autógrafos.

Sarau Literário com o autor da editora Francisco Spinelli

Dia 19 , sábado, das 9h30min às 12h.
Local: Livraria Francisco Spinelli, na sede da Federação Espírita do Rio Grande do Sul. Travessa Azevedo, 88 – bairro Floresta. Porto Alegre.
Palestrante:Carlos Durgante

Palestra: Como Construir uma Saúde Integral

Dia 29 de março, das 20h às 21h
Local: Centro Espírita Fonte de Luz. Rua 7 de Setembro, n° 585; Cidade Alta- Santo Antônio da Patrulha/RS.
Ao final, sessão de autógrafos.
Palestrante: Carlos Durgante

Vem aí a Edição 2016 do “Encontros Fraternos”

“Ciclo de palestras com apoio da Associação Médico-Espírita do RS”

Prezados(as) amigos(as)

Há mais de uma década, a AMERGS realiza um Ciclo de Palestras em parceria com o Grupo Espírita Francisco Xavier (caju, 87), chamada carinhosamente de “Encontros Fraternos”. Ocorre nos meses de maio a novembro, sempre no segundo sábado de cada mês, com início às 19h. Nesses encontros, recolhemos alimentos não perecíveis, destinados a entidades beneficentes. É um encontro aberto ao público, venha participar conosco!

Local: Centro Espírita Francisco Xavier, número 87, bairro Petrópolis.
Contribuição: 1kg de alimento não perecível, a ser doado ao Hospital Espírita de Porto Alegre e à Casa Menino Jesus de Praga.
Datas: no segundo sábado de cada mês, às 19:00h.

Encontros Fraternos 2016

Posição da AME-Brasil sobre o zika vírus e o aborto

Os que defendem a legalização do aborto encontraram na associação do aumento da microcefalia com o surto de zika vírus uma oportunidade para retomar a discussão da liberação do aborto no Brasil.
Recentemente foi noticiado que grupo liderado pela Débora Diniz, do instituto de bioética Anis, prepara uma ação no STF para a liberação do aborto em casos de microcefalia. É o mesmo grupo que propôs a ação para interrupção da gravidez de anencéfalos, acatada pelo STF em 2012.
A bióloga e feminista Ilana Löwy, numa entrevista para a Revista ÉPOCA, vê no surto de zika vírus uma oportunidade para se debater o direito de decisão da mulher de ter ou não o bebê, como aconteceu com a epidemia de rubéola no Reino Unido. Interessante é que a Rubéola hoje em dia é uma doença totalmente controlável e passível de prevenção através da vacinação, deixando de ser um risco epidêmico, usado como justificativa para a liberação do aborto na Europa.
Os argumentos utilizados se baseiam na liberdade da mulher poder escolher o que é melhor para si, esquecendo que existe uma vida a qual se está negando o primeiro e mais fundamental dos direitos humanos, o direito à vida.
Cabe ressaltar que os fundamentos utilizados para liberar o aborto dos fetos anencéfalos não se aplicam nesses casos.
O diagnóstico da microcefalia é tardio, em torno da 28ª semana, diferentemente da anencefalia, que é feito a partir da 12ª semana de gestação.
As lesões da microcefalia geralmente aparecem na ultrassonografia depois da 24ª e não são incompatíveis com vida, como nos casos de anencefalia.
Além disso, o diagnóstico ecográfico de lesão neurológica não é 100% seguro, já que depende da análise de um profissional passível de equívocos. Existem inúmeros relatos de erros em fetos com diagnóstico de mal-formações neurológicas e que nasceram perfeitamente normais.
No entanto, os que argumentam em favor do aborto querem transformar o diagnóstico de microcefalia em atestado de morte para todas as crianças das mães que contraíram o zika vírus e que optarem pela interrupção da gravidez, mesmo com possibilidades de nascerem normais ou com poucas sequelas neurológicas.
Com o avanço da medicina fetal e da genética médica, hoje é possível a detecção, ainda no útero, de várias anomalias fetais. Diversas técnicas como ultrassom morfológico, ultrassom de terceira dimensão, a biópsia de vilos coriais, a amniocentese, a cordocentese, o desenvolvimento da técnica citogenética molecular permitem o diagnóstico intrauterino de várias doenças. O diagnóstico permite iniciar o tratamento antes do nascimento, como cirurgias intrauterinas para correções de más-formações, assim como a preparação psicológica dos pais para o enfrentamento das graves anomalias.
Querer selecionar apenas as crianças saudáveis com direito à vida é retomar a prática da eugenia feita na Grécia antiga e pelo nazismo, abrindo um precedente para a liberação do aborto em outros casos de microcefalia como as causadas por hipóxia neonatal, desnutrição grave na gestação, fenilcetonúria materna, rubéola congênita na gravidez, toxoplasmose congênita na gravidez, infecção congênita por citomegalovírus ou em doenças genéticas como Síndrome de Down, Síndrome de Cornelia de Lange, Síndrome Cri du Chat, Síndrome de Rubinstein – Taybi, Síndrome de Seckel, Síndrome de Smith-Lemli–Opitz e Síndrome de Edwards.
Nesses casos pessoas como Ana Carolina Dias Cáceres, moradora de Campo Grande (MS), hoje com 24 anos e formada em jornalismo, e tantas outras crianças em situações parecidas, não teriam direito à vida.
Ao saber da iniciativa de alguns em defender o aborto de fetos com microcefalia, Ana Cáceres veio a público dar seu depoimento a BBC do Brasil em defesa dos portadores de microcefalia.
Nos casos microcefalia não se pode falar na opção de abortamento, pois não se trata de patologia letal que inviabilize a vida extrauterina. Embora as limitações que possam surgir, a expectativa de vida das crianças com microcefalia não são diferentes das outras crianças, exigindo, no entanto, estimulação e cuidados especiais para melhorar a sua qualidade de vida.
A discussão do aborto em casos de microcefalia retrata bem o momento pós-moderno em que vivemos, o que Bauman, um dos maiores pensadores da atualidade, chama de modernidade líquida. Na modernidade líquida os indivíduos não possuem mais padrões de referência, nem códigos sociais e culturais que lhes possibilitem, ao mesmo tempo, construir sua vida e se inserir dentro das condições de classe e cidadão.
A modernidade líquida trouxe descentramento do homem, do sujeito, produzindo identidades híbridas, locais e globais, efêmeras sobre tudo. É a cultura do efêmero, da destruição criativa, “tudo que é sólido desmancha no ar” na imagem trazida por Berman.
Para a maioria dos autores, a pós-modernidade é marcada como a época das incertezas, das fragmentações, do narcisismo, da troca de valores, do vazio, do niilismo, da deserção, do imediatismo, da efemeridade, do hedonismo, da substituição da ética pela estética, da apatia, do consumo de sensações e do fim dos grandes discursos.
A educação recebida dos pais e das escolas, os valores morais que orientam as boas relações sociais, o fortalecimento da família e a busca do bem comum está perdendo espaço para novas formas de comportamento regidas pelas leis do mercado, do consumo e do espetáculo.
Existe uma crise de valores com perda de referenciais importantes em detrimento de uma vida superficial e de um discurso liberal.
Na sociedade pós-moderna predomina o ter acima do ser, o prazer pelo prazer, o prazer acima de tudo, a permissividade que justifica que tudo é bom desde que me sinta bem, o relativismo no qual não há nada absoluto, nada totalmente bom ou mau e as verdades são oscilantes, o consumismo, se vive para consumir, e o niilismo caracterizado pela subjetividade, a paixão pelo nada, numa indiferença assustadora.
Renata Araújo descreve muito bem o sujeito pós-moderno:

“A pós-modernidade nos apresenta um sujeito imediatista, fragmentado, narcisista, desiludido, ansioso, hedonista, deprimido, embora também informatizado, buscando independência, autonomia e defesa de seus direitos. Mas, a supervalorização e autonomia geram um individualismo, um egocentrismo, uma ênfase na subjetividade, sendo o outro apenas para a consecução de seus objetivos pessoais.” (ARAÚJO, p. 1 e 2)

Vive-se numa época de grande competitividade e de pouca solidariedade. Em nome dessa nova ideologia, os indivíduos se permitem agir passando por cima de valores fundamentais.
A coisificação da vida e o predomínio dos interesses pessoais em detrimento do coletivo são bem característicos dessa fase em que vivemos.
Entretanto, aprendemos com a genética que a diversidade é a nossa maior riqueza coletiva. E o feto anômalo, mesmo o portador de grave deficiência, como é o caso da microcefalia, faz parte dessa diversidade. Deve ser, portanto, preservado e respeitado.
Necessário se faz proteger também a gestante, dando a ela apoio em sua gravidez e proporcionando tratamento ao seu futuro filho.
Reconhecemos que a mulher que gera um feto deficiente precisa de ajuda psicológica por longo tempo; constatamos, porém, que, na prática, esse direito não lhe é assegurado.
O aborto provocado é um procedimento traumático com repercussões gravíssimas para a saúde mental da mulher e que geralmente aparecem tardiamente.
O aborto produz um luto incluso devido à negação da ocorrência de uma morte real, mas esse aspecto é totalmente desconsiderado.
As mulheres sofrem uma perda e suas necessidades emocionais são relegadas ou escondidas. Elas não conseguem vivenciar o seu luto e lidar com a culpa. Esse processo vai gerar profundas marcas e favorecer o surgimento da Síndrome pós-aborto (PAS).
Psiquiatras e psicólogos especializados em atender mulheres que abortaram alertam para o aumento dos transtornos emocionais causados pelo aborto provocado. Eles afirmam que os efeitos psicológicos do aborto são extremamente variados e não são determinados pela educação recebida ou pelo credo religioso. Esclarecem que a reação psicológica ao aborto espontâneo e ao aborto involuntário é diferente, está relacionada com as características de cada um desses dois eventos. O aborto espontâneo é um evento imprevisto e involuntário, enquanto o aborto provocado interrompendo o desenvolvimento do embrião ou do feto e extraindo-o do útero materno contempla a responsabilidade consciente da mãe. As mulheres que se submeteram ao aborto afirmam que a culpa não é gerada de fora para dentro, infundida nelas por outras pessoas ou pela religião, ao contrário, ela surge e cresce em seu mundo íntimo a partir do ato abortivo.
Os problemas emocionais gerados pelo aborto são tão graves, que em muitos países onde ele é legalizado, foram criadas, pelas próprias mulheres vitimadas pelo aborto, associações como a Women Exploited by Abortion (Mulheres Exploradas pelo Aborto) nos EUA, e a Asociación de Víctimas del Aborto (Associação de Vítimas do Aborto) na Espanha, que orientam e alertam sobre as consequências prejudiciais do aborto.
O aborto não é definitivamente uma “solução fácil” como afirmam muitos, mas um grave problema, um ato agressivo que terá repercussões contínuas na vida da mulher.
As consequências danosas provocadas pelo aborto à saúde mental nos países onde ele foi legalizado é tão grave como a depressão profunda, que o Royal College of Psychiatrists (associação dos psiquiatras britânicos e irlandeses), alertaram que a mulher deve ser comunicada para os graves riscos emocionas que se submete caso opte pela interrupção da gravidez.
Portanto, aborto nunca será uma solução, sempre um lado ou ambos serão prejudicados. Não é dando a mulher autonomia para matar seu filho dentro de seu ventre que resolveremos os problemas sociais. Isto não passa de demagogia. É necessário investir na educação das massas para prevenção da gravidez indesejada, mas jamais matar uma criança inocente. Os fins não podem justificar os meios.
A sociedade que apela para o aborto declara-se falida em suas bases educacionais, porque dá guarida à violência no que ela tem de pior, que é a pena de morte para inocentes. Compromete, portanto, o seu projeto mais sagrado que é o da construção da paz.
A Associação Médico-Espírita do Brasil reitera seu posicionamento contra qualquer forma de violência a uma nova vida que não põe em risco a vida materna e que surge aguardando o auxílio de braços fortes e sensíveis que lhe ampare em sua fragilidade.
Concitamos a todos os colegas das AMEs para continuarmos firmes em defesa da vida e da paz.

AME-Brasil

REFERÊNCIAS

1) ARAÚJO, Renata Castro Branco. O Sofrimento Psíquico na Pós-Modernidade: Uma Discussão Acerca dos Sintomas Atuais na Clínica Psicológica. Trabalho de Conclusão do Curso de Pós-Graduação em Psicologia Clínica. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0311.pdf Acessado em 09/02/2016.

2) BAUMAN, Zygmunt. Ética Pós-moderna. São Paulo: Paulus Ed., 1997.

3) BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

4) BAUMAN, Zygmunt. Tempos Líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

5) BAUMAN, Zygmunt. Cegueira Moral. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2014

6) BERMAN, Marshall. Tudo que é Sólido Desmancha no Ar. São Paulo: Schwarce ed., 1986.

7) CÁCERES, Ana Carolina Dias ‘Existo porque minha mãe não optou pelo aborto’, diz jornalista com microcefalia. Disponível em:
http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/02/1735812-existo-porque-minha-mae-nao-optou-pelo-aborto-diz-jornalista-com-microcefalia.shtml Acessado em 09/02/2016.

8) LÖWI, Ilana. A rubéola levou à legalização do aborto no Reino Unido. O zika fará o mesmo no Brasil? Disponível em: http://epoca.globo.com/vida/noticia/2016/02/rubeola-levou-legalizacao-do-aborto-no-reino-unido-o-zika-fara-o-mesmo-no-brasil.html Acessado em 09/02/2016.

9) RAZZO, Francisco. Um novo nome para uma velha fantasia. Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/um-novo-nome-para-uma-velha-fantasia-86ax9r1xg929hkv6wv2iff9io Acessado em 09/02\/2016.

Carta Convite AME-Brasil/AME-RS

newsflash_logo

Queridos(as) amigos(as)!

Nos dias 04 e 05 de junho, no Centro de Eventos do Hotel Plaza São Rafael em Porto Alegre – RS, acontecerá o nosso 1º Seminário da AME-Brasil, juntamente com o 7º Congresso Estadual da AMERGS em comemoração aos seus 20 anos de fundação com o tema central “MEDICINA DA ALMA: Desafios no Terceiro Milênio”.
O evento contará com expressivos oradores de todo o Brasil como Décio Iandoli Júnior, Irvênia Prada, Jorge Daher, Carlos Roberto de Souza Oliveira, Márcia Regina Colasante Salgado, Sérgio Lopes entre outros. Durante esses dois dias abordaremos assuntos fundamentais para o autoconhecimento e a saúde humana.
Será uma grande oportunidade para debatermos a contribuição do Espiritismo na elaboração de um novo paradigma para a saúde do corpo e da alma.
O evento está aberto para todas as pessoas: freqüentadores e trabalhadores das Casas Espíritas, profissionais da saúde e o público em geral.

Aguardamos todos para esse grande e fraterno encontro!
Até breve!

gilson
Gilson Luis Roberto

Gilson Luis Roberto

Presidente da AME-Brasil

2d0fe04c79c7f439affaf3962bc5c4d3
Paulo Rogério D.C. de Aguiar

Paulo Rogério Dalla Colletta de Aguiar

Presidente da AMERGS

1º Seminário da AME-Brasil e 7º Congresso da AMERGS

Queridos amigos e colegas,

Todos buscamos ouvir a voz interior, consciente ou inconscientemente, e oramos ao Criador para que o caminho da “perfeita harmonia da alma”, da nossa saúde, nos seja sinalizado. Há mais de dois mil anos este caminho vem, na verdade, nos sendo sinalizado pelo Cristo. Por que, então, nos é tão difícil ouvi-lo? Por que continuamos insistindo nos mesmos erros que nos levam na direção oposta, na direção da doença, da desarmonia, da falta de paz e das incertezas? O que nos falta conhecer?

Neste novo milênio, esperamos poder encontrar estas respostas. Esperamos entender com o coração, e não apenas com nosso intelecto,o comentário de Kardec à máxima evangélica “Bem aventurados os aflitos” quando diz que: “ Deus nos deu, para nos melhorarmos, exatamente o que é necessário e suficiente: a voz da consciência e as tendências instintivas; e tirou-nos aquilo que nos pode prejudicar”.

É em busca da saúde da alma que estamos trabalhando, pesquisando e estudando há 20 anos na Amergs. Convidamos a todos para juntarem-se a nós!

Dra. Anahy Fonseca
Presidente da Comissão Organizadora do I Seminário da AME-Brasil e VII Congresso AMERGS.

7º Congresso AMERGS e 1º Seminário da AME-Brasil

As inscrições pelo site estão encerradas, podendo ser realizadas somente no dia do evento. Maiores informações consulte o link abaixo.

 


7-congresso

FAMÍLIA: ÉTICA E COMPROMISSO ESPIRITUAL

familia20201
Em tempos de delação premiada, propina, corrupção e tantos outros termos que estão mostrando a crise moral em que o nosso país está imerso, qual será a repercussão para nossas crianças e adolescentes?
Aqueles que foram colocados no centro do poder político por nós e, deveriam salvaguardar a ética acima de tudo, estão mostrando que respeito e honestidade não fazem parte da formação dos cidadãos. Com isso, sobra para todos os outros, nós que não estamos neste papel de destaque e os outros políticos, mostrar com nosso exemplo, que a ética é sim um valor substancial para formação do cidadão. Simplesmente porque as crianças e adolescentes precisam de exemplos claros e corretos sobre direitos e deveres diante da vida, para internalizarem os conceitos básicos de comportamento e compromisso com os outros e consigo mesmo.
Afinal, “fazer ao outro o que gostaríamos que nos fizessem” é algo tão básico e inerente às relações humanas que seria redundância repetir, mas vamos repetir mais uma vez para não esquecermos nosso compromisso espiritual.
A família está para a formação do indivíduo assim como o alimento está para a formação das células no organismo. Claro que estamos chamando de família todo grupo de pessoas que coabitam, com parentesco ou não, unidas por múltiplos laços capazes de mantê-los ligados material e moralmente, além de expressarem sentimentos de afinidade e cooperação. 2
Mais do que manutenção material, espera-se que os adultos de cada família possam transmitir a educação e os valores éticos às crianças e adolescentes em relação a todos os outros seres do planeta, de forma a dar sentido ao papel de cada um na co-criação.
Cada um de nós está imbricado na grande rede da humanidade muito antes de estarmos conectados na rede social da internet. Ensinar este valor, mostrando que as nossas atitudes causam um impacto nas atitudes dos outros seres independente de onde estejam, pode agregar à valorização da vida a valorização da ética. Isto é co-criação.
Vamos buscar ser corretos para com tudo e todos na frente de nossos filhos e filhas: devolva um troco errado, não jogue lixo na rua, não deixe água parada, não fure fila, ofereça ajuda sempre que puder – mas não tire a oportunidade do outro buscar por si – ofereça seu lugar nos ônibus, não force a “delação premiada” quando os irmãos fizerem arte, não agrida e respeite o tempo de cada um. Estas e tantas outras formas de dar o exemplo vão ensinar mais do que as longas broncas e castigos aleatórios.
As relações em família mostram às crianças e adolescentes as bases da relação na sociedade e, sobretudo, oportunizam a todos envolvidos nas situações a reabilitação necessária, como nos ensina Joanna de Ângelis 3:
“O ser humano de forma alguma pode viver sem os relacionamentos que lhe constituem fatores básicos para o enfrentamento dos desafios e o desenvolvimento dos valores que lhe jazem interiormente de forma embrionária.”
Além das relações sociais, o compromisso espiritual da família está registrado em nosso psiquismo, é natural que sejamos guiados para cumpri-lo por uma força instintiva, quer dizer, algo transpessoal, não racional nos chamará no decorrer da vida para assumirmos as tarefas acordadas antes do reencarne, é quase como dizer que assinamos um contrato e a fatura chegará para ser paga. E, sim, o esquecimento do passado como lei natural da evolução, irá oportunizar que refaçamos a caminhada, mas também vai dificultar para aqueles que são mais renitentes em aceitar a tarefa como compromisso espiritual, para estes haverá sempre desculpas e justificativas a fim de não cumprir os ajustes necessários entre parceiros de longa jornada.
Neste contexto, sendo a família o ambiente necessário e fundamental para darmos conta do nosso compromisso cármico, não seria um passo a mais se nós entendêssemos que todas as crianças e adolescentes de todas as famílias fazem parte do nosso compromisso espiritual também?
O brinquedo recebido no final do ano pode fazer com que as crianças, sem condições financeiras, sintam-se menos esquecidas pelo Papai Noel, mas com certeza, elas receberão muito mais se nos dedicarmos a elas nos outros dias do ano.
Isso quer dizer que se nós estamos em condições de ensinar, porque já estamos nos educando e já alcançamos um entendimento adiantado de valores, tais como empatia, respeito, solidariedade, cooperação e gratidão, podemos auxiliar na formação de muitas outras crianças e adolescentes, preparando-as para o planeta de regeneração.

Autora: Sheila Simões

Referências:
1. Kardec, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. Trad. Pires, J.H. Cap. 11. São Paulo: Instituto de Difusão Espírita, 1988.
2. Simões, S.T.C. e Geremia, C. A Diversidade Sexual Sob a Realidade da Alma. In: Durgante, C.E.A. e Aguiar, P.R.D.C. (Org.). Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade – Vol. 3. Porto Alegre: Francisco Spinelli, 2015.
3. Franco, D.P. O Despertar do Espírito. 9 ed./Pelo Espírito Joanna de Ângelis, pg.133. Salvador: LEAL, 2013.

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Janeiro de 2016

agenda_palestras-534x168

Dia 07, quinta-feira, das 19h30min às 20h30min, Sociedade Espírita Allan Kardec, Rua Porto Alegre, 655. Capão da Canoa/RS.
Palestra: A Ação dos Sentimentos e das Emoções Sobre a Saúde, Carlos Durgante. Ao final, sessão de autógrafos.

Dia 11, segunda-feira, das 20h às 21h, Instituto Espírita Allan Kardec, R. Balbino de Freitas, 995. Torres/RS
Palestra: A Ação dos Sentimentos e das Emoções Sobre a Saúde, Carlos Durgante. Ao final, sessão de autógrafos.

Tributo a Dra. Marlene Nobre

Tributo a Dra. Marlene Nobre, ex-Presidente da Associação Médico-Espírita do Brasil e Internacional, falecida na tarde de 05.01.2015, no Estado de São Paulo.
Médica ginecologista, médium autora de diversos livros, a Dra. Marlene era viúva do ilustre Dep. Freitas Nobre, realizando incansável trabalho em defesa da vida e no campo da bioética.

Clique para Assistir

Diretoria e Membros

AME-RS (Associação Médico Espírita do Rio Grande do Sul)
Endereço: Rua Alcydes Cruz, 379, bairro Santa Cecília, Porto Alegre-RS
Contatos:
. Email: contato@amergs.org
. Telefones: (51)3279-4463 e (51)3279-4457

 

2d0fe04c79c7f439affaf3962bc5c4d3
Paulo Rogério D.C. de Aguiar

Paulo Rogério Dalla Colletta de Aguiar

Presidente da AMERGS biênio 2015-2017, segundo tesoureiro da AME-Brasil. Médico Psiquiatra pela UFCSPA, especialista em dependência química pela UNIFESP, especialista em terapias cognitivas pelo Núcleo de Estudos e Atendimentos em Psicoterapias Cognitivas (NEAPC), professor do Curso de Especialização em Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato, professor do NEAPC, secretário científico do Núcleo de Psiquiatria e Espiritualidade (NUPE) da Associação de Psiquiatria do RS, organizador do livro Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade vol 2 e 3, mestrando em Ensino na Saúde pela UFCSPA, trabalhador do Grupo Espírita Francisco Xavier.

Link Currículo Lattes
Email: dallaguiar@gmail.com

 

 

 

anahy
Anahy Fagundes Dias Fonseca

Anahy Fagundes Dias Fonseca

Vice-presidente da AMERGS biênio 2015-2017. Psiquiatra pela UFRGS/HCPA, vice-presidente da AMERGS, especialista em psicoterapia de orientação anaítica pelo CELG/UFRGS, Analista Junguiana pelo IJRS, Coordenadora do NUPE – Núcleo de Psiquiatria e Espiritualidade da Associação de Psiquiatria do RS, professora do curso de especialização em Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato.

Email: anahyfonseca@gmail.com

 

 

 

 

 

gilson
Gilson Luis Roberto

Gilson Luis Roberto

Presidente da AME-Brasil, diretor do Departamento Espiritual da AMERGS. Médico com orientação em homeopatia, especialista em psicologia clínica junguiana. Coordenador e professor do curso de pós-graduação em Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato. Vice-presidente do Hospital Espírita de Porto Alegre, presidente da Sociedade Espírita Amor do Mestre Jesus.

Email: gilsonlr@yahoo.com

 

 

 

Alethéa Fagundes Sperb .  Diretora do Departamento de Logística e Secretária da AMERGS.
Alethéa Fagundes Sperb .

Alethéa Fagundes Sperb

Médica formada pela Faculdade de Medicina da UFRGS em 1976. Residência em Pediatria na UNICAMP-SP em 1979, Especialista em Saúde Pública – FioCRUZ – ESP/RS – 1990, desempenhando funções na área de Saúde Coletiva, na Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul, desde 1981 e atuando em Vigilância Epidemiológica e Vigilância em Saúde desde 1990.

Link Currículo Lattes
Email: aletheasperb@gmail.com

 

 

 

 

gelson
Gelson Luis Roberto

Gelson Luis Roberto

Psicólogo, Mestre em Psicologia Clínica, analista junguiano, membro da Associação Junguiana do Brasil e da International Association for Analytical Psychology, membro-fundador do Instituto Junguiano do RS, professor de Pós-Graduação do curso de especialização em Espiritualidade e Saúde das Faculdades Monteiro Lobato, vice-presidente da Sociedade Espírita Amor do Mestre Jesus.

Link Currículo Lattes
Email: gelsonl@terra.com.br

 

 

 

 

CESAR GEREMIA
César Geremia

César Geremia

Médico Endocrinologista pediátrico, Mestre em medicina pela UFRGS, médico do Instituto da Criança com Diabetes – Grupo Hospitalar Conceição. Professor do Curso de Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato, membro do Grupo Espírita Bezerra de Menezes.

Link Currículo Lattes
Email: endogeremia@gmail.com

 

 

Carlos 1
Carlos Eduardo A. Durgante

Carlos Eduardo A. Durgante

Médico, especialista em Medicina Interna pela UFSM, pós-graduado em Geriatria e Gerontologia pelo IGG/PUCRS, especialista em Medicina do Trabalho pela Faculdade de Medicina de Itajubá/MG (FMIt), escritor e professor de pós-graduação do Curso de Especialização em Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato, articulista da Folha Espírita, trabalhador da Sociedade Espírita Bezerra de Menezes. Autor dos livros: Planejando o Futuro; Fé na Ciência;Velhice: culpada ou inocente? e Luz, Câmera…Ação! A Vida Entra em Cena. Organizador do livro Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade.

Link Currículo Lattes
Email: durgantecarlos@gmail.com

 

 

Michelle Ponzoni dos Santos
Michelle Ponzoni dos Santos

Michelle Ponzoni dos Santos

Psicóloga, Psicanalista, trabalhadora espírita do CELE (Centro Espírita Luz da Esperança de Francisco de Assis), membro do NUPE-APRS (Núcleo de Psiquiatria e Espiritualidade da Associação de Psiquiatria do RS). Professora do Grupo de estudos da psicologia de Joanna de Angelis da AMERGS.

Link Currículo Lattes

Email: michelleponzoni@gmail.com

 

 

 

 

 

Vanessa Belo Reyes
Vanessa Belo Reyes

Vanessa Belo Reyes

Enfermeira pela UFRGS, especialista em enfermagem oncológica pela Universidade São Camilo, Mestre em Ciências Médicas pela UFRGS, enfermeira do Ambulatório de Quimioterapia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

Link Currículo Lattes
Email: beloreyes@gmail.com

 

 

 

 

 

Emanuel Burck dos Santos
Emanuel Burck dos Santos

Emanuel Burck dos Santos

Médico graduado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Especialista em Urologia com Residência-Médica em Cirurgia Geral e em Urologia pelo Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Título de Especialista em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). Mestre e Doutor em Medicina (Ciências Cirúrgicas) pela UFRGS. Membro Titular da SBU. Fellow em Urologia pela Wayne State University School of Medicine, Detroit, Michigan, Estados Unidos. Médico do Serviço de Urologia do HCPA. Cirurgião das equipes de transplante renal do HCPA e do Hospital Mãe de Deus. Membro do Núcleo de Estudos Interdisciplinares de Saúde e Espiritualidade do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (NEISE/HCPA) e membro da Sociedade Espírita Dom Thomé.

Link Currículo Lattes
Email: emanuelburck@yahoo.com

 

 

 

Guadalupe Amaral
Guadalupe Amaral

Guadalupe Amaral

Médica formada pela UFRGS em 1997, com Residência Médica em Radiologia e Diagnóstico por Imagem, concluída em 2000. Membro titular do CBR(Colégio Brasileiro de Radiologia). Título de especialista em Radiologia e Diagnóstico por Imagem pelo Colégio Brasileiro de Radiologia/AMB. Pós Graduação em Saúde e Espiritualidade pela FATO. Colaboradora do Grupo de Estudos da Psicologia de Joanna de Angelis. Trabalhadora do Centro Espírita Lar Irmã Esther, em Guaíba.

Link Currículo Lattes
Email: lupeamaral@gmail.com

 

 

 

Tatiana Freitas Tourinho
Tatiana Freitas Tourinho

Tatiana Freitas Tourinho

Médica formada na PUCRS -1986, Residência em Medicina Interna e Reumatologia – HCPA 1987-1990, Título de Especialista em Reumatologia AMB-1990,Título de Especialista em Densitometria Óssea AMB, Professora de Reumatologia da UFCSPA desde 1994, Mestre em Clínica Médica UFRGS – 2001, Doutora em Ciência Médica UFRGS – 2005. Professora do Curso de Especialização em Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato. Membro do Grupo de Estudos em Saúde e Espiritualidade – UFCSPA, Professora do Curso de Extensão em Saúde e Espiritualidade – UFCSPA, Trabalhadora da Sociedade Espírita Bezerra de Menezes.

Link Currículo Lattes
Email: tatiana.tourinho@yahoo.com.br

 

 

 

 

Maria Cristina Leal Boeira
Maria Cristina Leal Boeira

Maria Cristina Leal Boeira

Médica formada pela PUC em 1979. Residência médica em Anatomia Patológica pela UFRGS ( 1980 a 1982 ). Pós graduação em Homeopatia pela AMRIGS, de 1998 a 2000. Pós graduação em psicologia clínica Junguiana pela FATO ( 2009-2010). Coordenadora do Departamento de Solidariedade.

Email: mc.leal@terra.com.br

 

 

 

 

 

Clenir Antônia Pinheiro Bueno
Clenir Antônia Pinheiro Bueno

Clenir Antônia Pinheiro Bueno

Psicóloga (Unisinos) em 1989 e Analista Junguiana em 2008. Diretora Fiscal do IJRS (Instituto Junguiano do Rio Grande do Sul). Membro da IAAP (International Association for Analytical Psychology) e AJB (Associação Junguiana do Brasil). Atendimento clínico adultos e casais. Supervisora clínica de profissionais e estudantes.

Email: clenirpsi@gmail.com

 

 

 

 

 

servletrecuperafoto
Alexandre Fontoura dos Santos

Alexandre Fontoura dos Santos

Psicólogo, historiador e professor. Graduado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Mestre em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) com licenciatura na mesma área pela mesma universidade. Membro colaborador do Departamento de Psicologia e Espiritualidade do Instituto Junguiano do Rio Grande do Sul (IJRS) e da Associação Junguiana do Brasil (AJB). Membro fundador e colaborador do Núcleo de Psiquiatria e Espiritualidade da Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul (NUPE/APRS). Membro colaborador do Departamento de Saúde Mental da Associação Médico-Espírita do Rio Grande do Sul (AMERGS), onde dirige o Núcleo de Família e atua como professor do Grupo de Estudos sobre a Psicologia Espírita de Joanna de Ângelis. Psicólogo voluntário no Hospital-Dia do Hospital Espírita de Porto Alegre (HEPA). Orador espírita, atua regularmente no Centro Espírita Luz da Esperança de São Francisco de Assis (CELE).

Link Currículo Lattes
Email: alexandre.fontsantos@gmail.com

 

 

 

 

Débora Maria Vargas de Lima
Débora Maria Vargas de Lima

Débora Maria Vargas de Lima

Médica formada pela UFRGS em 1980, concluiu Residência Médica em Neurologia pela FFFCMPA em 1982 e Pós-graduação em Medicina Legal em 1986. Membro do Grupo Multidisciplinar de Peritos Independentes da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República desde 2007. Diretora do Departamento Médico Legal do RS de 2007 a 2010. Coordenadora da Câmara Técnica de Medicina Legal do CREMERS.

Email: tesouraria.amergs@gmail.com

 

 

 

 

 

10859726_10203189827215482_129319320_n
Cícero Marcos Teixeira

Cícero Marcos Teixeira

Biólogo, ex-professor da UFRGS. Doutor pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Sócio Fundador da AMERGS. Trabalhador do Centro Espírita Bezerra de Menezes.

Link Currículo Lattes

 

 

 

Vera Lúcia Portal
Vera Lúcia Portal

Vera Lúcia Portal

Médica formada em 1988 na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Concluiu residência em Clinica Médica em 1990 e Residência em Cardiologia em 1992. Doutorado em Ciências da Saúde (Cardiologia) pelo Instituto de Cardiologia do RS – Fundação Universitária de Cardiologia (2000). Atualmente é Vice-coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da FUC, Preceptora da Residência Médica no Instituto de Cardiologia do RGS, Responsável pela Comissão de Padronização de Medicamentos do IC/FUC e Responsável pelo Ambulatório de Pesquisa em Infarto do Miocárdio do IC/FUC. Atua como pesquisadora, principalmente nos seguintes temas: dislipidemia, marcadores inflamatórios e doença arterial coronariana.

Link Currículo Lattes
Email: vera.portal@hotmail.com

 

 

 

Bruno Paz Mosqueiro
Bruno Paz Mosqueiro

Bruno Paz Mosqueiro

Médico Psiquiatra, residência no HCPA, mestrando HCPA. Membro do Núcleo de Psiquiatria e Espiritualidade da Associação de Psiquiatria do RS, médico contratado do Hospital Espírita de Porto Alegre.

Link Currículo Lattes
Email: brunopazmosqueiro@yahoo.com.br

 

 

 

 

 

 

lucianne foto (1)
Lucianne Jobim Valdívia

Lucianne Jobim Valdívia

Psicóloga formada pela PUCRS, especialista em Psicoterapia Psicanalítica pelo ESIPP, especializanda em crianças e adolescentes pelo Centro de Estudos Luis Guedes do HCPA. Membro do grupo de pesquisa em Saúde Mental e Espiritualidade do HCPA. Trabalha com crianças, adolescentes e pais há 15 anos.

 

 

 

 

 

Sheila Simões
Sheila Simões

Sheila Simões

Psicóloga Clínica de Indivíduo, Casal e Família. Especialista em Dependência Química. Coordenadora de grupo de estudos da AMERGS, expositora espírita e participante da Sociedade Espírita Caminho da Luz.

Email: sheilasimoes@yahoo.com

 

 

 

 

 

ana2
Ana Claudia Moro Gonçalves

Ana Claudia Moro Gonçalves

Farmacêutica, graduada pela Universidade Federal de Santa Maria, UFSM/RS. Especialista em Homeopatia pela Faculdade de Ciências da Saúde, FACIS/SP. Especialista em Plantas Medicinais pela Universidade Federal de Lavras, UFLA/MG e especialista em Óleos Essenciais pela PUCRS.

 

 

 

 

 

10636285_795441623830369_5001854650565384114_n
Mariane de Macedo

Mariane de Macedo

Psicóloga com especialidade em gestão de pessoas, clínica, neuropsicologia e Saúde e espiritualidade.
Trabalha na Superintendência de Serviços Penitenciários – Secretaria da Segurança, como TSP-psicóloga e presta serviços para 1a.vara judicial comarca de Caçapava do Sul. Colaboradora do jornal Diálogo Espírita e Revista Reencarnação da FERGS. Expositora da FERGS e autora do livro “A Formiguinha Irada” – FERGS/FEB. Escritora participante da Oficina Literária Alcy Cheuiche, que resultou em três livros do grupo de oficineiros: Contanto Histórias, Luidi Rossetti e Ituzaingô.

 

 

 

 

 

beth foto
Elizabeth Schuck

Elizabeth Schuck

Psicóloga clínica pela PUC-RS e especialização e formação em psicoterapia casal e família(CAIF),trabalhadora e palestrante da Sociedade Beneficente Espírita Bezerra de Menezes,integrante do grupo de saúde mental da AMERGS.

Email: bethschuck@gmail.com

Resumo Biográfico dos Espíritos Orientadores da Associação Médico-Espírita do Rio Grande do Sul

Capítulo 18:

Resumo Biográfico dos Espíritos Orientadores da Associação Médico-Espírita do Rio Grande do Sul

Gelson Luis Roberto
Gilson Luis Roberto
Paulo Rogério D. C. de Aguiar

 

Apresentamos neste capítulo uma despretensiosa síntese biográfica de alguns abnegados benfeitores espirituais que coordenam de Mais Alto as atividades do movimento médico-espírita em nosso Estado. Muitos deles se fazem presentes rotineiramente em nossas atividades espirituais, deixando sempre a influência positiva e as orientações ponderadas e incentivadoras em nossos trabalhos. Outros tantos amorosos colaboradores não puderam ter suas biografias apresentadas nesse capítulo por não estarem disponíveis informações na internet ou na literatura espírita, como o estimado irmão Ernesto Muller. Algo digno de nota é que muitos deles sequer conheceram o Espiritismo durante sua passagem terrena e outros, ainda, professavam outras religiões. Mais uma vez verificamos que a distinção de denominações religiosas é fenômeno humano, que estabelece fronteiras cercadas, onde em verdade existe colaboração fraterna e harmoniosa no plano divino.

A todos os companheiros da vida eterna, rogamos a assistência benfazeja em nossa peregrinação terrena e agradecemos, emocionados, seus incansáveis esforços que sustentam nossos passos claudicantes na Seara do Mestre.

 

Adolfo Bezerra de Menezes Cavalcanti
bezerra
Descendente de antiga família de fazendeiros de criação, ligada à política e ao militarismo na Província do Ceará.

Em 1851, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde iniciou os estudos de Medicina na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

Em novembro de 1852 ingressou como praticante interno (“residente”) no hospital da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. Para prover os seus estudos, dava aulas particulares de filosofia e de matemática.

Obteve o doutoramento (graduação) em 1856, com a defesa da tese: “Diagnóstico do cancro“. Nesse ano, o Governo Imperial decretou a reforma do Corpo de Saúde do Exército Brasileiro, e nomeou para chefiá-lo, como Cirurgião-mor, o Dr. Manuel Feliciano Pereira Carvalho, antigo professor de Bezerra de Menezes, que convidou Bezerra para trabalhar como seu assistente.

Em 1865 desposou, em segundas núpcias, Cândida Augusta de Lacerda Machado, irmã por parte de mãe de sua primeira esposa, e que cuidava de seus filhos até então, com quem teve mais sete filhos. Por sua postura de médico caridoso, atendendo pessoas que necessitavam mas não podiam pagar, ficou conhecido como “O Médico dos Pobres”.

“O médico verdadeiro é isto: não tem o direito de acabar a refeição, de escolher a hora, de inquirir se é longe ou perto… O que não acode por estar com visitas, por ter trabalhado e achar-se fatigado ou por ser alta à noite, mau o caminho e o tempo, ficar perto ou longe do morro; o que sobretudo pede um carro a quem não tem com que pagar a receita, ou diz a quem lhe chora à porta que procure outro – esse não é médico, é negociante da medicina, que trabalha para recolher capital e juros dos gastos da formatura.”

 

Em 1860, em uma reunião política, alguns amigos levantaram a candidatura de Bezerra de Menezes, pelo Partido Liberal, como representante da paróquia de São Cristóvão, onde então residia, à Câmara. Ciente da indicação, Bezerra recusou-a inicialmente, mas, por insistência, acabou se comprometendo. Retornou à política como vereador no período de 1873 a 1885, ocupando várias vezes as funções de presidente interino da Câmara Municipal, efetivando-se em julho de 1878, cargo que corresponderia atualmente ao de Prefeito.

Foi eleito deputado geral pela Província do Rio de Janeiro no período de 1877 a 1885, ano em que encerrou a sua carreira política. Neste período acumulou o exercício da presidência da Câmara e do Poder Executivo Municipal. Em sua atuação como deputado, destacam-se algumas iniciativas pioneiras: buscou, através de projeto de lei, regulamentar o trabalho doméstico, visando conceder a essa categoria, inclusive, o aviso prévio de 30 dias; denunciou os perigos da poluição que já naquela época afetava a população do Rio de Janeiro, promovendo providências para combatê-la.

Durante a campanha abolicionista publicou o ensaioA escravidão no Brasil e as medidas que convém tomar para extingui-la sem dano para a Nação” (1869), no qual não só defende a liberdade aos escravos, mas também a inserção e adaptação dos mesmos na sociedade por meio da educação. Nesta obra, Bezerra se auto-intitula um liberal, e propõe que se imitasse os ingleses, que na época já haviam abolido a escravidão de seus domínios.

Escreveu ainda obras como “A Casa Assombrada“, “A Loucura sob Novo Prisma“, “A Doutrina Espírita como Filosofia Teogônica“, “Casamento e Mortalha“, “Pérola Negra“, “Lázaro, o Leproso“, “Os Carneiros de Panúrgio“, “História de um Sonho” e “Evangelho do Futuro“. Sabe-se que Bezerra de Menezes era fluente em pelo menos três línguas além do português: latim, espanhol e francês.

Conheceu a Doutrina Espírita quando do lançamento da tradução em língua portuguesa de “O Livro dos Espíritos” (em 1875), através de um exemplar que lhe foi oferecido com dedicatória pelo seu tradutor, o também médico Dr. Joaquim Carlos Travassos. Sobre o contato com a obra, o próprio Bezerra registrou posteriormente:

Deu-mo na cidade e eu morava na Tijuca, a uma hora de viagem de bonde. Embarquei com o livro e, como não tinha distração para a longa viagem, disse comigo: ora, Deus! Não hei de ir para o inferno por ler isto… Depois, é ridículo confessar-me ignorante desta filosofia, quando tenho estudado todas as escolas filosóficas. Pensando assim, abri o livro e prendi-me a ele, como acontecera com a Bíblia. Lia. Mas não encontrava nada que fosse novo para meu Espírito. Entretanto, tudo aquilo era novo para mim!… Eu já tinha lido ou ouvido tudo o que se achava no ‘O Livro dos Espíritos’. Preocupei-me seriamente com este fato maravilhoso e a mim mesmo dizia: parece que eu era espírita inconsciente, ou, mesmo como se diz vulgarmente, de nascença.

 

Contribuiu para a sua adesão o contato com as “curas extraordinárias” obtidas pelo médium João Gonçalves do Nascimento (1844-1916), em 1882. Com o lançamento do periódico Reformador, por Augusto Elias da Silva em 1883, passou a colaborar com a redação de artigos doutrinários. Após estudar por alguns anos as obras de Allan Kardec, em 16 de agosto de 1886, aos cinquenta e cinco anos de idade, perante grande público (estimado, conforme os seus biógrafos, entre mil e quinhentas e duas mil pessoas) no salão de conferências da Guarda Velha, no Rio de Janeiro, em longa alocução, justificou a sua opção em abraçar o Espiritismo.

No ano seguinte, inicia a publicação de uma série de artigos sobre a Doutrina em “O Paiz” . Na seção intitulada “Spiritismo – Estudos Philosophicos”, os artigos saíram regularmente aos domingos, no período de 23 de outubro de 1887 a dezembro de 1893, assinados sob o pseudônimo “Max”.

Na década de 1880, o incipiente movimento espírita na capital (e no país) estava marcado pela dispersão de seus adeptos e das entidades em que se reuniam. Já havia também uma clara divisão entre dois “grupos” de espíritas: os que aceitavam o Espiritismo em seu aspecto religioso (maior grupo, o qual se incluía Bezerra) e os que não aceitavam o Espiritismo nesse aspecto.

Em 1889, Bezerra foi percebido como o único capaz de superar as divisões, vindo a ser eleito presidente da Federação Espírita Brasileira. Nesse período, iniciou o estudo sistemático de “O Livro dos Espíritos” nas reuniões públicas das sextas-feiras, passando a redigir o Reformador; exerceu ainda a tarefa de doutrinador de espíritos obsessores. Organizou e presidiu um Congresso Espírita Nacional (Rio de Janeiro, 14 de abril), com a presença de 34 delegações de instituições de diversos estados. Assumiu a presidência do Centro da União Espírita do Brasil a 21 de abril e, em 22 de dezembro de 1890, oficiou ao então presidente da República, marechal Deodoro da Fonseca, em defesa dos direitos e da liberdade dos espíritas contra certos artigos do Código Penal Brasileiro de 1890.

De 1890 a 1891 foi vice-presidente da FEB na gestão de Francisco de Menezes Dias da Cruz, época em que traduziu o livro “Obras Póstumas” de Allan Kardec, publicado em 1892. Em fins de 1891, registravam-se importantes divergências internas entre os espíritas e fortes ataques exteriores ao movimento. Bezerra de Menezes afastou-se por algum tempo, continuando a frequentar as reuniões do Grupo Ismael e a redação dos artigos semanais em “O Paiz”, que encerrou ao final de 1893. Aprofundando-se as discórdias na instituição, foi convidado em 1895 a reassumir a presidência da FEB (eleito em 3 de Agosto desse ano), função que exerceu até à data de seu falecimento. Nesta gestão iniciou o estudo semanal de “O Evangelho segundo o Espiritismo“, fundou a primeira livraria espírita no país e ocorreu a vinculação da instituição ao Grupo Ismael e à Assistência aos Necessitados.

Foi em meio a grandes dificuldades financeiras que um acidente vascular cerebral o acometeu, na manhã de 11 de abril de 1900. Não faltaram aqueles, pobres e ricos, que socorreram a família, liderados pelo Senador Quintino Bocaiúva. No dia seguinte, na primeira página de “O Paiz”, foi lhe dedicado um longo necrológio, chamando-o de “eminente brasileiro”.

Com relação ao aspecto missionário da vida de Bezerra de Menezes, a obra Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, de Chico Xavier, atribuído ao espírito de Humberto de Campos, afirma:

Descerás às lutas terrestres com o objetivo de concentrar as nossas energias no país do Cruzeiro, dirigindo-as para o alvo sagrado dos nossos esforços. Arregimentarás todos os elementos dispersos, com as dedicações do teu espírito, a fim de que possamos criar o nosso núcleo de atividades espirituais, dentro dos elevados propósitos de reforma e regeneração.

 

Dr. Bezerra de Menezes é o patrono das Associações Médico-Espíritas de todo o Brasil, assim como dos hospitais espíritas espalhados pelo país. 1

 

Napoleão Laureano
napoleao
Napoleão Laureano nasceu no dia 22 de agosto de 1914 no então distrito de Natuba, pertencente ao município de Umbuzeiro. Em 1943 concluiu o Curso superior de Medicina pela faculdade de Medicina do Recife hoje Universidade Federal de Pernambuco-UFPE. Especializou-se em cirurgia do câncer.

Conforme anúncio publicado no jornal “A União” durante o mês de outubro de 1944, oferecia seus serviços nas seguintes especialidades: doenças das senhoras, operações, partos, tratamento cirúrgico das cicatrizes e outros defeitos congênitos ou adquiridos.

Napoleão Laureano foi dos primeiros médicos paraibanos a se dedicar ao tratamento do câncer, uma “doença maldita” e que gerava muito preconceito nos anos 40. O canceroso, mesmo entre os profissionais da medicina, era discriminado; nem todos se acercavam do paciente com uma dose de humanismo.

Na redemocratização do País em 1945, ingressou na política sendo eleito Vereador pela UDN. Na primeira eleição da Mesa diretora da Câmara municipal de João Pessoa foi escolhido Vice Presidente, entretanto, assumiu de imediato a presidência em razão do Presidente – vereador Miguel Bastos, ter assumido a prefeitura da capital, pois o prefeito e o vice-prefeito entraram de licença para tratamento de saúde. Posteriormente o edifício sede do legislativo pessoense recebeu o nome: Casa Napoleão Laureano.

Prestigio e liderança o fizeram ser eleito presidente do legislativo pessoense. Tinha amplo destaque na política e era muito conceituado no exercício de seu trabalho na medicina, quando foi vitimado pelo câncer. Viajou aos Estados Unidos em busca de solução para sua enfermidade, sendo atendido no Memorial Hospital de Nova York, onde teve de ouvir a dura realidade de que seu mal já não tinha cura.

Na sua volta ao Brasil, mesmo sabendo que lhe restaria pouco tempo de vida, se dispôs a dedicar todo tempo que lhe restava a uma campanha de abrangência nacional, com o objetivo de dotar a cidade de João Pessoa de um centro de combate ao câncer. Era o início de uma grande batalha para se obter recursos suficientes no combate ao câncer, tendo como sede desse acontecimento, o Diário Carioca no Rio de Janeiro, local onde se deu as reuniões para o levantamento da causa. As Rádios Mayring Veiga e Nacional transmitiam o evento e logo os primeiros recursos em doações começaram a aparecer.

Em pouco tempo e com resultados da captação de recursos em ascensão, foi proposta a criação de um órgão responsável para que gerenciasse o fundo financeiro que estava se formando. Assim sendo, foi criada a Fundação Napoleão Laureano, nome do médico-mártir.2

 

Franklin Annes Veríssimo

franklin
Nasceu em 22 de Julho de 1859. Foi um médico humanitário queridíssimo pelo povo cruzaltense, que erigiu um monumento em granito e bronze, em sua homenagem, na Praça General Firmino. Franklin Verissimo era o protótipo da caridade cristã, o filho da Cruz Alta – RS que a cidade inteira abençoou e reverenciou com o título de Pai dos Pobres. E ele não se limitava a trabalhar com seus doentes – trabalhava ombro a ombro com a peonada, na sua fazenda, enquanto as mãos piedosas da sua esposa, dos seus filhos e da fiel Laurinda Amado (empregada que acompanhou a família durante toda sua vida) atendiam com cuidado os doentes em recuperação. No dia 3 de Junho de 1918, quando Franklin Veríssimo era sepultado, com o acompanhamento de milhares de pessoas de todas as categorias sociais, seus amigos decidiram angariar fundos para a construção de um monumento para perpetuar sua memória. No dia seguinte ao marcado para a coleta, já havia sido coberta a quantia destinada ao monumento, e o excedente era distribuído entre pessoas necessitadas, em memória do extinto.3

Leocádio José Correa
leocadio
Leocádio José Correia nasceu em Paranaguá – PR no dia 16 de fevereiro de 1848. Após terminar o ensino das primeiras letras e os colégios de instrução secundária, Leocádio encaminhou-se para a vida eclesiástica no Seminário Episcopal de São Paulo, do qual desistiu às vésperas da primeira unção sacerdotal. Assumiu então outro apostolado, que cumpriu desta vez, na Academia de Medicina do Rio de Janeiro. Como dedicado aluno de um dos maiores vultos da medicina nacional, o Doutor João Vicente Torres Homem (18371887), Leocádio encarregou-se de coletar minuciosos apontamentos sobre as preleções que ouvia, tarefa esta que garantiu subsídios para a publicação das lições do renomado catedrático sobre a febre amarela.

No dia 20 de dezembro de 1873, doutorou-se em medicina após ter sustentado uma tese sobre a Litotripsia (trituração dos cálculos vesicais para a eliminação pela urina), em 30 de agosto do mesmo ano.

Foi inspetor da Santa Casa de Misericórdia, inspetor escolar, jornalista, orador, escritor e poeta. Filiando-se ao Partido Conservador, foi eleito deputado provincial à Assembléia Legislativa onde, como democrata, assumiu a causa abolicionista. Como inspetor da instrução pública destacou-se no propósito de revisão dos planos escolares que causavam dano aos seus contemporâneos deixando, assim, as sementes da reforma escolar que sua curta existência não viu consolidada.

O teatro também mereceu sua atenção e estudo, tendo se utilizado do palco cênico como instrumento de sua campanha contra a escravidão negra junto ao núcleo de jovens que o acompanhava. A encenação de “Talento e ouro”, de Leôncio Correia, sob sua direção, alcançou ruidoso sucesso no teatro Santa Calina, de Paranaguá. Entre os seus escritos teóricos destaca-se “Duas páginas sobre o drama da Redenção”, publicado postumamente por seu filho Leocádio Cysneiros Correia.

Leocádio José Correia faleceu no dia 18 de maio de 1886, vítima de febre perniciosa. Foi um fato enormemente pranteado, especialmente pelos mais pobres e necessitados, que Leocádio, em sua breve vida, visitava diariamente.

Poucos anos depois de sua morte, Leocádio José Correia começou a manifestar-se espiritualmente. Primeiro no litoral do estado de Santa Catarina; posteriormente, no Estado do Paraná, seu objetivo era a divulgação da mensagem de Jesus Cristo, à luz da Doutrina dos Espíritos.

Há mais de 50 anos vem desempenhando papel na execução do projeto de trabalho da Sociedade Brasileira de Estudos Espíritas, em Curitiba, no sentido de reconceituar o Espiritismo no Brasil. Leocádio José Correia é um dos agentes organizadores e implementadores do processo de ensino-aprendizagem proposto pela Doutrina dos Espíritos, para a humanidade e para os grupos de exercício mediúnico.4

Ivon Costa
ivon
Nascido na Cidade de São Manuel – MG (hoje Eugenópolis), no dia 15 de julho de 1898 e desencarnado em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, no dia 9 de janeiro de 1934, com 35 anos de idade.

Ivon Costa foi um dos mais notáveis conferencistas espíritas do Brasil, contribuindo decisivamente com sua palavra abalizada e esclarecedora no sentido de dinamizar a difusão da Doutrina Espírita, o que fez com fibra inquebrantável e verdadeiro denodo. Dotado de invejável dom de oratória e possuindo um magnetismo contagiante e uma voz privilegiada ele arrebatava os auditórios com a força de sua argumentação.

Foi seminarista, entretanto, quando faltavam apenas dezenove dias para a sua ordenação sacerdotal, constatou-se que ele não possuía certidão de batismo. Em face da confusão estabelecida, Ivon desistiu de seguir a carreira eclesiástica. Dirigiu-se, então, para o Rio de Janeiro onde estudou e se diplomou em Medicina. Era notável poliglota, falando perfeitamente o francês, inglês, alemão e espanhol.

Atravessando, certa vez, uma fase difícil em sua vida, viu-se sem saber como, defronte a um Centro Espírita, onde, com as portas abertas, se realizava uma reunião pública. Movido por estranho impulso adentrou a sede da instituição e ali ouviu os comentários que se faziam sobre a Codificação Kardequiana. Ao retirar-se, estava transformado, pois havia encontrado a resposta a todas as suas indagações. Convertendo-se ao Espiritismo iniciou logo as tarefas de pregador. Possuindo sólida bagagem intelectual e médium que era, destacava-se com raro brilhantismo na tribuna, mantendo, além disso, diálogo com os assistentes, a fim de esclarecer melhor os argumentos empregados nas conferências.

No ano de 1927 casou-se, em Porto Alegre, com Honorina Kauer e, no mesmo dia do casamento no civil, dirigiu-se à cadeia pública onde proferiu belíssima palestra para os detentos. Não existe Estado ou capital do Brasil em que Ivon Costa não tenha efetuado palestras doutrinárias. Era um tribuno extraordinário, de largos recursos de lógica, de forte sugestão tribunícia. Sabia abordar os temas com eloquência e brilho. Suas excursões não se limitaram apenas ao Brasil. Percorreu também países da Europa, dentre eles Portugal, França, Espanha, Holanda, Bélgica e Luxemburgo. Certa vez, ia falar em Maceió, Estado de Alagoas, num teatro alugado, mas pouco antes da conferência, o teatro foi fechado por ordem do bispo local. O público que aguardava a sua palavra não se conformou com a atitude do clero e levou-o à praça, onde a palestra foi realizada. Em represália, os sinos da igreja repicaram e alguns fanáticos lhe atiraram pedras, porém ele suportou tudo com estoicismo e verdadeiro espírito de renúncia.

Ivon Costa residiu dois anos e meio na Alemanha. Em seguida mudou-se para Paris, onde exerceu a função de intérprete de cinema, na Paramount. Em todos os lugares por onde passava, deixava as sementes da Doutrina dos Espíritos. Ele teve também a oportunidade de participar do Congresso Internacional de Espiritismo, realizado em Haia, na Holanda.

No ano de 1932, Ivon retornou definitivamente ao Brasil, passando a residir em Porto Alegre, onde clinicava gratuitamente. O Espiritismo muito deve a Ivon Costa, pois podemos afirmar que foi o espírita que mais excursionou no propósito de propagar os ideais reencarnacionistas, sendo a sua tarefa muito semelhante àquela desempenhada pelo grande tribuno major Viana de Carvalho. Da bibliografia de Ivon Costa, consta o livro “O Novo Clero”, e da sua obra missionária resultou a fundação de elevado número de sociedades espíritas em todo o Brasil.5

 

Ramiro Marques D´Avila
ramiro
Nascido em Porto Alegre – RS no dia 25 de fevereiro de 1891, filho único de José Maria D’Avila e Anna Marques D’Avila. Apesar de sua grande inclinação pela matemática, matriculou-se por vontade própria na Faculdade de Medicina de Porto Alegre em 1906. Terminou, com brilhantismo e aprovação plena, o curso médico em 1911. Nesse mesmo ano, em 22 de dezembro, defendeu sua tese que foi aprovada com distinção.

Como médico caridoso e abnegado, visitava a maioria dos seus inúmeros doentes a pé. Quando a peste bubônica e a varíola atingiram a população de Porto Alegre, foi o médico que maior número de doentes atendeu. Sua peregrinação terrena terminou inesperadamente em 7 de novembro de 1918.6

Cândido Machado da Silveira

Nasceu em 08 de dezembro de 1859 em Alegrete (RS). Iniciou seus estudos em medicina no Rio de Janeiro e graduou-se médico e doutor em medicina pela Faculdade de Medicina da Bahia (atual Universidade Federal da Bahia), com a Tese Doutoral “ACÇÃO PHYSIOLOGICA E THERAPEUTICA DA PAPAINA”, em 1886.

De volta ao RS, clinicou em Santiago do Boqueirão onde, em 1 de dezembro de 1888, casou-se com Paulina, com quem teve 10 filhos.

Foi eleito deputado na Assembléia dos Representantes do Estado do Rio Grande do Sul na primeira legislatura (1891-1892) pelo Partido Republicano Rio-grandense. Pertencia ao grupo político de Júlio de Castilhos, Borges de Medeiros e Pinheiro Machado.

Em 1893 foi clinicar em Cruz Alta -RS. Foi iniciado na maçonaria na loja Cruzeiro do Sul, em Porto Alegre -RS, sendo um dos fundadores da Loja Maçônica Harmonia Cruz-altense em 1895. Foi nomeado Intendente Municipal em Cruz Alta para o período de 1905 a 1908 e faleceu em 08 de julho de 1914 (causa mortis “hemorragia cerebral”, atestada pelo Dr. Oscar José Pithan – um dos fundadores do Hospital Espírita de Porto Alegre).

Em sua homenagem, foram nomeadas uma rua e uma escola em Cruz Alta (Rua Dr. Cândido Machado e Escola Estadual de Ensino Fundamental Doutor Cândido Machado).7

 

Sepé Tiaraju
sepe
Em Santo Ângelo, cidade gaúcha considerada a “capital das missões”, existe um monumento a Sepé Tiaraju onde está escrito, na base do mesmo, famosa frase que perpetua a imagem desse índio para todos os gaúchos: “Esta terra tem dono”!

Herói da resistência, exemplo de coragem, força e liderança, Sepé é uma lenda que permanece viva no coração do povo gaúcho. Sua vida é contada e cultuada não só pelas regiões das missões, como em todo Rio Grande do Sul. Considerado pelo povo gaúcho um santo: “São Sepé”, é cultuado como um protetor das terras de São Pedro, fazendo parte, na tradição cultural gaúcha, da falange de São Miguel Arcanjo.

Sepé era hábil no manejo da lança e da espada, conseguia trespassar uma folha de laranjeira a 200 pés de distância com um único flechaço. Sua perícia e técnica eram admiráveis. Em dezembro de 1849 o cacique Sepé Tiaraju era eleito corregedor de São Miguel Arcanjo. Bernardi (1997), declara que a esse posto ascendera Sepé graças à sua bravura, inteligência, sua capacidade de agremiação e de comando.

Em fins de abril de 1752 o Povo Guarani foi tomado de surpresa quando o padre Balda recebeu uma carta que reativava o Tratado de Madri. Sepé mantinha o Sete Povos em segurança durante estes tempos tumultuosos. No dia 07 de fevereiro de 1756, os lanceiros de Sepé foram cercados pelas forças inimigas,hoje dentro do perímetro da cidade de São Gabriel. Combatendo bravamente, Sepé foi atingido por um peão português que quebrou uma lança nas costas, logo após recebeu um tiro de pistola do governador de Montevidéu, José Joaquim Viana, morrendo no sopé da Coxilha de Santa Tecla, perto de Bagé. Estava com trinta e quatro anos.

Terminada a história começa a lenda. Depois de sua morte, uma outra realidade começa a configurar-se em torno de Sepé: torna-se figura lendária e santa para toda a região platina. Vem em forma de lenda ou mesmo se insere no contexto cotidiano das pessoas como um amigo íntimo a participar de suas questões através do apoio que naturalmente lhe rogam. Suas qualidades e exemplo são louvados em prosa e verso: sua resistência contra a arbitrariedade, o seu protesto armado contra os prepotentes comissários de dois reis grileiros de ultramar, as suas façanhas, o seu martírio.

Como mito, está presente no trabalho de inúmeros curandeiros, médiuns e casas espíritas do RS. Atualmente, o bravo guerreiro atende às súplicas de muitos que pedem por ele, intercedendo pelas bênçãos de São Miguel aos que precisam de apoio espiritual. Cultuado como um santo, Sepé é buscado por inúmeras pessoas que rogam com orações sua proteção.

Sepé Tiaraju é considerado um santo para os gaúchos e sua presença está associada ao papel de protetor e defensor contra todo o tipo de maldade.

Um fato comentado na cultura religiosa que expressa essa convicção é uma das visitas que o médium baiano Divaldo P. Franco fez ao RS. Conta que numa das primeiras visitas que fez ao RS, com o objetivo de fazer algumas conferências e percorrer o interior do estado, estava ele descendo do avião quando apareceu o espírito de um índio seguido por outros espíritos. Este se apresentou como Sepé Tiaraju que o saudou e perguntou quem era ele e o que queria naquelas terras. Divaldo, respondendo ao índio, colocou seus objetivos e este, então, disse dar a permissão para pisar no solo gaúcho.

Sepé Tiaraju é considerado o primeiro herói rio-grandense. Símbolo do espírito de sacrifício, e de fidelidade patriótica, do denodo, do heroísmo, e do amor à terra.8

Francisco de Menezes Dias da Cruz
fransisco
Natural da cidade do Rio de Janeiro, nasceu em 27 de fevereiro de 1853. Possuidor de enorme clínica, o Dr. Dias da Cruz não fugia aos deveres da caridade, dando, assim, expansão aos seus sentimentos humanitários. Estudioso desde a infância, preocupou-se com a ciência homeopática e, mais tarde, diante de provas irrefutáveis, tornou-se espírita dos mais caridosos e evangélicos. Em 1855, pronuncia na Federação Espírita Brasileira (FEB) a sua primeira conferência, tendo participado de vários movimentos importantes na defesa e unificação do espiritismo. Em 1890, em substituição ao seu colega de profissão e amigo Dr. Bezerra de Menezes foi eleito presidente da FEB, cargo que exerceu com devotamento até os primeiros dias de 1895. Sob a sua presidência foram iniciados os trabalhos de socorro material e espiritual da Assistência aos Necessitados, que até hoje constituem o cerne dos serviços cristãos prestados pela FEB.

Em 1896, por proposta de Bezerra de Menezes, e em atenção aos abnegados serviços prestados à Federação, foi Dias da Cruz aclamado presidente honorário da mesma.

Dirigiu o Reformador durante o período da sua presidência e escreveu inúmeros artigos doutrinários e de polêmica com a assinatura modesta de “Um espírita”. É também autor do livro “O Professor Lombroso e o Espiritismo”.

Em 1900 o Dr. Dias da Cruz reorganiza o Instituto Hahnemaniano do Brasil. Este foi o período áureo da homeopatia no Brasil. Em 1901, devido aos esforços do Dr. Dias da Cruz, reaparece o periódico “Anais de Medicina Homeopática”, cuja publicação havia sido interrompida em 1884, ocupando lugar honroso entre as publicações periódicas sobre medicina. Em 1926 foi realizado o Primeiro Congresso Brasileiro de Homeopatia, sob a presidência do Dr. Dias da Cruz. Propagandista dos mais convictos e autorizados, possuidor de excelente cultura médica, mestre reconhecido pela sua proficiência, com vasta clínica em que abundaram notabilíssimas curas, constituiu ele, por mais de meio século, um dos grandes marcos no progresso da homeopatia no Brasil.

Desencarnou na cidade do Rio de Janeiro, em 30 de setembro de 1937, na avançada idade de 84 anos, atingida após proveitoso dispêndio de energias em favor do próximo.9

Padre Reus
padrereus
João Baptista Reus nasceu em 1868, na Arquidiocese de Bamberga (Baviera, Alemanha). Dotado de têmpera decidida e de coração puro, entrou no Seminário de Bamberga e ordenou-se sacerdote em 1893. Sua maior alegria era subir a colina de Pottenstein para freqüentar a Igreja dedicada à Virgem Maria. Nestas ocasiões costumava pedir que seu destino fosse o de transformar-se em um pobre sacerdote. Quando dezenas de anos mais tarde teve a oportunidade de escrever suas memórias, fez constar a seguinte passagem a respeito destes pedidos:

“A Virgem Maria tomou esse meu pedido ao pé da letra e me alcançou a graça de vir a ser, por sua intercessão, um pobre jesuíta. Quanta alegria proporcionou-me mais tarde o completo cumprimento deste meu desejo. É admirável como a Mãe sabe superar de longe todo o raciocínio humano. Graças lhe sejam dadas por toda a eternidade”.

 

João Baptista filiou-se à Companhia de Jesus em 1894. Depois de um longo tempo de preparação em que empregou todas as suas forças no auxilio aos pobres, doentes e necessitados, o padre Reus foi enviado ao Brasil.

Em 15 de setembro de 1900, Pe. João Batista Reus desembarcou no porto de Rio Grande – RS. Nos primeiros 11 anos de Brasil dedicou-se ao apostolado na cidade de Rio Grande. Recordando-se daquele tempo, Padre Reus escreve mais tarde:

“Na minha vida espiritual fazia o que a regra prescreve. Chamou-me atenção o fato de sentir por momentos vivamente a presença de Deus durante a meditação. Parece-me que Ele descia sobre mim e sobre mim descansava, de modo que o sentia perto de mim. Mas eu não sabia o que isto significava… Certa vez, até quando fui chamado à sala de visitas, experimentei a presença de Jesus como uma pessoa que estivesse a meu lado, mesmo enquanto conversava com as pessoas”.

 

Um ano depois, em 1912 foi removido para a capital do Estado, e nomeado professor num dos colégios mais tradicionais da cidade, o Colégio Anchieta.

Teve experiências místicas que o surpreenderam:

Durante o exame de consciência, a 26 de agosto sobreveio-me tal fogo abrasador que só consegui aliviar meu coração com suspiros fortes. Repentinamente aumentou de tal maneira esta onda de amor, vindas do alto, que não conseguia mais suportá-la”.

Parecendo-lhe tudo isso muito estranho, procurou o superior da Missão, padre Zartmann, homem muito sério e prudente. Após minucioso exame disse-lhe que a coisa vem realmente de Deus!”

Recebeu uma graça muito rara: as santas Chagas ou estigmas de Cristo. Na noite de seis para sete de setembro, acordou várias vezes e sentiu cada vez mais a presença do Salvador. Durante a meditação da manhã percebeu sensivelmente como Cristo olhava para ele. É o próprio Padre Reus que conta:

De repente sobreveio-me um amor fortíssimo e inflamou-me todo o corpo, de modo que parecia estar em chamas. Senti-me puxando para cima, de modo que os meus braços ficaram distendidos. Violenta labareda de fogo precipitou-se do alto e eu senti como algumas setas penetravam em meu coração. Julguei que fosse imaginação minha e me esforcei por rejeitar toda ilusão, mas de nada adiantaram os meus esforços. Percebi, então, cinco raios de luz, vindos em direção das cinco partes do meu corpo, nas quais no Vosso Corpo ressuscitado, ó Jesus, guardais as santas chagas. Foi uma verdadeira luta. Embora nada percebesse com meus olhos corporais, a visão era tão clara que não podia duvidar ter recebido em minha alma a impressão das Vossas cinco Chagas”

A partir de então recebe quotidianamente graças excepcionais durante os exercícios de piedade, principalmente durante a celebração da missa. Anjos e Santos lhe apareciam diversas vezes.

No ano de 1913 foi nomeado pároco da cidade de São Leopoldo-RS, centro de colonização alemã, lugar onde ficaria o resto de sua existência. Ali foi diretor e conselheiro espiritual no Seminário Maior de São Leopoldo e do Colégio Cristo Rei.

Continuando seu trabalho de ajuda aos pobres e necessitados que havia iniciado na Alemanha, fundou a Liga Operaria Católica com o objetivo de continuar ajudando os pobres, coisa que procurou fazer enquanto foi vivo.

Após pouco mais de 79 anos de idade, 54 de sacerdócio e 53 de vida religiosa na Companhia de Jesus, falece em 21 de julho de 1947.10, 11

Toríbio Annes Veríssimo
toribio

Filho de Mariana Lucas Annes e Domingo Veríssimo da Fonseca é irmão de Franklin Annes Veríssimo. Casou-se com sua prima Manuela Annes Dias, nascida em 22 janeiro de 1878, em Cruz Alta – RS, filha de Lucia Annes Dias e do Capitão Manoel Rodrigues Dias.

Toríbio era ruralista, comerciante, médico prático e filântropo. Ele e Manuela auxiliavam aos doentes e aos desvalidos.

Durante a Gripe Espanhola, em 1918, sua casa tornou-se um hospital. Toribio foi uma criatura de grande bondade. Sua casa estava sempre aberta, indistintamente a ricos e pobres.

Sem curso de medicina dava remédio para os pobres que moravam na periferia de sua chácara. Também se pode dizer que foi o precursor das maternidades em Cruz Alta. Muitas senhoras tiveram seus filhos em sua casa sendo atendidas por ele e sua esposa.

Deixou uma memória abençoada. Prova disso são os pedidos e promessas feitos em seu túmulo que permanentemente está cheio de flores e velas. Muitos dos pedidos são escritos nas paredes do jazigo e dizem que são atendidos.

Existem, na cidade Cruz Alta, rua, bairro, Escola Municipal e um centro de tradições gaúchas (C.T.G) com o seu nome em sua memória e homenagem.12

Madre Justina Inês
madrejustina
Nasceu na França em 9 de fevereiro de 1879 e faleceu em Bento Gonçalves – RS em 15 de março de 1937. Seu tumulo encontra-se no Cemitério Publico Municipal de Garibaldi – RS. Aos 21 anos de idade ingressou na Congregação das Irmãs de São José, em Moutiers – França.
Veio para o Brasil em 1903, com desejo de ser missionária e aqui encontrou um vasto campo de missão. Dedicou sua vida exercendo atividade missionária como professora, mestra de noviças e Superiora Provincial. Amava a Congregação e a juventude. Sua predileção pelos menos favorecidos manifestava-se em palavras animadoras e ajudas oportunas.

Na Eucaristia, buscava força para sua intensa atividade intelectual e apostólica. Era grande o seu amor à Paixão de Jesus, a Maria e a São José. Sua vida foi de muita caridade e renúncias pessoais continuas.
Após a morte, manifesta proteção aos que pedem sua ajuda. São muitas as pessoas que, dos mais distantes lugares, acorrem ao túmulo da humilde religiosa para pedir ou agradecer favores recebidos.13

Sheilla
sheilla
Têm-se notícias apenas de duas encarnações de Scheilla: uma na França, no século XVI, e outra na Alemanha. Na existência francesa, chamou-se Joana Francisca Frémiot, nascida em Dijon a 28 de janeiro de 1572 e desencarnada em Moulins a 13 de dezembro 1641. Ficou conhecida como Santa Joana de Chantal (canonizada em 1767) ou Baronesa de Chantal. Casara-se, aos 20 anos, com o Barão de Chantal. Tendo muito cedo perdido seu marido, passou a dedicar-se a obras piedosas e orações, juntamente com os deveres de mãe para com seus 4 filhos.
Fundou, em 1604, juntamente com o Bispo de Genebra, S. Francisco de Salles, em Annecy, a Congregação da Visitação de Maria, que dirigiu como superiora de 1612 a 1619. Passaram por grandes necessidades, mas a Ordem da Visitação foi aumentando e superou todos os problemas. Em 1619, São Vicente de Paulo ficou como superior do Convento da Ordem da Visitação. Santa Joana de Chantal deixou o cargo de superiora e voltou a Annecy, onde ficava a casa-mãe da ordem. A Santa várias vezes tornou a ver São Vicente de Paulo, seu confessor e diretor espiritual. À data de sua morte a Congregação da Visitação de Maria contava com 87 conventos e, no primeiro século, com 6.500 religiosos. A 13 de dezembro de 1641 ela veio a falecer.

A outra encarnação conhecida de Scheilla, verificou-se na Alemanha. Com a guerra no continente Europeu, aflições e angústias assolaram a cidade de Berlim, na Alemanha, onde Scheilla atuava como enfermeira. Seu estilo simples, sua meiguice espontânea, muito ajudavam em sua profissão. Bonita, tez clara, cabelo muito louro, que lhe davam um ar de graça muito suave. Seus olhos, azuis-esverdeados, de um brilho intenso, refletiam a grandeza de seu Espírito. Estatura mediana, sempre com seu avental branco, lá estava Scheilla, preocupada em ajudar, indistintamente. Esquecia-se de si mesma, pensava somente na sua responsabilidade. Via primeiro a dor, depois a criatura. Numa tarde de pleno combate, desencarna Scheilla, a jovem enfermeira. Morria no campo de lutas, aos 28 anos de idade.

Muitos anos depois, surgia nas esferas superiores da espiritualidade, com o seu mesmo estilo, aprimorado carinho e dedicação, Scheilla, a Enfermeira do Alto.14

Joanna de Angelis
joanna-de-angelis
Joana é a guia espiritual do médium Divaldo Franco. A obra mediúnica de Joanna de Ângelis é composta por dezenas de livros, muitos deles traduzidos para diversos idiomas, versando sobre temas existenciais, filosóficos, religiosos, psicológicos e transcendentais. Dentre as suas obras destacam-se as da Série Psicológica, composta por mais de uma dezena de livros, nos quais a entidade estabalece uma ponte entre a Doutrina Espírita e as modernas correntes da Psicologia, em especial a transpessoal e junguiana.

No século I, vivera como Joana de Cusa, uma das maiores colaboradoras da obra de Jesus, inclusive citada no evangelho como uma das mulheres piedosas, tendo sida queimada viva ao lado de seu único filho, juntamente com outros cristãos no Coliseu de Roma.

Em 12 de novembro de 1651 nascia no México Sór Juana Inés de La Cruz, tendo sida a maior poetisa da língua hispânica; muito competente em teologia, medicina, direito canônico e astronomia. Foi teatróloga, musicista, pintora e poliglota. Falava e escrevia, fluentemente, seis idiomas.

Em 11 de dezembro de 1761 nascia em Salvador-Bahia Sóror Joana Angélica de Jesus que posteriormente tornou-se freira. Em 1822, em defesa da honra das jovens do seu convento, foi assassinada por um soldado português, tornando-se mártir da independência do Brasil.

Joanna de Ângelis também vivera no século XIII (De 1194 à 1253). Chiara d’Offreducci foi fundadora da ordem feminina Franciscana. Mais tarde, em 15 de agosto de 1255 foi canonizada pelo papa Alexandre IV, agora conhecida como Santa Clara de Assis.

Hoje, vivendo na espiritualidade e assumindo o nome de Joanna de Ângelis, é um dos guias espirituais da humanidade, realizando uma experiência educativa e evangélica de altíssimo valor, inclusive publicando diversas obras literárias, milhares de mensagens, traduzidas em diversos idiomas, transcritas em braile, reproduzidas em áudio e distribuídas por vários países do mundo.

Marlene Rossi Severino Nobre
marlene
Nascida em berço espírita, no interior de São Paulo, no ano de 1937, era viúva do deputado Freitas Nobre, com quem teve dois filhos. Médica ginecologista, estudou medicina em Uberaba a partir de 1957. Em outubro de 1958 conheceu o médium Chico Xavier, com quem conviveu intensamente, em trabalhos espiritas realizados quatro vezes por semana até o ano de 1962, quando se formou em medicina. Líder espírita, foi fundadora do C.E.Cairbar Schutel, em São Paulo e da Associação Médico-Espírita (de São Paulo, do Brasil e a Internacional), das quais foi a presidente durante toda sua vida. Com seu dinamismo psicológico e com sua grande capacidade agregadora e de liderança, colaborou com o surgimento das AMEs em todas as regiões do Brasil, contando mais de 5 dezenas. Juntamente com Freitas Nobre fundou também o jornal e a Editora “Folha Espírita”. Foi autora de vários livros, quais sejam: “A Obsessão e suas Máscaras”, ”Nossa Vida no Além”, “Chico Xavier – Meus Pedaços do Espelho”, “A Alma da Matéria”, ”À Luz do Eterno Recomeço”, “O Dom da Mediunidade”, “A Vida Contra o Aborto” “O Passe como Cura Magnética”, “Não será em 2012”, referia que sempre sentia um grande compromisso com a obra dos espíritos de André Luiz e de Emmanuel, baseando suas próprias produções literárias no estudo e nos desdobramentos das lições destes dois benfeitores, aplicadas à medicina e à saúde de um modo geral. Não poupava esforços na divulgação da doutrina espírita, participando rotineiramente como palestrante em todo o Brasil e na Europa. Na Rede Boa Nova de Rádio apresentava o programa Diálogos Médicos.

Desencarnou no dia 5 de janeiro de 2015 aos 77 anos. O retorno ao plano espiritual foi motivado por um infarto, quando estava em férias com a família em Ilha Bela, litoral Norte de São Paulo.

Em encarnação anterior, foi a conhecida personagem Catarina de Médici, nobre italiana que se tornou Rainha Consorte da França de 1547 a 1559, como esposa do Rei francês Henrique II, notabilizada pelo ocorrido da Noite de São Bartolomeu. Uma coincidência curiosa é a data do desencarne de ambas: 5 de janeiro.

André Luiz
andre
O ano de 1944 marca a estreia de André Luiz no mercado editorial espírita brasileiro, revolucionando, de certo modo, a concepção geral acerca da vida pós-túmulo. “Nosso Lar” descreve as atividades de uma cidade espiritual próxima à Terra, e transforma-se em objeto de estudo, discussão e deslumbramento nos círculos espíritas do país.
Portas até então cerradas se abrem de par em par, revelando vida e trabalho, continuidade e justiça onde imperavam dúvidas e suposições.
André Luiz não é o seu verdadeiro nome.
Dele sabe-se apenas que foi médico sanitarista, no século XX e que exerceu sua profissão no Rio de Janeiro, Brasil. Segundo suas próprias palavras, optou pelo anonimato, quando da decisão de enviar notícias do além-túmulo, por compreender que “a existência humana apresenta grande maioria de vasos frágeis, que não podem conter ainda toda a verdade”.
Imensa curiosidade cerca a personalidade do benfeitor e aventam-se hipóteses, sem que se chegue à sua real identidade. André Luiz, no entanto, fiel ao desejo de servir sem láureas, e atento ao compromisso com a verdade, prossegue derramando bênçãos em forma de livros, sem curvar-se à curiosidade geral.
A vaidade do nome ou sagrações passadas já não encontram eco em seu coração lúcido e enobrecido.
André Luiz foi, positivamente, dentre todos os Benfeitores que escreveram aos encarnados o que manteve fidelidade maior aos postulados espíritas, notadamente à Allan Kardec. O seu trabalho, no que concerne à forma e ao fundo, notabiliza-se em tudo pelo respeito e lealdade mantidos, ao longo do tempo, ao Codificador e à Codificação. Por mais de quatro décadas, André Luiz trabalhou ativamente junto a Seara Espírita, lhe exornando a excelência e clarificando caminhos.
Chico Xavier, o médium que serviu de “ponte”, hoje desencarnado, não pode mais oferecer mão segura à transmissão de seus ensinamentos luminosos.16

Referências Bibliográficas

  1. Capturado de http://pt.wikipedia.org/wiki/Bezerra_de_Menezes.
  2. Capturado de http://www.enciclopedianordeste.com.br/0072.php
  3. Capturado de http://www.geocities.ws/alceuannes/Franklin.Annes.Verissimo.html
  4. Capturado de http://pt.wikipedia.org/wiki/Leoc%C3%A1dio_Jos%C3%A9_Correia
  5. Capturado de http://www.feparana.com.br/biografia.php?cod_biog=133
  6. Capturado de http://www.ramirodavila.com.br/ramiro.html
  7. Capturado de http://candidomachado60.blogspot.com.br/
  8. Roberto, Gelson. O mito de Sepé Tiaraju e a tradição de cura no RS: uma contribuição para a compreensão dos processos psicóides. Dissertação de mestrado. Porto Alegre: PUCRS, janeiro de 2004.
  9. Grandes Espíritas do Brasil. Zeus Wantuil. FEB. 1968.
  10. Capturado de http://www.institutopadrereus.com/
  11. Capturado de derradeirasgracas.com
  12. Capturado de http://www.geocities.ws/alceuannes/Toribio.Annes.Verissimo.html
  13. Capturado de http://madrejustinaines.blogspot.com.br/
  14. Capturado de http://www.seacnet.org.br/biografia_scheilla.shtml
  15. Caputado de http://pt.wikipedia.org/wiki/Joanna_de_%C3%82ngelis
  16. Capturado de http://www.institutoandreluiz.org/andreluiz.html

AMERGS presente no evento MOVIMENTO PELA PAZ SEPÉ TIARAJÚ, no Município de Canoas,

sepe
– MOVIMENTO PELA PAZ SEPÉ TIARAJU –

MUNICÍPIO DE CANOAS

19 a 21 de novembro de 2015

Objetivos: Entre os problemas mais recorrentes na escola estão a violência e a dificuldade de estabelecer um trabalho conjunto entre a instituição escolar, a família e a Sociedade em geral. A presença desses problemas leva muitas vezes ao abandono escolar e à reprovação, o que acaba por marginalizar um grande número de estudantes, sobretudo das camadas menos privilegiadas da sociedade. O “MOVIMENTO PELA PAZ SEPÉ TIARAJU” propõe mobilizar diversos atores sociais, para que, juntos, desenvolvam ações com vista ao enfrentamento da violência e da exclusão social, por meio da educação e da construção de uma cultura de paz. O projeto conta com a adesão de pessoas interessadas em interagir com as comunidades escolares, tendo como foco a prevenção e enfrentamento da violência na construção de uma cultura de paz.

PROGRAMAÇÃO

Dia 19/11/2015 (Quinta-feira)

19:30ABERTURA DO MOVIMENTO PELA PAZ SEPÉ TIARAJÚ

Apresentação do Coral da ULBRA – ULBRATI

Apresentação das Oficinas, do propósito e da história do MOVIMENTO PELA PAZ SEPÉ TIARAJÚ. Coordenação: ANAHY FAGUNDES DIAS FONSECA, Médica Psiquiatra. Professora na Especialização em Saúde e em Espiritualidade (Faculdades Monteiro Lobato).

WorkshopVivendo Valores na Educação. Coordenação: MARCIA MEDEIROS. Jornalista (PUC/RJ), Especialista em Educação. Voluntária da ONG “Brahma Kumaris

Local: ULBRA (Auditório 220 do Prédio 1). Público-Alvo: autoridades e oficineiros.

 

14:00 às 21:00Palestras simultâneas em Universidades (Anexo I). Entrada franca.

 

Dia 20/11/2015 (sexta-feira)

 

 

8:00 – “Café da manhã com empresários”

Local: Auditório da Promotoria de Justiça de Canoas.

 

9:00 às 11:30Oficinas simultâneas nas Escolas Municipais (Anexo II)

 

14:00Painel do Movimento pela Paz Sepé Tiaraju – “Os desafios da educação na atualidade: a busca do herói interior e seus valores”

Coordenação: ANAHY FAGUNDES DIAS FONSECA. Médica Psiquiatra; ROSÂNGELA CORRÊA DA ROSA. Promotora de Justiça Regional da Educação de Santa Maria.

Local: ULBRA (Auditório 220 do Prédio 1). Público-alvo: Oficineiros, público das oficinas e público em geral.

 

14:00 às 21:00Palestras simultâneas nas Universidades (quadro anexo). Entrada franca, sendo opcional a entrega de 1kg (um quilo) de alimento não perecível, para doação aos que se encontram em Estado de Necessidade em razão das recentes adversidades climáticas.

 

 

Dia 21/11/2015 (Sábado)

9:00Atividades

Local: Parque Eduardo Gomes, Município de Canoas. Entrada franca, sendo opcional a entrega de 1kg (um quilo) de alimento não perecível, para doação aos que se encontram em Estado de Necessidade em razão das recentes adversidades climáticas.

Atividades: Conte Mais – FERGS; Jogo Trilha da Calma – ONG Brahma Kumaris; Exposição de livros e CDs – AMERGS, FERGS, ONG Brahma Kumaris e Seicho-No-Ie do Brasil; Teatro de Fantoches – Guarda Municipal de Canoas; Banda Marcial – V COMAR; Exposição e Pista de Orientação – 3º Batalhão de Suprimento do Exército

 

10:30Confecção do “Colar Sepé Tiaraju

Coordenação: ANAHY FAGUNDES DIAS FONSECA, Médica Psiquiatra.

Público-alvo: Oficineiros, educadores, estudantes e público em geral.

 

 

 

 

ANEXO I

PALESTRAS

(a se realizarem nas Universidades)

Dia 19/11/2015 (quinta-feira)

14:00Painel “As Interfaces necessárias no enfrentamento à violência contra a mulher e o relato da experiência do Projeto de Extensão Promoção da Paz

ÂNGELA MARIA PEREIRA DA SILVA, Mestre em Serviço Social (PUC/RS); CAROLINE FERNANDA DA SILVA, Mestre em Serviço Social (PUC/RJ). Coordenação: ANAMARIA COLLA. Doutora em Educação (UFRGS)

Local: ULBRA (Auditório 220 do Prédio 1). Público-alvo: estudantes, educadores, oficineiros e público em geral

15:00 – Painel “Autoconhecimento, solução de conflitos, propósito de vida e felicidade

MÁRCIA MORAES. Doutora em Psicologia da Educação. Coordenação: ANAMARIA COLLA. Doutora em Educação (UFRGS).

Local: ULBRA (Auditório 220 do Prédio 1). Público-alvo: estudantes e público em geral

 

15:40Painel – “CRIE Qualidade de Vida no Trabalho

RUY PEDRO BARATZ RIBEIRO, Administrador, Conselheiro do Conselho Federal de Administração, voluntário da Seicho-No-Ie do Brasil – Regional RS – Rio Branco
Local: ULBRA (Auditório 220 do Prédio 1). Público-alvo: Gestores Escolares, Gestores em Geral, Empresários e Educadores e público em geral

20:00 – Painel “Ronald Dworkin e a ‘special responsibility’”

LENIO LUIZ STRECK, Advogado; Procurador de Justiça aposentado; Pós-Doutor em Direito (Universidade de Lisboa); Doutor em Direito (UFSC). FRANCISCO JOSÉ BORGES MOTTA, Doutor em Direito (UNISINOS). Promotor de Justiça. Coordenação: JOÃO PAULO FONTOURA DE MEDEIROS, Doutorando em Direito (Universidade de Lisboa). Promotor de Justiça.

Local: UNILASSALE (Auditório). Público-alvo: estudantes, educadores, oficineiros e público em geral

20:00Painel “Direitos Humanos e a Espiritualidade na Saúde”.

MAURO LUÍS SILVA DE SOUZA, Mestre em Direito (UNISINOS). Promotor de Justiça Coordenador de Centro de Apoio Operacional. CÉSAR GEREMIA. Médico Endocrinologista Pediátrico. Mestre em Medicina (UFRGS).

Local: UNIRITTER (Auditório Carlos Maximiliano). Público-alvo: estudantes e público em geral.

20:30 – Painel “A Escola e a valorização dos Professores em busca da paz

TANIA MARIA SCURO MENDES, Doutora em Educação (UFRGS). Professora (ULBRA/RS).[1]

Coordenação: ANAMARIA COLLA. Doutora em Educação (UFRGS).

Local: ULBRA (Auditório 220 do Prédio 1). Público-alvo: estudantes e público em geral

21:00Painel “A construção da paz a partir da salvaguarda de uma vida digna: o Direito à Saúde

ALESSANDRA QUINES CRUZ, Mestranda em Direitos Humanos (UNIRITTER). Defensora Pública. ANDRÉ DE AZEVEDO COELHO, Doutorando em Direito (Universidade de Lisboa). Promotor de Justiça. DANIEL MOURGUES COGOY. Defensor Público Federal. Mestrando em Direito. Coordenação: ANTÔNIO CARLOS DE AVELAR BASTOS, Procurador de Justiça.

Local: UNIRITTER (Auditório Carlos Maximiliano). Público-alvo: estudantes e público em geral.

 

Dia 20/11/2015 (Sexta-feira)

14:00Painel “O mito do heroi na educação

ROSANGELA CORRÊA DA ROSA, Promotora de Justiça Regional de Educação de Santa Maria. ANAHY FAGUNDES DIAS FONSECA, Psiquiatra. Professora do Curso de Especialização em Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato.

Local: ULBRA (Auditório 220 do Prédio 1). Público-Alvo: Educadores e oficineiros.

 

17:00 – Painel “Forças Armadas em tempos de paz

O papel do Exército Brasileiro no desenvolvimento nacionalERNESTO ISAACODETTE DUTRA PEREIRA BATISTA LOPES, Tenente Coronel do Exército Brasileiro. Comandante do 3.º Batalhão de Suprimento. Mestre em Curso de Comando e Estado-Maior. Mestre em Operações Militares. Coordenação: JOÃO PAULO FONTOURA DE MEDEIROS, Doutorando em Direito, (Universidade de Lisboa). Promotor de Justiça.

Local: ULBRA (Auditório 220 do Prédio 1). Público-alvo: estudantes e público em geral

 

18:00 – Painel “O sonho de uma nova educação

LÉA FAGUNDES, Pedagoga e Psicóloga. Doutora em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano e coordenadora do Laboratório de Estudos Cognitivos (LEC) pela UFRGS.

MARCOS ROGÉRIO SILVESTRE VAZ PINTO, Pedagogo. Superintendente da Seicho-No-Ie do Brasil. Coordenação: ANAMARIA COLLA. Doutora em Educação (UFRGS).

Local: ULBRA (Auditório 220 do Prédio 1). Público-alvo: estudantes, educadores, oficineiros e público em geral.

 

19:30Apresentação – “A real do Futuro

20:00 – Painel: “Uma construção de paz a passar pela Identidade Afrobrasileira: Retrospectiva e Contemporaneidade da Identidade Afrobrasileira

FRANCISCO SILVA, Coordenador Executivo do Instituto de Assessoria às Comunidades Remanescentes de Quilombos (IACOREQ); UBIRAJARA CARVALHO TOLEDO, Secretário-Geral do IACOREQ; IOSVALDIR CARVALHO BITENCOURT JR. Doutor em Antropologia Social (UFRGS).

Local: ULBRA (Auditório 220 do Prédio 1). Público-alvo: estudantes e público em geral.

20:00Painel “Um novo modelo para o Sistema Prisional: A Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (APAC) e suas contribuições

ALEXANDRE DE SOUZA COSTA PACHECO. Juiz Corregedor; GILMAR BORTOLOTTO, Procurador de Justiça; SIDINEI BRZUSKA, Juiz de Direito da Vara de Execuções Penais (POA). Coordenação: ANTÔNIO CARLOS DE AVELAR BASTOS, Procurador de Justiça.

Local: UNILASSALE (Auditório). Público-alvo: Prefeitura Municipal, autoridades, estudantes, educadores, oficineiros e público em geral.

 

20:00 Painel “Bioética e respeito para com os não humanos: uma paz a se alcançar

ALEXANDRE SIKINOWSKI SALTZ. 1.º Promotor de Justiça da Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente de Porto Alegre. Mestre em direito (PUCRS); FERNANDA LUIZA FONTOURA DE MEDEIROS. Doutora em Direito (UFSC). Professora adjunta da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e Professora do Programa de Pós-Graduação em Direito e Sociedade do UNILASALLE. Advogada. Coordenação: JOÃO PAULO FONTOURA DE MEDEIROS, Doutorando em Direito, (Lisboa). Promotor de Justiça.

Local: UNIRITTER (Auditório Carlos Maximiliano). Público-alvo: estudantes e público em geral.

 

21:00Painel “Direitos Humanos e Geração da Paz: o combate ao cyberbullying

ALESSANDRA MIZUTTA de BRITTO, Doutoranda em Direito (PUCRS). Professora e Coordenadora Adjunta da Graduação em Direito da ULBRA/Canoas. Advogada; PABLO QUEIROZ ROCHA, Delegado de Polícia da Criança e do Adolescente (DPCA) de Canoas.

Local: ULBRA (Auditório 220 do Prédio 1). Público- alvo: estudantes e público em geral.

[1] Desenvolveu pesquisas nas linhas de Psicologia Cognitiva, Envelhecimento Humano e Saúde; Formação de Professores e Mídias na Educação; Tecnologias Digitais em Processos Educativos, Estudos Culturais em Educação, Ensino Superior: teoria e prática. A pesquisa Vitimização de Professores e a Alunocracia na Educação Básica subsidiou a elaboração dos Projetos de Lei 178/2009 e 191/2009 pelo Senado Federal.

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Novembro de 2015

agenda_palestras-534x168

Agenda AMERGS – novembro 2015

 

  • Palestra Da Velhice à Reencarnação, dia 14 de novembro, às 15 h, na Soc. Esp. Casa do Caminho. Viamão. Rua Pinto Bandeira, 140 Parada 42. Palestrante: Carlos Durgante.

 

  • Seminário Valorização da Vida: Diga Não ao Aborto, dia 14, das 14h às 17h, S.E. Amor à Verdade. São Leopoldo. Av. Feitoria, 867, Bairro Rio Branco. Palestrantes: Sheila Simões e César Geremia.
  • Encontros Fraternos. Palestra Nossa Hora no Planeta, dia 14, às 19h. Centro Espírita Francisco Xavier. Porto Alegre. Rua Caju, número 87. Palestrante: Marta Neves.

 

  • Palestra As Enfermidades Humanas à Luz da Doutrina Espírita, dia 09, às 20h, S.E. Amor à Verdade. São Leopoldo. Av. Feitoria, 867, Bairro Rio Branco. Palestrante: Carlos Durgante.

 

  • Seminário Médico-Espírita: Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade. Dias 21 e 22. Sociedade Espírita A Caminho da Luz. Santa Cruz do Sul. Rua Marechal Deodoro, 336 – Centro. Palestrantes: Carlos Durgante, Anahy Fonseca, Sheila Simões, Tatiana Tourinho, Gelson Luis Roberto.

 

  • Palestra A Visão Espírita da Doença de Alzheimer, dia 23, às 19h30min. Centro Espírita João Cardoso de Mello. Porto Alegre. Rua Cerro Azul, 1059 – Passo d’Areia. Palestrante: Carlos Durgante.

 

  • Palestra A Ação dos Sentimentos Sobre a Saúde, dia 25, às 18h. Sociedade Espírita Bezerra de Menezes. Canoas. Rua Santa Helena, 58, Centro. Palestrante: Carlos Durgante.

 

  • 1º Seminário Médico-Espírita – Palestra As Emoções negativas e a Saúde, dia 28, às 15 horas. Sociedade Espírita Vinha de Luz. Gravataí. R. Jerônimo Timóteo da Fonseca, 777. Palestrante: Carlos Durgante.

 

  • 1º Seminário Médico-Espírita – Palestra Coragem e Alegria de Viver, dia 28, às 15 horas. Sociedade Espírita Vinha de Luz. Gravataí. R. Jerônimo Timóteo da Fonseca, 777. Palestrante: Maristela Winkler.

 

TERAPÊUTICA COMPLEMENTAR ESPÍRITA

TERAPÊUTICA COMPLEMENTAR ESPÍRITA

TERAPÊUTICA COMPLEMENTAR ESPÍRITA

“O coração alegre serve de bom remédio, mas o espírito abatido virá a secar os ossos” (Pr.17.22)

Atualmente o homem é percebido, numa visão integral, como um complexo bio-psico-sócio-espiritual.
Frente a suas dores, conflitos, doenças e finitude necessitará de uma abordagem terapêutica que ultrapasse as questões puramente químicas e medicamentosas. Essa abordagem terapêutica para ser mais eficaz deverá envolve-lo como ser integral que é.

O que se entende por terapêutica?

“É a parte da medicina que trata da escolha e administração dos meios para curar as doenças; é cuidar e bem servir a alguém; o medicamento, substância ou preparo que se utiliza como remédio; o agente que combate o mal, a dor, aquilo que serve para curar ou aliviar; é também a ajuda, o auxílio, o socorro, a proteção”. Neste conceito mais amplo que a Dra. Lenice Aparecida de Souza Alves da AMEMG nos escreve no livro Porque Adoecemos?, podemos compreender que a terapêutica mais eficaz é aquela que envolve, ao todo (bio-psico-sócio-espiritual), a ajuda, o socorro e a proteção, já que ao adoecermos nos encontramos em estado de desequilíbrio interno. Nesse sentido a Terapêutica Complementar Espírita vem agregar e atender o ser integral que somos.
Hoje compreendemos que as causas da saúde e da doença “estão no ser imortal, em sua habilidade ou maturidade anímica de gerenciar as funções orgânicas, mantendo-as em harmonia (saúde) ou determinando-lhe desequilíbrio (doença) ”, assim escreve Dr. Francisco Cajazeiras em Saúde e Espiritismo – AME Brasil.
Através da Doutrina Espírita passamos a avaliar o aspecto pedagógico da doença.
A ciência progride com os avanços para suprimirem os sofrimentos físicos, no entanto, as dores da alma continuam a se multiplicarem. ”E para a enfermidade da alma somente os remédios espirituais são aplicáveis” nos diz André Luiz em os Mensageiros, psicografia de Chico Xavier.
Cada vez mais em nossos consultórios as pessoas buscam o alivio maior e paz para suas inquietações da alma que se manifestam em sintomas no seu corpo ou mente. E isto nos fica tão claro, quando os pacientes, em seus relatos intensos e profundos, manifestam uma necessidade enorme de falarem e serem escutadas em suas inquietações que vão além dos sintomas físicos.
O auto-conhecimento leva o ser humano a se reconhecer como ser espiritual que traz em sua bagagem dores que, nem mesmo toda a fármaco disponível é capaz de produzir efeitos curadores mais eficazes e profundos.
“Toda a medicina é serviço de amor, atividade de socorro justo, mas o trabalho de cura é peculiar a cada Espírito” E nesse sentido que a terapêutica complementar espírita traz sua contribuição.
“Em todo o processo degenerativo ou de aflição, o Espírito em sí mesmo, é sempre responsável, consciente ou não. E, naturalmente, só quando ele opta pela harmonia interior, opera-se-lhe a conquista da Paz”(J de Angelis)
A terapêutica complementar espírita deve ser agregada à terapêutica medicamentosa ou psicoterápica quando prescrita pelo médico ou psicoterapeuta.

O que abrange a terapêutica complementar espírita:

• tratamento fluidoterápico(passes magnéticos) que visam reequilíbrio energético, físico e espiritual. Muitas vezes inclui água fluidificada para ser administrada durante o tratamento espiritual.
• reuniões de desobsessões que realizam tratamento espiritual de profundidade;
• Evangelho no Lar, leitura semanal do evangelho para melhorias na sintonia energética da psicosfera do ambiente doméstico.
• Reforma íntima, imprescindível transformação moral que o indivíduo deve empreender para que haja mudanças necessárias no pensamento e nas atitudes (existem grupos nos Centros Espíritas que trabalham esse apoio, o que poderíamos chamar processo de autoajuda espírita).
Atualmente temos acesso a todos esses recursos que visam auxiliar em nossos processos de melhorias e curas de sintomas e doenças.
Que não esqueçamos o exercício constante de trabalharmos a nossa fé que nos coloca mais perto do Pai Maior e de toda a Espiritualidade responsável pelo nosso Amparo e auxílio.
Que não esqueçamos das palavras do Mestre Jesus que nos diz :

”Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e que estais sobrecarregados e eu vos aliviarei…”(mateus 11:28-30)

Assim como também não esqueçamos que ELE nos disse: “Sois deuses”, logo podemos também trabalhar em prol da nossa cura. Caminhemos confiantes utilizando todos esses recursos que nos foram alcançados por nosso Pai Misericordioso, que ama seus filhos e que deseja apenas a nossa evolução.
Façamos a nossa parte e confiemos!

Elizabeth Scchuck – psicóloga clínica e psicoteraupeuta de família

Prevenir

a-chave-da-vida-feliz-14
Já faz algum tempo que venho pensando em como conectar Patologia com Espiritualidade. Claro que quando se fala em pineal e todas as repercussões e relações desta glândula com a alma, isto já me bastaria.
Mas aqui neste pequeno e singelo texto vou tentar em muito breves palavras conectar o modo preventivo/ descritivo do câncer de colo uterino, minha área de atuação neste momento de vida, com “prevenção” espiritual.
A princípio apresento o que é o Sistema Bethesda para Citopatologia Cervicovaginal, assim descrito no prefácio do livro “Sistema Bethesda para Citopatologia Cervicovaginal – Definições, Critérios e Notas Explicativas”, por Robert J. Kurman, MD –
Em dezembro de 1988, pequeno grupo de indivíduos com experiência em citopatologia, histopatologia e tratamento de pacientes, participou de um encontro promovido pelo NCI (National Cancer Institute) em Bethesda, Maryland, nos Estados Unidos.
A nova proposta teve por objetivo principal desenvolver um sistema de descrição dos esfregaços de Papanicolau que representaria a interpretação citológica de um modo claro e relevante para o clínico.
E, é evidente, que esta nova apresentação terminológica não só visou um melhor esclarecimento ao clínico, mas promover uma comunicação eficaz dos achados relevantes de citologia entre os achados clínicos e laboratoriais, para fornecer o melhor tratamento para o paciente.
Como toda idéia nova, principalmente depois de anos do uso de uma determinada nomenclatura, diversos autores a receberam inicialmente com ceticismo. Foi uma importante mudança de paradigma na citopatologia. E a partir desta mudança, em anos seguintes novas avaliações foram realizadas no sentido sempre de auxiliar no preventivo do câncer de colo uterino.
Sabemos que muitas pessoas foram e ainda são beneficiadas pelo Sistema de Bethesda, pois muitas células com alterações muito leves podem representar algo que pode transformar-se em lesões cervicais propriamente ditas. E daí a importância da prevenção. Antes que algo maior se instale em nós, porque não cuidar, porque não prevenir?
Sabemos pelo Evangelho de João ( João 5:1-18), que Jesus curou um paralítico em Betesda. Pela narrativa bíblica, e de acordo com João, este milagre ocorreu perto da “Porta das Ovelhas”, que ficava próximo a uma fonte ou “piscina” que é chamada de Betesda em aramaico. Ali costumavam juntar um grande número de aleijados e portadores de diversas deficiências- cegos, coxos, paralíticos e outros que eram marginalizados na sociedade da época. Um deles era inválido e tinha trinta e oito anos e, quando Jesus o viu deitado e soube de tempo de sua enfermidade, perguntou-lhe: “Queres ficar são?”.
Este reservatório ou Tanque ficava perto da Porta das Ovelhas, na zona norte de Jerusalém. Os doentes acreditavam que suas águas eram milagrosas. Segundo várias traduções da Bíblia, a agitação destas águas era provocada por um anjo de Deus, sendo que o primeiro doente que ali entrasse ficaria milagrosamente curado.
Betesda ou Bethesda pode referir-se a: Betesda deriva de duas palavras da língua hebraica: Beth ou Beit = “casa” e Chéssed=“ bondade, benignidade, misericórdia.”
Significa, portanto, “lugar da misericórdia Divina” ou “casa da misericórdia Divina.”
Para o Patologista, e em especial para o citopatologista, a Prevenção oferece um espaço para a saúde das pessoas, antes mesmo que se instale em nosso corpo físico uma doença propriamente dita.
E a “Prevenção Espiritual” é possível? Indago-me se já temos uma real noção de sua importância! Quantos males poderíamos evitar através do pensamento positivo, da conduta moral, do autoconhecimento, do perdão, do auto-perdão, do exercício de Amor e Caridade, da fé em Cristo, da oração e de tantas outras atitudes que não caberiam aqui neste espaço.
“Amai-vos uns aos outros como Eu vos Amei.”

Maria Cristina Leal Boeira – Médica Patologista, coordenadora do departamento de solidariedade da AMERGS

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Outubro de 2015

agenda_palestras-534x168

Data: 3 e 4 de Outubro
Cidade: Gramado
Instituição: 8° Congresso Espírita do RS
Palestrante: Mariane de Macedo
Evento/Tema: Sessão de Autógrafos do Livro A Formiguinha Irada
Data Dia da semana Horário
03/10/2015 Sábado 10:55 a 11:15
04/10/2015 Domingo 10:55 a 11:15
04/10/2015 Domingo 12:00 a 14:00

Data: 9 de Outubro – 16hs
Cidade: Dom Pedrito
Instituição: Feira do Livro de Dom Pedrito
Palestrante: Mariane de Macedo
Evento/Tema: Palestra “Nossos filhos são Espíritos”

Data: 3 e 4 de Outubro
Cidade: Gramado
Instituição: 8° Congresso Espírita do RS
Palestrante: Carlos Durgante
Evento/Tema: Sessão de Autógrafos dos livros Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade volumes 1, 2 e 3 e Velhice: culpada ou inocente?

Data: Sábado, dia 10, das 15h às 17h
Cidade: Tramandaí–RS. R. Manoel Cesário, 428
Instituição: Sociedade Espírita Fé, Amor e Caridade
Palestrante: Carlos Durgante
Evento/Tema: Seminário sobre o Envelhecimento Humano em seus Aspectos Sociais e Espirituais. Ao final sessão de autógrafos.

Data: Dia 16, às 20h
Cidade: R. Jerônimo Timóteo da Fonseca, 777. Gravataí/RS
Instituição: Sociedade Espírita Vinha de Luz
Palestrante: Carlos Durgante
Evento/Tema: Da Velhice à Reencarnação

Data: Dia 19, Segunda-feira, às 20h
Cidade: UME- Torres
Instituição: APAE
Palestrante: Carlos Durgante
Evento/Tema: Semana Espírita “Valorização da Vida”: A Compreensão das Enfermidades Humanas à Luz da Doutrina Espírita

Data: Dia 23, Sexta as 19h30 min
Cidade: Avenida Santos Dumont, 25, Caçapava do Sul
Instituição: Centro Espírita Ismael Vivian Eillers
Palestrante: Carlos Durgante
Evento/Tema: A vida entra em cena: Os Desafios da Convivência em Família

Data: Dia 31 de outubro, das 17h às 18h
Cidade: Porto Alegre
Instituição: Praça Central de Autógrafos, durante a 61ª Feira do Livro, na praça da alfândega
Palestrante: Maristela Winkler, Elizabeth Shuck, Paulo Rogério Aguiar e Carlos Durgante
Evento/Tema: Sessão de autógrafos do livro Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade, volume 3

Setembro amarelo estimula prevenção ao suicídio

9723708930_a3af70956e_z

A partir de 2015, no mês de setembro haverá um movimento de conscientização da população sobre a realidade do suicídio. Assim como já existe o outubro rosa, lembrado a prevenção do câncer de mama, e o novembro azul, feito para conscientizar sobre as doenças masculinas, o Setembro Amarelo foi criado para mostrar a realidade sobre o suicídio.
Para mais de 90% dos casos existe prevenção. Segundo o Centro de Valorização da Vida, o CVV, a cada suicídio, de seis a dez outras pessoas são diretamente impactadas. O suicídio é considerado um problema de saúde pública. Um brasileiro morre deste mal a cada 45 minutos. No mundo, o número cresce para um a cada 45 segundos. Pelo menos o triplo disso já tentou tirar a própria vida e outros chegaram a pensar em fazê-lo.

O assunto ainda é tratado como tabu, apesar dos números. O CVV atua gratuitamente na prevenção do suicídio há 53 anos. De acordo dom o Centro, as pessoas que tentam suicídio pedem ajuda, mas, normalmente, não são compreendidas e deixar de falar sobre o assunto só colabora para o distanciamento social. Para os voluntários do CVV, o assunto suicídio deveria fazer parte, de forma muito natural, da roda de amigos, nas escolas, casas religiosas e dentro das casas.

O movimento Setembro Amarelo é estimulado mundialmente pela Associação Internacional pela Prevenção do Suicídio e consiste em iluminar ou sinalizar locais públicos com faixas ou símbolos amarelos.

No Brasil, uma das instituições que está promovendo a causa neste ano é o CVV. Suas 70 sedes em todo o país vão colocar uma faixa amarela na fachada, e seus voluntários buscam o apoio de municípios, estados e da federação para iluminar ou identificar monumentos e prédios públicos durante todo o mês de setembro.

A AMERGS estará presente na iniciativa, representada pela Dra Alethéa Sperb, especialmente no Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, 10 de setembro.

Fonte: http://www.agenciadanoticia.com.br/noticias/exibir.asp?id=22671&noticia=setembro_amarelo_estimula_prevencao_ao_suicidio

3º Congresso Gaúcho de Dependência Química à Luz da Espiritualidade

O 9º seminário do Apoio Fraterno e o 3º Congresso de Dependência Química à Luz da Espriritualidade estão confirmados para sexta-feira e sábado, respectivamente.

 

3o Congresso Gaúcho DQ luz Espiritualidade

 

Investimento: 30 reais para Não Sócios e 20 reais para Sócios da AMERGS

 

INSCRICOES

 

A Associação Médico-Espírita do RS está promovendo a terceira edição do Congresso Gaúcho de Dependência Química à Luz da Espiritualidade.
O Congresso pretende oferecer uma visão interdisciplinar da problemática do abuso e da dependência de álcool e outras drogas, enfocando seus aspectos biológico, psicológico, social, jurídico e, especialmente, sua correlação com a espiritualidade.
Queremos alcançar e sensibilizar estudantes e profissionais das áreas da saúde e jurídica, bem como oferecer ao público em geral subsídios científicos e práticos para incorporar a espiritualidade na prevenção e no tratamento desse grave e crescente problema de saúde pública.
Como sabemos, a dependência química é um problema crescente de saúde, com imensas implicações médicas, sociais e jurídicas. Atinge homens, mulheres, jovens e idosos de todas as classes sociais. É uma doença crônica, com muitas recidivas, incapacitante e desagregadora do núcleo familiar e da sociedade. Até agora, as medidas de prevenção têm-se mostrado ineficazes em nível mundial. Assim, novas estratégias para o seu combate e uma nova consciência social, com novos valores, posturas e escolhas, são urgentemente necessárias. O panorama é assustador! No entanto, nos últimos anos, têm surgido fortes evidências científicas e epidemiológicas de que a espiritualidade tem um importante efeito protetor e terapêutico na dependência ao álcool e outras drogas. Uma janela se abre!
Entendendo a espiritualidade como uma dimensão essencial da natureza humana, que confere ao homem significado existencial e o instrumentaliza a buscar o melhor de si, do outro e do mundo, é que a Associação Médico-Espirita do RS, com o apoio do Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul e de diversas outras instituições, vos convida a participar do 3º Congresso de Dependência Química a Luz da Espiritualidade.
Dr. César Geremia. Presidente da Comissão Organizadora.

 

Programação do 3o Congresso DQ

 

Inscrições Gratuitas Para Jovens Entre 13 E 25 Anos

 
image
 

Inscreva-se!

 
INSCRICOES

 

Conferencista já confirmados!

 

Edson_cardoso
Edson Luis Cardoso

Edson Luis Cardoso

Médico Especialista em Medicina interna(Ufpel), Médico Psiquiatra, Especialista em Dependência Química (UFCSPA), professor de neuropsicologia da Universidade Regional do Alto Uruguai e das Missões – Campus Santo Ângelo.

 

 

 

2d0fe04c79c7f439affaf3962bc5c4d3
Paulo Rogério D.C. de Aguiar

Paulo Rogério Dalla Colletta de Aguiar

Presidente da AMERGS biênio 2015-2017, segundo tesoureiro da AME-Brasil. Médico Psiquiatra pela UFCSPA, especialista em dependência química pela UNIFESP, especialista em terapias cognitivas pelo Núcleo de Estudos e Atendimentos em Psicoterapias Cognitivas (NEAPC), professor do Curso de Especialização em Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato, professor do NEAPC, secretário científico do Núcleo de Psiquiatria e Espiritualidade (NUPE) da Associação de Psiquiatria do RS, organizador do livro Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade vol 2 e 3, mestrando em Ensino na Saúde pela UFCSPA, trabalhador do Grupo Espírita Francisco Xavier.

 

 

 

gelson
Gelson Luis Roberto

Gelson Luis Roberto

Psicólogo, Mestre em Psicologia Clínica, analista junguiano, membro da Associação Junguiana do Brasil e da International Association for Analytical Psychology, membro-fundador do Instituto Junguiano do RS, professor de Pós-Graduação do curso de especialização em Espiritualidade e Saúde das Faculdades Monteiro Lobato, vice-presidente da Sociedade Espírita Amor do Mestre Jesus.

 

 

 

 

 

Sheila Simões
Sheila Simões

Sheila Simões

Psicóloga Clínica de Indivíduo, Casal e Família. Especialista em Dependência Química. Coordenadora de grupo de estudos da AMERGS, expositora espírita e participante da Sociedade Espírita Caminho da Luz.

 

 

 

 

 

 

CESAR GEREMIA
César Geremia

César Geremia

Médico Endocrinologista pediátrico, Mestre em medicina pela UFRGS, médico do Instituto da Criança com Diabetes – Grupo Hospitalar Conceição. Professor do Curso de Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato, membro do Grupo Espírita Bezerra de Menezes.

 

 

 

 

LEANDRO TIMM PIZUTTI
Leandro Timm Pizutti

Leandro Timm Pizutti

Médico Psiquiatra pela FFFCMPA, Especialista em Psicoterapia Psicanalítica pelo CEP de POA, Mestre em Ciências da Saúde pela UFCSPA, Doutorando em Psiquiatria pela UFRGS, Preceptor do Programa de Residência Médica em Psiquiatria pela UFCSPA, Instrutor de Prevenção da Recaída Baseado em Mindfulness pela UNIFESP e em Mindfulness para Saúde e para o Stress pela Breathworks/UK.

 

 

 

LUCIANNE VALDIVIA
Lucianne Valdivia

Lucianne Valdivia

Psicóloga , Especialista em Psicoterapia Psicanalítica pelo ESIPP, Mestranda em Psiquiatria pela UFRGS, Instrutora de Prevenção da Recaída Baseada em Mindfulness pela UNIFESP e em Mindfulness para crianças e adolescentes pelo Mindful Schools/Califórnia, Integrante do SENTE, Programa de Mindfulness e Educação Social e Emocional do INFAPA.

 

 

 

DENISE CARDOSO
Denise Medianeira Garcia de Oliveira Cardoso

Denise Medianeira Garcia de Oliveira Cardoso

Enfermeira pela Universidade Federal de Pelotas – RS, Psicóloga pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – Campus de Santo Ângelo, Pós-Graduação em Terapia de Casal e Família pelo Centro ELO de Estudos e Atendimento de Terapia Familiar e de Casal de Passo Fundo – RS, Trabalhadora do Grupo de Autoajuda a Dependentes Químicos e Codependentes Apoio Fraterno Santo Ângelo, membro da Associação Médico-Espírita de Santo Ângelo.

 

 

 

VICTÓRIO TURCONI
Victório Turconi

Victório Turconi

Médico Pediatra. Presidente da Associação Médico-Espírita de Serra Gaúcha (AME SERRA GAÚCHA).

 

 

 

 

SAMIRA TURCONI
Samira Turconi

Samira Turconi

Bioquímica. Integrante da Associação Médico-Espírita de Serra Gaúcha (AME SERRA GAÚCHA)

 

 

 

 

JOÃO PAULO
João Paulo Bittencourt Cardozo

João Paulo Bittencourt Cardozo

Promotor de Justiça de Palmeira das Missões, integrante do Movimento pela Paz Sepé Tiaraju.

 

 

 

 

GILMAR BORTOLOTTO
Gilmar Bortolotto

Gilmar Bortolotto

Procurador de Justiça do RS, atuou por 17 anos na Promotoria de Justiça de Controle e Execução Criminal de Porto Alegre.

 

 

 

 

 

 

Hospedagem

 

hospedagem-congresso-DQ

 

 

Investimento: 30 reais para Não Sócios e 20 reais para Sócios da AMERGS

 

INSCRICOES

9º Seminário Apoio Fraterno

O 9º seminário do Apoio Fraterno e o 3º Congresso de Dependência Química à Luz da Espriritualidade estão confirmados para sexta-feira e sábado, respectivamente.

 

9o seminário AF

O Apoio Fraterno é uma proposta terapêutica para dependentes químicos e seus familiares (codependentes), concebida por profissionais espíritas da área da saúde mental, vinculados à Associação-Médico Espírita de Santo Ângelo.
Atualmente, existem diversos grupos em plena atividade no nosso Estado e em outras cidades brasileiras.
O Apoio Fraterno (AF) utiliza a metodologia consagrada dos dozes passos, aliada a técnicas de psicoterapia de grupo, onde a vivência da espiritualidade à luz da Doutrina dos Espíritos é fortemente estimulada e fortalecida. Visa agregar ao já consagrado e excepcional arsenal terapêutico e preventivo do Evangelho de Jesus, uma ferramenta com base doutrinária espírita que incorpora as metodologias existentes de grupos de autoajuda, já validadas cientificamente. Assim, o AF não pretende, de forma alguma, substituir os recursos terapêuticos próprios do atendimento espiritual dos centros espíritas, nem tampouco substituir a terapêutica médica e psicológica convencional. Quer, no entanto, oferecer um atendimento mais individualizado e especializado aos dependentes químicos e seus familiares ao amparo da Doutrina Espírita. Por que mais especializado e individualizado? Deixemos que os números respondam.
Hoje, segundo pesquisa da Unifesp, existem oito milhões de brasileiros dependentes do álcool, da cocaína e da maconha. Há duas vezes mais dependentes químicos do que espíritas declarados em nosso país (3,7 milhões, IBGE, 2012). É assustador! E nós, espíritas, temos os recursos doutrinários e técnicos para oferecer mais àqueles que sofrem dessa grave e incapacitante doença crônica. Essa é nossa missão; essa é também nossa reconciliação!
Assim, entendendo a importância dessa proposta de trabalho, em face da gravidade do cenário da dependência química, a Associação Médico-Espirita do RS, com o apoio da Sociedade Espírita Caminho da Luz, vos convida a participar do IX Seminário Apoio Fraterno.

 

9seminario-af

 

Inscreva-se!

INSCRICOES

 

Local: Soc. Espírita Caminho da Luz

Av. Bento Gonçalves, 1209, Partenon, Porto Alegre/RS

maps

Geriatra gaúcho lança livro abordando as dimensões físicas, sociais, mentais e espirituais do envelhecimento

Dr. Carlos Eduardo Durgante
Especial2_capa
“A religiosidade e a espiritualidade são uma dimensão relevante e ocupam um lugar importante na vida das pessoas em geral”

Confira a matéria completa em: http://www.oconsolador.com.br/ano9/429/especial2.html

 

A Cartilha do Envelhecimento Sadio pode ser adquirida pelos seguintes canais:

. Pelo site da AME-Brasil (https://lojaamasil.commercesuite.com.br/cartilha-do-envelhecimento-sadio-pr-96-377783.htm)

. Pela Livraria e Editora Francisco Spinelli (http://livrariaspinelli.com.br/)

. Na sede da AMERGS que fica na rua Alcides Cruz, 379, bairro Santa Cecília, POA (fones: 51- 32794463 ou 32794457)

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Setembro de 2015

agenda_palestras-534x168

Data: 11 de Setembro: 14h:00min
Cidade: Porto Alegre/RS
Instituição: MOVIMENTO PELA PAZ SEPÉ TIARAJU – Restinga
Palestrante: Dra. Anahy Fagundes Dias Fonseca, Médica psiquiatra; Dra. Rosângela Corrêa da Rosa, Promotora de Justiça Regional da Educação de Santa Maria
Evento/Tema: Painel do Movimento pela Paz Sepé Tiaraju – “Os desafios da educação na atualidade: a busca do herói interior e seus valores”

Data: 12 de Setembro: 19h:00min
Cidade: Porto Alegre/RS
Instituição: Centro Espírita Francisco Xavier, Rua Caju, número 87, bairro Petrópolis
Palestrante: Anahy Fonseca – Médica Psiquiatra
Evento/Tema: Encontros Fraternos 2015 – “Inconsciente coletivo: uma conexão para a compreensão da mente espiritual”

unnamed

Data: 22 de Setembro: 14h:00min
Cidade: Porto Alegre/RS
Instituição: Clube Grêmio Náutico União, Rua João Obino, 300 – Petrópolis
Palestrante: Dr. Carlos Durgante
Evento/Tema: Palestra no grupo da Boa Idade, Envelhecimento com Qualidade de Vida

Data: 26 de Setembro: 15h:30min
Cidade: Porto Alegre/RS
Instituição: Sociedade Espírita Allan Kardec, rua Fernando Machado, 883. Porto Alegre
Palestrante: Mariane de Macedo
Evento/Tema: Palestra em comemoração aos 121 anos da Sociedade Espírita Allan Kardec

Data: 26 de Setembro: 16h:00min
Cidade: Porto Alegre/RS
Instituição: Instituto Espirita Terceira Revelação Divina, rua Chico Pedro, 340, bairro Cristal
Palestrante: Dr. Carlos Durgante
Evento/Tema: Os Compromissos Morais e a Convivência em Família.

Data: 27 de Setembro
Cidade: Cachoeirinhas/RS
Instituição: 18º ENJURES
Palestrante: Dra. Sheila Simões
Evento/Tema: “Transtornos mentais: do cotidiano às profundezas da alma”

Data: 29 de Setembro: 20h:00min
Cidade: Porto Alegre/RS
Instituição: Sociedade Beneficente Espírita Bezerra de Menezes, na av. Nova York, 632
Palestrante: Dr. Carlos Durgante
Evento/Tema: Os Benefícios da Terapia do Perdão

Chegaram os DVDs da Série Conectando – Ciência, Saúde E Espiritualidade

c57280fe-6c67-49ac-b41b-ef1dfe417e92DVD-CAPA-CONECTANDO_W127.jpg

DVD CONECTANDO- COMPROMISSOS MORAIS
Palestra complementar à Série CONECTANDO – CIÊNCIA, SAÚDE E ESPIRITUALIDADE pelo Dr. Carlos Eduardo Accioly Durgante com o tema Os Compromissos Morais e a Convivência em Família.
Link para Compra

DVD CONECTANDO- TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS
Palestra complementar à Série CONECTANDO – CIÊNCIA, SAÚDE E ESPIRITUALIDADE pelo Dr. Emanuel Burk dos Santos com o tema Os Transplantes de Órgãos na Visão Espírita.
Link para Compra

DVD CONECTANDO- PROCESSO DE PATOLOGIZAR
Palestra complementar à Série CONECTANDO – CIÊNCIA, SAÚDE E ESPIRITUALIDADE pelo Dr. Gelson Luis Roberto com o tema O Processo de Patologizar como Necessário à Alma.
Link para Compra

DVD CONECTANDO- TRANSTORNOS MENTAIS
Palestra complementar à Série CONECTANDO – CIÊNCIA, SAÚDE E ESPIRITUALIDADE pelo Dr. Paulo Rogério de Aguiar com o tema Os Transtornos Mentais e a Casa Espírita.
Link para Compra

Promoção dos Dia dos Pais da Livraria Francisco Spinelli
dvd-conectando-promocao

AMERGS presente no 26º Mês Espírita Oscar Pithan

11694106_400031873517553_4314682186943486897_n
IMG_1294

Data: 22 de agosto: 20h
Cidade: Santa Maria/RS
Instituição: Abrigo Espírita Oscar Pithan de Santa Maria. R. Silvio Romeiro, 413
Palestrante: Dr. Carlos Eduardo Durgante
Evento/Tema: Palestra A Vida Entra em Cena, a Convivência em Família

Data: 23 de Agosto: 9h
Cidade: Santa Maria/RS
Instituição: Abrigo Espírita Oscar Pithan de Santa Maria. R. Silvio Romeiro, 413
Palestrante: Dr. Carlos Eduardo Durgante
Evento/Tema: Mini-seminário As Enfermidades Humanas à Luz da Doutrina Espírita

Encontros Fraternos 2015 – Ciclo de palestras com apoio da Associação Médico-Espírita do RS

palestras-motivacionais-alta-performance-com-muito-humor-14549-MLB121500426_7961-O
Local: Centro Espírita Francisco Xavier, Rua Caju, número 87, bairro Petrópolis – Porto Alegre/RS.
Contribuição: 1kg de alimento não perecível, a ser doado ao Hospital Espírita de Porto Alegre.
Datas: no segundo sábado cada mês, às 19:00h

Agenda

09 de Maio
Tatiana Tourinho – Médica Reumatologista, profa. da UFCSPA
“Funções Psicológicas dos Chakras”

13 de Junho
Prof. Moacir Costa de Araújo Lima – Físico e escritor
“A (Re)Descoberta do Ser”

11 de Julho
Carlos E. Durgante – Médico Geriatra
Sheila Simões – Psicóloga
Elizabeth Schuck – Psicóloga
Paulo Rogério Aguiar – Médico Psiquiatra
Mesa redonda “Família e Evangelização” – Lançamento do Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade volume 3.

08 de Agosto
Drª Tatiana Tourinho – Médica Reumatologista, profa. da UFCSPA
“Funções Psicológicas dos Chakras”

12 de Setembro
Anahy Fonseca – Médica Psiquiatra
“Inconsciente coletivo: uma conexão para a compreensão da mente espiritual”

10 de Outubro
Paulo Renato Goulart – palestrante União Espírita Portoalegrense
“Família – Desafios e Soluções Numa Abordagem Espírita”

14 de novembro
Marta Neves – coordenadora do Projeto de Gestão do Saber Ambiental da FERGS
“Nossa Hora no Planeta”

A espiritualização e o envelhecimento humano

a-espiritualizacao-e-o-envelhecimento-humano-fotodestaque
          Com a proximidade da finitude do corpo físico, a crença na imortalidade do espírito revela a necessidade de qualificar e dignificar esta breve existência, para que esta fase da vida possa ser de grande beleza espiritual. Nesse processo de viver e envelhecer – como regra, não mais como exceção – levanta-se cada vez mais as questões das necessidades espirituais.
          Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), qualidade de vida é o método utilizado para medir as condições de vida de um ser humano. Envolve o bem-estar, físico, mental, psicológico e espiritual, além de relacionamentos sociais, como família e amigos e também a saúde, a educação entre outros.
          Envelhecer saudavelmente depende de fatores econômicos, sociais, culturais, políticos e espirituais construídos de forma individual durante toda a vida. A atriz de cinema Jane Fonda que o diga, pois ao completar 75 anos de idade, afirmou que “a velhice deveria ser planejada com antecedência emocional, física e financeira”.
          Nesse atual momento da evolução humana, período de muitas atribulações e inquietações pelas quais passa a humanidade pós-moderna, a conquista desse bem-estar mais integral – não apenas material – é objetivo comum a todos nós em processo ou já vivenciando o envelhecimento.
          De todas as fases que compõem a vida humana, nenhuma outra reacende a questão da transcendência e da imortalidade tanto quanto na velhice.
          Com a proximidade da finitude do corpo físico, a crença na imortalidade do espírito revela a necessidade de qualificar e dignificar esta breve existência, para que esta fase da vida possa ser de grande beleza espiritual. Nesse processo de viver e envelhecer – como regra, não mais como exceção – levanta-se cada vez mais as questões das necessidades espirituais.
          Entende-se por elas a falta de algo que possa trazer consolo e alívio às dores do corpo e da alma e que possam propiciar o bem-estar perante os desafios desse ciclo da existência.
          Os estudos e pesquisas científicas evidenciam que, para a maioria dos idosos, a religiosidade e a espiritualidade são uma dimensão importante e ocupam um lugar central em suas vidas. Estão diretamente relacionadas ao surgimento, à manutenção e à possibilidade de atenuarem os agravos impostos pelo envelhecimento à saúde física e mental.
          Indiscutivelmente, a busca por essa espiritualização pode proporcionar o conforto e o suporte necessários ao enfrentamento de situações e desafios inerentes a um processo natural, lógico e fisiológico da espécie humana que é o envelhecimento.
          Essa dimensão humana que denominamos de Espiritualidade tem variadas definições, mas todas confluem quando afirmam que a mesma é um recurso valioso que dá sentido à vida e que pode ampliar a consciência para o cuidado a si próprio e ao outro, e dessa forma contribuir decisivamente para uma velhice generosa e bem-sucedida.
          Independente do credo, da corrente espiritual ou religiosa, que se professe, ou até mesmo da ausência de uma religião formal, os ensinamentos religiosos e espirituais com frequência promovem uma visão positiva do mundo, e podem levar a esse bem-estar existencial. E geralmente o fazem por promover a esperança, a solidariedade, o otimismo, a satisfação com a vida, a força, a coragem e a fé.
          O bem-estar espiritual conquistado através dessa dimensão humana do ser, certamente poderá propiciar, na indispensável vivência da velhice, mais uma chance para um olhar interior, um olhar para o todo da existência, sendo esse um estágio indispensável à Completude da Vida!

Referências:
Durgante CEA. Cartilha do Envelhecimento Sadio. (org.). São Paulo, 2015: AME-Brasil.
Durgante CEA. Velhice: Culpada ou Inocente?. Porto Alegre, 2015: Francisco Spinelli.

(*)Carlos Eduardo Accioly Durgante – É médico geriatra, professor de pós-graduação do Curso de Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato de Porto Alegre, escritor, conferencista e membro da Associação Médico-Espírita do Rio Grande do Sul e da AME-Brasil.
E-mail: durgantecarlos@gmail.com

Fonte: http://www.portaldoenvelhecimento.com/espiritualidade/item/3712-a-espiritualizacao-e-o-envelhecimento-humano

A CONTRIBUIÇÃO DA FÍSICA QUÂNTICA PARA A EVANGELIZAÇÃO DA CIÊNCIA

Seminário Décio-André

SEMINÁRIO DA ASSOCIAÇÃO MÉDICO-ESPÍRITA DA SERRA GAÚCHA – A CONTRIBUIÇÃO DA FÍSICA QUÂNTICA PARA A EVANGELIZAÇÃO DA CIÊNCIA
15 de agosto de 2015
Fundação Casa das Artes – Rua Herny Hugo Dreher, 127, Bairro Planalto
Bento Gonçalves/RS

DR. ANDRÉ LUIZ OLIVEIRA E DR. DÉCIO IANDOLI JR.

INGRESSO: R$ 20,00 – Horário: 14 às 18h

VAGAS LIMITADAS

Inscrição e contato pelo email E-mail : samiraturconi@hotmail.com ou ame-sg@hotmail.com

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Agosto de 2015

agenda_palestras-534x168

Data: 1º de Agosto: 15h30min
Cidade: Santo Antônio da Patrulha/RS
Instituição: Centro Espírita Fonte de Luz – Rua 7 de setembro, 585
Palestrante: Dr. Carlos Eduardo Durgante
Evento/Tema: Palestra Cuidar com Amor: a Doença de Alzheimer e suas Implicações Éticas e Morais

Data:8 de agosto: 9h às 11h45min
Cidade: Porto Alegre/RS
Instituição: FERGS – na Av. Desembargador André da Rocha, 49
Palestrante: César Geremia e Elizabeth Shuck
Evento/Tema: Palestra Pais Gestantes: Construindo um Reencontro Regenerador na Família

Data: 12 de agosto: 14h30min
Cidade: Porto Alegre/RS
Instituição: Grupo da Boa Idade – Sociedade Espírita Bezerra de Menezes de Porto Alegre. Av. Nova York, 667
Palestrante: Dr. Carlos Eduardo Durgante
Evento/Tema: Palestra sobre a Cartilha do Envelhecimento Sadio

Data: 12 de agosto: 18h
Cidade: Canoas/RS
Instituição: Associação Beneficente Bezerra de Menezes de Canoas. Rua Santa Helena, 58, Centro
Palestrante: Dr. Carlos Eduardo Durgante
Evento/Tema: Palestra As Necessidades Espirituais e o Envelhecimento

Data: 15 de Agosto: 15h30min
Cidade: Santo Antônio da Patrulha/RS
Instituição: Centro Espírita Fonte de Luz – Rua 7 de setembro, 585
Palestrante: Dra. Sheila Simões
Evento/Tema: Relações familiares diante da sexualidade e da gravidez “indesejada”

Data: 22 de Agosto: 15h30min
Cidade: Santo Antônio da Patrulha/RS
Instituição: Centro Espírita Fonte de Luz – Rua 7 de setembro, 585
Palestrante: Dr. César Geremia
Evento/Tema: Uma Vida em Gestação: Encontro entre a Biologia e a Espiritualidade

Data: 22 de agosto: 20h
Cidade: Santa Maria/RS
Instituição: Abrigo Espírita Oscar Pithan de Santa Maria. R. Silvio Romeiro, 413
Palestrante: Dr. Carlos Eduardo Durgante
Evento/Tema: Palestra A Vida Entra em Cena, a Convivência em Família

Data: 23 de Agosto: 9h
Cidade: Santa Maria/RS
Instituição: Abrigo Espírita Oscar Pithan de Santa Maria. R. Silvio Romeiro, 413
Palestrante: Dr. Carlos Eduardo Durgante
Evento/Tema: Mini-seminário As Enfermidades Humanas à Luz da Doutrina Espírita

Data: 29 de Agosto: 14h00min
Cidade: Cachoeirinha/RS
Instituição: Sociedade Espírita Vinha de Luz – Rua Santa Rita de Cássia, 02
Palestrante: Dra. Sheila Simões
Evento/Tema: VII Encontro de Pais Espíritas ENPAES

AMERGS presente na campanha Agosto em Defesa da Vida

cartaz15ago2015

Data: 15 de Agosto: 15h30min
Cidade: Santo Antônio da Patrulha/RS
Instituição: Centro Espírita Fonte de Luz – Rua 7 de setembro, 585
Palestrante: Dra. Sheila Simões
Evento/Tema: Relações familiares diante da sexualidade e da gravidez “indesejada”

cartaz22ago2015
Data: 22 de Agosto: 15h30min
Cidade: Santo Antônio da Patrulha/RS
Instituição: Centro Espírita Fonte de Luz – Rua 7 de setembro, 585
Palestrante: Dr. César Geremia
Evento/Tema: Uma Vida em Gestação: Encontro entre a Biologia e a Espiritualidade

5º Encontro Educação para a Paz – Palestra Viver é a melhor Opção, com André Trigueiro

11175054_870302239719240_4730876326916044090_n

5º Encontro Educação para a Paz
25/07/2015
Palestra Viver é a melhor Opção, com André Trigueiro

Faça sua inscrição no link: https://eventioz.com.br/e/educacao-para-a-paz-palestra-andre-trigueiro-viver

Sem-T_tulo-1
Agenda
25 de Julho de 2015

08:30 – 09:00

CREDENCIAMENTO
(o evento não fornecerá certificado)

09:00 – 09:30

ABERTURA OFICIAL COM O MUSICAL MOLDURAS EM VINHO

09:30 – 10:00

CONTEXTO ATUAL E O OLHAR PSIQUIÁTRICO DE PREVENÇÃO AO SUICÍDIO

ANAHY FONSECA

10:00 – 11:30

PALESTRA VIVER É A MELHOR OPÇÃO

ANDRÉ TRIGUEIRO

11:30 – 12:00

SESSÃO DE AUTÓGRAFOS COM ANDRÉ TRIGUEIRO
Palestrantes

André Trigueiro

https://www.facebook.com/AndreTrigueiroJornalista

André Trigueiro é jornalista com Pós-graduação em Gestão Ambiental pela COPPE/UFRJ onde hoje leciona a disciplina “Geopolítica Ambiental”, professor e criador do curso de Jornalismo Ambiental da PUC/RJ, autor dos livros “Mundo Sustentável 2 – Novos Rumos para um Planeta em Crise” (Ed.Globo, 2012); “Mundo Sustentável – Abrindo Espaço na Mídia para um Planeta em transformação” (Ed.Globo, 2005) e “Espiritismo e Ecologia”(Ed.FEB, 2009); Coordenador editorial e um dos autores do livro “Meio Ambiente no século XXI” (Ed.Sextante, 2003). Durante 16 anos foi âncora e repórter do Jornal das Dez da Globo News. Desde abril de 2012, vem atuando como repórter da TV Globo e colunista do Jornal da Globo onde apresentou o quadro “Sustentável”, com séries especiais gravadas na China, na Alemanha, e várias partes do país. É editor-chefe do programa Cidades e Soluções, da Globo News, comentarista da Rádio CBN e colaborador voluntário das rádios Rio de Janeiro.

Anahy Fonseca

Médica Psiquiatra pela UFRGS/HCPA, Analista Junguiana pelo Instituto Juinguiano do RS (IJRS/AJB), diretora de Divulgação da Associação de Psiquiatria do RS (APRS), coordenadora do Núcleo de Psiquiatria e Espiritualidade da APRS, coordenadora do Departamento de Estudos sobre Espiritualidade do IJRS, membro do Comitê de Estudos e Pesquisas em Espiritualidade e Saúde Mental da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), membro da Section on Religion, Spirtuality and Psiquiatry de Especialização em Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato e vice-presidente da Associação Médico-Espírita do Rio Grande do Sul (AMERGS).

Musical Molduras em Vinho

Propõe levar ao palco um momento singular, que retrata, através da música, impressões da vida do compositor Daniel Pinheiro, buscando um distanciamento do autor em relação às suas experiências. A voz de Cláudia “Cacau” Pires junta-se ao violão de Daniel Pinheiro, construindo uma formação concisa em conformidade ao intimismo das canções autorais.

Cartilha do Envelhecimento Sadio

A Cartilha do Envelhecimento Sadio, organizada por Carlos Eduardo Durgante e escrita por especialistas da área da saúde, da educação e da assistência social de várias AMEs (Associações Médico-Espíritas) e Sociedades Espíritas do Brasil, é um guia prático de aconselhamentos e orientações fundamentais para um envelhecimento com saúde, dignidade e qualidade de vida.
Por meio desse projeto editorial, estamos oferecendo diversas “ferramentas” ao público em geral, para a construção de um envelhecimento bem-sucedido, através das conexões entre as diversas dimensões que constituem o ser integral: o físico ao emocional, este ao social e todos ao espiritual.

À venda pelo site da AME-Brasil (https://lojaamasil.commercesuite.com.br/cartilha-do-envelhecimento-sadio-pr-96-377783.htm) e pela Livraria e Editora Francisco Spinelli (http://livrariaspinelli.com.br/).

cartilha do envelhecimento_CAPA_ISBN

Seminário da AME-Serra Gaúcha – Dependência Química: Tratamento, Prevenção E Repercussões Espirituais

Com o DR. ROBERTO LÚCIO VIEIRA DE SOUZA
11 de julho de 2015
Fundação Casa das Artes – Rua Herny Hugo Dreher, 127, Bairro Planalto
Bento Gonçalves/RS
INGRESSO: R$ 15,00 – Horário: 14 às 18h

VAGAS LIMITADAS

FICHA DE INSCRIÇÃO:

Nome:…………………………………………………………………………………

Endereço: …………………………………………………………………………….

Cidade:……………………………………………………………………………….

Estado:……………………………………………………………………………….

CEP:………………………………………………………………………………….

Telefones:…………………………………………………………………………….

Entidade a que pertence: ……………………………………………………………….

Email:………………………………………………………………………………..

PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÃO:

1)- Preencha a ficha de inscrição.
2)-O valor da inscrição deve ser recolhido por meio de depósito que identifique o depositante.
3)- Efetue o depósito na conta corrente Nº 068584960-8, Agência: 0130 do BANRISUL, em nome da Associação Médico-Espírita da Serra Gaúcha – AME-SG.
4)- Envie a ficha devidamente preenchida e cópia do comprovante de recolhimento, por FAX: (54) 3452-4472- A/C de SAMIRA ou por e-mail: samiraturconi@hotmail.com e ame-sg@hotmail.com

Seminário Psicologia do Espírito – Transmissão Ao-Vivo pela Web Rádio Fraternidade

Dias 4 e 5/7 AO VIVO na www.WebRadioFraternidade.com.br
Seminário Psicologia do Espírito: Projetos para um bom viver.
Comemoração aos 26 anos da série psicológica de Joanna de Ângelis.
Expositores: Iris e Cláudio Sinoti; Jeanini e Sergio Lopes; Gelson Luis Roberto; Marlon Reikdal; Haroldo Dias; Alexandre Fontoura dos Santos; Michelle Ponzoni dos Santos; Sheila Simões e Anahy Fonseca.
LOCAL: Clube Farrapos – Rua Professor Cristiano Fischer, 1331 – Bairro Jardim do Salso – Porto Alegre/RS
REALIZAÇÃO: AMERGS // APOIO: HEPA FERGS e AJERGS
INFORMAÇÕES: www.facebook.com/medicoespirita // (51)3279-4463 // (51)3279-4457 // contato@amergs.org // www.amergs.org

PROGRAMAÇÃO

04/07/2015 (SÁB)
———————————————————–
08h45 Conferência de abertura: A Jornada heroica da Alma – Iris Sinoti
10h00 INTERVALO
10h30 Conferência: O trabalho prático entre a dimensão clara e escura do Espírito – Gelson Luis Roberto
11h30 Conferência: Dimensões do autodescobrimento para o bem viver – Marlon Reikdal
12h30 INTERVALO ALMOÇO
14h00 Conferência: Evangelho e Psicologia – Haroldo Dutra Dias
15h00 Conferência: Psicologia e reencarnação: um olhar sobre as relações familiares – Alexandre Fontoura dos Santos
16h00 INTERVALO
16h30 Seminário: Relações familiares na Psicologia de Joanna de Ângelis – Jeanini e Sérgio Lopes
18h30 ENCERRAMENTO

05/07/2015 (DOM)
———————————————————–
08h00 Conferência: Amor a cura do Espírito – Michelle Ponzoni dos Santos
09h00 Conferência: Amor e sexo a realização da alma – Sheila Simões
10h00 INTERVALO
10h30 Conferência: A busca do significado existencial – Cláudio Sinoti
11h30 Conferência: O Futuro do Homem: o que a morte tem a nos ensinar – Anahy Fontoura
12h30 ENCERRAMENTO
.
.
.
Equipe Web Rádio Fraternidade:
Transmissão C4/Colaborador local: Fabian de Souza
Apoio/monitoramento à distância: Rubens De Castro e Gilson Ferreira
Atendimento ouvintes: Elaine Cristina e Márcia Correia

DICA: Enquanto estiver no trânsito, em filas de espera (consultório, banco, etc), você poderá acessar a Web Radio Fraternidade por um smartphone que tenha acesso à internet, da seguinte forma:

1) Baixe e instale nosso aplicativo (app), conforme o sistema operacional do seu smartphone:
– ANDROID –
https://play.google.com/store/apps/details?id=radio.fraternidade.app
– WINDOWS PHONE –
http://www.windowsphone.com/pt-br/store/app/fraternidade/3f675a27-c6f3-41a9-86bb-b89818ba1231
– FIREFOX OS –
https://marketplace.firefox.com/app/wrfraternidade/
– iOS (iPhone e iPad) –
https://itunes.apple.com/us/app/radio-fraternidade/id923367548?ls=1&mt=8

2) Insira no navegador de internet do seu smartphone www.WebRadioFraternidade.com.br; ou

3) Baixe e instale o aplicativo (app) TuneIn Radio, conforme o sistema operacional do seu smartphone, após a instalação, execute-o e pesquise por “Web Radio Fraternidade”, onde aparecerão os nossos 5 canais, sendo que o primeiro é o principal, acesse-o e ao escutar a programação, toque em “Seguir” para incluí-lo na aba SEGUINDO do seu perfil, fazendo os mesmo para os demais canais.
– ANDROID –
http://play.google.com/store/apps/details?id=tunein.player&hl=pt_BR
– iOS (iPhone, iPad e iPod) –
http://itunes.apple.com/br/app/tunein-radio/id418987775?mt=8
– WINDOWS PHONE –
http://www.windowsphone.com/pt-br/store/app/tunein-radio/7f7e3f68-ba3a-e011-854c-00237de2db9e
– BLACKBERRY –
http://appworld.blackberry.com/webstore/content/17105/?countrycode=BR&lang=pt-br
.
.
Maneiras de interagir com a Web Rádio Fraternidade:
– Registrando um recado no site www.WebRadioFraternidade.com.br na parte inferior da página;
– Acessando, curtindo e fazendo comentários na página do facebook www.facebook.com/WebRadioFraternidade;
– Participando do Grupo no facebook www.facebook.com/groups/WebRadioFraternidade;
– Twitando p/ @RadFraternidade ou acessando www.twitter.com/RadFraternidade;
– Pelo chat (conversando por texto): http://webchat.freenode.net/?channels=WebRadioFraternidade&uio=d4;
– Acessando, curtindo e fazendo comentários na página do youtube: www.youtube.com/WRFraternidade;
– Enviando email para faleconosco@radiofraternidade.com.br; ou
– Gravando mensagem falada no Skype radio.fraternidade.

“O Espiritismo nos solicita uma espécie permanente de caridade – a caridade da sua própria divulgação.” (Emmanuel, capítulo “Socorro Oportuno”, do livro “Estude e Viva” psicografado por Chico Xavier e Waldo Vieira, ditado pelo Espíritos Emmanuel e André Luiz)

“Ave, Cristo! os que aspiram à glória de servir em teu nome te glorificam e saúdam!” (Emmanuel, final do prefácio do livro “Ave Cristo”)

Enviado do meu iPhone

Seminário Psicologia do Espírito – Projetos para um Bem Viver – Alcance Mundial

Até a manhã do dia 05 de julho, além das 800 pessoas que participaram do evento na AMERGS, outras 7500, em 22 países e 244 cidades brasileiras, visualizaram o Seminário Psicologia do Espírito – Projetos para um Bem Viver, realizado entre os dias 04 e 05/07/2015 na Web Rádio Fraternidade.
Um resultado da força do trabalho de unificação e divulgação espírita em nosso Brasil e no Mundo!!

11141227_885055021548822_3767157982500782821_n

308080_529496483739543_1789366536_n[1]

Seminário Psicologia do Espírito – Transmissão Ao-Vivo pela Web Rádio Fraternidade

radio_fraternidade

Dias 4 e 5/7 AO VIVO na www.WebRadioFraternidade.com.br
Seminário Psicologia do Espírito: Projetos para um bom viver.
Comemoração aos 26 anos da série psicológica de Joanna de Ângelis.
Expositores: Iris e Cláudio Sinoti; Jeanini e Sergio Lopes; Gelson Luis Roberto; Marlon Reikdal; Haroldo Dias; Alexandre Fontoura dos Santos; Michelle Ponzoni dos Santos; Sheila Simões e Anahy Fonseca.
LOCAL: Clube Farrapos – Rua Professor Cristiano Fischer, 1331 – Bairro Jardim do Salso – Porto Alegre/RS
REALIZAÇÃO: AMERGS // APOIO: HEPA FERGS e AJERGS
INFORMAÇÕES: www.facebook.com/medicoespirita // (51)3279-4463 // (51)3279-4457 // contato@amergs.org // www.amergs.org

PROGRAMAÇÃO

04/07/2015 (SÁB)
———————————————————–
08h45 Conferência de abertura: A Jornada heroica da Alma – Iris Sinoti
10h00 INTERVALO
10h30 Conferência: O trabalho prático entre a dimensão clara e escura do Espírito – Gelson Luis Roberto
11h30 Conferência: Dimensões do autodescobrimento para o bem viver – Marlon Reikdal
12h30 INTERVALO ALMOÇO
14h00 Conferência: Evangelho e Psicologia – Haroldo Dutra Dias
15h00 Conferência: Psicologia e reencarnação: um olhar sobre as relações familiares – Alexandre Fontoura dos Santos
16h00 INTERVALO
16h30 Seminário: Relações familiares na Psicologia de Joanna de Ângelis – Jeanini e Sérgio Lopes
18h30 ENCERRAMENTO

05/07/2015 (DOM)
———————————————————–
08h00 Conferência: Amor a cura do Espírito – Michelle Ponzoni dos Santos
09h00 Conferência: Amor e sexo a realização da alma – Sheila Simões
10h00 INTERVALO
10h30 Conferência: A busca do significado existencial – Cláudio Sinoti
11h30 Conferência: O Futuro do Homem: o que a morte tem a nos ensinar – Anahy Fontoura
12h30 ENCERRAMENTO
.
.
.
Equipe Web Rádio Fraternidade:
Transmissão C4/Colaborador local: Fabian de Souza
Apoio/monitoramento à distância: Rubens De Castro e Gilson Ferreira
Atendimento ouvintes: Elaine Cristina e Márcia Correia

DICA: Enquanto estiver no trânsito, em filas de espera (consultório, banco, etc), você poderá acessar a Web Radio Fraternidade por um smartphone que tenha acesso à internet, da seguinte forma:

1) Baixe e instale nosso aplicativo (app), conforme o sistema operacional do seu smartphone:
– ANDROID –
https://play.google.com/store/apps/details?id=radio.fraternidade.app
– WINDOWS PHONE –
http://www.windowsphone.com/pt-br/store/app/fraternidade/3f675a27-c6f3-41a9-86bb-b89818ba1231
– FIREFOX OS –
https://marketplace.firefox.com/app/wrfraternidade/
– iOS (iPhone e iPad) –
https://itunes.apple.com/us/app/radio-fraternidade/id923367548?ls=1&mt=8

2) Insira no navegador de internet do seu smartphone www.WebRadioFraternidade.com.br; ou

3) Baixe e instale o aplicativo (app) TuneIn Radio, conforme o sistema operacional do seu smartphone, após a instalação, execute-o e pesquise por “Web Radio Fraternidade”, onde aparecerão os nossos 5 canais, sendo que o primeiro é o principal, acesse-o e ao escutar a programação, toque em “Seguir” para incluí-lo na aba SEGUINDO do seu perfil, fazendo os mesmo para os demais canais.
– ANDROID –
http://play.google.com/store/apps/details?id=tunein.player&hl=pt_BR
– iOS (iPhone, iPad e iPod) –
http://itunes.apple.com/br/app/tunein-radio/id418987775?mt=8
– WINDOWS PHONE –
http://www.windowsphone.com/pt-br/store/app/tunein-radio/7f7e3f68-ba3a-e011-854c-00237de2db9e
– BLACKBERRY –
http://appworld.blackberry.com/webstore/content/17105/?countrycode=BR&lang=pt-br
.
.
Maneiras de interagir com a Web Rádio Fraternidade:
– Registrando um recado no site www.WebRadioFraternidade.com.br na parte inferior da página;
– Acessando, curtindo e fazendo comentários na página do facebook www.facebook.com/WebRadioFraternidade;
– Participando do Grupo no facebook www.facebook.com/groups/WebRadioFraternidade;
– Twitando p/ @RadFraternidade ou acessando www.twitter.com/RadFraternidade;
– Pelo chat (conversando por texto): http://webchat.freenode.net/?channels=WebRadioFraternidade&uio=d4;
– Acessando, curtindo e fazendo comentários na página do youtube: www.youtube.com/WRFraternidade;
– Enviando email para faleconosco@radiofraternidade.com.br; ou
– Gravando mensagem falada no Skype radio.fraternidade.

“O Espiritismo nos solicita uma espécie permanente de caridade – a caridade da sua própria divulgação.” (Emmanuel, capítulo “Socorro Oportuno”, do livro “Estude e Viva” psicografado por Chico Xavier e Waldo Vieira, ditado pelo Espíritos Emmanuel e André Luiz)

“Ave, Cristo! os que aspiram à glória de servir em teu nome te glorificam e saúdam!” (Emmanuel, final do prefácio do livro “Ave Cristo”)

Informativo aos inscritos no Seminário AMERGS

Informativo aos inscritos no Seminário AMERGS
Psicologia do Espírito: Projetos Para um Bem Viver

Local:
Clube Farrapos: Rua Professor Cristiano Fischer,1331
Bairro: Jardim do Salso – Porto Alegre – RS

Horário de realização do Evento:

Dia 04/07/2015 – Sábado – Abertura do credenciamento – 7h30min

– Início das Atividades – 8h30min – Término: 18h

Dia 05/07/2015 – Domingo – Início das Atividades – 8h30min – Término: 12h30min

Crachás de Identificação:

Os participantes deverão usar o crachá de forma visível durante todo o tempo em que permanecerem dentro do Clube Farrapos. O uso do crachá de identificação será indispensável e obrigatório para o acesso ao auditório. Em caso de perda do crachá será cobrada uma taxa de R$ 20,00 para o fornecimento de 2ª via. Para mais informações, procure a Secretaria do evento ou voluntários identificados pelo colete da AMERGS.

Transporte Coletivo:
Linhas de Ônibus: Linhas T1 normal – T1Direto (parada ACD) e Carris 476
Lotação: Ipiranga/PUCRS somente na Av. Ipiranga

Estacionamento:

O Clube Farrapos possui estacionamento no valor de R$ 15,00 a diária.

Alimentação:

Os participantes que tiveram o almoço incluído no momento de sua inscrição receberão um voucher que deverá ser entregue no restaurante Fenix no horário do almoço. Os demais participantes poderão optar por almoçar no clube ao valor de R$ 23,00 (sem bebida) sendo o voucher adquirido na secretária do evento no momento do credenciamento.

Nó pátio do clube haverá um quiosque que estará comercializando lanches e bebidas, café água e refrigerante.

Nas proximidades do local do evento há outras opções para alimentação, como por exemplo, a praça de alimentação do Bourbon Shopping .

Celular:

Solicitamos para o bom andamento do evento que os aparelhos lletrônicos fiquem desligados durante as palestras.

Wi-Fi:

Não haverá disponibilidade no local.

Dispensa de Ponto e Certificado

A dispensa de ponto deverá ser solicitada diretamente ao na Secretaria do evento que fornecerá um atestado de freqüência, o qual deverá ser solicitado na retirada do material. Os certificados de participação serão emitidos mediante solicitação via e-mail – secretaria.amergs@gmail.com, cinco dias após a realização do evento.

Cuide de Seus Pertences:

A Comissão Organizadora do evento não se responsabiliza pela perda, roubo ou esquecimento de objetos pessoais nas dependências do local do evento durante a sua realização, sendo os mesmos de responsabilidade de cada participante.

Se necessário maiores informações ligue para:

Alethéa Sperb\Depto. Administrativo – (51) 9952.0712
Sandra Schmaedecke \ Voluntária AMERGS – (51) 8287.0275

A Comissão Organizadora deseja a todos um bom evento!

AME-Brasil completa 20 anos

11403474_876747199046271_7313087005361984612_n

Modesta Homenagem aos Luminosos 20 anos da digna AME-BRASIL (Associação Médico-Espírita do Brasil) e sua idealizadora, amada companheira Drª. Marlene Nobre. Também sua fraterna e operante diretoria, na pessoa do presidente, nosso amado confrade e amigo Dr. Gilson Luis Roberto, aos milhares de colaboradores encarnados através de 57 AMEs e dos diversos Planos da Luz, simbolizados pelo nosso amado Irmão Maior Dr. Bezerra de Menezes! Parabéns! Para Frente e para o Alto! Irmanados com o Mestre Jesus!… Carinhosamente, parabéns a todos! ✨

“Solidários, seremos União. Separados uns dos outros seremos pontos de vista. Juntos, alcançaremos a realização de nossos propósitos.” Dr. Bezerra de Menezes

A AME-Brasil tem como finalidade o estudo da Doutrina Espírita e de sua fenomenologia, tendo em vista suas relações, integração e aplicação nos campos da Filosofia, da Religião e da Ciência, em particular da Medicina, procurando fundamentá-la através da criação e realização de estudos e experiências orientadas nessa direção. Também é sua função congregar AMEs estaduais, regionais, municipais, auxiliando em sua atuação, de modo a difundir o movimento médico-espírita nos estados e colaborar com instituições educacionais, assistenciais e órgãos em geral. A AME-Brasil deve ainda difundir e preservar o movimento médico-espírita junto a outras classes profissionais liberais e ao público em geral e promover eventos culturais e científicos que levem ao desenvolvimento de seu trabalho. A Associação Médico-Espírita do Brasil (AME-Brasil) foi fundada em São Paulo, dia 17 de junho de 1995, durante a realização do MEDNESP-95 – 3º Congresso Nacional de Médicos Espíritas – realizado pela Associação Médico-Espírita de São Paulo instituição pioneira que existia desde 30 de março de 1968.

Seminário Psicologia Do Espírito: Projetos Para Um Bem Viver – Sessões de Autógrafos e Lançamentos de Livros

Flyer livros seminário

Sábado à tarde: 16h às 16h30min

Lançamento e sessão de autógrafos dos livros:

Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade vol. 3 (vários autores)
Cartilha do Envelhecimento Sadio (vários autores)

Autógrafos dos livros:

As Leis Morais e o Código do Monte (Sérgio Lopes)
Aquém e Além do Tempo (Gelson L. Roberto) e Refletindo a Alma (Gelson L. Roberto, Claudio Sinoti, Iris Sinoti e Marlon Reikdal)
Velhice: Culpada ou Inocente? (Carlos Durgante)
A Vida Entra em Cena (Carlos Durgante)
Fé na Ciência (Carlos Durgante)
Práticas Complementares Para a Saúde Integral (Carlos Durgante)

Domingo pela manhã: 10h às 10h30min

Autógrafos dos livros:

Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade vol. 3 (vários autores)
Cartilha do Envelhecimento Sadio. (vários autores)
Aquém e Além do Tempo (Gelson L. Roberto) e Refletindo a Alma (Gelson L. Roberto, Claudio Sinoti, Iris Sinoti e Marlon Reikdal)
Velhice: Culpada ou Inocente? (Carlos Durgante)
A Vida Entra em Cena (Carlos Durgante)
Fé na Ciência (Carlos Durgante)
Práticas Complementares Para a Saúde Integral (Carlos Durgante)

Artigo: A família como desafio no processo evolutivo

familia
Muitos tem sido os questionamentos sobre a instituição familiar, sendo que alguns destes com previsões e avaliações negativas, trazendo a conclusiva ideia de falência da família. Atualmente o que nos deparamos é com a transformação e reformulação na configuração da família. A formatação tradicional está dando espaço para novas famílias que se constroem conforme a atual realidade e evolução dos tempos.
O ser humano tem uma necessidade básica de viver em grupo e sentir-se acolhido, proteger e estar protegido. Consequentemente famílias irão existir por um longo tempo.
Além do que, a família tem uma função de reeducação e de resgates espirituais. Já dizia Chico Xavier: “estamos no lugar certo com as pessoas certas e no tempo certo necessários ao que precisamos”. Uma família perfeita num planeta de provas e expiações é impossível, porém é possível nos aperfeiçoarmos sempre.
A nossa chance para isso é a reencarnação. Reencarnarmos num lar onde será possível reencontros para reajustes é obra da grande misericórdia Divina para o caminho evolutivo de cada integrante de uma família.
Há duas espécies de famílias, as constituídas pelos laços espirituais e a pelos laços corporais. As primeiras, duráveis se fortalecem pela depuração e se perpetuam no Mundo dos Espíritos através das diversas migrações do Espírito. As segundas, frágeis como a matéria, se estinguem com o tempo e se dissolvem moralmente desde a vida atual.
A família é o lugar por excelência onde seremos convidados a colaborar praticando a Lei de Amor de forma mais intensa e desafiadora. Somos convidados a aprender a exercitar amar na convivência: conjugal, maternal, paternal, filial, fraternal, etc.
Essa convivência só será saudável se a levarmos com respeito, paciência, perdão, diálogo, e muito amor.
Nosso tempo aqui na Terra é muito curto. A vida passa muito rápida! E precisamos viver e conviver de tal forma que, se tivermos de nos despedir de forma abrupta, não tenhamos remorsos a carregar.
Uma relação familiar com bases nos quesitos acima mencionados proporcionará estrutura emocional e promoverá o aprendizado de valores éticos em seus membros descendentes, contribuindo sobremaneira para um futuro adulto mais saudável!
Então, aproveitemos a oportunidade de crescermos e evoluirmos com a família com a qual pertencemos. Deixemos de queixar-nos dela e de “terceirizar responsabilidades”. Façamos a nossa parte para nos tornarmos pessoas melhores, bem como, aproveitemos tudo que é possível de aprendizado nessa convivência.
Já dizia Madre Tereza: “o bem que você faz hoje, pode ser esquecido amanhã. Faça mesmo assim. Veja que no final das contas, é tudo entre você e Deus! Nunca foi entre você e os outros”
Ou seja, o processo evolutivo é individual!
Nossa família é a oportunidade que tanto pedimos no Plano Espiritual para o exercício de crescermos espiritualmente. Essa compreensão auxiliará sobremaneira nos momentos desafiadores e de provas em nossa vida de convivência familiar.
Paciência, Respeito, Limites e Amor conosco e com nossa família!
Eis o caminho!!!

Elizabeth Schuck
Psicóloga Clínica e terapeuta de família

1º Encontro de Cinema, Saúde e Espiritualidade

Amigos, nessa terça-feira às 19h30min vai ocorrer na Sociedade Espírita Caminho da Luz, o primeiro Encontro de Cinema, Saúde e Espiritualidade, onde serão exibidos trechos do filme Para Sempre Alice, que aborda a questão da Doença de Alzheimer. Durante esse evento estaremos conversando sobre essa patologia à luz da ciência, do espiritismo e das relações familiares. Este será o primeiro de muitos encontros sobre a interface do cinema com o cotidiano da vida humana. Até lá!
11054839_837035603045904_3612766873356112367_n

Artigo Envelhecimento: Do Corpo ou da Alma

Cada fase da existência física possui características próprias que consolidam o processo de amadurecimento do psiquismo humano. Cada novo estágio se constrói sobre os patamares do anterior, formando os alicerces complexos da individualidade.

Segundo o geriatra Dr. Carlos Durgante*, nossos tempos se caracterizam pela presença cada vez maior da longevidade, prevendo para as próximas décadas considerável aumento da população de idosos no mundo. Ainda assim, as fantasias aterradoras que acompanham a humanidade quanto à sua expectativa com relação a velhice atemorizam a maioria das criaturas – relacionando-a com decadência, amargura, solidão, doença e morte.

Trata-se de uma visão estreita que deposita os ideais de felicidade na possibilidade de gozos rápidos e sensações brutalizantes, a que as limitações do corpo agora se interpõem conduzindo o ser naturalmente a aspirações mais sutis. O centro da personalidade é atemporal.

Independentemente da idade orgânica e das condições limitantes que possam se apresentar do ponto de vista material, a mente se faz jovem quando idealista. Ninguém é solitário quando solidário. A morte faz parte da vida. A doença se apresenta como desafio existencial oferecendo maiores oportunidades de reflexão no campo dos valores morais, seja qual for o momento em que se apresente.

Atentemo-nos, no entanto, ao apego aos velhos hábitos – fruto da insegurança frente ao novo. Mudar e crescer é fundamental em qualquer etapa da vida. Aquele que jornadeia o entardecer da sua caminhada no mundo pode usufruir da tão almejada estabilidade emocional, decorrente de maior liberdade interior – quando não cronificados velhos preconceitos. É possível atingir maior auto compreensão e honestidade para consigo mesmo, com consequente respeito pelas decisões alheias, combatendo o confinamento de nosso mundo interior – este último, único que garante a verdadeira experiência de plenitude.

*No livro Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade

Michelle Ponzoni dos Santos
Psicóloga, psicanalista, junguiana

Programação de Palestras da AME-RS no mês de Maio/2015

agenda_palestras-534x168

Data: 2 de maio, 15hs:00min
Cidade: Osório
Instituição: S.E Círculo da Luz
Palestrante: Sheila Simões
Tema: Joanna de Ângelis: a mentora da Psicologia Espírita

Data: 7 de maio, 20hs:00min
Cidade: Torres
Instituição: Instituto Espírita Allan Kardec
Palestrante: Paulo Rogério Aguiar
Tema: O Encontro da Saúde com a Espiritualidade

Data: 13 de maio, 19hs:00min
Cidade: Tramandaí
Instituição: S.E. Fé, Amor e Caridade
Palestrante: Carlos Eduardo Durgante
Tema: A Vida Entra em Cena: os Desafios da Convivência em Família.

Data: Dia 30 de maio, 14hs:30min
Cidade: Porto Alegre, Av. Desembargador André da Rocha, 49
Instituição: FERGS
Palestrante: Alexandre Fontoura dos Santos
Tema: Transição Planetária e a pátria do evangelho: uma reflexão histórica

Data: 16 de maio, 20 horas
Cidade: Santa Maria, Faixa de Camobi, Km 03, nº 1915
Instituição: Sociedade Espírita Luz do Caminho, Dr. Fernando do Ó
Palestrante: Carlos Eduardo Durgante
Tema: Da Velhice à Reencarnação

Data: 22 de maio, 19h45min
Cidade: Viamão
Instituição: S.E Bezerra de Menezes
Palestrante: Carlos Eduardo Durgante, Emanuel Burk dos Santos
Tema: Ciência e Espiritualidade: Conexões para a Saúde Integral

Data: 23 de maio, 20hs:00min
Cidade: Santa Maria, Faixa de Camobi, Km 03, nº 1915
Instituição: Sociedade Espírita Luz do Caminho, Dr. Fernando do Ó
Palestrante: César Geremia
Tema: Longevidade e Saúde: o Espírito no Comando

Data: 30 de maio, às 15hs:30min
Cidade: Porto Alegre, Rua General Andrade Neves, 18. Centro
Instituição: Sociedade Espírita Allan Kardec
Palestrante: Carlos Eduardo Durgante
Tema: As Enfermidades Humanas à Luz da Doutrina Espírita

Artigo: Evangelho, Saúde e Evolução

Evangelho, Saúde e Evolução

Na marcha incessante do tempo, seu inerente relativismo iguala dias a anos, minutos a eras. A estreiteza da vida material, contada do berço ao túmulo, não nos permite contemplar a evolução de fenômenos cujos ciclos ultrapassam nosso tempo histórico enquanto personalidades. Assim, a maior parte dos planos da Espiritualidade Maior para o orbe terrestre nos escapa a observação do conjunto, restando-nos um vislumbre fragmentado e incompleto. Associado a esta incompletude, a limitação de entendimento do Mundo Espiritual Superior e de seus propósitos divinos restringe ainda mais nossa capacidade de compreensão dos Planos de Deus e de sua influência indelével no curso da história planetária. Nesse cenário, o homem ora atribui a si próprio, se orgulhoso, os grandes acontecimentos que mudam o curso evolutivo de milhões de criaturas encarnadas, ora delega ao acaso aquilo que lhe escapa a percepção.

Guerras e alterações climáticas, ciclos econômicos globais e as reencarnações em massa de espíritos missionários, a descida de ideais superiores a crosta, enfim, compõe o influxo evolutivo da coletividade que tem no Mestre Jesus, o comandante sempre atento e diligente.

Há cento e cinquenta anos “descia” à terra o Evangelho Segundo o Espiritismo, inaugurando uma nova etapa evolutiva do planeta. Composição de muitas mentes, encarnadas e desencarnadas, é talvez a mais bela obra de colaboração entre os dois planos da existência. O Cristianismo em sua essência mais pura, mais bela, em meados do século XIX, passava então a ser mais bem compreendido. O verdadeiro código universal de conduta e de moralidade, vigente em todos os orbes evoluídos e felizes, em todos os recantos do Universo Infinito, enfim era oferecido, como prova da bondade e do amor infinito do Pai Celestial, aos atrasados e renitentes do planeta azul. A maturidade alcançada pelos espíritos do século XIX assim o exigia, dando sequência a multissecular programação de Jesus. Primeiro Ele enviara Moisés, João Batista e os profetas na antiguidade; após os grandes iniciadores, o Governador Espiritual do planeta viera a terra oferecer sua incomparável exemplificação do Evangelho, que seria esquecido, deturpado, adaptado conforme interesses políticos. Seria necessária a recapitulação das lições, quando o Espiritismo arrebata o mundo, retirando o véu das alegorias e das distorções, sintetizando no seu Evangelho a safirina luz que conduz as almas ao coração de nosso Pai. Era o terceiro momento, dos então chamados trabalhadores da última hora.

Tradicionalmente, considera-se o Evangelho uma obra essencialmente moral.

Nela, os ensinamentos mais profundos de Jesus são extraídos e comentados por Kardec e pelos Espíritos responsáveis pelo programa da Codificação, através de lúcidas instruções, aplicáveis a todas as situações da vida. No entanto, é possível olhá-lo de forma diferente. É possível perceber, em suas lições imorredouras, o mais perfeito tratado científico que jamais as ciências humanas imaginaram lograr. Um tratado de ciências psíquicas, que liberta o homem dos tormentos da alma, das patologias mentais, do aprisionamento em seu próprio ego; que salva o indivíduo do dualismo, do materialismo, da falta de rumo, da falta de sentido, do suicídio; que traz a misericórdia, a mansuetude e a brandura como prescrição obrigatória a obtenção da felicidade. Um tratado de medicina, pois aponta a cura de todos os males físicos pela evolução do espírito, dando um sentido lógico as moléstias incuráveis, as doenças de nascença, às mortes prematuras. Um tratado de economia, ensinando nossa condição de meros fiéis depositários do tesouro divino, responsáveis pela justa distribuição das riquezas. Um tratado de direito, preconizando a lei do amor, do perdão incondicional às faltas alheias, da caridade com os criminosos, da insensatez do duelo, da indissolubilidade do casamento.

O Evangelho detém, na singularidade de suas doces lições, extraídas da fonte suprema do Mestre Jesus, o poder de nos tocar as fibras mais delicadas da alma, precavendo-nos de um dos males mais perigosos da pós-modernidade: a do racionalismo puro, do intelectualismo orgulhoso, entronizando a razão como método único ao entendimento da vida e de suas leis. Fruto da vaidade dos homens, esquecidos que o Amor é a força máxima do universo, o racionalismo dogmático tantas vezes tem encontrado justificativas para as mais atrozes atitudes, em sistemas hediondos de dominação. Organizações políticas totalitárias para a promoção de uma suposta “justiça social”, extermínio de seres humanos por motivos vis, exploração de embriões indefesos para o “avanço da ciência”, o aborto generalizado como um exercício da autonomia da mulher, e tantas outras bandeiras fazem a alma humana confundir-se, quando apartada da bússola do coração, que a tudo harmoniza e conduz a Deus. O Evangelho de Jesus é, portanto, a síntese perfeita entre fé e razão, entre amor e conhecimento, entre teoria e exemplificação divina, tendo no Mestre Galileu a encarnação dos princípios superiores que objetivamos lograr.

A pandemia dos fenômenos obsessivos, responsáveis por males ainda insuspeitos, de ordem pessoal e coletiva, encontra do Evangelho o seu único e verdadeiro antídoto. Kardec já nos dizia que toda influência sobre os espíritos obsessores reside no ascendente moral, atestando a completa ineficácia de fórmulas e práticas exteriores.

Consciente da evolução da medicina e sabedor de que havia trazido ao mundo um tratado médico de 500 anos à frente de sua época, Kardec nos deixa, em seu último parágrafo de o Evangelho Segundo o Espiritismo, uma lição primorosa: “A obsessão muito prolongada pode ocasionar desordens patológicas e reclama, por vezes, tratamento simultâneo ou consecutivo, quer magnético, quer médico, para restabelecer a saúde do organismo. Destruída a causa, resta combater os efeitos.”

Como nada, na ação da espiritualidade maior, se dá de forma fortuita, vislumbramos aqui uma delicada mensagem de Kardec para a posteridade. Temos nesse pequeno parágrafo, que encerra a referida obra, uma consagração da necessidade de integração dos aspectos morais e espirituais àqueles relacionados à saúde dos seres humanos, em especial no que tange aos processos obsessivos. Kardec convoca os médicos do futuro (um futuro que já chegou, diga-se de passagem!) ao tratamento consecutivo ou simultâneo, de modo a atuar tanto nas causas quanto nos efeitos, tanto no espírito, quanto no corpo físico. E vai além: mesmo quando resta encerrada a obsessão espiritual, muitas vezes pela pertinácia do obsessor e pelo longo tempo de atuação sobre o enfermo, cabe a medicina colaborar no reequilíbrio do paciente. A medicina do porvir deve seguir o exemplo da Obra da Codificação: uma fraterna integração colaborativa entre os dois planos da existência.

Nos grandes ciclos da evolução histórica, temos o período preparatório, no qual as idéias são lançadas de modo ainda embrionário, como uma experiência de campo no grande laboratório humano. A seguir, o programa adianta-se a uma fase de semeadura efetiva, onde a semente é lançada ao solo, de modo a aguardar a madureza dos tempos.
Por fim, temos a colheita, quando a idéia longamente preparada atinge o período de exuberância e não pode mais ser ignorada. Transitamos, nos tempos modernos, rumo à terceira etapa, em que o Evangelho será a árvore frondosa sob a qual os humildes, os brandos, os pacíficadores, os misericordiosos, os puros e os justos abrigar-se-ão felizes e em regozijo, porque souberam inscrever em suas consciências, de modo inapagável e para os séculos sem fim, as lições do Evangelho de Jesus.

Dr. Paulo Rogério Dalla Colletta de Aguiar
Presidente da AMERGS biênio 2015-2017

Journal of Affective Disorders: Intrinsic religiosity, resilience, quality of life, and suicide risk in depressed inpatients

O Dr. Bruno Paz Mosqueiro, psiquiatra da AMERGS, publicou um artigo de sua pesquisa de mestrado em uma das mais prestigiosas revistas cientificas, especializada em doenças afetivas, o “Journal of Affective Disorders”. Trata-se de um estudo avaliando a correlação entre religiosidade, resiliência, qualidade de vida, risco de suicídio e transtornos depressivos. Essa é mais uma conquista do movimento medico-espírita brasileiro, levando o alto contingente de espiritualidade à ciência médica, conforme nos orientou nosso abnegado Dr. Bezerra de Menezes. Veja artigo completo (em inglês) no link abaixo.

logoiSAD

Caravana da AMERGS pela 10ª Região FERGS

palestra
Cidade: Santo Antônio da Patrulha
Instituição: S.E. Fonte de Luz
Data: 11 de abril, 15hs:30min
Palestrante: Gelson Luis Roberto
Tema: Em Busca da Verdade: superando as armadilhas do ego

Cidade: Capão da Canoa
Instituição: S.E. Allan Kardec
Data: 18 de abril, 16hs:00min
Palestrante: Alethéa Sperb
Tema: A Definir

Cidade: Caraá
Instituição: A.E. Bom Jesus
Data: 25 de abril, 10hs:00min
Palestrante: Alethéa Sperb
Tema: A Definir

Cidade: Osório
Instituição: S.E Círculo da Luz
Data: 2 de maio, 15hs:00min
Palestrante: Sheila Simões
Tema: Joanna de Ângelis: a mentora da Psicologia Espírita

Cidade: Torres
Instituição: Instituto Espírita Allan Kardec
Data: 7 de maio, 20hs:00min
Palestrante: Paulo Rogério Aguiar
Tema: O Encontro da Saúde com a Espiritualidade

Cidade: Tramandaí
Instituição: S.E. Fé, Amor e Caridade
Data: 13 de maio, 19hs:00min
Palestrante: Carlos Durgante
Tema: A Vida Entra em Cena: os Desafios da Convivência em Família

Atividades AMERGS Abril

agenda_palestras-534x168
 

Dia 04: Semana Espírita de São Sepé. Palestra: As Ansiedades Nossas de Cada Dia, Carlos Durgante, às 20 horas, na Associação Espírita Jesus Nazareno.

 

Dia 11: 17ª Feira do Livro de Erechim/RS, colóquio sobre o livro Velhice: culpada ou Inocente? Às 20 horas, com Carlos Durgante.

 

Dia 18: Palestra sobre o livro A Vida Entra em Cena, comemorativa aos 75 anos da SEBMV (Sociedade Espírita Bezerra de Menezes) de Viamão/RS, às 14h30min. Carlos Durgante.

 

Dia 18: Palestra Amorterapia, com Gelson Luis Roberto, no auditório da Fergs (Federação Espírita do Rio Grande do Sul), às 14h30min.

 

Dia 22: Palestra no Grupo da Boa Idade da Sociedade Beneficente Bezerra de Menezes de Porto Alegre, às 14h30min, com o tema A Vida Entra em Cena, com Carlos Durgante.

Artigo: Família e Eutanásia

eutanasia2
O Ser Humano, ao demandar a vida na terra, encontra muitas vezes por oferta uma série de possíveis prazeres, de busca de conforto e segurança, da procura da felicidade. No entanto, neste interim, é acossado por inúmeras intercorrências que o levam ao experimento da dor, nos flagelos sociais, nas distonias mentais, nos conflitos familiares e até mesmo na visita da morte, revestida de doenças abruptas ou prolongadas que inviabiliza-lhe a movimentação no corpo e o fruir dos sentidos.
Frente a esta inconstância – que, em diferentes graus, é peça constituinte da vida – há aqueles que acreditam na existência como eterno gozo, a fim de aproveitar o tempo que lhes resta, apegados às ilusões da juventude e assustados pelo fantasma da velhice. Outros, buscam no status e na locupletação material uma espécie de sentido, que lhes falta, pois tais aquisições não são portadoras por si só da verdadeira paz, que jamais vem descarregada dos sentimentos morais profundos a que destina-se o Espírito. Conforme nos alerta o Espírito Carlos, em psicografia de João Nunes Maia: “as coisas falsas, embora brilhem mais que as verdadeiras, não permanecem clareando” (Gotas de Ouro).
Diante dos embates humanos entre a vida e a morte, surgem as mensagens divinas, por vezes disfarçadas de provações, sem as quais não nos movimentaríamos ainda rumo ao alcance de patamares maiores de entendimento. Toda a vez que nos encontremos cerceados por dificuldades atrozes, lembremos de Jesus que, macerado na cruz, antevia as moradas espirituais de que procedia, desejando a nós que ficávamos o verdadeiro perdão das ofensas às leis maiores, enquanto atestávamos nossa ignorância em frente ao nobre exemplo deste Ser de Luz.
A perspectiva da dor sem solução, do sofrer sem remédio assusta-nos o ser, por vezes despreparado pela visão materialista da vida, ou por uma religiosidade empobrecida, entre os símbolos de céu e inferno tão distantes de nossa realidade. Circunstâncias em que surgem as pretensas soluções imediatas, a fim de dar cabo a dor, aparentemente sem sentido, diante de algo que nos soa como fim, ainda que não o seja.
É neste contexto que se apresenta a eutanásia, sorvida na forma de injeção letal, sob o pretexto de “trazer a paz” àquele que estertora, mas que merece ser devidamente esclarecida, em face da continuidade do Espírito após estes momentos afligentes.
Aceita em países como França, Alemanha, Áustria, e Holanda, por exemplo, é classificada no Brasil como atitude criminosa, embora vez por outra ocorra disfarçadamente em procedimentos paralelos que acabam por ter o mesmo fim. De uma forma ou de outra, constitui uma das pautas atuais das importantes discussões em bioética. Confluindo os termos gregos eu e thanatos (“morte boa”), tal prática é proposta por sincera esperança de aliviar do sofrimento, para alguns, ou de inconsciente desconsideração pela vida, para outros, dentre seus diferentes defensores.
Fossemos seres puramente materiais, fadados a extinguir-nos com a disjunção molecular, a proposta apresentar-se-ia talvez como um alivio a dor alheia, em nosso intento de auxílio. A espiritualidade que nos cerca, no entanto, alerta-nos para outro nível de causas e consequências, onde pretensas soluções podem tornar-se, em verdade, geradoras de maiores dores ao Espírito que somos. O inverso também se verifica, uma vez que beneficiamo-nos de situações por vezes dolorosas, conforme às tomarmos por aprendizado. Nossas necessidades, como seres imateriais, vão muito além daquelas que distinguimos no “mundo das formas”.
Diante das quase infindáveis dores em que se encontra o indivíduo e a família em casos de coma profundo, de morte certa, de dores sem trégua e sem previsão de recuperação, de que adiantaria a espera? Por que não abreviar uma dor sem sentido?
Em 1860, Allan Kardec questionou aos Espíritos sobre o tema, cuja resposta veio a constituir o item 28 do capítulo quinto de O Evangelhos Segundo o Espiritismo:
“Um homem agoniza, presa de cruéis sofrimentos. Sabe-se que o seu estado é sem esperança. É permitido poupar-lhe alguns instantes de agonia, abreviando-lhe o fim?”

E obteve como resposta, assinada pelo Espírito São Luis:

“Mas quem vos daria o direito de prejulgar os desígnios de Deus? Não pode ele conduzir um homem até a beira da sepultura, para em seguida retirá-lo, com o fim de fazê-lo examinar-se a si mesmo e modificar-lhe os pensamentos? A que extremos tenha chegado um moribundo, ninguém pode dizer com certeza que soou sua hora final. A ciência, por acaso, nunca se enganou nas suas previsões?
Bem sei que há casos que se podem considerar, com razão, como desesperados. Mas se não há nenhuma esperança possível de um retorno definitivo à vida e à saúde, não há também inúmeros exemplos de que, no momento do último suspiro, o doente se reanima e recobra suas faculdades por alguns instantes? Pois bem: essa hora de graça que lhe é concedida, pode ser para ele da maior importância, pois ignorais as reflexões que o seu Espírito poderia ter feito nas convulsões da agonia, e quantos tormentos podem ser poupados por um súbito clarão de arrependimento.
O materialista, que só vê o corpo, não levando em conta a existência da alma, não pode compreender essas coisas. Mas o espírita, que sabe o que se passa além túmulo, conhece o valor do último pensamento. Aliviai os últimos sofrimentos o mais que puderdes, mas guardai-vos de abreviar a vida, mesmo que seja apenas um minuto, porque esse minuto pode poupar muitas lágrimas no futuro.”
(O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. V item 28. Grifo nosso)

Em perspectiva esclarecida, o desenlace do Espírito, que abruptamente ou gradualmente despede-se do envoltório corporal, é sim momento derradeiro na terra, mas em vista de seu aproveitamento da experiência fruída, possibilitando-lhe maiores esclarecimentos da fase nova da Vida, ou prolongamento momentâneo das dores que o perseguem.

A família ante a eutanásia

Impossível pensar-se esse assunto sem o entrelaçamento à dinâmica familiar, que de formas variadas atingem a todas as criaturas no planeta. Formada frequentemente por desafetos do passado, e alguns espíritos afins – conforme nos revelam os Espíritos envolvidos na codificação da Doutrina Espírita – , a união familiar tem por vias diluir débitos do passado através da repetição e/ou variação de posições parentais, permitindo, assim, a reedição de velhos conflitos na proposta de empreitadas edificantes, por vezes muito angustiosas, mas também libertadoras ao acessar e movimentar os escaninhos profundos de nosso inconsciente, de nossas personalidades ainda um tanto grosseiras.
Assim, a família – célula elementar da sociedade, delimitando as relações primárias do indivíduo com o meio a que pertence – constitui-se de valorosa escola pela qual todos temos a oportunidade de exercitar as capacidades morais necessárias a nosso ser, em vias de sua jornada evolutiva pelas diferentes etapas de nossa ascensão espiritual. Não por acaso foi elegida por Confúcio, e outros sábios orientais da antiguidade, como o grande modelo a pautar as relações morais desde o camponês ao príncipe, em diretriz política e social herdada para a China milenar, ainda que alterada desde priscas eras.
Se, por desgosto ao círculo em que formos originados, renegarmos totalmente à família, afastarmo-nos da sociedade e buscarmos a vida eremita, vinculado às cavernas, à fuga para natureza e demais lugares ermos, ainda assim carregaríamos a população de “vozes internas” que inunda-nos o ser, em uma enxurrada inconsciente a pedir-nos resolução. São as imagens psicológicas que guardamos das figuras parentais e “dos outros” em geral, e das quais não poderemos livrarmos, muito menos em atos de revolta para com a vida, identificando-nos com suas demandas ou combatendo-as desesperadamente. Necessitam, na verdade, serem superadas em busca do autoconhecimento, a fim de que reintegremos estes sentimentos e pensamentos harmoniosamente, visto serem nada mais do que projeções inconscientes de nossos próprios complexos não solucionados, a ressoar sob a figura do próximo, estando este envolvido ou não com a conflitiva que abateu-nos.
Partindo do ponto de vista do indivíduo, atitudes autodestrutivas – como o alcoolismo, a drogadição, o suicídio, e demais comportamentos de risco – tendem a trazer uma boa parcela inconsciente de tentativa de livrar-se desta multidão de vozes internas, das opiniões familiares, que lhe torturam a personalidade devido a incompreensão de uma ou de ambas as partes. Destruindo-se, desta forma, destrói-se também os outros que “habitam” em nós, como fantasiosamente se acredita nestes momentos infelizes.
Partindo do ponto de vista dos demais familiares, o parente que sofre é convite declarado para que todos revejam pensamentos e sentimentos, a fim de direcionar suas atitudes à cooperação com o outro. Trabalho este que tem início em nosso próprio aprendizado, revendo em que a dor alheia tem a nos ensinar, seja pelas virtudes ou tropeços destes entes queridos. Pois não basta apontarmos os males – isto todos fazem –, o mérito está em emularmos em nós as possíveis soluções, colocando-nos no lugar do próximo na busca de melhores resoluções morais.
O enfermo que estertora mobiliza em todos os mais variados conjuntos de sentimentos; como o medo e impotência diante da morte; de que não amamos aquele ser o quanto devíamos; a revolta diante da doença, da própria Vida, e da Divindade. É também ponto de união, onde os familiares veem-se em necessidade de esforçarem-se e sustentarem-se diante da prova em questão.
Situações limites como esta tendem a testar nossas fibras morais, auxiliando a flexibilização de nossas certezas diante da vida e morte, inicialmente para suportarmos o ocorrido, e finalisticamente como despertamento para as maiores reflexões acerca da sobrevivência do Espírito e suas consequências em nossa vida diária.

Vida e Sociedade

Aos idos tempos de Esparta, a mais belicosa cidade-estado a compor a península grega, defrontávamos com uma sociedade sem espaço para aqueles considerados inválidos, de alguma forma. Os bebês que nascessem com deformidades eram atirados de penhascos, a fim de se estabelecer uma sociedade “perfeita” em suas funções corporais. O infanticídio era acompanhado, também, do descarte aos mais velhos, incapazes de lutar. Descendente dos Dórios – um dos últimos povos a se estabelecerem violentamente na região do Peloponeso, em regime de combate aos demais vizinhos –, o considerado cidadão espartano, entre outras coisas, era o que estivesse pronto para a guerra, em uma sociedade altamente excludente e moralmente aquém de seus contemporâneos atenienses, mais evoluídos em termos artísticos e filosóficos.
Ainda anteriormente, em algumas tribos paleolíticas que habitaram ao redor do mundo, como ainda o há em pequenos focos, abandonar os mais velhos a própria sorte era uma forma de garantir a sobrevivência do bando, uma vez que estes eram considerados um peso aos demais. Incapazes de caçar e necessitando de cuidados maiores, entravavam-lhes o movimento nômade que lhes era característico, na busca de zonas com maiores recursos alimentícios.
Contemporaneamente, uma visão utilitarista do indivíduo – classificado apenas por sua capacidade de produção, ou então de “constituir biografia”, conforme alguns controversos filósofos contemporâneos – ganhou corpo junto à visão materialista que instaurou-se nos meios médicos e científicos em meados do século XIX. Materialismo, este, decorrente do movimento cientificista, interessado em exaltar alguns ramos da ciência mecanicista como expressão máxima da realidade, na verdade, em interpretação limitada e unilateral de ambas.
Por este viés, a vida nada mais se constitui do que um caminhar preciso em direção a morte, à finitude, onde dar-se-ia o encerramento total daquilo que o indivíduo um dia foi. Em revolta declarada aos dogmas impostos pela religião controladora, como principal motivo, a ciência ganhava em técnica e perdia em sabedoria, em espiritualidade.
Em algumas correntes radicais (mas não hegemônicas) da bio-medicina e da filosofia da ciência contemporânea (ex: Francis Crick e casal Churchland), seriamos assim considerados robôs biológicos, onde nossas mentes deixam de existir com a morte do cérebro e dos sistemas cardíaco respiratório. Descartáveis, portanto, quando em vias de inutilizarmo-nos fisicamente, por esta visão.
Em contraponto, uma série de renomados cientistas vêm propondo uma visão diferente do aspecto mente e cérebro, desde o próprio René Descartes (pai do mecanicismo-cartesiano), a nomes atuais como Karl Popper, Pin Van Lomel, Mario Beuregard, entre outros. Impulsionados principalmente pelas chamadas Experiências de Quase Morte (EQM), onde pacientes ressuscitados verbalizam uma série de vivências fora do corpo físico, caracterizadas por conteúdo paradoxal. Nestas vivências, relatam encontros com parentes desencarnados, saídas do corpo, e relatos de procedimentos cirúrgicos discutidos junto a eles ou em salas separadas.
Podemos considerar como o início de uma mais expressiva consideração da vida após a morte nos meios médicos e científicos. Tal constatação, que ganha espaço aos poucos em nossa sociedade, vem trazer-nos uma série de reposicionamentos em nossa forma de viver e ver a vida. Traz consequências inevitáveis para assuntos contraditórios, por vezes tidos como “liberalizantes”, tal os flagelos da drogadição, do aborto intencional e da interrupção ativa da vida em intervenções hospitalares, como no caso da eutanásia e do suicídio assistido.
A descoberta da dimensão espiritual – faixa primordial da realidade que a todos cerca – vem a somar-se com destacada importância às debatidas dimensões psicológicas, biológicas e culturais do ser humano, encadeando-as para uma compreensão ainda mais ampla, complexa e integral do fenômeno da vida.

O efeito da eutanásia sobre o Espírito desencarnante

André Luiz, médico desencarnado na primeira metade do século XX, nos relata um interessante caso, através da psicografia de Francisco Cândido Xavier, onde é possível sentir-se os efeitos atordoantes do desligamento abrupto entre espírito e corpo, através da eutanásia. Se encontrava a equipe de André Luiz na esfera espiritual da vida, cooperando cirurgicamente para o desenlace de Cavalcante, moribundo, com vistas a diminuir o impacto que sentiria com seu falecimento iminente, que se daria de forma natural em algumas horas.

“O clínico, todavia, não se demorou muito, e como o enfermo lutava, desesperado, em oposição ao nosso auxílio, não nos foi possível aplicar-lhe o golpe extremo. Sem qualquer conhecimento das dificuldades espirituais, o médico ministrou a chamada “injeção compassiva”, ante o gesto de profunda desaprovação do meu orientador [espiritual].
Em poucos instantes, o moribundo calou-se. Inteiriçaram-se-lhes os membros, vagarosamente. Imobilizou-se a máscara facial. Fizeram-se vítreos os olhos móveis.
Cavalcante, para o espectador comum, estava morto. Não para nós, entretanto. A personalidade desencarnante estava presa ao corpo inerte, em plena inconsciência e incapaz de qualquer reação.
Sem perder a serenidade otimista, o orientador explicou-me:
– A carga fulminante da medicação de descanso, por atuar diretamente em todo o sistema nervoso, interessa os centros do organismo perispiritual. Cavalcante permanece, agora, colado a trilhões de células neutralizadas, dormentes, invadido, ele mesmo, de estranho torpor que o impossibilita de dar qualquer resposta ao nosso esforço. Provavelmente, só poderemos libertá-lo [do corpo] depois de decorridas mais de doze horas.
E, conforme a primeira suposição de Jerônimo, somente nos foi possível a libertação do recém-desencarnado quando já haviam transcorrido vinte horas, após serviço muito laborioso para nós. Ainda assim, Cavalcante não se retirou em condições favoráveis e animadoras. Apático, sonolento, desmemoriado, foi por nós conduzido ao asilo de Fabiano [local na espiritualidade], demonstrando necessitar maiores cuidados.”
(André Luiz. Obreiros da Vida Eterna. Psicografia de Francisco Cândido Xavier. Cap. 18. FEB, 2011)

Assim, como em diversos exemplos, o corpo morre, mas a alma prossegue, com sofrimento maior ou menor conforme o apego com o corpo ou a sutilização dos laços espírito-matéria. As horas finais de Cavalcante não apenas eram-lhe necessárias para reflexões conclusivas desta encarnação (conforme maiores informações na obra em questão), como pudemos compreender que a própria interrupção arbitrária da vida em injeção letal gerou-lhe grande mal-estar desnecessário.

Medida preparatória

Considerando a importância dos momentos derradeiros do ser, ainda que dolorosos, relatemos aqui determinado caso narrado por um dos médiuns de nossa seara de atuação espírita. Encontrava-se sua família a duras lágrimas em vista de sua avó, que devido a problemas vasculares seguidos de parada cardíaca adentrou-se em coma profundo, carregando todos a um estado crônico de espera angustiosa entre a vida e a morte.
Após meses nesta situação, os familiares obtiveram auxílio em atividade mediúnica, onde os venerandos orientadores informaram a condição da enferma: estava em processo preparatório que lhe definiria, na verdade, a qualidade de sua entrada completa no mundo dos Espíritos. Amada por todos os familiares, trazia, porém, determinado caráter combativo e exigente, muitas vezes marcado pelo rancor. A senhora, naquele momento, defrontava-se com inúmeros perseguidores espirituais que lhe acompanhavam em vida, e que esperavam seu desencarne para dar continuidade a processos obsessivos mais severos. Movidos, estes, pela ideia da vingança, por conflitos de vidas passadas.
Seu período de coma, que durou mais de ano e meio, seria uma intervenção da espiritualidade superior em seu proveito, devido a outros méritos seus. Afastada parcialmente do corpo pela situação em que se encontrava, a irmã antevia o mundo espiritual com maior clareza, teimosa mas assustada, e deliberava com seus mentores a mudança de estado mental em que se arraigava. A situação a se definir, portanto, clamava pela prece de todos.
Nosso colega, na época em despertar abundante de suas faculdades mediúnicas, evitava injustificadamente a visita ao leito hospitalar da avó amada. Após ponderar com clareza, aquiesceu em encontrá-la, ainda temendo maiores abatimentos psicológicos. A visão da senhora inerte, no entanto, lhe despertou profunda compaixão. Captando-lhe as emanações mentais, deu início quase que imediatamente a processo telepático involuntário, em que visualizou a enferma um pouco mais resoluta de sua passagem, mas apegada apenas a preocupações com determinada filha que lhe dependia financeiramente e afetivamente, em situação psicológica um tanto emaranhada.
Tal informação, que até então era ignorada por este companheiro, foi comunicada aos membros próximos do grupo familiar, que tomaram por resolução educar a parente a autogerir-se. Em conversa junto a senhora em coma, uma de suas filhas pediu que não se preocupasse com isso, pois todos dariam o devido auxílio emocional a outra filha, que não ficaria sozinha no mundo.
Dentro em breve, a senhora abandonava o corpo físico, rumando definitivamente para a Vida Maior, mais esclarecida e preparada. Nas primeiras horas após o desenlace, ainda foi-lhe permitido despedir-se do neto (o colega em questão), desta vez através do processo de clariaudiência, com emocionantes palavras que lhe marcaram o íntimo, a atestar-lhe a vida após a morte.
Tão digna é a vida em suas inúmeras manifestações! Ainda que debatemo-nos com seus impositivos ela visita-nos com novos ares de esperança confirmando a importância de sermos pacientes e confiantes em nossas caminhadas. Como no caso exposto, o caminho da senhora se cruzava aos demais, não isentando-a de seu livre arbítrio e individualidade, mas convidando todos a elevarem-se em conjunto, no abandono das atitudes errôneas do passado que tenham vindo a delimitar a necessidade coletiva de tamanha expiação.
O valor da família, consanguínea ou espiritual, fortalece-nos a caminhada. O convívio pode ser desafiador, por vezes, ainda assim é sempre tempo de esperanças, pois o Espírito prossegue, defrontando-se com aquilo que abandonou, descobrindo tesouros na alma onde jamais esperava encontrar.
Cabe a família, portanto, o dever de buscar elevar-se mutuamente, não dependendo uns dos outros para a tarefa que compete ao indivíduo, mas buscando apoiar-lhes nas dores, suportar-lhes os confrontos, impulsionar-lhes ao bem, em proposta de benefício a todos. Neste meio, nossa visão da vida – materialista e orgulhosa, ou pautada na transcendência do espírito e valorização do outro – influi muito na forma como lidaremos com as situações limites.
Como Espíritos em regime de encarnação momentânea, nossa sublime caminhada ascensional, como não se restringe a nossa encarnação atual, não raro tem encontrado dificuldades de ser valorizada em nossas metas pessoais, tão esquecida frente aos “chamados do mundo”, assim que adentramo-nos na reencarnação e na vida diária. Esquecemos assim, com facilidade, aquelas diretrizes nobres assumidas por nós mesmos frente a perspectiva de uma nova vida no mundo. Afogadas no inconsciente, tendem a ressurgir em propostas criativas, em ensejos de elevação moral e aquisição cultural, ou então mediante dores afligentes, conforme nossa surdez aos seus chamados anteriores, ou conforme o plano inevitável para experiências libertadoras.
O Espiritismo vem convidar-nos ao reconhecimento dos seres espirituais que somos, anteriormente, concomitantemente e após a visita ao corpo denso através da reencarnação. Ao contrário do que pensam alguns, nossa vida espiritual não começa no desencarne, visto que a vivemos desde já, apesar de a percebermos de forma confusa, ofuscada pelo efeito da matéria e do esquecimento natural das vidas passadas. Somos verdadeiros dínamos de energia a irradiar nossos pensamentos e sentimentos ao nosso redor, em um intenso intercâmbio com os seres desencarnados que nos cercam, podendo estes se afinar a nós com propostas elevadas ou não.
É como se a sintonia espiritual em que nos encontramos, decorrente de nossos atos e reflexões morais, constituísse a verdadeira “matéria” que nos reveste, influenciando nosso corpo físico, nossa dinâmica de atração ou repulsa nos convívios sociais e até mesmo os rumos de nossas mais profundas inquirições, independentemente de quão puramente racionalizados nos imaginemos. É neste contexto que devemos voltar nossa atenção para as qualidades íntimas do Ser atentando aos sentimentos e pensamentos que lhe caracterizam, pois influem no grande momento da transição, ocasionado pela morte física.
Uma passagem “bem sucedida”, com o esforço possível em elevar-se o pensamento pelo grupo familiar, confere àquele que parte maior cabedal de proteção, uma vez que mais dificilmente sentirá à distância os sentimentos coletivos de revolta e pessimismo que lhe embargariam a adaptação ao mundo espiritual. Não pensemos que isto se trata de desdém pela morte ou pelos seres queridos, dos quais sempre sentimos a falta, mas proposta sincera e resignada de reeducação espiritual, no lento acostumar-se em encarar a vida como continuidade. Proposta difícil, por vezes, porém meritória, a gerar frutos para nós e para aqueles que nos cercam.
Tão rico o valor do minuto daquele que se encontra nos ímpares estados de aflição, ainda que isso estranho nos pareça. Quão consoladoras podem ser as visitas de entes queridos, tomadas por “alucinações do momento final” – uma vez que passa-se a ver e cumprimentar aqueles que “já se foram”. Como nos conclama O Evangelho Segundo o Espiritismo, façamos o máximo para lhes diminuir as dores, porém jamais cessemos a vida.
Não raras vezes é o minuto que o ser precisa e merece para realinhar-se momentaneamente em vias de adentrar a pátria espiritual com maior desprendimento das dores que passa, maior perdão para com a vida, maior preparo junto aos seres amados que lhe esperam em festa.
A mediunidade, atestando a continuidade das consciências ao esfacelamento do corpo, abre aos campos científicos, religiosos, éticos e filosóficos toda uma gama de reflexões paradoxais, que convidam-nos a uma mudança profunda de entendimentos.
As comunicações de nossos queridos desencarnados desvelam-nos outro lado da vida, salientando causas e efeitos que para nós passam constantemente despercebidos, mas que, para eles, são fatores altamente determinantes: a influência que exercemos uns sobre os outros através das correntes de pensamentos; a ininterrupta ação dos espíritos desencarnados sobre a vida daqueles que ainda transitam na carne; o estado de consciência a que nos deparamos segundo os apegos, vícios ou virtudes a que nos entregamos em vida; as próprias reflexões do ser em vias da eternidade…
Uma vez que conferimos a realidade da vida após a morte, em suas múltiplas expressões, torna-se impossível nos mantermos alheios às perspectivas esclarecedoras que surgem, senão voluntariamente presos à ignorância sobre nossa própria natureza. As reflexões acerca das graves consequências da eutanásia ao indivíduo, na família e na vida total, encontram-se entre os chamados de nossa Era, convidando-nos a harmonizar diretrizes sociais com o equilíbrio intelecto-moral que nos é possível adquirir.

Autor: Alexandre Fontoura dos Santos

Artigo: O papel dos pais na atualidade

familia
Cada vez mais nos deparamos com conflitos familiares decorrentes de ausência de limites entre pais e filhos, dificuldades de um dos pais ou de ambos em assumir a paternidade frente aos filhos (muitos terceirizam esta função), bem como a falta de maturidade frente ao comprometimento diante da construção e condução de uma família.
No capítulo XVII do Evangelho, segundo Espiritismo, mais precisamente, nas instruções dos espíritos, Lázaro refere na fala do DEVER:
O dever é a obrigação moral, primeiro para consigo mesmo, e depois para com os outros. O dever é a lei da vida: encontramo-lo nos mínimos detalhes, como nos atos mais elevados. Quero falar aqui somente do dever moral(…)Na ordem dos sentimentos, o dever é muito difícil de ser cumprido porque se encontra em antagonismo com as seduções do interesse do coração. O dever íntimo do homem está entregue a seu livre arbítrio(…)O dever começa precisamente no ponto que ameaçais a felicidade ou tranquilidade do vosso próximo, e termina no limite que não desejaríeis ver transposto em relação a vós mesmo(…)O dever é o resumo prático de todas as especulações morais. (…)O homem que cumpre o seu dever ama a Deus mais que as criaturas, e as criaturas mais que a si mesmo, é a um só tempo, juiz e escravo na sua própria causa.
E a paternidade assumida pelo livre arbítrio deve ser entendida e exercida como um dever moral assumido.
Sabemos que, ainda no plano espiritual, ao fazermos nosso planejamento reencarnatório, nos comprometemos a enfrentarmos vários desafios e a exercer muitas funções no plano terrestre. Oportunidades de reparações e resgastes naquilo que não conseguimos concluir ou realizar nas encarnações anteriores.
Segundo Walter Barcelos, no livro Educadores do Coração, (Cap.10 O pai espírita, p.75)
O espírito retorna à Terra, graças à fusão dos elementos genésicos do pai e da mãe, que transferem suas cargas hereditárias biológicas para a formação de um novo corpo. Através desse maravilhoso fenômeno da natureza, Deus quer mostrar que os filhos devem ser dirigidos para o bom caminho, com esforço educativo de ambos os genitores.
O homem e a mulher possuem traços psicológicos diferentes que determinam funções também diferentes, mas que são complementares e necessárias a formação da personalidade da criança. Logo, o papel de cada um é de fundamental importância. Mesmo em casamento desfeitos o comprometimento e a responsabilidade frente aos filhos permanece inalterável, condição não seguida em muitas famílias.
Aspectos a serem observados pelos pais na busca de uma relação sadia com os filhos:
*Os pais provêm não só o material, mas o afeto, os cuidados com: saúde biopsicossocial; a formação intelectual, moral e espiritual;
*a responsabilidade da educação dos filhos é insubstituível;
*a relação e diálogo entre pais e filhos tem que envolver transparência e verdade;
*as trocas afetivas na convivência acontecem numa ordem de pais amigos e não de amigos pais;
* a imposição de limites é fundamental para uma educação eficiente
*a importância de alternar no cotidiano da vida, momentos das tarefas e responsabilidades a cumprir com momentos de lazer, de brincadeiras, de leveza, vivenciando pais e filhos, cumplicidade e parceria.
A responsabilidade dos pais é intransferível, não pode ser terceirizada à Escola, nem a profissionais que cuidam ou tratam as crianças. A função da família é fundamental e essencial na construção da personalidade da criança.
E quanto mais essa família for estruturada e sadia, mais chances a criança terá de desenvolver-se também de uma forma sadia e feliz.
Atualmente existem novas famílias constituídas por pais do mesmo sexo, ou por um só responsável (pai ou mãe), ou com filhos adotados, ou por um segundo casamento onde os filhos dessa união convivem com os irmãos das uniões anteriores. As responsabilidades e comprometimentos desses pais nessas novas famílias se mantém da mesma forma que nas tradicionais.
Uma relação que tem por base o respeito ao ritmo, às diferenças e ao tempo de cada um irá contribuir na formação de um ser mais sadio, necessidade cada vez maior em nossos tempos atuais.
Os pais precisam entender que o exercício da paternidade é uma missão e a eles cabe vivencia-la, pois só assim seguirão construindo seu progresso espiritual.

Autora: Beth Schuck

Artigo: Turbulência Nas Relações: Como minimizar o impacto da separação nos filhos pequenos?

filho-de-pais-separados
As relações, especialmente as de origem mais íntima como a familiar, oferece-nos grandiosa oportunidade de maturação interna, visto que no convívio com o outro nos deparamos constantemente com nossos próprios complexos, tendo de desenvolver métodos de lidar com eles. O divórcio, em nossos tempos, tem servido muitas vezes como válvula de escape diante das pequenas frustrações e dificuldades do dia-a-dia. Não obstante, quando os conflitos passam a pesar mais do que o crescimento na relação, trazendo muitas vezes prejuízo, não só ao casal, mas ao desenvolvimento dos filhos, apresenta-se como alternativa saudável de retomada do equilíbrio emocional.

Neste caso, aos pais cabe o discernimento de:

– evitar discussões perante as crianças, conversando a sós em momento próprio;
– tomar a decisão a dois e somente depois, com calma, informar aos filhos;
– jamais perguntar aos filhos o que acham que deveria ser feito (pois esta é uma forma de atribuir-lhes a responsabilidade pelo divórcio dos pais);
– jamais dizer aos filhos que a separação está se dando por culpa deles;
– esclarecer o quanto a relação da mãe ou do pai com os filhos continuará a mesma, ainda que em configuração de lares diferentes;

Não existem temas inabordáveis que o amor não possa discutir e esclarecer. O lar, ainda, não somente é a base da sociedade, mas também uma escola, na qual os exemplos penetram mais do que as palavras e constituem a base das relações futuras das crianças ali presentes. “Os pais são como um espelho que reflete a imagem da realidade que sempre servirá de orientação aos filhos”.*

Recomendamos, por fim, a busca de apoio profissional quando necessário, pois muitas vezes se iludem aqueles que pensam que ao trocar de parceiro encontrarão a felicidade, já que carregamos a nós mesmos onde quer que nos encontremos ou com quem estejamos. O autoconhecimento, o respeito a si e ao próximo são ferramentas de combate ao egoísmo e ao orgulho, que podem auxiliar o sujeito em sua caminhada rumo à individuação** e ao convívio harmônico com o outro.

* Joanna de Ângelis, no livro “Constelações Familiares”
**termo criado por CG.Jung para definir o processo de integração do ser humano, o “ser quem se é”.

Michelle Ponzoni dos Santos
Psicóloga, Psicanalista, Terapeuta Junguiana

Artigo: Alienação Parental: Triste Capítulo Da Violência Contra A Criança

446596-sindrome-da-alienacao-parental-1
Chamamos alienação parental quando o filho é usado por um dos genitores como instrumento de agressão com relação ao outro. É uma forma de violência contra a criança que, infelizmente, passa muitas vezes desapercebida e é mais comum do que se pensa.

Fique atento aos sintomas:

– não comunicar ao outro genitor fatos importantes com relação à vida da criança e tomar decisões sozinho;
– exercer excessivo controle com relação aos momentos em que a criança deve estar com o outro genitor (criando inúmeras atividades para o mesmo dia, tornando-o extenuante, por exemplo);
– “esquecer” de dar recados que o outro genitor ligou, etc., descuidar presentes dados por ele, gerando sentimentos na criança de que o pai ou a mãe não dá importância a ela;
– obrigar a criança a optar entre um dos genitores;
– mostrar desagrado diante do contentamento da criança com relação ao outro genitor;
– desqualificar o outro constantemente;
– tornar a criança espiã da vida do outro genitor.

A criança, nestas situações, tende a apresentar manifestações de raiva com relação ao genitor alienado, distanciamento físico e emocional e nutrir sentimentos que não estão de acordo com a realidade. A perturbação pode gerar também inúmeros transtornos de aprendizagem e sociabilização na escola. São mais propensas a desenvolver, futuramente, quadros de transtornos de humor, dependência química, baixa autoestima, suicídio, dificuldade em criar elas próprias vínculos e relacionamentos saudáveis.

Evidência de uma sociedade ainda primitiva no que tange a lidar com emoções, as manifestações de vingança e violência ainda persistem, quando não diretas, de modo sutil. Quem sofre, geralmente, são aqueles que deveriam ser os mais protegidos e amparados: os filhos.

Deve-se evitar sempre expor os pequeninos às discussões, mantendo em primeiro plano a responsabilidade para com eles. Independentemente da situação entre os pais, a criança precisa saber que continua sendo amada por ambos, jamais sendo transformada em cúmplice dos desajustes afetivos dos mesmos.

Michelle Ponzoni dos Santos
Psicóloga, psicanalista, junguiana

Projeto AME Muito!


A Associação Médico-Espírita do Rio Grande do Sul atua em diversas frentes de trabalho, alicerçadas no tripé Ensino-Pesquisa- Assistência. Cada vez mais procuramos desenvolver atividades em benefício dos mais necessitados, de forma voluntária e gratuita, conforme nos exemplificou o Mestre Jesus. Se você dispõe de algum tempo livre e de boa vontade e deseja colaborar, atuando com suas habilidades ou recursos profissionais, deixe-nos saber como podemos lhe colocar em contato com nossas frentes de trabalho. Preencha o formulário abaixo com seus dados e intenções de colaboração.

ame muito

Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade vol 3

Conectando 3 frente

Chegamos ao terceiro volume da Série Conectando, ges¬tado em 2012 e concluído agora, e fazendo novamente a cone¬xão entre ciência, saúde e espiritualidade.
Este terceiro volume, dividido em três partes, retoma al¬gumas abordagens já exploradas nas obras anteriores e se de¬bruça em temáticas de grande relevância no momento atual que vive a humanidade.
A evangelização na infância e na adolescência, a questão da diversidade sexual, os desafios evolutivos na convivência em família, a personalidade humana e a inteligência espiritual, as crianças com necessidades especiais, os conflitos humanos, o cuidado humanizado e os avanços científicos nas áreas da neurociência e da genética, entre outros.
De forma inédita, trou¬xemos a público e escrito a seis mãos, sem contar com as do mundo espiritual, um Resumo Biográfico dos Espíritos Orien¬tadores do Movimento Médico-Espírita no Rio Grande do Sul e finalizamos com uma singela homenagem à memória de Marlene Nobre.

Como adquirir?

Livraria e Editora Francisco Spinelli
Site: http://www.livrariaspinelli.com.br/

Na sede da AME-RS (Associação Médico Espírita do Rio Grande do Sul) – Turno da Tarde
Endereço: Rua Alcydes Cruz, 379, bairro Santa Cecília, Porto Alegre-RS
Contatos:
. Email: contato@amergs.org
. Telefones: (51)3279-4463 e (51)3279-4457

Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade vol 2

conectando ciencia saude e espiritualidade_2014_capaISBN

A AMERGS deu continuidade a “Série Conectando” em 2014, com mais um volume lançado pela Editora Francisco Spinelli. Essa obra reúne diversos autores que apresentam relevantes contribuições à conexão entre ciência, saúde e espiritualidade, divididas em três grandes áreas: Conexões Conceituais, Conexões Clínicas e Conexões Terapêuticas, perpassando assuntos como a história e os mitos da complexa relação entre Saúde e Religião, as evidências científicas da consciência extra-cerebral, Homeopatia, as chamadas terapias de vidas passadas, o aborto e suas consequências, etc. Os temas aqui abordados foram fruto de 18 anos de amudurecimentos e estudos dos autores, tendo por base os sólidos alicerces da Doutrina Espírita, de Kardec `a André Luiz.

Como adquirir?

Livraria e Editora Francisco Spinelli
Site: http://www.livrariaspinelli.com.br/

Na sede da AME-RS (Associação Médico Espírita do Rio Grande do Sul) – Turno da Tarde
Endereço: Rua Alcydes Cruz, 379, bairro Santa Cecília, Porto Alegre-RS
Contatos:
. Email: contato@amergs.org
. Telefones: (51)3279-4463 e (51)3279-4457

A Vida Entra em Cena

A vida entra em cena_capa final

A vida imita a arte e o cinema transpõe para a tela a nossa realidade ou a nossa ficção. Desde a sua invenção, o cinema vem retratando a vida humana e inúmeras maneiras e com diferentes olhares. Doce, amargo, alegre, triste,com final feliz ou não, os filmes são uma fonte muito importante de conhecimento da realidade. “A Vida Entra em Cena”, no olhar de Carlos Durgante, levará os leitores a traçarem um paralelo entre a vida humana e as tramas cinematográficas, onde cada um de nós pode ser autor, ator, diretor ou simples espectador, pois a arte imita a vida…

Como adquirir?

Olsen Editora
Site: www.olseneditora.com.br

Na sede da AME-RS (Associação Médico Espírita do Rio Grande do Sul) – Turno da Tarde
Endereço: Rua Alcydes Cruz, 379, bairro Santa Cecília, Porto Alegre-RS
Contatos:
. Email: contato@amergs.org
. Telefones: (51)3279-4463 e (51)3279-4457

Seminário Psicologia Do Espírito: Projetos Para Um Bem Viver

Nota: Devido a necessidade de repouso para melhor restabelecimento de sua saúde, fomos informados que nosso companheiro Divaldo terá de ausentar-se de alguns compromissos assumidos na divulgação da Doutrina Espírita, incluindo o nosso Seminário Psicologia do Espírito. Rogamos a assistência benfazeja da Espiritualidade Maior ao nosso amigo Divaldo, que possa renovar suas forças neste descanso merecido. Lamentamos por um lado, mas muito felizes ficamos ao poder anunciar que nosso estimado Haroldo Dutra Dias fará a substituição em nosso Seminário Psicologia do Espírito. Em breve divulgaremos o novo programa, com as modificações previstas. Convidamos a todos, em clima de paz e serenidade, a colocarmo-nos em atitude de prece pelo nosso Divaldo, pela sua recuperação, assim como envolvendo nosso querido Haroldo em vibrações de grato acolhimento pela sua vinda em nosso seminário.
Presidência AME-RS

 

simposio_amergs_geral b

 

simposio_amergs_programa b

 

 

SEMINÁRIO PSICOLOGIA DO ESPÍRITO: PROJETOS PARA UM BEM VIVER
EM COMEMORAÇÃO AOS 26 ANOS DA SÉRIE PSICOLÓGICA DE JOANNA DE ÂNGELIS

PALESTRANTES:
Haroldo Dutra Dias
Alexandre Fontoura
Anahy Fonseca
Cláudio Sinoti
Gelson Luis Roberto
Jeanine Lopes
Iris Sinoti
Marlon Reikdal
Michelle Ponzoni dos Santos
Sérgio Lopes
Sheila Simões

Valores: Sócios da AMERGS 90 reais. Não sócios 120 reais. (valores somente para o seminário)
Almoço no sábado: R$ 15,00 (sem bebidas) para quem quiser almoçar no Clube Farrapos. Vagas limitadas (200 vagas)

Data: 04 e 05 de julho de 2015
Horário: Sábado- 8hs30min às 17hs
Domingo- 8hs às 12hs30min

Local: Clube Farrapos
Rua Professor Cristiano Fischer, 1331 – Bairro Jardim do Salso – Porto Alegre – RS

Nos intervalos teremos Sessão de Autógrafos com Dr. Sérgio Lopes – Livro O Còdigo do Monte e com o Dr. Carlos E. Durgante – Livro Velhice Culpada ou Inocente?

Contatos: (51) 3382-8000 / contato@amergs.org
Realização: AMERGS
Apoio: HEPA FERGS e AJERGS

INSCRICOES

 

 

 

Flyer livros seminário

Sábado à tarde: 16h às 16h30min

Lançamento e sessão de autógrafos dos livros:

Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade vol. 3 (vários autores)
Cartilha do Envelhecimento Sadio (vários autores)

Autógrafos dos livros:

As Leis Morais e o Código do Monte (Sérgio Lopes)
Aquém e Além do Tempo (Gelson L. Roberto) e Refletindo a Alma (Gelson L. Roberto, Claudio Sinoti, Iris Sinoti e Marlon Reikdal)
Velhice: Culpada ou Inocente? (Carlos Durgante)
A Vida Entra em Cena (Carlos Durgante)
Fé na Ciência (Carlos Durgante)
Práticas Complementares Para a Saúde Integral (Carlos Durgante)

Domingo pela manhã: 10h às 10h30min

Autógrafos dos livros:

Conectando Ciência, Saúde e Espiritualidade vol. 3 (vários autores)
Cartilha do Envelhecimento Sadio. (vários autores)
Aquém e Além do Tempo (Gelson L. Roberto) e Refletindo a Alma (Gelson L. Roberto, Claudio Sinoti, Iris Sinoti e Marlon Reikdal)
Velhice: Culpada ou Inocente? (Carlos Durgante)
A Vida Entra em Cena (Carlos Durgante)
Fé na Ciência (Carlos Durgante)
Práticas Complementares Para a Saúde Integral (Carlos Durgante)

 

 

 

Opções de Hospedagem

master

master2

master3

coral-logo
Coral Tower Hotéis
www.coraltower.com.br
Unidade Trade Center – Av. Protásio Alves, 2966 – Bairro Petrópolis
A partir de R$ 188,00
Unidade Express – Av Getúlio Vargas, 318 – Bairro Menino Deus
A partir de R$ 138,00

clube
Hotel de Trânsito do Clube Farrapos (dentro do local do evento)
www.farrapos.org.br / clubfarraposht@uol.com.br
Acomodação muito simples com café da manhã
Apto para 3 = R$ 150,00
Apto para 2 = R$ 120,00
Apto para 1 = R$100,00
Suíte para 3 = R$160,00
Suíte para 2 = R$135,00
Suíte para 1 = R$ 110,00
Alojamento compartilhado para 8 pessoas = R$ 50,00 por pessoa.

logo pousadanovo
Pousada Terra Sul
Rua São Francisco, 30 – Bairro Santana
www.pousadaterrasul.com.br / contato@pousadaterasul.com.br
Valores entre R$60,00 e R$130,00 com café da manhã (4 banheiros para 6 quartos)
Transporte: T1D e T1

hostel-porto-do-sol
Hostel Porto do Sol
Rua Mariante, 958 – Bairro Rio Branco
www.hostelportodosol.com.br
Quarto compartilhado para 6 pessoas = R$ 45,00 por pessoa
Sem toalha com roupa de cama e café da manhã
Individual R$60,00 cm toalha e roupa de cama
Duplo R$ 100,00 com toalha e roupa de cama
Todos com banheiro compartilhado
Transporte: 4763 – Petrópolis/PUC

Sugestão de almoço

Bourbon Shopping logo
Shopping Bourbon Ipiranga
Av. Ipiranga, 5200 – Bairro Petrópolis
Transporte: T1D e T1
A 5 minutos de ônibus do local, oferece várias opções de refeição.

Artigo: O Pensamento, Matéria Mental

pensamentoApesar  do  esforço  da  psicossomática  que   já  conseguiu  evidenciar  atravás  da  pesquisa o  que   já  se  sabia  através  da  experiência  clínica,  a  ciência  médica  ainda  está  longe  de perceber  a  importância  do  pensamento,  a  sua   influência  e  o  seu  mecanismo  de  ação na estrutura celular.

Para  termos  uma  ideia  desta  influência,  Calderaro,  um   dos  Instrutores  espirituais  de André  Luiz,  afirma  que   “diariamente,  o  ódio  extermina  indivíduos  no  mundo  com   uma intensidade  e  eficiência  mais  arrasadoras  do  que  as  de  todos  os  canhões  da  Terra atuando em uníssono.

Sem  deixar  de  considerar  a  importancia  da  fisiologia  e  a  sua  relação  com  o  meio exterior, a Medicina terá que  voltar-se, necessariamente, para as causas  fundamentais das  nossas   patologias. Mas enquanto a fisiologia  analisa os  efeitos e procura remedia-los a superficie, é na alma, no entanto, que  iremos encontrar as causas  profundas dos nossos desequilíbrios, devido as nossa criações mentais.

O  pensamento  pode   ser  visto  sob  uma  ótica  psicológica  ou  física.  Pela  primeira,  o pensamento   é   considerado   como  um   fluxo  de   ideias,   símbolos  e   associações; atividades   mentais  variadas,  tais  como  raciocinar,  resolver  problemas  e  formar conceitos.  Para  isso  a  mente  usa  os  seguintes  elementos  do  pensamento: raciocínio, memória, imaginação, vontade e sentimento. Estes elementos consistem no  agrupar e coordenar de  imagens, apreender-lhes as conexoes constituídas, a fim de as retocar e agrupar em  novas correlações mais ou   menos originais ou  complexas, de acordo com a  maior  ou  menor  potencia  intelectual  do  indivfduo.  Juntamente  com   a  capacidade  de percepção, abstração e comparação, promovem a associação de ideias.

Cada   elemento   pode   estar  mais  ou   menos  desenvolvido  em   cada   um   de   nós, promovendo  a  nossa  capacidade  de  perceber  e  de  sentir.  Sob  esta  ótica,  sentir tambem é pensar.

Através  deste  conceito,  o  pensamento  é  visto  como  uma  extensao  da  nossa   natureza íntima,  e  a  nossa   própria  individualidade  em   acão.  Pensar  é,  portanto,  manifestar  a nossa alma (mente).

As  ondas-pensamentos  são,  como  o  nome  indica,  as  energias  em   forma  de  ondas  que saem   da  nossa   mente  (espírito).  Sao  como  “fagulhas”  contínuas,  que  transportam consigo  uma  carga  de  magnetismo  espiritual,  carga  esta  que   esta  sempre  de  acordo com a  natureza  de  quem  a emite.  Estas  ondas  são  constituídas por  energia  eletromagnetica em diversos graus.

Assim, temos:

a)  Ondas   Longas  –  emitidas  pelas  impressoes  normais  do  ser  humano;  são ondas  que   se   limitam  a   sustentar  o   corpo  físico,  correspondentes   a manutenção do calor;

b)   Ondas  Médias  –  sao  emitidas  quando  estamos  num  estado  menos  comum,

como por exemplo, quando focamos a atenção, ou quando estamos sob uma tensão pacífica, por exemplo, na meditação ou na oração;

c)  Ondas   Curtas  –  sao  emitidas  em   situações  extraordinarias,  como  sejam  as emoções  profundas,  as  dores  inenarraveis,  as  trabalhosas  e  persistentes concentrações mentais, ou as súplicas aflitivas.

Por  outro  lado,  as   formas-pensamentos   ou   formas  mentais,  são   as   imagens  que criamos  no  nosso   ecrã mental  e  que   tambem  mostram  o  magnetismo  espiritual  de quem  as   cria.  Estas   formas-pensamentos   podem  obter  “vida”  nas   nossas   mentes durante um certo  perfodo de tempo, dependendo da intensidade e da frequencia da mentalização, pois toda e qualquer  imagem  gera uma associação de ideias.

As imagens mentais podem ser visuais, auditivas, tacteis, olfativas, gustativas, etc.

A imagem nunca vem sozinha;  ao  imaginarmos,  associamos a esta  imagem os  nossos sentimentos  e  significados, muitas  vezes, inconscientes.     Quando  pensamos  numa pessoa amiga, sentimos alegria ou saudade; ao pensarmos num adversário, sentimos magoa, raiva ou  ódio;  a lembrança  de  uma figura, pode  remeter-nos para o passado, podemos  associa-la  a  sentimentos que   estão  guardados no  nosso   inconsciente  e  de que, muitas vezes, nem  nos  apercebemos.

“Onde  há   pensamentos,   há   correntes   mentais  e  onde   há   correntes   mentais  existe associacao.  E  toda e  qualquer  associação e  interdependencia  e  recíproca influencia.// (Andre Luiz, in ” Nos Domínios da Mediunidade).

As  imagens mentais tem a  capacidade de  tornar claro o  entendimento e  de  ampliar  a nossa   visão de  qualquer  coisa. A  imagem fala por si. Ao  conceituarmos  um   objeto, estamos   a   limitar  esta   imagem  a   nossa   percepção;   ao   mostra-la,  cada   indivíduo percebe-a conforme a sua  capacidade.

Segundo o conceito físico, o pensamento seria composto basicamente por tres forças fundamentais, que  desempenham  funções superiores  na  mente humana:  o  corspúsculo mental, o  sentimento,  e a  vontade.

“E assim como o átomo e uma força  viva e poderosa na  própria contextura passiva, a particula de pensamento – ante a inteligência que  a mobiliza para o bem  ou  para o mal -,   embora  viva  e  poderosa  na   composição   em   que   se  derrama  do   espírito   que   a produz, e igualmente passiva perante o  sentimento que  lhe da forma e natureza para o bem    ou   para  o   mal,  convertendo-se,  por  acumulação,   num  fluido  gravitante  ou libertador,  acido ou balsâmico, doce  ou  amargo, alimentício  ou  esgotante, vivificador ou  mortífero, conforme a força  do  sentimento que  o tipifica e configura, que  pode  ser chamado, a  falta de  uma terminologia adequada, como “raio da  emoção”,  ou  “raio do desejo”,  sendo  esta  força  a  que   lhe produz a  diferença  de  massa  e  de  trajeto,  de impacto e de estrutura.” (Andre Luiz, in ” Evolucao em     ois Mundos).

“E assim que  o halo vital, ou  aura, de  cada  indivíduo, está  entrelacado  pelas correntes atômicas sutis dos pensamentos próprios ou habituais, dentro das normas que correspondem   a   lei   dos    “quanta    de  energia”    e   aos    princípios   da    mecanica ondulatória, que  lhes imprimem frequencia e cor próprias.

Estas forcas, em  constantes  movimentos sincrônicos, ou  em  estado  de  agitacao,  pelos

impulsos  da  vontade  estabelecem   para  cada   pessoa  uma  onda   mental  própria.(Andre Luiz  in ” Mecanismos da Mediunidade)

“Assim, compreende-se perfeitamente  que  a material mental é  o  instrumento subtil da  vontade,  atuando  nas   formações  da  materia  física, gerando as  motivacoes  de prazer ou  desgosto,  alegria ou  dor, otimismo ou  desespero,  que   realmente não   se reduzem  a  meras abstrações,  pois representam  turbilhões de  força em  que  a  alma cria os  seus  próprios estados  de  mentacao  indutiva,  atraindo para si os  agentes  (por enquanto    imponderáveis),   de    luz   ou    sombra,  vitória   ou    derrota,   infortunio   ou felicidade. (Andre Luiz  in “Mecanismos da Mediunidade).

Neste sentido, a ideia é um  ser organizado: o pensamento  dá-lhe a forma, e a vontade imprime-lhe a força e a direção. Na  verdade,  os  conceitos  psicológico  e  físico  dos   pensamentos  interagem,  mas   por falta  de   uma  nomenclatura   mais  adequada para  exprimir  a  nossa   ideia,  podemos afirmar que  o  pensamento  apresenta  um  aspecto  subjetivo  (psíquico) e  um  aspecto físico (material).

As ondas e as  imagens mentais (materia mental) criam um  campo eletromagnetico  a volta do  indivíduo, chamado “aura”  ou  “halo vital”, que  exprime a  natureza  íntima de cada  ser.

“Considerando-se qualquer celula em ação como uma unidade viva, tal qual um motor microscópico em  ligacão com  a fábrica mental, e claramente  compreensível que  todas as  agregações celulares emitem radiações e  que  estas  radiações se  articulam atraves de  sinergias  funcionais,  que  sao  constitufdas  por  recursos,  a  que  podemos  chamar “tecidos de forca, a volta dos  corpos de onde  saem. No  homem,  contudo,  esta  projeção  surge profundamente  enriquecida e  modificada pelos fatores  do  pensamento  contínuo  que, ao  ajustarem-se  as emanacoes do  campo celular, lhe modelam a  volta do  corpo, o  conhecido “corpo vital  ou  “duplo etereo  de certas   escolas espiritualistas,   isto  e,  um    duplicado,  mais  ou   menos  radioso,   do indivíduo.

Assim,  temos  nesta  conjugacao  de  forcas  físico-químicas  e  mentais,  a  aura  humana própria de  cada   indivíduo, interpenetrando-o,  ao  mesmo tempo  que   parece emergir dele, como se fosse um  campo ovóide apesar da  forma irregular que  apresenta,  sendo um  espelho sensível em  que  se estampam, com  sinais característicos, todos os estados de   alma  e  no   qual    todas   as   ideias  se   evidenciam,  modelando  cenas   vivas,  que perduram em  vigor e  semelhanca, tal como no  cinema.  (Andre Luiz in “Evolucao em

dois Mundos//)

“Cada mente é como se fosse um  mundo que  respira pelas ondas criativas que  emite – ou  na  psicosfera em  que  gravita para este  ou  aquele objetivo  sentimental, conforme os  próprios desejos  -,  sem   o  qual a  lei de  responsabilidade nao  subsistiria.  (Andre Luiz in “Mecanismos da Mediunidade//)

Quando frequentemente repetida, a forma mental adquire muita vida, de modo que   as vezes  persiste durante bastante tempo, mesmo depois de extinta a causa  que  a gerou. “Essa corrente  de   partfculas   mentais  sai de   cada   espírito   sob   a  forma  de   indução mental, tanto maior quanto mais amplas se  mostrem as faculdades de  concentração  e o  teor  da   persistencia   no   rumo  dos   objetivos   que   se   procurem.  (Andre  Luiz  in “Mecanismos da Mediunidade//)

“Ao emitirmos  uma ideia, passamos a  refletir as  que  se  lhe assemelham, ideia esta que   imediatamente  adquire  forma,  com   uma  intensidade   correspondente   a   nossa insistencia  em  sustenta-la, mantendo-nos  assim, espontaneamente,  em  comunicacao com  todos  os  que  partilham o nosso  modo de  sentir.  (Andre Luiz in   “Mecanismos da Mediunidade//)

Escritores como Charles Dickens e Honore de Balzac ficavam, as vezes, obsidiados pela visao  das   personagens  que   idealizavam,  ao  ponto  de   as  verem  a  frente,  como se fossem pessoas reais.

Alguns pintores, possuidores de  um  grande poder de  visualização,  chegam a substituir os modelos vivos pelas imagens retidas na  mente.

Pierre de Boismont (no seu livro “As Alucinacoes) conta a história de um pintor que conseguia, após  a fixação  do  modelo, ver a imagem com  mais nitidez do  que  a própria realidade.  Acabou  por  nao   conseguir  distinguir  as   imagens  mentais,  das   pessoas realmente vivas.

Muitas das chamadas “alucinações”, não passam de imagens mentais produzidas pelo indivfduo, e que  passam a ter “vida” no  seu  foro íntimo.

Andre   Luiz  avisa-nos   que    muitas   dessas    formas   mentais  são    confundidas   com entidades desencarnadas, quando nao passam de imagens que tomaram forma pela intensidade   e   frequencia   da   mentalização.   No   entanto,  as   formas  mentais   não descartam a presença dos  espfritos desencarnados e vice-versa.

A manutenção  constante  dos  nossos pensamentos  numa imagem ou  num sentimento, acaba   provocando  atitudes  condicionadas a  que   chamamos reflexos  mentais.

* medico, orador e presidente da Associação Medico-Espirita do Rio Grande do Sul (AMERGS).

Religiosidade na Adolescência

fe-em-deus

Embora a religiosidade e a espiritualidade sejam parte integrante da existência humana desde os seus primórdios, a sua definição se mantém controversa no meio científico (1). Por isso, alguns pesquisadores (2) entendem que, diante de seu caráter multidimensional, religiosidade e espiritualidade são mais bem compreendidas como conceitos sobrepostos, já que compartilham características em comum. De uma forma geral, a espiritualidade tem sido entendida como um fenômeno subjetivo da busca pelo sagrado, pelo transcendente, pelo divino e pelos aspectos não materiais (2, 3). Já a religiosidade tem sido compreendida, de maneira mais ampla, como um fenômeno associado à religião e seus sistemas de crenças, rituais, práticas e valores específicos à cada filiação religiosa (2) que, portanto, se caracteriza mais como uma expressão social e compartilhada.

Em um estudo muito interessante, as pesquisadoras Good e Willoughby (4) defenderam a ideia de que a adolescência é um período em que o indivíduo está mais sensível ao desenvolvimento da espiritualidade e o envolvimento com a religiosidade. Os adolescentes estariam mais suscetíveis que as crianças e os adultos a determinados comportamentos como explorar a ideias religiosas, afiliar-se a uma religião e comprometer-se com ela, além de assumir compromissos religiosos que perduram para o resto da vida.

Conforme a mentora Joanna de Ângelis, na obra Adolescência e Vida (9, p.62), “Na adolescência, os ideais estão em desabrochamento, abrindo campo para os postulados religiosos que, bem direcionados, norteiam com segurança os passos juvenis, poupando o iniciante nas experiências humanas a muitos dissabores e insucessos nas diferentes áreas do comportamento (…)”. Assim, fica registrada a importância da adolescência para o desenvolvimento da religiosidade, já que esta etapa da existência caracteriza-se como um período de sensibilidade ao espiritual e ao religioso.

Por outro lado, e tão importante quanto, percebe-se no apontamento da Mentora a importância da religiosidade na adolescência, já que a religião contribui em bem direcionar os potenciais do Espírito, conferindo-lhe segurança e recursos para o enfrentamento de suas adversidades. É o que apontam muitas pesquisas científicas, que indicam uma relação positiva entre religiosidade e comportamentos saudáveis na adolescência, assim como uma relação negativa entre religiosidade e comportamentos sociais negativos (5), como consumo de substâncias tóxicas e delinquência (6). Em outras palavras, quanto mais envolvido com a religiosidade o adolescente esteja, mais provável que ele apresente comportamentos sociais saudáveis e menos comportamentos prejudiciais ao seu bem estar físico, social, psicológico e espiritual. Os benefícios da religiosidade à saúde também são muito comumente apontados pela ciência. Conforme André Stroppa e Alexander Moreira-Almeida (7), por exemplo, um maior envolvimento religioso aparece associado a indicadores de bem-estar psicológico e também a um menor índice de depressão.

Em resumo, a religiosidade na adolescência aparece como uma importante fonte de recursos aos adolescentes, sendo capaz de fortalecer o seu mundo íntimo e influenciar de maneira saudável o comportamento dos jovens. Na adolescência, essa etapa em que “se lhe fixam os caracteres, os hábitos e se delineiam as possibilidade de enriquecimento para o futuro (9, p.6)”, “a religião desempenha um papel importante na formação moral e cultural do adolescente, por propiciar-lhe a visão da imortalidade, dilatando-lhe a compreensão em torno da realidade da vida e dos seus objetivos essenciais”.

Destas passagens de Joanna de Ângelis, podemos destacar alguns elementos essenciais, que contribuem para entendermos como a religiosidade pode beneficiar o adolescente e, sobretudo, o Espírito Imortal. Na adolescência é que se fixam os caracteres, os hábitos e a religião, como um sistema de crenças, práticas e rituais, promulga, muitas vezes, hábitos de vida saudável e comportamentos pró-sociais. Nessa etapa da vida, em que o Espírito sofre acentuadamente a influência emocional das vidas passadas, é que a religião pode ajudar o Espírito a tomar novos rumos em sua existência, abandonando velhos hábitos, através de novos que lhe são apresentados. Joanna de Ângelis (10, p.44) esclarece que “(…) desidentificando-se de hábitos milenares, fixados, alguns, atavicamente, aos painéis do ser, gerando falsas necessidades, que se tornam fundamentais, portanto responsáveis pelos sofrimentos em suas várias facetas”. A Mentora (10, p.43) ainda indica a forma de prevenção/cura desses hábitos, já que “As atitudes que caracterizam a pessoa resultam do convívio social e das aspirações cultivadas (…)”. Ao que parece, a religião permite ao adolescente o entendimento de ser imortal que é e, assim, anelar aspirações saudáveis para cultivar hábitos saudáveis em sua vida.

Cabe ainda revermos a nota feita na Questão 685 de O Livro dos Espíritos:

(…) a educação. Não a educação intelectual, mas a educação moral, e não, ainda, a educação moral pelos livros, mas aquela que consiste na arte de formar caracteres, a que dá os hábitos: porque a educação é o conjunto de hábitos adquiridos. Quando se pensa na massa de indivíduos jogados cada dia na torrente da população, sem princípios, sem freios, e entregues aos seus próprios instintos, deve-se espantar das consequências desastrosas que resultam?

As partes em destaque foram salientadas pelo próprio Allan Kardec e, ao ler a nota do Codificador em seguida das passagens citadas de Joanna de Ângelis, parece que ambos conversam sobre o mesmo assunto. Quem sabe? O importante é que o adolescente é esse ser da massa de indivíduos que são jogados a cada dia na torrente da população – e do universo adulto – muitas vezes sem recursos e sem lastro moral para o enfrentamento das adversidades da vida.

Assim, a religião pode significar o acolhimento do adolescente em sua inteireza de espírito encarnado e o norte que o conduz aos valores eternos, ao contato com o Divino e o Sagrado, libertando-o da visão materialista e estreita da vida. Como aparato educativo, a religião pode ajudar o adolescente nessa etapa de transição, em que valores morais e o senso de espiritualidade podem ser fundamentais para o engajamento saudável do jovem na sociedade.

 Autor: Guilherme Jahn, estudante de psicologia, Departamento de Saúde Mental da AMERGS.

Referências

  1. Yonker, J. E., Schnabelrauch, C. A. & DeHaan, L. G. (2012). The relationship between spirituality and religiosity on psychological outcomes in adolescents and emerging adults: A meta-analytic review. Journal of Adolescence, 35, 299–314.
  2. Miller, W. R. & Thoresen, C. E. (2003). Spirituality, religion, and health: An emerging research field. American Psychologist, 58(1), 24-35.
  3. Good, M., Willoughby, T. & Busseri, M. A. (2011). Stability and change in adolescent spirituality/religiosity: A person-centered approach. Developmental Psychology, 47(2), 538-550.
  4. Good, M. & Willoughby, T. (2008). Adolescence as a sensitive period for spiritual development. Child Development Perspectives, 2(1), 32-37.
  5. Stolz, H. E., Olsen, J. A., Henke, T. M. & Barber, B. K. (2013). Adolescent religiosity and psychosocial functioning: Investigating the roles of religious tradition, national-ethnic group, and gender. Child Development Research, 2013, 1-13.
  6. Dias, M. L. V. (2011). Religiosidade e comportamento desviante na adolescência: Dados de um estudo empírico. Revista Portuguesa de Pedagogia, 45(1), 5-23.
  7. Stroppa, A. & Moreira-Almeida, A. (2008). Religiosidade e saúde. In: M. I. Salgado & G. Freire (Eds.), Saúde e espiritualidade: Uma nova visão da medicina (pp. 427-443). Belo Horizonte: Inede.
  8. Laird, R. D., Marks, L. D. & Marrero, M. D. (2011). Religiosity, self-control, and antisocial behavior: Religiosity as a promotive and protective factor. Journal of Applied Developmental Psychology, 32, 78-85.
  9. Franco, D. (2010). Adolescência e Vida – Pelo Espírito de Joanna de Ângelis. Retirado de http://www.luzespirita.org.br/leitura/pdf/L102.pdf em Agosto de 2014.
  10. Franco, D. (2010). O Ser Consciente – Pelo Espírito de Joanna de Ângelis. Salvador/BA: Livraria Espírita Alvorada Editora.

Problemas com álcool e outras drogas: o momento da mudança à luz da parábola do semeador.

semeando3 

Sheila Teresa Carmona Simões[1]

Esta breve reflexão pretende elucidar o estágio de motivação em que se encontram as pessoas que procuram orientação na Casa Espírita para o problema da dependência química, associando seus pressupostos ao conceito da Parábola do Semeador.

Cada pessoa tem seu jeito de começar a usar e continuar usando Substâncias Psicoativas (SPA) ou drogas, como são conhecidas. Os fatores envolvidos na experimentação, uso, abuso e dependência química têm origem complexa, que se pode entender como espírito-biopsicossocial. Para desmembrar esta complexidade entendemos que somos um espírito, que moldou a reencarnação do corpo biológico através do Modelo Organizador Biológico – MOB 1, com uma estrutura psíquica e padrões psicológicos desenvolvidos no decorrer da vida e, ainda mais, influenciada pelo ambiente social, constituído pela família e sociedade 2 .

Além disso, cada pessoa tem seu jeito de procurar um tratamento quando alguém diz que ela está com problemas com o álcool e outras drogas ou ela própria se dá conta que precisa de ajuda. Isso quer dizer que nem sempre receberemos uma pessoa que estará convencida da sua necessidade de mudança do comportamento 3. Pode acontecer que ela tenha se assustado com os sintomas da abstinência ou percebeu que está correndo o risco de perder o emprego ou o ano escolar, ou ainda, um familiar a tenha trazido num momento de vulnerabilidade.

Seja qual for a razão pela procura de ajuda, a pessoa espera uma escuta atenta de suas dúvidas e emoções, quase sempre conturbadas pelas drogas. Provavelmente, ela não saberá definir seus objetivos, nem fazer escolhas claras de suas necessidades. Talvez ela não saiba que é possível sair desse turbilhão de sensações e efeitos fisiológicos causados pela droga, se ela aprender a identificar seus sentimentos e pensamentos que são disparadores da necessidade de usar e abusar das substâncias.

Joanna de Ângelis4 lembra que quando o ser deixa-se conduzir pelas manifestações primitivas de vivências anteriores malbaratadas, os pensamentos de dor, de angústia e pessimismo predominam no psiquismo, em razão de sua força desequilibradora.

Neste contexto, devemos considerar a pessoa que procura ajuda de “pessoa que sofre”, não de drogada ou viciada, e a SPA que ela elegeu para mostrar seu sofrimento de “voz da sua dor”. Aos poucos a sua própria voz vai falar do seu sofrimento e a droga vai deixar de ser o canal da sua dor. E assim, “o novo hábito se irá implantando lentamente na consciência até tornar-se parte integrante do comportamento” 4 .

Nas questões da dependência química ninguém vai convencer o outro a se tratar, por melhores argumentos que tenha. Aliás, nenhum argumento importa se não os que a própria pessoa encontrar para si mesma. Quando alguém se dispõe a escutar uma pessoa que sofre, deverá silenciar sua experiência pessoal, e sua opinião não deve ser imposta para não comprometer o canal de comunicação que se inaugura naquele momento.

Sobretudo, o motivo que faz alguém se tratar tem que emergir da própria pessoa, a fim de evitar respostas defensivas, elevando a negação do problema e o comportamento de resistência.

A partir deste entendimento foi desenvolvida a Entrevista Motivacional Breve3, uma abordagem psicoterapêutica utilizada por técnicos, que descreve uma série de estágios pelos quais as pessoas passam no curso da modificação de um problema. Por ser um instrumento desenvolvido a partir de centenas de pesquisas científicas tem sua eficácia comprovada, e seus conceitos valiosos serão adaptados neste texto para a utilização nas Casas Espíritas.

Ao receber a pessoa que sofre, o voluntário poderá perceber que a forma de falar com um não surte o mesmo efeito quando fala com outro. Principalmente, na participação de grupos de apoio, onde cada um vai entender o que é dito conforme suas condições pessoais e nem sempre há concordância entre as pessoas em relação ao o que é o problema, podendo haver entendimento diferente da situação para um e o outro não percebê-la como problemática.

Portanto, o que motiva as pessoas à mudança?

A motivação não deve ser pensada como um problema de personalidade, nem como um traço que a pessoa carrega consigo, pelo contrário, a motivação é um estado de prontidão ou de avidez para mudança, que pode oscilar de tempos em tempos ou de uma situação para outra. É um estado interno influenciado por fatores externos 3.

Na mudança de comportamento, em qualquer que seja o problema – drogas, comida, relacionamento – a estrutura da mudança parece ser a mesma. Os indivíduos passam da falta de consciência ou disposição para fazer algo sobre o problema para a consideração da possibilidade de mudança, e daí para a determinação e para efetivar a mudança ao longo do tempo 3 .

A mudança não acontece de um momento para outro, ela é um processo descrito por seis estágios que caracterizam a Roda da Mudança, conforme figura a seguir:

imagem texto sheila

Trata-se de um círculo que reflete a realidade de praticamente todos os processos de mudança, sendo por isso normal que a pessoa circule o processo várias vezes antes de alcançar uma mudança estável. Pode-se esperar que a pessoa que sofre circule de três a sete vezes antes que, finalmente, saia da roda.

Há muitas influências que podem ajudar a pessoa a mudar, como a família, o grupo de convivência, as crenças positivas sobre si mesmo, ou seja, a boa autoestima e, ainda mais, as influências espirituais de benfeitores que acompanham o esforço da pessoa.

Para utilizar a Entrevista Motivacional Breve deve-se colocar à disposição numa escuta reflexiva, com encorajamento, sempre se posicionando de maneira empática frente ao desconforto e sofrimento da pessoa. A empatia é a capacidade de se colocar no lugar do outro, aceitando o jeito e as condições que a pessoa se encontra no momento.

Para estar seguro em como agir, pode-se identificar o estágio em que a pessoa que sofre chega para atendimento avaliando os seguintes critérios:

  • PRÉ-CONTEMPLAÇÃO – neste momento a pessoa ainda não está considerando a possibilidade de mudança, pois não identifica a situação como um problema. Ela está fora da Roda da Mudança, ainda não está identificando em sua vida as situações que estejam prejudicando-a, não está pronta para mudar.

Seu comportamento é rebelde e resistente ao tratamento, pode mudar de assunto quando lhe perguntam sobre sua experiência, respondendo com agressividade e encontrando mil desculpas para não frequentar o grupo de apoio.

Esta pessoa não sabe que seu comportamento poderá levá-la a sofrer, por isso não vem sozinha ao atendimento, ou às vezes é trazida por um familiar, mas na primeira oportunidade vai deixar de frequentar.

Sugestão de procedimento: tente levantar dúvidas, para aumentar a percepção da pessoa sobre os riscos e problemas do comportamento atual, sem confrontação. Nunca afirme sua opinião, apenas ofereça reflexão em forma de perguntas e ofereça limites claros.

  • CONTEMPLAÇÃO – quando começa a considerar a possibilidade de que algo vai mal, a pessoa entra em um período caracterizado pela ambivalência. Ou seja, ela começa a contemplar ou ponderar a necessidade de mudança de comportamento, assim como pode rejeitar que algo vai mal. Se falar livremente sobre o assunto, provavelmente a pessoa ficará dividida entre motivos de preocupação e justificativas para despreocupação. Cada lado do conflito tem seus benefícios e seus custos.

Sugestão de procedimento: reflita junto com a pessoa os benefícios em mudar o comportamento e os riscos de não mudar. Se este momento fosse uma balança, faça perguntas que leve a pessoa que sofre a encontrar razões para incliná-la para o lado da mudança. Ofereça ideia para o tratamento.

  • DETERMINAÇÃO – neste estágio a pessoa começa a reconhecer que sua vida está precisando mudar. Ela percebe onde teve prejuízo com a droga, dizendo frases do tipo: “A situação está séria! Preciso fazer algo.” ou “Agora vi que estou perdendo minha família”.

A pessoa começa a frequentar o grupo de apoio decidida a fazer a mudança, apesar de nem sempre ficar abstinente. Ela está se preparando para efetivar as mudanças como se fosse uma janela de oportunidade que se abre por determinado período de tempo. Se tiver sucesso em várias áreas da sua vida, como sendo: afastamento dos amigos de uso da droga (ativa); apoio da família; consulta médica, entre outras, ela poderá permanecer determinada e seguir na Ação, e o processo de mudança continua.

Sugestão de procedimento: ajude a pessoa a encontrar as melhores atitudes para a mudança, sem imposição. Pergunte o que a pessoa acha que pode ajudar na sua recuperação.

  • AÇÃO – este é o momento de real engajamento em promover as mudanças importantes rumo à recuperação. Geralmente a pessoa cumpre o que promete, frequenta o grupo assiduamente e contribui incentivando os participantes novatos.

Sugestão de procedimento: encoraje e elogie sinceramente todos os comportamentos positivos esperados para a manutenção deste estágio.

O início da Ação é uma fase crítica, pois a pessoa ainda está vulnerável e qualquer distração poderá tirá-la do caminho da recuperação. Se acontecer um deslize e a recaída do comportamento anterior, a pessoa poderá voltar a usar a droga.

  • RECAÍDA – este evento não deve ser considerado como fracasso, mas sim, como um episódio ou ocorrência esperada no processo de mudança. O voluntário precisa estar atento para não recair junto com a pessoa e reforçar sua autoestima para poder mobilizar novas forças de reconstrução do tratamento.

Sugestão de procedimento Sugestão de procedimento: ajude a pessoa a renovar os processos de Contemplação, Determinação e Ação. Pode-se dizer que cada deslize ou recaída aproxima mais a pessoa da plena recuperação, como tentativa de impedir que as pessoas desanimem, desmoralizem-se ou imobilizem-se quando da ocorrência deste.

  • MANUTENÇÃO – após alguns episódios de Recaída e retorno à Ação, a pessoa passa a sustentar a mudança de comportamento até que seja integrada ao estilo de vida. Este é o momento de sobriedade tão esperado pela pessoa que sofre e pela família, pois a esperança em uma vida livre das drogas torna a brilhar.

A saída permanente da Roda da Mudança significa que a pessoa consegue manter-se no novo comportamento e atitude positiva em relação a si mesma e aos compromissos assumidos na família e no grupo de apoio.

Contudo, a prevenção da recaída deverá ser uma atitude constante na vida. Costuma-se dizer que o dependente químico nunca será um ex-dependente, pois estará sempre em recuperação, visto que o risco de passar por algum estresse que provoque a recaída não vai deixar de existir. Lembremos que a sobriedade é uma vitória parcial, pois o Espírito ainda guarda a marca da dependência 7.

Para integrar melhor estes conceitos podemos entender os estágios motivacionais com os ensinamentos de Jesus. O Mestre nos deixou na Parábola do Semeador um roteiro seguro para compreendermos como cada pessoa recebe as oportunidades da reencarnação para promover seu processo de evolução, elucidado por Schutel 5 quando afirma que “é a parábola das parábolas: sintetiza os caracteres predominantes em todas as almas”.

Kardec6 refere que estas palavras representam “perfeitamente as diferenças que existem na maneira de aproveitar os ensinamentos do Evangelho”, sendo muitas vezes letra morta para alguns, que não produzirão frutos.

PARÁBOLA DO SEMEADOR 6

 

Naquele dia, saindo Jesus de casa, assentou-se à borda do mar. E vieram para ele muita gente, de tal sorte que, entrando em uma barca, se assentou; e toda a gente estava em pé na ribeira. E lhes falou muitas coisas por parábola, dizendo: Eis aí que saiu o que semeia a semear. E quando semeava, uma parte das sementes caiu junto da estrada, e vieram as aves do céu, e comeram-na. Outra, porém, caiu em pedregulho, onde não tinha muita terra, e logo nasceu, porque não tinha altura de terra. Mas saindo o sol a queimou, e porque não tinha raiz, se secou. Outra igualmente caiu sobre os espinhos, e cresceram os espinhos, e estes a afogaram. Outra enfim caiu em boa terra, e dava fruto, havendo grãos que rendiam a cento por um, outros a sessenta, outros a trinta.

O que tem ouvidos de ouvir, que ouça. (Mateus, XIII: 1-9).

Ouvi, pois, vós outros, a parábola do semeador. Todo aquele que ouve a palavra do Reino e não a entende, vem o mau e arrebata o que se semeou no seu coração; este é o que recebeu a semente junto da estrada. Mas o que recebeu a semente no pedregulho, este é o que ouve a palavra, e logo a recebe com gosto; porém, ele não tem em si raiz, antes é de pouca duração, e quando lhe sobrevém tribulação e perseguição por amor da palavra, logo se escandaliza. E o que recebeu a semente entre espinhos, este é o que ouve a palavra, porém os cuidados deste mundo e o engano das riquezas sufocam a palavra, e fica infrutuosa. E o que recebeu a semente em boa terra, este é o que ouve a palavra e a entende, e dá fruto, e assim um dá cento, e outro sessenta, e outro trinta por um. (Mateus, XIII: 18-23).

O semeador somos todos nós em plena atividade de acolher, compreender, aceitar e encaminhar as pessoas que sofrem. Cada terreno representa um estágio em que a pessoa se encontra quando chega para o atendimento na Casa Espírita e o momento de vida que ela está para iniciar a mudança do comportamento-problema. As sementes são as palavras de encorajamento, reflexão e acolhimento que o voluntário oferece no grupo de apoio.

Quando a pessoa que sofre chega a Casa Espírita em Pré-Contemplação, as palavras que lhe são oferecidas são letra morta, como as sementes que caíram ao longo da estrada ressecada e são comidas pelas aves. Antes mesmo de serem semeadas, as palavras são arrancadas pela sua própria resistência e endurecimento de sua alma, por influência de companheiros da ativa e, também, por obsessores que acompanham a pessoa na sua caminhada do vício e não querem sua melhoria, pois estão sedentos para sorverem sensações da matéria 7 .

O terreno pedregoso representa o estágio de Contemplação no primeiro momento, pois acontece a semeadura quando a pessoa começa a pensar que precisa realizar uma mudança, mas ainda está ambivalente, contemplando as possibilidades sem efetuar uma mudança firme. A partir do esforço que a pessoa faça para continuar tentando se melhorar pode-se abrir uma janela de oportunidade – Determinação – mas não se engane, algumas sementes ainda serão desperdiçadas ao longo do terreno pedregoso, pois não há muita terra e as palavras poderão ser recebidas com interesse fugaz, assim, “quando lhe sobrevém tribulação e perseguição por amor da palavra, logo se escandaliza” 6 fazendo secar a semente da mudança.

O trabalho é árduo, muitos serão os empecilhos que sufocarão a vontade de se recuperar, conforme Jesus antecipou a dificuldade que todos nós enfrentaríamos em nossa tarefa de autoconhecimento 6 .

Desta forma, persistir na Ação requer de todos nós – seja qual for a batalha que estejamos enfrentando para promover a mudança desejada – persistência, disciplina e maturidade para exercer nosso livre-arbítrio 8 .

No estágio da Ação, as pessoas podem sofrer deslizes e recaídas que precisarão ser superadas com bom ânimo para não perderem os esforços realizados até agora. As recaídas são os espinhos que atrapalham o crescimento das sementes, ou seja, a manutenção da abstinência.

Finalmente a palavra é recebida com entendimento e a pessoa age com determinação na promoção da mudança de comportamento. Angelis 4 refere que “as construções mentais superiores são frutos de hábitos saudáveis, renovam-se e crescem no ser, originados do Espírito que as capta do Pensamento Divino, do qual procedem todas as forças da edificação e da realização total”.

A Boa Terra é o momento do estágio de Manutenção, quando a pessoa sustenta o comportamento de mudança, ou seja, mantém a sobriedade até que seja integrado ao estilo de vida e não venha mais a recair. A recuperação é mais duradoura, rendendo 30 e 60 por um, que representam as recaídas ao longo da caminhada.

No entanto, Jesus antecipou que será possível ter uma plena colheita frutífera em nossa vida. Nosso esforço será recompensado com a germinação de 100% das sementes recebidas na boa terra, quando a recuperação promoverá a saída permanente da Roda da Mudança, nesta encarnação ou nas encarnações futuras.

A Parábola do Semeador é um modelo seguro de esperança na recuperação do ser humano, de motivação para compreender a condição emocional que se encontra a pessoa que sofre e, sobretudo, de responsabilidade coletiva no papel do semeador, assim como de responsabilidade individual, no papel da Boa Terra.

Desta forma, precisamos ter paciência com as nossas dificuldades e com as dificuldades da pessoa que sofre, já que o semeador, segundo Jesus, não desiste às primeiras dificuldades da germinação.

O Mestre, conhecendo a natureza da nossa alma, previu que a evolução é um processo, assim como a conscientização de nossos erros e a disposição para iniciar a mudança rumo ao bem.

 

Referências

1. Hernani, G. A. Espírito, Perispírito e Alma. Ensaio sobre o Modelo Organizador Biológico. São Paulo: Ed. Pensamento – 1ª ed., 1984.

2. Angelis, J. (psicografado por Franco, D.P.) Constelação Familiar. Salvador: Ed. Leal, 2ª ed. 2009.

3. Miller, R.M.; Rollnick, S. Entrevista Motivacional – Preparando as pessoas para a mudança de comportamento adictivos. Porto Alegre: Artmed, 2001.

4. Angelis, J. (psicografado por Franco, D.P.) Vida: desafios e soluções. Salvador: Ed Leal, 11ª ed. p. 48-50, 2011.

5. Schutel, C. Parábolas e Ensinos de Jesus. São Paulo: Casa Editora O Clarim, p.34 e 35, 2000.

6. Kardec, A. Evangelho Segundo o Espiritismo – Cap. XVII, item 5. São Paulo: IDE. 63º ed., 1986.

7. Sérgio, L. (psicografado por Machado, I.P.) Driblando a dor. Brasília: Ed. Recanto, 12º ed., 2009.

8. Rohden, H. Sabedoria das parábolas. São Paulo: Ed. Alvorada,4ª ed. (19?).


[1] Psicóloga clínica, especialista em dependência química, terapeuta de indivíduo, casal e família. Expositora espírita e coordenadora de grupo de estudos da AMERGS, integrante da Sociedade Espírita Caminho da Luz – Porto Alegre.

Mensagem Espiritual – José do Patrocínio.

patria“Prudência
Aquietemo-nos! Relembram os Instrutores Espirituais.
A transição recomenda prudência.
A Pátria do Cruzeiro, com a responsabilidade de representar a fraternidade na Terra, está diante dos olhos do Mundo que aproveitando a ocasião dos jogos redescobre o Brasil.
Colocamo-nos, nesse momento, à disposição dos benfeitores, para pedir as bênçãos para nossa gente, para nossa terra, para nosso torrão Natal. E percebemos o cuidado dos Espíritos Nobres
que representam os Pais da Pátria, para zelar pelo equilíbrio, pela prudência e pela ordem.
Os benfeitores nos recomendam prudência. Aquietarmos antes de acelerarmos; paciência, antes que a preocupação maior; oração, antes que o receio.
Os nossos Amigos Maiores pedem que nos habituemos nesses dias: amanhecer orando pela Pátria; durante o dia, mentalizar a paz na Pátria; ao adormecer, orar pelo equilibro da Pátria, porque
o mundo espiritual nobre, certamente, cuidando de nós, cria as condições de defesa para que os acontecimentos ocorram com equilíbrio, para que a ordem não se deixe vencer pela desordem, para que a prudência nos conduza com equilíbrio à condução do processo das mudanças necessárias.
Os irmãos infelizes, acostumados à balburdia, à desordem no mundo espiritual inferior, querem aproveitar, também, no seu trabalho organizado, chamar atenção do mundo, para desmoralizar o grande Programa de Jesus para o Brasil.
Por isso, em nome deles, nós queremos pedir aos nossos companheiros o hábito da oração em favor da paz.
Teremos, certamente, preocupações graves que devem esperar de nós e receber das nossas orações o testemunho do equilíbrio, para que as forças do mal não encontrem espaço também em
nós.
Os espíritas conhecedores desses acontecimentos, da ação dessas criaturas infelizes, nossos irmãos, devemos estar conscientes de que representamos elos da grande corrente da Bondade que
protege o grande programa que o Cristo de Deus colocou nas mãos do povo Brasileiro.
Estejamos, pois, meus irmãos, atentos, não sejamos aqueles que multipliquem as más informações e notícias, mas asserenados, aquietados, nos liguemos aos benfeitores, nesse momento importante, para que possamos transmitir para o Mundo inteiro a nossa gente tão boa, a expectativa de um ambiente de paz e de um povo ordeiro e generoso, e sobretudo Cristão.
Orando juntos, estaremos ligando as forças vivas da bondade, que emana do coração do nosso mestre, o Cristo de Deus, estaremos oferecendo aos nossos dirigentes encarnados, aqueles homens e mulheres que têm a incumbência de zelar pelo equilíbrio e pela orientação política, econômica, social do Brasil, para que os acontecimentos, que possam ocorrer, não perturbem a generalidade da Nação, e para que o programa do Cristo se faça maior do que os transtornos, e para que, de um modo geral, todos nós contribuamos para a paz.
Mantenhamo-nos aquietados, confiantes, vigilantes e orando, entregando-nos às mãos santíssimas de Jesus de Nazaré.
O Anjo Ismael, aqui, na Federação Espírita Brasileira, organizou programa de trabalho intenso, com os espíritos que representam os dirigentes espirituais do Brasil, para estabelecer nos pontos estratégicos, em Brasília, nas demais cidades importantes do País, as defesas geradas, necessárias para a vigilância e para que a ordem não se perturbe.
Não tenhamos receios, confiemos atentos. Os momentos políticos que vive o planeta não têm como não refletir no Brasil, e representando o foco do Mundo nesses dias é importante que estejamos aqui na nossa Casa, oferecendo o melhor ambiente vibratório de beleza espiritual, para que o Anjo Ismael possa
cumprir, com o apoio dos Espíritos Nobres, o programa de Jesus.
Os momentos recomendam prudência, como dizíamos, e cuidado.
Oremos meus irmãos e mantenhamo-nos em paz.
Que Jesus abençoe a Pátria que amamos, que o Cristo de Deus ilumine as consciências das nossas autoridades, que os ambientes dos jogos sejam protegidos pelas forças da luz, e que a nossa
certeza na condução dessas energias nobres faça de nós também instrumento da paz.
Que o Cristo de Deus nos abençoe, abençoe a Federação Espírita Brasileira, abençoe o nosso País, e nos inclua no grande programa dos trabalhadores do Bem.
Abraço-vos, fraternalmente,
José do Patrocínio.”
(Degravação de psicofonia pelo médium João Pinto Rabelo, na reunião do Grupo de Assistência e
Apoio aos Povos da África, na sede da FEB, no dia 10 de maio de 2014).

Mensagem Espiritual – AME-MG

AbstratoNo Hospital Espírita André Luis, de Minas Gerais, colegas da AME-MG receberam a seguinte mensagem espiritual, através do médium Roberto Lucio Vieira de Souza:

Irmãos,
Muita paz!
Os dias que virão pedirão a todos uma mudança de posicionamento íntimo, uma nova forma de vibração.
São muitos os que se prendem a construir mentalmente uma derrocada em certos nichos da sociedade.
Creem que as lutas e a desorganização serão úteis para a mudança que veem como necessária.
No entanto, em tempo algum a desordem, a violência e o distúrbio social foram as maneiras mais adequadas para o crescimento de um povo.
São sim, condições que acabam surgindo porque os homens teimam em não escutar o chamado divino, através da doce melodia do amor.
Pensar e irradiar a desordem, crendo que sejam o caminho da “salvação”, é esquecer-se da condição divina que habita o homem e, ainda, que é possível ( e se faz necessário) construir um mundo novo, não sobre escombros, mas embasado nas suaves lições do bem e da justiça.
O Brasil vive um momento de enormes dificuldades.
Acrescer a elas as vibrações negativas, crendo que isto modificará o padrão e a estrutura da sociedade é ilusão.
O ódio, a mágoa, o mau desejo, só acrescentam mais posturas infelizes na tão complicada condição social deste povo.
É preciso vibrar harmonia, é necessário converter todas as formas negativas de agir em posturas de sentinelas do Bem.
Crer que apesar de ou com os homens, há um propósito maior para este país e para este planeta.
Não como algo efêmero.
Para isso, no entanto, é fundamental que cada criatura de forma consciente e íntima desperte-se para as nobres vibrações que emanam dos planos mais altos da vida.
Certamente que a tempestade varre a terra e, posteriormente, todos os elementos destruídos iluminados pelo sol divino regenera-se em novos terrenos produtivos e de beleza.
Entretanto, o lavrador, pelo seu trabalho honesto e fiel, pode transformar também o ambiente em melhores condições, sem que haja a necessidade da tormenta, dando ao mundo uma aparência mais sublime.
Cada qual é responsável pelo que pensa, irradia e constrói.
Cuidemos, portanto, para que a Terra e o Brasil recebam de nossos corações apenas aquilo que coaduna com os princípios divinos, os quais já conseguimos amealhar.
Que o nosso quinhão seja o da paz e do amor fugindo de quaisquer destemperos emocionais, de baixa expressão.
Jesus o Mestre dos mestres, convida-nos ao Amor. E através do Amor, no tempo e no espaço certos, alcançaremos o bem que precisamos e que se faz necessário.
Do irmão,
Raphael.

( psicografia no HEAL no dia 19/05/2014)Médium : Roberto Lúcio

Adultério

 ADULTÉRIOadultério

Allan Kardec, em O Livro dos Espíritos (questão 701), pergunta:

“Qual das duas, a poligamia ou a monogamia, está mais de acordo com a lei natural?”

E obtém como resposta dos Espíritos Superiores:

“A poligamia é uma lei humana cuja abolição marca um progresso social. O casamento, conforme os desígnios de Deus, deve estar fundado na afeição dos seres que se unem. Com a poligamia não há afeição real: há apenas sensualidade.”

Kardec complementa: “A poligamia deve ser considerada como um uso particular ou uma legislação especial, apropriada a alguns costumes, e que o aperfeiçoamento social faz pouco a pouco desaparecer”.

Grande conquista evolutiva constitui a monogamia, marcando a superação do instinto pela inteligência e pela razão – conquista esta feita mediante lutas acerbas, passo a passo na caminhada do Espírito. O sexo possui finalidades específicas, de modo que sua função não deve ser malbaratada nos jogos do prazer incessante.

Segundo Joanna de Ângelis (em Amor, Imbatível Amor) a união entre dois seres resulta de um alto estágio de desenvolvimento do Self, firmando-se na fidelidade e respeito ao outro ser que lhe serve de companheiro/a. O egoísmo, entretanto, muitas vezes derruba os vínculos do matrimônio, por necessidades sexuais de variação ou por saturação no relacionamento,

Sabemos que nem todos os dias são festivos. Nos momentos em que a dificuldade se apresente, o companheirismo e a amizade dos cônjuges deve se fazer presente refazendo a afeição.

Emmanuel (em Vida e Sexo) nos lembra uma importante passagem de Jesus, quando escolhe justamente o exemplo da mulher perturbada em matéria de sexo para fazer a inesquecível colocação “Quem estiver sem pecado, atire a primeira pedra”.

Em matéria de amor, todos carregamos os tropeços nos recessos da própria alma. Mesmo que na atual encarnação tenhamos conseguido manter conduta ilibada, devemos examinar os anseios no campo íntimo para facilmente percebermos os conflitos herdados das lutas sexuais da Humanidade, de modo a não julgar o companheiro perdido nas lutas consigo mesmo.

Entretanto, cabe sempre lembrar que o adultério ainda será classificado como patologia da alma e, com a medicação adequada, está destinado a desaparecer da Terra.

por Michelle Ponzoni dos Santos

“Será que estamos cuidando de nosso jardim?”

“Será que estamos cuidando de nosso jardim?”garden-5

Clenir Bueno

Alexandre Fontoura dos Santos

 

Não deixe de sonhar, mas enfrente as suas realidades no cotidiano.

Reduza suas queixas ao mínimo, quando não possa dominá-las de todo.

Fale tranqüilizando a quem ouve.

Deixe que os outros vivam a existência deles, tanto quanto você deseja viver a existência que Deus lhe deu.

Não descreia do poder do trabalho.

Nunca admita que o bem possa ser praticado sem dificuldade.

Cultive a perseverança, na direção do melhor, jamais a teimosia em pontos de vista.

Aceite suas desilusões com realismo, extraindo delas o valor da experiência, sem perder tempo com lamentações improdutivas.

Convença-se de que você somente solucionará os seus problemas se não fugir deles.

Recorde que decepções, embaraços, desenganos e provações são marcos no caminho de todos e que, por isso mesmo, para evitar o próprio enfaixamento na obsessão o que importa não é o sofrimento que nos visite e sim a nossa reação pessoal diante dele.

 

(André Luiz, do livro “Paz e Renovação”, Francisco Cândido Xavier)

 

Baseados nesta mensagem de André Luiz, que para nós é um convite a reflexão, busquemos situar tal tema no contexto familiar – núcleo onde geralmente vivemos nossos maiores embates e nos quais levaremos as melhores lições.

Em geral, toda relação amorosa começa com um sonho. Inicialmente, uma fantasia de encontrar a pessoa amada e, posteriormente, a realização do mesmo quando o encontro ocorre.

Quando acontece o encontro, geralmente mobilizado pela paixão, criamos novos sonhos que poderão se tornar realidade com a união de duas almas. Em geral, como nos fala Andre Luiz,  os casamentos são uniões cármicas, devido às más vivências que nos precederam. Porém,  há os que trazem no cerne o encontros de almas para engrandecimento mutuo e do conjunto. Sendo que todas as uniões também carregam consigo a possibilidade do crescimento espiritual.

Passado a fase da paixão e com a convivência, começam os conflitos. Geralmente estes ocorrem pelo maciço volume de projeções compartilhadas entre os membros de um grupo, neste caso o familiar. Vemos no nosso parceiro tudo aquilo de negativo que temos e que não reconhecemos, pela inconsciência de nós mesmos. Conferimos a eles,  os mais diferentes atributos, dos quais, nós não identificamos como nossos por desconhece-los.

Queixas mil surgem e na grande maioria das vezes a união encontra o término.

Quando não, a família cresce. Agregando mais membros que receberemos com amor na perspectiva de um ninho feliz. Porém, nem sempre isso ocorre, porque estes entes que visitam nosso lar trazem consigo seus débitos passados, necessitando expiá-los em tal oportunidade. São traços de personalidade ou características e tendências do espirito encarnante, doenças, deficiências e outros.

Na chegadas dos rebentos, em geral, tudo são flores. Mas, como em todo jardim, exige trabalho, cuidado e muita dedicação. Nem todas as pessoas estão preparadas para abrirem suas vidas, ou seja: tempo, dedicação e amor incondicional ao outro. Por mais que acreditemos que sim. Presos no egoísmo e movidos pelos nossos interesses pessoais, nem sempre dispostos a “cuidar do jardim” quotidianamente. Deixamos crescer ervas daninhas que, sem percebermos, tomam espaço indevido, exigindo de nós cuidados redobrados.

As “flores do jardim” despontam cada vez mais belas. Nossos filhos crescem e, enxergamos neles o melhor. Afinal como pais terrenos, vemos nossos filhos como nossas produções, esquecendo que são espíritos eternos, filhos de Deus, assim como nós.

Porém, com o crescimento, aparecem também as dificuldades comuns da vida.

Muitas vezes cometemos o deslize de protegê-los, querendo só o melhor para eles. Poupamos do trabalho, esquecendo que este é a ferramenta básica para o exercício do burilamento do espírito. Evitamos as frustrações ao nosso lado, deixando que as encontre no mundo, onde não serão poupados.

Outras vezes, criamos no nosso lar campo de batalha por exigir deles aquilo que não realizamos. Ora um curso superior ou uma carreira, ora atitudes que mal conseguimos ter. Através das projeções naqueles que vemos como extensões nossas, colocamos toda nosso potencial de crescimento sobre seus ombros. Brigamos, criticamos, magoamos, exigimos. Fazemos com eles tudo que não conseguimos fazer conosco mesmos.

Nestas situações esquecemos as lições do Evangelho que nos falam sobre compreensão,

afabilidade, doçura e temperado pela perseverança. Atitude, esta, das mais necessárias na construção de uma família. Porque, ao perseverarmos, construímos a cada dia em nós, e ajudamos na construção do outro. Tudo se constrói, a paciência, a amorosidade, a união, a fé, a aceitação de nós e do outro. Tudo isso à base do dialogo, construto este que é imprescindível em qualquer relação, conosco ou com o próximo.

Enfim devemos ter presente que a nossa família/jardim é responsabilidade nossa. Se fizermos nossa parte, plantando, carpindo, aguando, cuidando, dedicando tempo e trabalho, terá boa forma, mesmo tendo a presença de partes indesejadas, constituir-se-a num conjunto harmonioso. Sabedores que somos que não existe perfeição neste estágio evolutivo, mas boa vontade e trabalho para o engrandecimento e iluminação do espírito encarnado.

Lembrando que as obsessões, fenômeno natural da vida, só nos acometem de fato se expormos nosso jardim ao mal tempo/comportamento. Assim, cabe a todos contribuirmos para o estabelecimento de uma psicosfera harmoniosa no lar, saturada de pensamentos e sentimentos edificantes, a fim de não comprometer os demais membros da família com as a interferências angustiantes que resultam de nossas chagas ainda não atendidas.

O contato com as dores perpassam todas as fases da existência terrena. O que difere, no entanto, de entregarmo-nos aos padrões revoltosos ou depreciativos que nos surgem sem a busca benfazeja da auto-lapidação. E a constelação familiar, com seus problemas e virtudes, é convite constante para exercitarmos essa busca rumo ao auto-entendimento, logrado sempre em conjunto ao próximo, que também se beneficia disso.

Brasil precisa de saúde, não de médicos estrangeiros

Diante dessa iniciativa, duas questões devem ser analisadas. A primeira refere-se à sua real necessidade, e a segunda, à forma de realizá-la. A primeira questão envolve uma abordagem básica e conceitual: qual modelo de saúde pública o governo está buscando? Esse modelo atenderia as reais necessidades do povo brasileiro? São de conhecimento público  que a falta de recursos e a infra-estrutura são os dois grandes problemas  da saúde em nosso país. Há falta de leitos, de medicamentos, exames levam meses para serem marcados e realizados, pacientes não conseguem internação, ambulâncias permanecem paradas por falta de combustível, inúmeros hospitais públicos encontram-se deteriorados sem as mínimas condições para prestar atendimento qualificado.  Passam-se os anos, mudam-se os governos e continuamos vivendo diariamente com filas enormes e emergências abarrotadas de doentes, num processo crônico de desrespeito aos brasileiros e de profunda desvalorização da vida humana.

                O médico pé, na maioria das vezes, tão vítima quanto os pacientes, de uma estrutura falida e desorganizada, cruel e injusta. De que adianta ser cirurgião em um hospital com anestesista s e não ter fios cirúrgicos para operar um paciente com apendicite? De quem é a culpa da infecção que consome o paciente se ele não dispõe do antibiótico adequado para aquela  bactéria invasora? Quem é o culpado pela fila no pronto-socorro quando os honorários são tão abaixo do mercado que não se conseguem contratar médicos para o atendimento? Qual é o profissional que vai trabalhar por um salário aviltante? Não são os médicos que fazem a saúde. São vários varios profissionais que, juntos, podem promover um atendimento  de qualidade: psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais, dentistas, fisioterapeutas, recepcionistas, motoristas de ambulância, paramédicos, biomédicos, faxineiros, técnicos de radiologia e também outros profissionais que são fundamentais para que os pacientes recebam atendimento adequado. Mesmo assim, se não estiverem inseridos em um ambiente adequado e com recursos necessários, de nada adiantará.

                Contratação de cubanos

 A contratação de 6 mil médicos estrangeiros para trabalharem no Brasil não vai modificar em nada as questões básicas que afetam a saúde do País, ao contrário, servirá apenas para maquiar o problema, protelando mais uma vez a necessidade de se debruçar corajosamente sobre essa questão.

Como parte da classe médica deste país, repetimos aqui os questionamentos e posicionamentos das nossas entidades representativas: “Qual o destino dos R$ 17 bilhões do orçamento do governo federal para a saúde, que não foram aplicados como deveriam, em 2012? Por que vetaram artigos da Emenda Constitucional 29, que se tivesse sido colocada em prática teria permitido uma revolução na saúde?”

                Falta de profissionais

Os protestos ocorridos nas últimas semanas em todo o País não pedem “médicos estrangeiros”, mas um SUS público, integral, gratuito, de qualidade e acessível a todos. É preciso reconhecer que a falta de investimentos e a gestão incompetente desse sistema afastam os médicos brasileiros do interior e da rede pública, agravando a crise. Existe falta de médicos no Brasil? Não, tanto é verdade que o próprio governo tem uma política de controle para abertura de novas faculdades de Medicina. Então, por que a dificuldade dos médicos de se fixarem nas pequenas cidades? Exatamente pela falta de política pública que favoreça e dê condições ao médico de atender nas regiões mais carentes.

É muito mais fácil responsabilizar o médico pelo caos da saúde do que assumir a responsabilidade, numa clara atitude de esconder o “lixo” embaixo do tapete ou  jogá-lo no pátio do vizinho. O governo tem de ter a honradez de assumir seus erros e enfrentar as conseqüências negativas de seus atos e não impor aos médicos uma situação calamitosa que diariamente são obrigados a suportar.

O que precisamos é de uma Medicina mais humana, que passa necessariamente pelos questionamentos de ordem social e ética. Uma Medicina pautada pelo respeito à vida e ao ser humano.  Respeito pela vida de nossos pacientes, pela vida das crianças, dos idosos e daqueles que estão para nascer. Mais do que tudo, uma mudança no olhar que possuímos do outro. Um olhar que exige atenção e respeito e que só acontecerá quando conseguirmos atender às suplicas das mães que choram a dor dos seus filhos doentes, dos idosos depositados nos corredores dos hospitais, das pessoas que madrugam para serem atendidas, dos que imploram um leito hospitalar, das inúmeras queixas que nos chegam todos os dias por um sistema de saúde mais humano e justo.

Autores: Gilson Luis Roberto  (AMERGS) e Décio Iandoli Jr. (AME-Mato Grosso do Sul)

Publicado em Folha Espírita julho 2013.

Entrevista sobre Espiritualidade e Envelhecimento

envelhecimnentoEspiritualidade e envelhecimento

 

A VOICE conversou com o Dr. Carlos Eduardo Accioly Durgante.

O entrevistado da VOICE desta semana é o Dr. Carlos Eduardo Accioly Durgante, que na próxima sexta-feira, estará em Santa Rosa, quando palestrará no Centro Cívico, a partir das 20h, sobre espiritualidade e envelhecimento. Casado com Ana Claudia Moro Gonçalves, tem dois filhos: Lucas Chagas Durgante e Bernardo Gonçalves Durgante.

Médico Geriatra, pós-graduado em Geriatria e Gerontologia pelo IGG/PUCRS, especialista em Medicina Interna pela UFSM, especialista em Medicina do Trabalho pela Faculdade de Medicina de Itajubá/MG, escritor e professor de pós-graduação do Curso de Especialização em Saúde e Espiritualidade das Faculdades Monteiro Lobato, articulista da Folha Espírita, trabalhador da Sociedade Espírita Bezerra de Menezes. Autor dos livros: Planejando o Futuro; Fé na Ciência; Velhice: culpada ou inocente? e Luz, Câmera…Ação! A Vida Entra em Cena.

Dr. Durgante afirma que adora sua vida porque ama seus filhos e esposa e tem um prazer imenso em trabalhar nas áreas de envelhecimento e espiritualidade e é muito grato ao Criador por ter como filosofia de vida os princípios morais e os ensinamentos dessa doutrina consoladora que é o Espiritismo.

Qual é a historia do Dr. Carlos?

Tão simples como deve ser a história de todos nós, não podendo faltar nela personagens do bem! Sou natural de Santa Maria e com um vínculo muito afetivo a uma outra “santa”, a Santa Rosa. Aqui passei momentos marcantes da minha infância e adolescência. Meu avô materno foi juiz aqui em Santa Rosa. Tem até uma rua com o nome dele: Pretextato Accioly (Rua Dr. Accioly). Moro em Porto Alegre desde 1991.

Qual sua satisfação de fazer parte da AMERGS?

A Associação médico-espírita do Rio Grande do Sul, que faz parte da AME do Brasil, é uma associação muito atuante na seara espírita e uma via muito importante no estudo da doutrina e sua aplicabilidade na prática médica na busca de uma medicina mais humanizada e mais integral.

Sua opinião sobre eutanásia e distanasia:

Eutanásia: é a prática pela qual se abrevia a vida de uma pessoa com doença incurável de maneira controlada e assistida. Pode ser ativa quando é planejada e negociada entre a pessoa enferma e o profissional. Na passiva, a morte não é decidida deliberadamente e com o passar do tempo e a interrupção dos tratamentos, o paciente vem a falecer. Já Distanásia seria o ato de prolongar a vida de uma pessoa com doença incurável através de meios artificiais, e recursos médicos exagerados e extraordinários, prolongando o sofrimento do paciente. Nós médicos da AME Brasil somos contra qualquer tipo de eutanásia (ativa, passiva, voluntária, suicídio assistido) e não concordamos com a distanásia. Somos favoráveis à Ortotanásia que seria a ocorrência da morte no seu tempo certo sem o seu aceleramento e nem o seu prolongamento exagerado ou desproporcionado. A prática da ortotanásia leva à humanização da prática médica pelos profissionais da área da saúde, e propicia a prática dos cuidados paliativos, bem como a atuação dos cuidadores de uma forma dignificante.

Em um idoso que enfrenta uma doença prolongada, esse sofrimento físico pode contribuir para a evolução espiritual?

Chico Xavier afirmava que “Para o homem da Terra, a saúde pode significar o equilíbrio perfeito dos órgãos materiais; para o plano espiritual, todavia, a saúde é a perfeita harmonia da alma, para a obtenção da qual, muitas vezes, há necessidade da contribuição preciosa das moléstias e deficiências transitórias terrenas”. Se a forma que escolhermos para compreender as enfermidades humanas se assemelhar muito a essa visão espiritual, a doença realizaria um papel estimulador no processo evolutivo do ser humano. Ela ainda teria uma função disciplinadora e reguladora para o reequilíbrio do indivíduo, quando esse tiver sido rompido, e certamente contribuiria para a evolução desse espírito.

A fé faz bem à saúde?

O envolvimento religioso ou espiritual, independentemente do credo, seja ele evangélico, católico, budista, espírita, ou qualquer outro, desde que não gere conflitos éticos e morais a quem o professa, é capaz de promover saúde tanto física, quanto mental. Inúmeros estudos científicos têm revelado que as pessoas em geral, e os idosos em especial, mais espiritualizados ou com um envolvimento religioso mais intenso, têm mais saúde global e uma qualidade de vida mais satisfatória.

Qual a dieta espiritual equilibrada?

Essa “dieta” ou “receita” espiritual equilibrada seria exatamente o que respondi na pergunta anterior. É o que denominamos de Religiosidade Intrínseca, que ocorre com as pessoas que encontram sua motivação na crença que professam. Vivem em harmonia com as orientações e aconselhamentos dela e procuram realizar esforços pessoais para se melhorarem como pessoas, tendo como modelo os ensinamentos morais pregados pelo Cristo.

Envelhecer é mais uma oportunidade de crescimento e de aperfeiçoamento como seres espirituais que somos?

Sem dúvida alguma que sim, a necessidade da vivência da velhice no momento atual da nossa existência no planeta terra, coincide com a também necessidade desse orbe deixar de ser um planeta em que ainda prevalece o sofrimento, a dor, as desgraças, as pragas da era moderna que são o egoísmo, a ganância, as drogas, a delinquência, o terrorismo, entre outros e passar a ser um planeta de regeneração. Não estamos vivendo mais tempo (atualmente a expectativa média de vida no Brasil é de 74 anos), sem uma razão nobre. A oportunidade da vivência da velhice pode nos propiciar mais uma chance para um olhar interior, um olhar para o todo da existência. É um estágio indispensável à Completude da Vida!

Um envelhecimento bem sucedido pode ser preparado? Existiria uma “arte do envelhecer”?

Segundo estudiosos da área de Envelhecimento bem-sucedido, esse termo significa um estado ou uma situação em que a pessoa, além de não apresentar doença, possui baixo risco em desenvolvê-la; apresenta altos índices de funcionalidade física e mental com baixa probabilidade de doença e incapacidades; e uma alta capacidade física funcional e cognitiva e um engajamento ativo na vida. No momento atual em que vivemos, é possível, sim, que muitas pessoas envelheçam com essas características, mas para que isso se processe, há necessidade de um planejamento, de uma “arte de envelhecer” e essa preparação se inicia desde muito cedo na vida, desde antes da meia-idade. Um estudo científico muito interessante publicado em 2010 revelou que: “os comportamentos ou atitudes de vida na meia-idade têm significativa e substancial associação com maior longevidade , com um período maior de vida livre de doenças cardiovasculares, com uma compressão dessas e das doenças crônico-degenerativas para mais próximo do fim da vida, com uma maior qualidade de vida e com mais baixos custos com os cuidados médicos na velhice.” O segredo está em começar a se cuidar bem cedo!

O número de idosos no planeta triplicará nos próximos 50 anos, podendo-se afirmar com segurança que o planeta será dominado pelos anciãos. O mundo esta preparado para isso? Já estamos comprometidos com essa realidade, ou se faz necessária uma revolução no pensamento?

As estimativas de crescimento dessa faixa etária estão aí para que se faça esse alerta. Já existem mais idosos no mundo que crianças de até 5 anos de idade e em algumas décadas eles serão mais numerosos que jovens de até 15 anos. Se o mundo ainda não está preparado, deverá fazê-lo o quanto antes. Essa revolução “não-armada” do pensamento e das mentes humanas, precisa ocorrer em todas as sociedades, especialmente na dos países ditos emergentes, como o Brasil.

Todos temos responsabilidades social para com os velhos de nossa sociedade, amanha haveremos de querer que outros tenham para conosco esse mesmo olhar, e para isso devemos nos preparar. Na sua experiência, o que os jovens estão pensando sobre isso?

O que estão pensando eu ainda não sei, mas devem começar a pensar em suas velhices. Os dados de estudos estatísticos populacionais para países como o nosso revelam que quase 70% dos homens e em torno de 80% da mulheres , desde que em condições razoáveis a boas de saúde e sem um prognóstico de vida reduzido por alguma doença grave, chegarão aos 60 anos facilmente e ainda viverão um bom tempo! Então fica bem claro que a construção de uma velhice bem-sucedida, com poucas limitações físicas e um ajustamento psicológico e espiritual às transformações que surgirão com a velhice, será determinante para que ela venha a ser um período de vida generoso. E essa construção é por toda uma vida.

A velhice está implícita na juventude. Não é só o velho que envelhece. É durante a vida inteira que envelhecemos. Do ponto de visita espiritual, o que o senhor diria sobre isso aos jovens?

Veja um dos conceitos de envelhecimento: é a extensão lógica do fenômeno fisiológico iniciado com o nascimento e o desenvolvimento e que se encerra com a morte. O envelhecimento biológico, psicológico e espiritual é uma construção, uma edificação que se processa ao longo do tempo. Poderá ou não ser bem-sucedido. O jovem de hoje deve ter em mente que estamos vivendo um fenômeno do envelhecimento populacional global, o que significa que esse jovem tem grandes chances de chegar à terceira idade, e a questão crucial é em que condições chegará lá. Se esses que hoje são jovens, adotarem atitudes e comportamentos inadequados e prejudiciais à saúde como um todo, poderão sentenciar de uma forma negativa e em definitivo a sua velhice em todas as suas dimensões: física, psicológica e espiritual.

O que falta para que a sociedade e a família entendam o envelhecimento de seus integrantes como uma evolução e não como um peso?

Essa é uma questão muito delicada, com sérias implicações a respeito do que denominamos de Compromissos Morais. O que falta é o gesto digno de valorização a esse ciclo da vida, isso sim! Divaldo Franco afirma que “o grupo familiar é santuário de renovação coletiva, onde todos os membros se encontram para crescer juntos, reconciliar-se, aprender a servir e ampliar a capacidade de amar. (…) Reunidos novamente, devem se juntar no processo de libertação em que se encontram comprometidos.” O grande e iluminado médium Chico Xavier já dizia que “frequentemente o Espírito renasce no lar que precisa, geralmente no mesmo meio em que já viveu, estabelecendo de novo relações com as mesmas pessoas, a fim de reparar o mal que lhes haja feito”. A Espiritualidade Maior nos reúne novamente, mas muitas vezes ignoramos essa lei divina e deixamos de cumprir com os nossos compromissos morais em dignificar essa fase da existência.

O que não abre mãos na sua vida?

Da convivência familiar e do aprendizado que o Espiritismo tem me proporcionado como filosofia de vida.

Frase preferida:

Luz e Paz! Curta e com um poder imenso. Uma via de mão dupla. Luz e Paz para mim e para os irmãos de caminhada evolutiva.

O meu lugar do mundo é:

Minha casa com minha família, não há outro lugar melhor para se estar!

Uma mensagem para a nossa comunidade:

Nas palavras de Léon Denis: “Sede irmãos, ajudai-vos, sustentai-vos na vossa marcha coletiva. Vosso alvo é mais elevado que o desta vida material e transitória, pois consiste nesse futuro espiritual que deve reunir-vos todos como membros de uma só família, ao abrigo de inquietações, de necessidades e males inumeráveis. Procurai portanto merecê-los por vossos esforços e trabalhos”.